O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé.

O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé.

O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável.

Será “uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas”, diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento.

Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030.

O evento estará disponível em streaming neste link

Clique para mais informações e inscrições AQUI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

Marc Chagall, Crucificação Branca (1938), Chicago, Art Institute Roma (NEV), 25 de março de 2021 – O historiador escreve Emidio Campi: “A Crucificação Branca de Marc Chagall tem características que não se encontram em nenhuma outra das copiosas representações da Paixão. O Cristo moribundo, iluminado por um raio de luz branca, usa um xale de oração judaico e tem a cabeça coberta com um pano branco em vez da habitual coroa de espinhos. Na base da cruz está o candelabro de sete braços, um dos símbolos clássicos do judaísmo. Ao redor do Crucifixo, em vez das figuras habituais dos dois ladrões, soldados e mulheres piedosas, cenas de violência e desespero são retratadas no sentido anti-horário. Entre eles, destacam-se uma aldeia saqueada por soldados do Exército Vermelho, um barco cheio de refugiados, homens em fuga que carregam o rolo da Torá com eles, uma mãe apavorada segurando seu filho contra o peito, enquanto o incêndio na sinagoga lembra a destruição de lugares de adoração perpetrada pelos nazistas. O incomparável poder evocativo da arte de Chagall reside em ser um tributo à tradição judaico-cristã e uma obra atual. A Paixão de Cristo está imersa no presente, deslocada nas tragédias que fizeram da Europa dos anos 1938-1939 uma imensurável encosta do Gólgota. Claro, a crucificação de Jesus é única e irrepetível, um desígnio da graça de Deus, como a ressurreição. Mas por que a comemoração da morte e ressurreição de Cristo às vezes é atemporal e sem lugar para nós? Como podemos ignorar que muitas das tragédias retratadas na Crucificação Branca continuam a se repetir hoje? Esta pouquíssima representação sagrada da Paixão desafia-nos a percorrer os caminhos do Gólgota, em busca de uma renovada compreensão da redenção, que é também redenção da violência e da injustiça, assim como sinal visível da nova humanidade e da nova criação decorrentes do evento da Páscoa". Esta reflexão apareceu na edição de abril da Igreja Evangélica de língua italiana Zurich – Waldenser. artigo anteriorMigrantes e refugiados, (ainda mais) vítimas da pandemiaPróximo artigoHomens que quebram o silêncio sobre os feminicídios. E você? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
“Juntos”, o Congresso da Aliança Batista Mundial está chegando

“Juntos”, o Congresso da Aliança Batista Mundial está chegando

Roma (NEV), 24 de março de 2021 – A União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) está entre os participantes do 22º Congresso da Aliança Batista Mundial (ABM). O presidente da UCEBI escreve, João Paulo Arquidiáconoem uma nota: "Esta é a primeira Convenção totalmente virtual, que tem o potencial de ser o encontro de batistas mais diversificado e globalmente participado desde que a Aliança Batista foi formada em 1905". Com a mudança do Congresso para um evento virtual, a ABM previu a possibilidade de inscrição gratuita dos participantes. Esta opção gratuita, explica Arcidiacono, permite o acesso à Festa de Abertura do Congresso em 7 de julho de 2021 e à Festa de Encerramento em 10 de julho de 2021. "Esta é uma oportunidade sem precedentes oferecida a todos os batistas pela primeira vez", disse o presidente. Cerca de 100 fiéis de igrejas pertencentes à UCEBI participarão destes “momentos históricos de culto e adoração como Celebrantes do Congresso”. Para informações clique aqui. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=hvdn2LBalvo[/embed] ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

Montagem CEC. Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, na assembléia da CEC. Foto CEC. Novi Sad, 4 de junho de 2018 – O medo é o maior obstáculo que o testemunho cristão deve superar na Europa. É em torno dessa ideia que girou o discurso do arcebispo de Cantuária, Justin Welbyna Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de junho). Falando ontem, 3 de junho, dedicado ao tema da presença e testemunho das igrejas na Europa, Welby recordou como a Europa se encontra numa situação de fragilidade, obrigada a enfrentar múltiplos desafios entre os quais, acrescentou, o “Brexit não é o mais insidioso ”. Referindo-se ao modelo de vida cristã do monaquismo beneditino, Welby propôs uma ideia da igreja como uma “comunidade santa, baseada no amor mútuo, no serviço e na hospitalidade. A presença e o testemunho cristão devem apresentar-se como voz de unidade e reconciliação mais forte que o poder divisor” das forças centrífugas dos novos nacionalismos e soberanias. Bispo Petra Bosse-Hube; foto CEC. o bispo Petra Bosse-Huber da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), destacou como a Europa é um projeto de paz nascido para superar as hostilidades que historicamente opuseram as nações do continente. “Desse ponto de vista, a Europa tem sido bem-sucedida. E, no entanto, hoje, é extremamente difícil comunicar esta dimensão do projeto europeu a uma sociedade que considera a paz uma condição dada como certa e garantida em si mesma, e desconhece que deve ser preservada”. Arquimandrita Alexi Chehadeh; foto CEC. "No entanto, a paz da Europa começa no Médio Oriente", retorquiu o arquimandrita na discussão que se seguiu às duas intervenções Alexi Chehadeh, diretor do Departamento de Relações Ecumênicas e Desenvolvimento (DERD) do Patriarcado Grego Ortodoxo de Antioquia, que opera como uma ONG com sede em Damasco. Chehadeh, sublinhando a importância de uma visão europeia capaz de olhar para as múltiplas crises do Médio Oriente, lançou um apelo às Igrejas e instituições do nosso continente para que apoiem a «permanência dos cristãos nos lugares onde nasceu a nossa fé». A Assembleia também foi saudada por Bartolomeu IPatriarca Ecumênico de Constantinopla, através de carta lida pelo Metropolita Emanuel da França. Impossibilitado de estar presente em Novi Sad, o vice-presidente do Parlamento Europeu, Mairead McGuinnessenviou uma mensagem em vídeo à Assembleia da CEC. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.