Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D’Aprile “Crises globais e assuntos de liderança” (SEB27)

Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. “O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros – escreve MIL€X – se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado”. Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”.

Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate.A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego”. É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D’Aprile é, entre outras coisas, autora do livro “Crises globais e assuntos de liderança” (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados”.

> reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mulheres da Palavra em Vicenza.  O ministério do pastor, diácono e pregadores

Mulheres da Palavra em Vicenza. O ministério do pastor, diácono e pregadores

Roma (NEV), 18 de agosto de 2020 – Apresentação do livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, publicado por Nerbini na série “Teologhe & teologie”. Na apresentação do livro, editado pelo pároco Letícia Tomassone, o pároco da Igreja Evangélica Metodista de Pádua intervirá Danielle Santoroo teólogo Dario Viviane a própria Tomassone. Mulheres da palavra. Pastor, diácono e mulheres pregadoras no protestantismo italiano É “um livro multifacetado que ilustra o panorama das diferentes experiências de mulheres que vivem o seu ministério ‘ordenado’ nas Igrejas evangélicas históricas da Itália, mais de 50 anos após a ordenação dos primeiros pastores”, lê-se na página do Facebook do evento. Uma oportunidade para “reconhecer a diferença de gênero na relação com a Palavra pregada e com a pastoral, e fazer crescer todas as Igrejas na reflexão sobre o ministério da mulher”. A participação no evento é gratuita e mediante reserva (pelo telefone 0444 321018 ou por mensagem Whatsapp - sem ligações - 347 0652236). Em cumprimento das disposições anti-covid em vigor, o acesso ao claustro é permitido com máscara, higienização das mãos e no cumprimento do distanciamento físico. O controle de temperatura aleatório será possível. Para mais informações acesse o evento no Facebook. A apresentação é organizada por Livraria São Paulo Vicenza em colaboração com oEscritório de Peregrinação da Diocese de Vicenza. Para mais informações, leia a versão completa da entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio "Culto evangélico" da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. ...

Ler artigo
“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

Roma (NEV), 15 de novembro de 2019 - Uma conferência ecumênica de estudos sobre o tema dos migrantes e das religiões. O Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) o promove novamente este ano, juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália. O evento acontecerá de segunda-feira, 18, a quarta-feira, 20 de novembro, no hotel Mercure na viale Eroi di Cefalonia, em Roma. O tema central da iniciativa será para esta edição "migrantes e religiões": queremos fazer um discurso positivo sobre a imigração - lê-se na apresentação do evento - evitando falsos des e apenas debates negativos, destacando o valor do imigrantes que se encontram em nosso país e também a contribuição que as religiões, em suas diversas expressões, dão para tornar possível a convivência na diversidade”. Pelo quarto ano consecutivo, o encontro, que contará com a presença de estudiosos e expoentes das diversas denominações cristãs, que inicialmente foi um momento de enfrentamento da CEI, tem caráter ecumênico. "Migrantes e religiões" será aberto na segunda-feira 18, após saudações de don Juliano Savinadiretor da UNEDI – CEI e a apresentação do Monsenhor Stefano Russosecretário-geral da CEI, a partir de um relatório sobre o tema principal do encontro, com as intervenções de Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH), programa de migrantes e refugiados da FCEI e da Andrew Riccardi, fundador da Comunidade de S. Egídio. Terça-feira 19 será a vez de várias oficinas temáticas: da hospitalidade à prisão, aos direitos, das comunidades à relação entre as mulheres e o mundo religioso. Entre os inúmeros grupos de trabalho, o compromisso do MH será explorado em particular num painel ad hoc, “Construindo a hospitalidade”, no qual participarão como oradores marta bernardinioperadora da Mediterranean Hope, e Daniela Pompeiachefe da Comunidade de Sant'Egidio para serviços aos imigrantes. “O tema da conferência ecumênica nacional deste ano – comenta Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que falará no momento conclusivo da conferência, quarta-feira, 20, às 12h – é altamente atual: por um lado, será uma questão de reafirmar, como igrejas, nosso sim ao acolhimento imigrantes e, por outro, refletir sobre a urgência do diálogo inter-religioso em uma sociedade que se tornou plural também do ponto de vista das fés”. Aqui o programa completo do evento: Programma_MigrantieReligioni ...

Ler artigo
#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 - Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em Lampedusa como sinal de boas-vindas. Um momento ecumênico de oração acontecerá na ilha siciliana na próxima sexta-feira, 24 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando. Ele falará pela Federação das Igrejas Evangélicas na Itália marta bernardiniWaldensian, operador do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, que trabalhou alguns anos na ilha. “Pela terceira vez – declara Marta Bernardini – estamos organizando um evento ecumênico em Lampedusa para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Todos os anos procuramos oferecer não só um momento de oração e reflexão, mas também uma oportunidade de envolver as pessoas. Em 2019, por exemplo, distribuímos folhetos com frases a partir do tema escolhido, que foi “Tente ser verdadeiramente justo”, notas que por sua vez os participantes da oração deveriam deixar ou endereçar a alguém”. Este ano, o tema "Eles nos trataram com bondade" foi escolhido pelas Igrejas de Malta e é retirado de uma passagem dos Atos do Apóstolo Paulo, que conta como ele foi acolhido pelos malteses. "Eles propõem o naufrágio de Paulo nos capítulos 27 e 28 do livro de Atos - explica a pastora valdense maria bonafede em Riforma.it hoje - , do navio em que o apóstolo Paulo é um dos prisioneiros que os centuriões romanos devem trazer para Roma, naquelas mesmas águas dos naufrágios dos últimos anos. Um naufrágio de 276 pessoas, incluindo marinheiros que são contrabandistas, e estão prontos para escapar do barco para se salvar, votando todos os outros até a morte; os prisioneiros, incluindo Paulo, que seriam julgados em Roma; os soldados, centuriões romanos, que planejam matar todos os prisioneiros para não deixá-los escapar, exceto um deles que tomou o apóstolo sob sua proteção e que, para salvar Paulo, evita o massacre dos outros e insta todos se joguem do navio que entretanto encalhou num banco de areia: primeiro os que sabem nadar, depois os outros que se agarram aos destroços do navio. "E assim aconteceu que todos chegaram sãos e salvos à terra" (27, 44). O autor do texto bíblico registra que havia 276 naquele navio, um número verdadeiramente grande de pessoas, um número semelhante aos dos últimos anos, nas mesmas costas, nas mesmas rochas”. Assim, as migrações estão no centro da reflexão ecumênica de 2020, um fio vermelho que liga Malta à outra ilha, local de desembarque de muitas pessoas, ambas envolvidas diariamente no acolhimento daqueles que são obrigados a seguir a rota marítima para fugir da Líbia ou de outros países do outro lado do Mediterrâneo. "Para nós é muito significativo - explica Marta Bernardini - organizar e promover este evento ecumênico em Lampedusa, um lugar que é precisamente o emblema da acolhida dos migrantes e, infelizmente, também dos naufrágios de tantas mulheres, crianças, homens que morreu no Mediterrâneo. É também uma forma de testemunhar a nossa presença na ilha, onde estamos envolvidos desde 2014 com o observatório das migrações e onde tentamos, todos os dias, colocar em prática aquela “gentileza” com quem desembarca na ilha. Um momento importante, junto com o aniversário de 3 de outubro, da obra ecumênica que realizamos em Lampedusa com dom Carmelo la Magra“. Amanhã, sábado 18, em Cagliari, para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, haverá outro encontro com marta bernardiniintitulado "Viagem, desembarque e hospitalidade: práticas ecumênicas". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.