Religião hoje.  Onde é o lugar das mulheres?

Religião hoje. Onde é o lugar das mulheres?

Roma (NEV/CELI), 18 de outubro de 2021 – Começa no dia 20 de outubro a série de três webinars promovidos pela Rede de Mulheres Luteranas. A iniciativa visa “contribuir para uma melhor compreensão do papel da mulher hoje em outras religiões. Nosso desejo – escrevem as mulheres luteranas – é conhecê-los melhor para evitar estereótipos e preconceitos, despertar nossa curiosidade e ter empatia com eles. Às vezes conhecemos pouco as nossas ‘irmãs’ de outras religiões, mesmo que muitas vezes morem perto de nós”.

A Rede de Mulheres Luteranas, portanto, envolveu:

Rabina Bárbara Aiello, primeira mulher rabina do judaísmo liberal, que chegou à Calábria vinda da América. AlémPôster do webinar outubro-novembro gerenciando a sinagoga Ner Tamid Del Sud, realiza iniciativas interessantes como pesquisas históricas sobre as raízes judaicas no sul da Itália e na Sicília, iniciativas nas escolas contra o anti-semitismo e apresentações virtuais sobre vários temas. (

Tehseen Nisar, um estudioso que colabora em várias universidades da Europa e do Paquistão. Vários de seus artigos foram publicados em Conselho de Religião e Segurança (RSC) que promove o papel do fator religioso na construção da paz, na Fórum Democrático do Sul da Ásia e muitos outros. Ele falará sobre o tema a partir de suas pesquisas e de sua vida.

Nunnei DM Russo See More, com décadas de treinamento e estudo do budismo em vários países do mundo onde viveu. Contribuições ao Fórum das Religiões de Milão e publicações. Mais uma mulher incrível que vai explicar o assunto com um olhar especial para os elementos femininos no budismo.

“Estamos muito felizes que essas três mulheres estejam disponíveis para nos dar uma visão de seu compromisso e de suas vidas através do tema que apresentarão” concluem as luteranas.

Aqui está o cronograma:

20 de outubro de 2021 “O Papel da Mulher nos Modernos movimentos Judeus”
19:00 20h30

Rabina Bárbara Aiello


3 de novembro de 2021 A questãoe cultura e identidade
de mulher muçulmana Hoje”
19:00 20h30

dr. Tehseen nisar

17. nãonovembro de 2021 “O Feminino no Budismo”

19h00:00 20h30 nunnei d.m. russo


Para receber o link, escreva para
[email protected]

Baixe o pôster-webinar-outubro-nov.2021-

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é "Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11). O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso. Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição. “Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os 'insiders' não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss. Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. "Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo - continua o pároco - partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo. Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio "A raiz e a seiva da oliveira" ("A caminho de um novo ecumenismo", anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE "San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: "Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu". Foto Achim Ruhnau – Unsplash Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II. A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: "Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982. A esse respeito, Goss aponta: "A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo". Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”. Para saber mais Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora. Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss. EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção) Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros. No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema "Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE. Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma. ...

Ler artigo
Religiões no hospital.  Integrar a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado

Religiões no hospital. Integrar a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado

Foto de Branimir Balogović - detalhe, Unsplash Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – O pastor valdense Sérgio Maná será o convidado do terceiro e último encontro do ciclo de seminários relacionados com o projeto “Religiões no hospital. Integrando a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado”. Sergio Manna é, entre outras coisas, capelão hospitalar e formador de pastoral clínica. Abaixo do panfleto. O seminário, de forma virtual, será realizado no dia 26 de fevereiro, das 16h às 18h, palestrantes Sergio Manna pela Faculdade Valdense de Teologia e Paulo Fini, para a pastoral da saúde da diocese de Turim. Moderado Cristina Vargas da Fundação Fabretti. Organizado pelo laboratório de pesquisa CRAFT da Universidade de Torino, o ciclo é financiado pela Fundação CRT. “A pesquisa visa iniciar um projeto piloto para a capacitação de profissionais de saúde sobre as necessidades religiosas e espirituais dos pacientes hospitalares. Em particular, com referência à Cidade da Saúde e Ciência de Turim. Isto, tendo em vista o crescente pluralismo religioso da região de Turim – lê-se na apresentação da iniciativa -. Pretende-se contribuir para a promoção do bem-estar da comunidade com vista à inclusão e coesão”. Boas práticas inter-religiosas na atenção à saúde Um exemplo de boas práticas inter-religiosas na área da saúde é representado pelo Manifesto Inter-religioso dos direitos nas vias de fim de vida. Este é o primeiro documento bioético que estabelece importantes fundamentos comuns. O Manifesto reuniu protestantes, católicos, ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e hindus. Define nove direitos fundamentais e garante, além do tratamento, o respeito à dignidade e o apoio religioso e espiritual aos que se encontram em fase final de vida nas unidades de saúde. Pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o presidente, pároco, assinou o Manifesto Luca Maria Negro. Em seus dois anos de vida, o documento teve inúmeras subscrições sucessivas e a criação de um grupo de trabalho para definir os procedimentos operacionais. Baixe a ficha: Nove direitos nos caminhos do fim da vida ...

Ler artigo
As fogueiras dos valdenses, em nome da liberdade

As fogueiras dos valdenses, em nome da liberdade

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – Algumas imagens, tiradas por Free Ciuffredamembro do conselho da FCEI, de uma das fogueiras acesas nos vales valdenses, em particular neste caso em Villar Pellice, por ocasião da festa de 17 de fevereiro.Para saber mais: Os valdenses celebram o dia 17 de fevereiro em memória do reconhecimento de seus direitos civis pelo rei da Sardenha, Carlo Alberto. É uma festa sentida com particular solenidade nos vales valdenses do Piemonte, onde o 17 de fevereiro assumiu o caráter de festa civil e religiosa: de um lado, as procissões com fanfarras e fogueiras noturnas - em memória de como, do vale a vale, espalhavam-se as notícias das liberdades concedidas – de outro, os cultos celebrados nos vários templos. As "Patentes da graça" assinadas pelo rei Carlo Alberto em 17 de fevereiro de 1848 (e publicadas em 25 de fevereiro seguinte) concederam aos valdenses do Piemonte direitos civis e políticos, mas não plena liberdade religiosa. De fato, a disposição diz: “os valdenses podem desfrutar de todos os direitos civis e políticos de nossos súditos, frequentar escolas dentro e fora das universidades e obter graus acadêmicos. Porém, nada se inovou no exercício do seu culto e nas escolas que dirigem”. Apesar das limitações dessa redação, as "Cartas Patentes" puseram fim a uma condição de inferioridade civil que durou séculos: até fevereiro de 1848, os valdenses foram proibidos de frequentar escolas públicas e de exercer suas profissões (a não ser a de tabelião). e médico, para benefício exclusivo dos correligionários); fora do "gueto alpino" de seus vales, eles não podiam nem mesmo possuir imóveis. Além disso, as administrações municipais deviam ser compostas majoritariamente por católicos, mesmo nos municípios quase totalmente valdenses. Quanto ao exercício do culto, este continuou a ser permitido apenas num certo número de templos autorizados, localizados nos lugares mais altos, com proibição absoluta de atividades religiosas fora desses locais. Vários liberais piemonteses lutaram em favor de direitos civis iguais para os valdenses: isso é demonstrado por uma petição cujo primeiro signatário foi Roberto d'Azeglio; seguido por, entre os outros seiscentos, Camillo Cavour e 75 eclesiásticos católicos. Em 29 de março do mesmo ano, uma disposição semelhante de emancipação foi adotada para os judeus, enquanto nos anos seguintes amadureceram as condições para uma verdadeira liberdade – não sem duras batalhas que, por exemplo, envolveram a construção de locais de culto em Turim e Génova. Por outro lado, os desenvolvimentos legislativos para as duas confissões foram diferentes: o regime jurídico das comunidades judaicas foi estabelecido por uma lei específica (a chamada "lei Rattazzi" de 1857). Em vez disso, os valdenses recusaram a promulgação de uma lei especial com uma famosa declaração de 1848, na qual o Conselho Valdense (o mais alto órgão executivo) declarou, entre outras coisas, que "a Igreja Valdense, sendo assim em virtude de sua regra de fé e de sua constituição, deve administrar-se de forma absolutamente independente de acordo com seus princípios, dentro dos limites da lei comum; todo impedimento e redução colocado pelo Estado em sua atividade e no desenvolvimento de sua vida interna desvirtuaria seu caráter de igreja e constituiria uma tentativa de destruí-la”. Nenhuma lei especial foi aprovada sobre os valdenses e o sistema de "lei comum" permaneceu em vigor até 1929, oferecendo assim a todas as outras confissões evangélicas que apareceram na Itália unificada uma estrutura de liberdade religiosa. O aniversário de 17 de fevereiro – hoje comemorado por todos os protestantes de nosso país – tem, portanto, um duplo significado: é a celebração dos direitos civis concedidos a uma minoria e é, ao mesmo tempo, a memória de uma disposição que, em limitada, abriu caminho à liberdade religiosa em toda a Itália: uma festa que, devido aos seus significados gerais, tornou-se uma recorrência mais abrangente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.