Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Roma (NEV), 12 de maio de 2022 – O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, está entre os signatários da campanha “Estamos prontos, e vocês?”. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como “Ius Scholae”, atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. A lei permitiria que homens e mulheres muito jovens que cresceram e estudaram na Itália por anos adquirissem a cidadania italiana.

A campanha foi lançada no dia 9 de maio pelo Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania. Em apenas três dias a iniciativa já ultrapassou os 500 membros. Entre os signatários, além de Garrone, também: Manuela Vinay (Chefe do Escritório Otto per Mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense). Annapaola Carbonato (Secretária Nacional da Federação da Juventude Evangélica da Itália – FGEI). Além disso, assinaram professores, chefes de instituições, cultura e jornalismo.

Para assinar, conecte-se ao site

Baixe o comunicado de imprensa:

05_12_PRESS_RELEASE_ESTAMOS PRONTOS PARA VOCÊ


A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) e seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, há muito se unem e apoiam várias iniciativas da sociedade civil para o reconhecimento da cidadania para filhos de imigrantes ou que cresceram na Itália e apenas para os ius. Entre elas, a campanha da Itália também está.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

é preciso manter a antevisão do olhar

é preciso manter a antevisão do olhar

Foto Elvis Bekmanis - Unsplash Roma (NEV), 16 de maio de 2022 – Existem remédios para o mal, o terror, as emergências, a dor? Nós perguntamos Frederico Vercellone, Professor de Estética na Universidade de Torino e Presidente do Centro Cultural Protestante. Vercellone moderou a reunião final da conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia”, realizada recentemente na capital piemontesa. “Como reconhecer e vencer o mal? Existe a capacidade intelectual e ética de olhar além da emergência contínua. É preciso manter a antevisão do olhar”, diz Federico Vercellone. É um processo que afeta tanto a política quanto a cultura, segundo o professor. “Não devemos nos deixar cegar todas as vezes pela crise atual, por mais grave que seja, mas sim ver a concatenação de causas e efeitos. As consequências. O contexto”, continua Vercellone. Talvez precisemos de “uma política capaz de observar quanto e como mudam os hábitos das pessoas. Como as necessidades mudam. Precisamos de verde, de tempo, ainda que estejamos numa época em que o tempo livre aumenta num espaço cada vez menos rico. Devemos nos insinuar nesses espaços e direcionar as perguntas das pessoas que caminham, ou deveriam caminhar, rumo à felicidade e ao desejo. Com o objetivo de realmente entender o que eles querem, por que e como. Mantendo a complexidade diante dos olhos”. O discurso não se aplica apenas à política. Também deveria se aplicar às religiões: “Estamos surpresos que as igrejas estejam vazias. No entanto, como disse o teólogo Paulo rico, os cristãos estão muito abaixo de seus deveres. Se você se torna o corpo de Cristo, deve compartilhar a violência. Nisso, da nossa parte, há uma certa fragilidade a ter em conta”. citações de Vercellone Charlotte Klonk e o livro deleTerror. Wenn Bilder zu Waffen werden” (Ed. Fischer, 2017), sobre imagens de terror que assumem o poder das armas. A representação do terror nos impressiona. No entanto, diz Vercellone, "o mais chocante não são as imagens fotográficas ou de vídeo, mas os esboços feitos em 1800 por testemunhas oculares emocionalmente condicionadas". O risco, diante da exasperação do mal, é o do vício. Vercellone, portanto, retoma não apenas o conceito de uma "política do desejo", mas também o de uma "ecologia da imagem". Novamente, pensando na obra de Klonk, precisamos de uma “revisão dos aspectos edificantes ou tóxicos” de nossa convivência com as imagens”. Temos que decidir com o que queremos viver e o que rejeitar. O professor ainda fala sobre a conferência e menciona outro livro, o de Lucas Savarino E Paolo Vineis "A saúde do mundo: meio ambiente, sociedade, pandemias" (Feltrinelli, 2021). Vinais e Savarino abordaram o tema da epidemia “como um elemento um tanto crônico de nosso tempo, também fortemente ligado à crise ambiental. Intervir na questão ambiental - diz Vercellone - é uma prioridade. Diante das crises gravíssimas da covid e das guerras, estamos tão sobrecarregados com as contingências que não conseguimos enxergar além da perspectiva de curto alcance das emergências. Mas o mundo não para. Se não percebemos a crise ambiental em curso, somos míopes. Devemos nos concentrar na complexidade dos problemas e não nos deixar cegar pela urgência. Devemos aprender a intervir nos fatores fundamentais. Do contrário, e não digo isso por cinismo, mas eticamente, viveremos uma crise perene, sem perspectivas”. As outras intervenções Vercellone volta a resumir alguns conceitos que surgiram durante a conferência: “Existe a possibilidade de reconhecer o mal como covardia ou como a incapacidade dos indivíduos de assumir responsabilidades e riscos, como ilustrado Pepino Ortoleva. Falando do Antropoceno, Christoph Wulf ele relatou como o mundo da arte é sensível a essa questão. Teólogos e filósofos falam pouco com artistas. E os artistas quase têm medo de usar palavras com este mundo. Em vez disso, seria importante criar vínculos, evidências dessa transformação que está ocorrendo na comunidade, em torno de valores a serem redefinidos”. Houve também as intervenções do pastor valdense Sérgio Manácapelão hospitalar e formador de cuidados clínicos e pastorais Enzo Bianchi sobre o enigma do mal na história do cristianismo. Dos teólogos Fulvio Ferrario e Eric Noffke. Ainda, Ariel Di Porto sobre as declinações do mal na tradição judaica. Swamini Hamsananda Giri sobre Dharma, adharma e a finitude do mal. John Balcet sobre o mercado, o poder e o mal na economia. Clare Simonigh sobre a lógica do mal na cultura visual e na mídia. O debate final, moderado pelo próprio Vercellone, contou com a participação de Simon Strong sobre “Qual é o sentido de falar sobre o mal hoje?”. Cláudio Ciancio sobre “Remoção e reconhecimento do mal". Daniele Garrone sobre "Como falar do mal sem simplificações e sem argumentar". Carlo Galli: sobre “Que mal para que política?”. Falou-se da manipulação da dor, do mal como ausência de regras, dos aspectos jurídicos, políticos e econômicos das desigualdades e injustiças, da espiritualidade e da ética. Mauro Belcastro, Maria Bonafede, Paolo Ribet e o próprio Vercellone moderaram A conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia” aconteceu de 5 a 7 de maio em Turim. Esta conferência nasceu de uma intuição do pastor Paulo RibetPresidente do Comitê Científico do Centro Cultural Protestante de Turim. Para saber mais Na página do FaceBook do Centro Cultural Protestante de Turim: as gravações da conferência, os comentários em vídeo dos protagonistas dos três dias e muito mais. Clique aqui. Abaixo, o comentário de Federico Vercellone. Abaixo do vídeo, o artigo de Emmanuela Banfo no Riforma.it Leia o artigo de Emmanuela Banfo em Riforma.it: A doença é combatida, os doentes são curados ...

Ler artigo
Há 65 anos o “não” de Rosa Parks que fez a história do movimento pelos direitos

Há 65 anos o “não” de Rosa Parks que fez a história do movimento pelos direitos

Roma (NEV), 1º de dezembro de 2020 - Em 1º de dezembro de 1955 em Montgomery, Alabama, Rosa Parques, nascido e criado em família metodista, disse um "não" que mudou a história. Ao recusar-se a ceder lugar a um passageiro branco no autocarro, deu origem a "um protesto de massas que levou à abolição da segregação racial nos Estados Unidos", como recordou hoje também a Amnistia Itália. Rosa Parks, que era costureira de profissão, tornou-se, com seu gesto histórico, A Mãe do Movimento dos Direitos Civis. Ativa no serviço voluntário de sua igreja e por vinte anos ativista da NAACP, Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor, ela tinha, portanto, plena consciência de seu gesto revolucionário. “Sempre dizem que não desisti porque estava cansada, mas não é verdade – declarou ela - . Eu não estava fisicamente cansado, assim como não costumava estar no final de um dia de trabalho. […] . Não, só estava cansada de sofrer”. Ele era o pastor batista Martin Luther Kingapós aquele episódio extraordinário, para liderar o protesto que se seguiu, promovendo uma campanha massiva de boicote de todos os afro-americanos contra o transporte público local. #RosaParks O NÃO que mudou a história. Há 65 anos, Rosa Parks se recusou a dar passagem a um passageiro branco, provocando um protesto em massa que levou à abolição da segregação racial nos Estados Unidos pic.twitter.com/fZlN6Fn0vN — Anistia Itália (@amnestyitalia) 1 de dezembro de 2020 Aqui a análise aprofundada da Rai Cultura. ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.