Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, Jamaica

Roma (NEV), 23 de março de 2011 – Ao som de um hino composto para a ocasião, a cerimônia de lançamento da Convocação Ecumênica Internacional pela Paz, convocada na capital da ilha caribenha pelo Conselho da Conferência Ecumênica de Igrejas (CEC) de 17 a 25 de maio próximo. A cerimônia, organizada pelo Conselho de Igrejas da Jamaica e pela Conferência de Igrejas do Caribe (CCC), foi aberta pelo arcebispo católico Donald Reece, presidente do CCC: “A Jamaica é um lugar adequado para refletir sobre a paz, porque aqui sabemos bem o que significa marchar da violência para a paz”, disse Reece referindo-se à história de violência de toda a região do Caribe marcada pelo tráfico de escravos e pelos contratos de servidão. Apesar desta história passada, nenhum ser humano “é chamado ao ódio e à guerra, mas a experimentar a unidade e a paz”.

No discurso principal da reunião, Mathews George Chunakara, diretor do programa de assuntos internacionais do CMI, destacou como a Convocação de Kingston está fortemente enraizada na experiência da Década para derrotar a violência (2001-2010), patrocinada pelo CMI. “Kingston representa o ápice da Década – sublinhou Chunakara -, bem como mais uma oportunidade para as igrejas renovarem seu compromisso com a não-violência e a paz justa”. , que recordou os muitos momentos que caracterizarão a Convocação de maio: não só conferências e grupos de estudo, mas também o plantio de árvores e um concerto pela paz. Um momento que vai unir as igrejas ao redor do mundo é o Domingo da Paz, convocado para o dia 22 de maio, durante o qual os cultos das igrejas de todos os continentes rezarão com as palavras de uma oração composta pelas igrejas caribenhas para a ocasião.

Os protestantes italianos também estarão presentes na Convocação pela Paz em Kingston, representados pela Pastora Letizia Tomassone, vice-presidente da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. (www.overcomingviolence.org/). Tomassone também estará entre os palestrantes do seminário “Ousando a paz pela fé”, que será realizado em Roma no sábado, 2 e domingo, 3 de abril, com o título “Além da violência”. À margem do seminário, que também terá intervenções do teólogo adventista Hans Gutierrez e Tonio Dall’Olio da associação “Libera” e membro do conselho da Mesa da Paz, a reunião dos delegados italianos será realizada na Convocação de Kingston.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Foto Albin Hillert/CEC Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Junte-se à equipe de comunicação para a KEK Assembly 2023 em Tallinn Foto Albin Hillert/CEC A CEC convida candidaturas para fazer parte da equipa de comunicação da próxima Assembleia Geral em Tallinn, Estónia. A assembleia será realizada de 14 a 20 de junho de 2023. O convite é dirigido aos que colaboram no setor de comunicação das Igrejas membros da CEC. Em particular, o CEC incentiva mulheres e jovens a se inscreverem. Requer-se: experiência no campo ecumênico, inglês fluente e possivelmente conhecimento de outras línguas, especialmente francês e alemão. Para mais informações, clique aqui. Petr Kratochvíl: minorias, hospitalidade universal e o mandamento do amor Prof. Petr Kratochvíl – Photo Institute of International Relations Praga Petr Kratochvil é membro do conselho executivo da CEC e vem da Igreja Evangélica dos Irmãos Tchecos. Em uma análise aprofundada, Kratochvíl fala sobre otimismo e o papel das igrejas na política europeia e na defesa dos direitos humanos. “É verdade que as igrejas cristãs precisam aprender a aceitar seu status de minoria nas sociedades europeias, mas como minha igreja tem sido uma igreja minoritária desde o início, sei que ser uma minoria não significa que sua voz não pode ser ouvida”, escreve Kratochvil . E acrescenta: “Não somos mais uma maioria que poderia impor suas opiniões aos outros, mas também não devemos sucumbir à tentação de nos tornar uma minoria moralizadora que menospreza as sociedades seculares. A singularidade da Igreja cristã reside, a meu ver, na radical abertura ao outro, na hospitalidade universal e no mandamento do amor, aconteça o que acontecer”. Neste momento de crise, devido à guerra e à emergência climática, “as sociedades tendem a fechar-se – diz Kratochvíl -. Infelizmente, os cristãos às vezes também são atraídos para as armadilhas do nacionalismo e do conservadorismo fanático". E sublinhando o valor da CEC, conclui: “A nossa comunhão eclesial está aqui para demonstrar que não podemos ter medo: não é esconder-se com medo no passado, mas derrubar todos os muros e quebrar todos os jugos que nos libertarão a todos”. . Leia o artigo completo aqui. Berit Hagen Agøy: “Juntos, nossas vozes ficam mais altas” Berit Hagen. Foto Ghermund Øystese Berit Hagen Agøy, diretor internacional da Igreja da Noruega, reflete sobre por que chegou a hora de as igrejas falarem abertamente sobre solidariedade e como a Conferência das Igrejas da Europa contribui para esse fim. “As igrejas devem ser explícitas sobre fraternidade, solidariedade e preocupação com os mais vulneráveis. Nunca devemos aceitar discriminação e exclusão”, diz Agøy. O KEK tem um papel crucial a nível europeu, sendo essencial o diálogo com as instituições europeias. Entre os objetivos identificados por Agøy, o fortalecimento da cooperação ecumênica e inter-religiosa, bem como os vínculos entre as igrejas e outras organizações da sociedade civil. “Este é o momento de compartilhar nossa esperança cristã e lembrar que somos uma humanidade”, diz Agøy. E, sobre as questões de acolhimento de refugiados, justiça social e justiça climática, ele diz: “Um testemunho cristão comum é crucial. As igrejas precisam aprofundar como entendem os valores cristãos. Alguns políticos tendem a explorar o termo sem refletir teologicamente”. O secretário-geral da CEC compartilha impressões sobre a recém-concluída Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em Karlsruhe “As igrejas europeias são intrinsecamente parte de uma comunidade ecumênica global” diz o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, em um comentário em vídeo sobre a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Veja abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=ZiUz3QvrHZQ[/embed] Assembléia CEC na Estônia: Moldando o futuro com a bênção de Deus A Conferência das Igrejas Europeias realizará sua 16ª Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia. Título da Assembleia: “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A Assembléia será organizada pelas igrejas membros da CEC na Estônia, a Igreja Evangélica Luterana da Estônia e a Igreja Ortodoxa da Estônia. Para saber mais, clique aqui. ...

Ler artigo
a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo
Igrejas reformadas em todo o mundo.  Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Igrejas reformadas em todo o mundo. Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Banco de Imagens - CMCR Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) lançou um “processo de discernimento”. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". A próxima “roda de partilha” realiza-se hoje, quarta-feira, dia 24 de fevereiro, a partir das 15h00 (CET). “A ideia do círculo de partilha – escreve o CMCR – é manifestar-se sobre temas de particular urgência no contexto da pandemia da COVID-19 e das injustiças a que ela expõe. A intenção é gerar ideias sobre como a Comunhão, em todos os níveis, deve responder à crise”. Racismo, autoritarismo e nacionalismo Esta sessão centrar-se-á nas apresentações do CMCR-Europa e do processo RAN (racismo, autoritarismo e nacionalismo). Representantes das igrejas reformadas europeias falarão partindo deste conceito: “Não tenha medo em tempos de pandemia”. A pandemia tem um impacto econômico especialmente nos mais pobres. “As igrejas – prossegue o CMCR – são chamadas a reconsiderar o papel que podem desempenhar nas sociedades secularizadas, transmitindo uma mensagem profética sobre temas como o Estado de direito e a democracia, as normas sanitárias e a proteção dos pobres”. Os palestrantes do processo RAN abordarão o aumento crescente e muitas vezes violento de ideologias racistas. Tais ideologias, argumenta a Comunhão, são frequentemente alimentadas por discursos nacionalistas. “As forças de direita, alimentadas por ideologias racistas e quase fascistas, têm-se afirmado tanto na vida política como na política em muitas partes do mundo”, denuncia o CMCR. Na conversa, será dada voz às comunidades vítimas da racialização ao redor do mundo, explorando as conexões entre racismo, autoritarismo e nacionalismo. Entre os pilares, as teologias da vida nos movimentos populares, que oferecem “a possibilidade de resistência e transformação”. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.