Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, “enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”.

A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é “a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste… Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: “Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas” e – devo acrescentar – a diversas confissões – “os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo”, apesar de sua diversidade.

O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, “desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Água, seca e arredores

Água, seca e arredores

Foto de Aaron Lee - Unsplash Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 – Começa hoje com a introdução assinada por Maria Elena Lacquaniti, coordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um ciclo de insights sobre água, seca e entorno. A ocasião é a aproximação do "Tempo da Criação", um período litúrgico ecumênico global que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Europeia de Graz (Áustria) em 1997. “Para onde foi a água do planeta Terra?” pergunta Lacquaniti. O documento fala da crise hídrica, sim, mas também de propostas. Palavras-chave: mudanças climáticas; fator de poluição; dispersão e desperdício; transição energética; opções políticas e administrativas. Direção a seguir: a da justiça climática e econômica. Até o momento, escreve GLAM, “grandes intervenções foram introduzidas na Austrália e na América. A primeira aprovou uma das leis ambientais mais ambiciosas do mundo. A resolução compromete-se a reduzir as emissões de gases nocivos em 43% em relação aos níveis de 2005, até 2030, ou em apenas oito anos (Repubblica.it 04/08/22). A segunda com a Inflation Reduction Act aprovada pelo Senado (lei de redução da inflação), que prevê a destinação de mais de 400 bilhões e uma série de intervenções que levam à redução pela metade das emissões das empresas até 2030”. As igrejas são chamadas a fazer a sua parte. Baixe aqui o documento completo: Água e seu entorno – INTRO Para saber mais: O Dossiê GLAM para a Temporada da Criação sobre o tema da empatia. Idéias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e percepções disponíveis para todas as pessoas interessadas em celebrar o período litúrgico ecumênico que ocorre entre 1º de setembro e 4 de outubro. Vídeos jovens GLAM para água. ...

Ler artigo
#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

Roma (NEV), 15 de abril de 2019 – Como as igrejas respondem ao discurso de ódio? Eles são eficazes no combate às notícias falsas? Há esperança para o futuro da Europa? Estas são algumas das questões que surgiram da conferência da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação” realizada em Helsínquia e Estocolmo de 10 a 12 de abril, em colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK). As conclusões do trabalho foram confiadas a Philip Leediretor de programas WACC, Praxedis Bouwmando comitê de comunicação das igrejas minoritárias da Federação Luterana Mundial (WLF), e ao Secretário Geral da CEC Heikki Huttunen. “O discurso de ódio ocorre de diferentes formas nos contextos locais, mas uma dimensão transversal é a de gênero – disse Lee -. As mulheres são mais propensas a sofrer ciberviolência e discurso de ódio do que os homens, como mostra um estudo do Parlamento Europeu”. A pesquisa mostrou que as mulheres sofrem violência online nas mídias sociais, fóruns de discussão, mecanismos de busca, serviços de mensagens, aplicativos de namoro, chats e comentários, com ameaças de natureza sexual: "A ciberviolência ameaça os direitos humanos e as liberdades fundamentais das mulheres, sua dignidade e igualdade e afeta suas vidas em todos os níveis”. Entre as palavras-chave que emergiram da conferência, direitos humanos, liberdade de expressão e opinião, proteção da privacidade e segurança: "A tecnologia digital contribuiu para o progresso do direito à liberdade de opinião e expressão, o direito de receber e compartilhar informações, do direito de se comunicar – observou Lee –, no entanto, também aumentou o comportamento ilegal de governos e prestadores de serviços que podem violar os direitos das pessoas e aumentar a vulnerabilidade digital. Abusos potenciais incluem interrupção ou desligamento completo de sistemas, uso indevido de informações para vigilância, censura, exclusão ou bloqueio de dados e manipulação. “É importante que os jovens participem ativamente dos processos de informação e comunicação, e todos devemos ser proativos nas soluções – concluiu Lee -. Para isso, temos que começar com as palavras, temos que definir o que queremos dizer quando falamos de redes sociais, ódio ou notícias falsas. Devemos ser proféticos, críticos e políticos”. Bowman enfatizou o quanto é importante que as igrejas definam seu papel e que a representação das mulheres seja garantida em todos os níveis. Precisamos de uma presença justa de mulheres e jovens nos júris ecumênicos, nas cabeças dos organismos culturais e em todos os níveis: "Como cristãos, devemos ser críticos e levantar nossas vozes para ser ouvidos". O secretário do KEK, Huttunen, concluiu os trabalhos partindo dos três fundamentos do plano estratégico das igrejas europeias "Juntos na esperança e no testemunho". “Por que nossas igrejas deveriam cooperar, compartilhar seus recursos e se comunicar umas com as outras? Huttunen se pergunta. Precisamos da voz das Igrejas na Europa, precisamos de um trabalho teológico e de uma contribuição concreta para o futuro da Europa, um futuro de paz, segurança e diálogo. Há esperança? Se falamos dela é porque nos falta e devemos renová-la no Evangelho, na mensagem cristã – concluiu -. Quanto ao testemunho, como Igrejas nos perguntamos como ser relevantes, não só com palavras seculares, mas também entre nós, com transparência e colaborando em desafios comuns. Devemos ser globais, somos uma só humanidade, habitantes do mesmo planeta”. Cerca de 50 delegados de toda a Europa e numerosos oradores participaram na conferência, incluindo Stephen BrownPresidente da WACC para a Europa, Anders Gadegaardpastor da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca e coordenador da equipe de comunicação do CEC, Philip Lee, secretário-geral da WACC, Sara SpeicherSecretário-Geral Adjunto da WACC, Max Arhippainendiretor de comunicação do Ministério da Defesa da Finlândia, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg na Polônia, Dora Laborczida Igreja Evangélica Luterana da Hungria, o pároco Kimmo Saaresgerente de programa da Igreja Evangélica Luterana na Finlândia, Eva Brunnebispo da Igreja da Suécia, Jacob Schwartzpresidente da juventude da Igreja da Suécia, Ralf Peter Reimannda Igreja Evangélica da Renânia. Eleito o novo executivo para a região da Europa. Stephen Brown é confirmado como presidente da WACC para a Europa A Assembléia da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa, que se reuniu entre Helsinque e Estocolmo por ocasião da conferência “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”, elegeu seus representantes e novo comitê gestor: Stephen BrownPresidente. Ralf Peter Reimannvice-presidente. Julienne Munyanezasecretário. Freddy Dutz, tesoureiro. O comitê gestor é composto por: Arni Svanur Danielsson, Jean Luc Gaderau, Alba Sabate Gauxachs, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska, Eeva-Kaisa Heikura, Tuomo Pesonen, Marian Kneteman, Aleksic Mladen. Galeria de fotos da conferência da World Association for Christian Communication (WACC) sobre discurso de ódio, fake news e direitos à informação e comunicação. Helsinque-Estocolmo, 10 a 12 de abril de 2019. Do Twitter “Confiança e segurança não são construídas erguendo muros contra o desconhecido”. A campanha da Igreja da Suécia contra o racismo e contra o discurso de ódio: A confiança e a segurança não serão construídas levantando muros contra o desconhecido. o @svenskakyrkan campanhas contra #racismo e #HateSpeech #cecwacc2019 pic.twitter.com/Nags2cMcEz — Jim McDonnell (@jimmcdonnell) 11 de abril de 2019 ...

Ler artigo
Amanhã a primeira edição do Rosarno Film Festival

Amanhã a primeira edição do Rosarno Film Festival

Roma, 13 de outubro de 2022 - Está tudo pronto para a primeira edição do "Rosarno Film Festival - fora do gueto", que será inaugurado amanhã, 14 de outubro, na Piana di Gioia Tauro.O júri do festival é composto por cinco diaristas. A exibição dos curtas em competição acontecerá nos dias 14 e 15 de outubro no auditório municipal de Rosarno. Domingo, 16 de outubro, às 18h30, na tenda da cidade de San Ferdinando, por ocasião do aniversário da morte de Thomas Sankaraserá realizada uma reunião com Blandine Sankarairmã do líder burquinense, ativista comprometido com a questão da independência alimentar. “Um festival-laboratório – explica Francesco Piobbichi, operadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, uma das promotoras da revista - que fala sobre redenção e quer demonstrar que é possível construir práticas de solidariedade e cadeias produtivas sem exploração. Não é por acaso que um dos sujeitos envolvidos na organização do evento, juntamente com a Mediterranean Hope e a Solidarity Community Network, é a associação Sos Rosarno que, com a cooperativa Mani e terra, está empenhada há quase uma década no promoção de produtos não explorados no território da Piana di Gioia Tauro”. Será a Sos Rosarno quem homenageará o vencedor da crítica com uma caixa de produtos orgânicos e éticos, ou seja, cultivados sem exploração. “O Festival de Cinema de Rosarno é uma pequena ferramenta para dar voz a quem não tem - declara Giuseppe Pugliese, um dos fundadores do Sos Rosarno -, para fazer com que aqueles que de fato são parte integrante deste território, de sua , econômica e produtiva, apesar das aberrações das cadeias produtivas agrícolas e dos mecanismos infernais do chamado livre mercado. É uma tentativa de dar dignidade aos trabalhadores estrangeiros e a um território em dificuldade, com os seus habitantes e os seus pequenos produtores, também esmagados pelos donos dos alimentos, e portanto das nossas vidas. É uma forma de convidar pessoas, de todo o mundo, a falar umas com as outras, a criar comunidades num contexto onde por várias razões tudo se torna mais complicado”. "O objetivo deste pequeno festival é inverter os significados - acrescenta Piobbichi -, oferecer uma visão das coisas a partir de quem sempre foi usado como objeto e nunca ouvido". A rede associativa que apoia o Festival de Cinema de Rosarno é composta por: Mediterranean Hope – Programa para Migrantes e Refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, Solidarity Community Network, Sos Rosarno, RiVolti ai Balcani, Altreconomia, Comune-Info, FuoriMercato – autogestão em movimento, Sea Watch, ResQ, Equosud, Confronti , Cinema Metropolis Umbertide, cinema muito pós-moderno Perugia, Equosud. Entre as personalidades que apoiaram e apoiam a iniciativa, Ken Loach, Andrea Segre, Peppino Mazzotta.Aqui a programação detalhada das exibições, com as sinopses dos curtas participantes da crítica. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.