a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

A partir da esquerda, Olav Fykse Tveit, secretário geral do WCC, e Andrzej Choromanski do PCPCU. Foto Albin Hilert/WCC

Roma (NEV), 15 de maio de 2018 – “Caminhando, rezando, trabalhando juntos”, este é o lema que acompanhará a “peregrinação ecumênica” – esta é a redação oficial da visita – do Papa Francisco a Genebra, na sede da o Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), no próximo dia 21 de junho, por ocasião do 70º aniversário do nascimento do organismo ecumênico mundial.

O anúncio foi feito esta manhã ao meio-dia pelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveitdurante coletiva de imprensa para apresentação do evento. Juntamente com a Tveit, estiveram presentes na conferência de imprensa, que foi transmitida no youtube, fr. Andrzej Choromanskirepresentando o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), e Mons. Charles Morerodbispo católico de Lausanne, Genebra e Friburgo.

Segundo televisão, a visita do Papa Francisco, no 70º aniversário do CMI, constituirá “um marco na busca da unidade entre os cristãos e na cooperação entre as Igrejas. De fato, será um forte testemunho da fé cristã que compartilhamos e do compromisso comum pela paz e pela justiça no mundo”.

Pe. Choromanski – interveio para substituir o presidente do PCPUC, cartão. Kurt Kochausente por motivos de saúde -, sublinhou que a visita do Papa se qualifica como uma visita ecumênica para expressar gratidão pela contribuição que o CMI ofereceu ao movimento ecumênico nos últimos 70 anos, e também pelas muitas formas de colaboração que existem entre o CMI e a Igreja Católica Romana”, a partir do grupo de trabalho conjunto que se reúne há mais de cinquenta anos e que hoje trabalha essencialmente nas questões da paz e das migrações.

Por fim, o bispo suíço Morerod recordou como Genebra, e a Suíça em geral, aguardam com alegria esta visita que se realiza numa cidade aberta ao diálogo.

Quanto ao programa do dia: no dia 21 de junho, o Papa Francisco será recebido no aeroporto de Genebra pelas autoridades federais suíças. Em seguida, ele irá para a sede do CMI, onde participará de uma oração ecumênica; almoçará no Instituto Ecumênico de Bossey, a poucos quilômetros de Genebra e depois retornará ao Centro Ecumênico onde fará um discurso e se encontrará com os membros do Comitê Central do CMI, reunidos em Genebra para sua reunião bienal. Aqui a visita terminará, enquanto o dia de Francisco continuará com a celebração de uma missa no Pala Expo em Genebra. (Libra).

O Conselho Mundial de Igrejas é um órgão global estabelecido em 1948. Hoje ele reúne 348 igrejas anglicanas, ortodoxas e protestantes em mais de 120 países ao redor do mundo, representando aproximadamente 560 milhões de pessoas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo
O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

Torre Pellice (nev/sv06), 24 de agosto de 2023 – O direito à saúde para todos, de Norte a Sul, sem desigualdades, com maior atenção às pessoas mais vulneráveis, às novas formas de pobreza, aos cidadãos marginalizados. Isto foi discutido hoje no Sínodo Valdense em curso em Torre Pellice (TO), numa conferência de imprensa sobre os temas da agenda dos deputados reunidos nos vales valdenses. O órgão de decisão das igrejas Metodista e Valdense aprovou de facto uma lei intitulada "Para uma igualdade saudável", que sublinha a importância do serviço nacional de saúde. Ao mesmo tempo, para os valdenses é essencial proteger a saúde pública como elemento fundador da democracia. Diante, portanto, dos cortes previstos para este setor, as igrejas valdenses pedem uma inversão de tendência e uma relação entre Regiões e Estado que possa reduzir e não aumentar o fosso entre Norte e Sul, como poderia fazer a autonomia diferenciada. “Segundo o Sínodo, a questão da relação entre público e privado precisa ser revista – disse Daniel Massa, membro da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD - Diaconia Valdense) - no sentido de que cerca de 10 milhões de pessoas neste país têm uma 'sociedade mútua externa' não é apenas um elemento impróprio porque o acesso deveria ser a um sistema universal, mas também enfraquece o próprio sistema de serviço público. O sistema público universalista deve permanecer no centro”. “Até no assunto da saúde física e mental das pessoas – declarou Ciuffreda Grátisoncologista, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, deputado ao Sínodo Valdense - estamos comprometidos como leigos com uma sociedade aberta e inclusiva, que não deixa ninguém para trás e fazemos isso em nome de Jesus Cristo que menos se importava e interpretou a sua ação terapêutica em sentido amplo como sinal e contribuição eficaz para o advento do reino de Deus aqui e agora“. Amanhã, último dia do Sínodo, o Serviço Nacional de Saúde (SSN) como bem a preservar e valorizar estará também no centro de uma agenda ad hoc, ontem apresentada, que volta a falar do direito à saúde, no face a um desmantelamento contínuo do SSN e à sua privatização. Este texto refere-se também ao carácter universal desta área da vida das pessoas e sublinha a importância do serviço público de saúde, que aliás deveria ser ainda mais apoiado pelas instituições, em termos económicos e não só, também para uniformizar os serviços e o desempenho cuidados de saúde em diferentes regiões. Para rever a conferência de imprensa de hoje e todos os materiais do Sínodo: www.nev.it; www.rbe.it; www.riforma.it; www.chiesavaldese.it ...

Ler artigo
O grito de Paz.  Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

O grito de Paz. Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

Roma (NEV), 19 de outubro de 2022 - O habitual encontro internacional de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo, organizado pela Comunidade de Sant'Egidio, será realizado em Roma de 23 a 25 de outubro. Título desta edição: "O grito da Paz". O programa desenvolve-se em várias sessões e fóruns no Centro de Congressos “La Nuvola”. Na terça-feira, 25, dentro do Coliseu, às 16h30, haverá uma oração cristã presidida por Papa Francisco, na presença de representantes das Igrejas e comunidades cristãs. Outras religiões também se reúnem em oração em outros locais da cidade. A cerimônia de encerramento, novamente no Coliseu às 17h, conta com a presença de representantes de religiões e instituições mundiais. Na cota “protestante”, o presidente participa pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Daniele Garrone E Paulo Naso, ex-coordenador do programa Mediterranean Hope. Haverá também outros líderes de igrejas reformadas europeias e mundiais, incluindo Parque Jong Chun E Gillian Kingstonrespectivamente Presidente e Vice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Olav Fykse Tveit, Bispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega, ex-Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Junto com eles, também líderes ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e outros. “Enquanto as tensões e os conflitos se multiplicam no mundo, homens e mulheres de diversas religiões e culturas se encontram para três dias de diálogo e oração, para ouvir o clamor dos povos do mundo e encontrar juntos os caminhos da paz”, lê-se no site da iniciativa. A Assembleia de abertura (23 de outubro) conta com a participação, entre outros, do fundador da Comunidade de Sant'Egidio Andrew Riccardido Presidente da República Italiana Sérgio Mattarellado Presidente da República Francesa Emmanuel Macrondo Presidente da República do Níger Mohamed Bazoumdo Presidente da Conferência Episcopal Italiana Matteo Zuppipelo rabino-chefe da França Haim Korsiado secretário-geral da Liga Mundial Muçulmana Shaykh Muhammad bin Abdul Karim al-Issa. Abaixo, uma seleção do programa geral com os atendimentos reformados. 24 de outubro de 2022 09h30 – A Nuvem FÓRUM 1 – MÃE TERRA: UM PLANETA, UMA HUMANIDADE Mudanças climáticas, crise climática: além das negações, o planeta grita há tempos seu sofrimento, enquanto os eventos extremos, que sempre e cada vez mais afetaram os países mais pobres, também se tornaram a experiência cotidiana dos países mais ricos. Seca, fome, exploração da terra, grandes migrações, poluição, modelos de desenvolvimento. A resposta será global ou uma não resposta. Participe entre outros: Gillian Kingstonvice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 5 – A GUERRA DESAFIA O FUTURO DA EUROPA A Queda do Muro de Berlim deu esperança ao mundo e acelerou o caminho para a formação de uma Europa unida, para uma União como um grande ator global de estabilidade e paz. As guerras não desapareceram, mas multiplicaram-se e a guerra na Ucrânia, por si só, arrisca quebrar a globalização, a cooperação entre países e povos, estilos de vida de forma não ocasional, trazendo as suas terríveis consequências em grande parte do planeta mas também entre os europeus. Muito do futuro da Europa e do seu papel no mundo depende da capacidade de fomentar o diálogo e os caminhos da paz mesmo em tempos de guerra. Participe entre outros: Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 7 – A PALAVRA DE DEUS GERA SONHOS Na Bíblia, a Palavra de Deus é a palavra que cria, que realiza o que promete e realiza, não está distante da história, é a Palavra-que-faz a história. A história do mundo não é um tempo linear e há épocas em que é mais difícil ver e imaginar um futuro capaz de eliminar os sofrimentos e distorções do presente: "A palavra do Senhor era rara naqueles dias, as visões não eram frequentes” (I Sam. 3, 1). Na Palavra de Deus está também o segredo de não se aplanar no presente e de gerar o futuro com a imaginação de Deus e a sua amizade para cada mulher e cada homem. Participam entre outros: Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Parque Jong ChunPresidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 25 de outubro 09h30 – A Nuvem FÓRUM 10 – NINGUÉM SE SALVA: DIÁLOGO E MULTILATERALISMO EM UM MUNDO DIVIDIDO A guerra voltou a entrar com força no mundo ocidental no século XXI. Toda guerra promete ser curta e decisiva, mas todas as guerras se autoperpetuam, abrem-se para cenários impensáveis ​​antes de começarem, imprevisíveis. Dependem das decisões de poucos, mas envolvem todos. A crise alimentar, a instabilidade social e política repercutem-se agora não só nas populações dos países em guerra, nos países vizinhos, mas no resto do mundo, noutros continentes, no diálogo e nas fracturas geopolíticas do mundo . É preciso redescobrir os caminhos do diálogo e do multilateralismo para curar as feridas do mundo e reabrir o gosto pela paz. Participe entre outros: Olav Fykse TveitBispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega. 09h30 – A Nuvem FÓRUM 13 – A RESPONSABILIDADE DAS RELIGIÕES NA CRISE DA GLOBALIZAÇÃO Nas últimas décadas, a globalização unificou os mercados e aproximou as populações. A globalização inacabada encontrou-se numa luta contraditória pela livre circulação de mercadorias, mas não de pessoas e povos. A globalização quebrou, após um aumento das tensões, com a guerra na Ucrânia e suas consequências. Nunca houve uma globalização do espírito e da solidariedade, ela não cresceu junto com a riqueza produzida, enquanto as desigualdades cresceram exponencialmente. As religiões têm a responsabilidade de ajudar todos a pensarem juntos uns com os outros e não uns contra os outros, além das fronteiras pessoais e nacionais, étnicas, religiosas e sociais. Por uma nova globalização. Participe entre outros: Paulo NasoFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.