Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Roma (NEV), 5 de setembro de 2018 – “Libertados – conectados – comprometidos”. Estas são as três palavras-chave que acompanharão os trabalhos da VIII Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), programada para Basileia (Suíça) de 13 a 18 de setembro próximo.

O encontro trará à cidade suíça representantes de 94 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas do continente que discutirão as prioridades futuras do corpo intraprotestante. Entre os temas da agenda: pluralismo religioso na Europa, migração e comunhão eclesial, relações ecumênicas, teologia da diáspora, aprendizagem ao longo da vida. Os documentos que instruem as várias sessões estão disponíveis no site da Assembleia.

O logotipo da Assembleia do CCPE

A escolha da cidade de Basileia não é acidental: com esta Assembleia o CCPE regressa, por assim dizer, a casa. O CCPE nasceu, de fato, em torno da Concórdia assinada em 1973 em Leuenberg, cidade próxima à Basileia, documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam luteranos e protestantes reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor.

Através do Acordo de Leuenberg, o CCPE é um exemplo de sucesso do ecumenismo da “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros.

Gottfried Locher

Ao longo dos séculos, como recorda o pároco Gottfried Locherpresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça (FCES) e membro da Presidência do CCPE, Basileia foi também um “importante centro cosmopolita da Reforma Protestante e do humanismo europeu”, sede de um Concílio (1431-1481), e mais recentemente, e significativamente para o diálogo entre as igrejas de nossos dias, acolheu a Primeira Assembleia Ecumênica Européia em 1989.

A dimensão ecumênica da Assembleia será marcada também pela presença de Andrew Riccardifundador da Comunidade de Sant’Egidio, convidado a proferir uma das principais palestras da sessão.

Da Itália, o pároco estará presente na Assembleia Pawel Gajewskimembro suplente do Conselho do CCPE, e sabina baral para a Igreja Evangélica Valdense, a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), e o pároco Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Centro Ecumênico Ágape reabre

Centro Ecumênico Ágape reabre

Roma (NEV), 5 de fevereiro de 2021 – Reabre o centro ecumênico Ágape. A histórica estrutura valdense, localizada a 1.600 metros de altitude em uma aldeia de Prali, a poucos quilômetros de Pinerolo, na área da cidade metropolitana de Turim, pode de fato reabrir suas portas, após semanas de fechamento devido às restrições contra o pandemia. O centro estará aberto nomeadamente de 13 a 17 de Fevereiro próximo, para o Carnaval, com serviço de meia pensão para os hóspedes. “Por enquanto – ele confirma Lúcia Leonardi, diretora do centro - o serviço que vai ser reativado é precisamente a hotelaria, no pleno cumprimento das normas em vigor, portanto com lotação reduzida. Prevemos reabrir então com todos os acampamentos de verão, sempre com número e dias de permanência limitados. Em particular, este ano daremos prioridade aos acampamentos para crianças e adolescentes”. Iniciativas como os acampamentos serão retomadas - compatível com o andamento da emergência sanitária e as medidas relacionadas - portanto, de maio a meados de setembro, o calendário detalhado será publicado em meados de março. Vários eventos online também serão organizados em preparação para os acampamentos de verão. Entre outras coisas, a Ágape completa este ano seus setenta anos. "Estamos pensando em vários compromissos para comemorar este importante aniversário, em particular com um evento de três dias em setembro", acrescenta Leonardi. Para ficar por dentro de todas as iniciativas da Ágape: Aqui na página do Facebook. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 - Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares - para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra - fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos. Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”. ...

Ler artigo
Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Catedral de Lund (Suécia), 31 de outubro de 2016. A partir da esquerda: Munib Younan, Papa Francisco, Martin Junge Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Há dez anos, em 13 de março de 2013, foi eleito o papa "que veio do fim do mundo" Franciscoao século Jorge Bergoglio. O que mudou no movimento ecumênico em seus dez anos de pontificado? Não há dúvida de que, por meio de suas muitas viagens e encontros ecumênicos, Francisco trouxe um novo alento ao panorama estagnado das relações entre as divididas Igrejas cristãs. Gostaria de recordar algumas dessas visitas. A primeira é a da Igreja Pentecostal da Reconciliação de Caserta em 2014, uma visita "privada", mas ainda assim significativa: quando ainda estava na Argentina, Bergoglio fez amizade com seu pároco, John Traettino, e em todo caso foi a primeira visita de um papa a uma comunidade evangélica de língua italiana (seus predecessores só haviam visitado os luteranos de Roma, uma comunidade de língua alemã). Lá segundo é o encontro na Igreja Valdense de Turim, em 2015: uma visita histórica, porque pela primeira vez um papa visitou uma igreja herdeira direta da chamada "primeira reforma" do século XII, que pagou altíssimos preços em termos de repressão e perseguição sistemática. Em Turim, Francisco pediu perdão "pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos" que os católicos tiveram contra os valdenses. Mas este não é o único aspecto significativo do encontro: outro, por exemplo, é a clara afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso está muito claro no Novo Testamento”, disse o Papa, pois já então “nem todas as comunidades cristãs tinham o mesmo estilo, nem uma organização idêntica”. Em suma, Francisco fez seu o princípio ecumênico da "diversidade reconciliada", nascido no âmbito protestante. Outra visita fundamental foi a de Lund, na Suécia, em 31 de outubro de 2016, a convite da Federação Luterana Mundial para inaugurar as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. A presença do Papa em Lund deu um claro caráter ecumênico ao quinto centenário, na esteira do documento “Do conflito à comunhão. A comemoração conjunta luterano-católica da Reforma em 2017”, publicado pela Comissão Luterana/Católica para a Unidade. Finalmente, gostaria de recordar a visita a Genebra em 2018, por ocasião do 70º aniversário da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O que mais me impressionou neste encontro foi a imagem inusitada do movimento ecumênico como uma "grande empresa perdida". Hoje, de fato, todos procuram afirmar a própria identidade, e os que trabalham pelo ecumenismo parecem não proteger devidamente os interesses das comunidades a que pertencem. Mas cuidado, disse Francisco, não devemos ter medo de trabalhar com prejuízo, se for um “perda evangélica”, segundo o caminho traçado por Jesus: “Salvar os seus é andar segundo a carne; perder-se atrás de Jesus é caminhar segundo o Espírito”. O ecumenismo poderá progredir "se, caminhando sob a guia do Espírito, recusar qualquer afastamento auto-referencial". Para ouvir novamente o episódio, clique aqui: Culto evangélico na Rádio RAI 1 em 12 de março de 2023. A partir do minuto 19h37. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.