Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar?  Essa é a questão…

Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar? Essa é a questão…

Foto por rawpixel – Unsplash

Roma (NEV), 24 de março de 2023 – A apresentação do segundo papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, “Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico”. Promovido pela Assindatcolf e editado, nesta parte, pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, o relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), “Esperança do Mediterrâneo”, representando a campanha “Fui estrangeiro” à qual a própria FCEI adere.

“Ficou claro que na Itália, em termos de políticas de entrada, existe um paradoxo antigo – diz Gori -. Por um lado, o mercado de trabalho italiano precisa de mão de obra. Por outro lado, os decretos de fluxo não prevêem cotas para o setor doméstico e, no fundo, a rigidez e a miopia dos mecanismos de entrada na Itália para quem procura trabalho geram essencialmente uma imigração irregular”.

Trabalho doméstico, trabalho não declarado

Alguns dados relativos ao setor doméstico. “Estima-se que 50% dos trabalhadores do setor doméstico sejam ilegais; de todos os trabalhadores ilegais, 1 em cada 4 trabalha no setor doméstico. E 70% dos residentes regulares são estrangeiros, principalmente de fora da UE”, explica Giulia Gori.

A escassez de trabalhadores masculinos e femininos também afeta o setor agrícola, onde são necessárias 100.000 pessoas. O setor turístico-hoteleiro (segundo Federalberghi, há 50.000 desaparecidos). As pequenas e médias empresas, segundo o Confartigianato, em 2022 tiveram dificuldade em encontrar 1,4 milhões de trabalhadores (43% dos recrutamentos esperados). Há também 20.000 transportadores rodoviários desaparecidos.

A máquina administrativa está “perpetuamente com falta de pessoal e continuamente bloqueada por um nível muito alto de burocracia”, escreve Gori novamente. Passados ​​quase 3 anos, portanto, “cerca de 40.000 trabalhadores ainda aguardam a obtenção de autorização de residência, assim como muitos empregadores e famílias aguardam finalizar a contratação e estabilizar a relação laboral com estas pessoas. Obviamente insustentável.”

O decreto “Cutro” e os pedidos de um estrangeiro

Gori analisa em seguida o “Decreto Cutro” em detalhe, sublinhando os seus aspectos positivos e críticos, nomeadamente o facto de que “o último decreto de fluxo introduz pela primeira vez a ‘Verificação prévia da indisponibilidade dos trabalhadores italianos’ para realizar um trabalho específico antes de contratar um trabalhador estrangeiro”.

Ao encerrar sua fala, Giulia Gori retoma as reivindicações da Campanha Eu Fui Estrangeira, ou seja, “a superação do mecanismo de cotas. A introdução de uma autorização de procura de emprego de doze meses, que facilita as reuniões entre trabalhadores estrangeiros e empregadores italianos. Introduzir um canal adicional de entrada de patrocinadores, que permite apoiar a entrada de um estrangeiro de forma a permitir a sua entrada no mercado de trabalho mediante um conjunto de garantias iniciais. Criação de um mecanismo permanente de regularização a título individual contra contrato de trabalho. No caso dos cuidadores, a única forma de poderem regularizar a sua situação e sair do trabalho não declarado”.

O projeto de lei de iniciativa popular proposto por Ero Straniero está de volta à pauta, com o texto mais uma vez articulado na agenda de trabalho da Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara.

Os direitos de todos, para não perder todos

“É um novo e importante passo – comenta Gori -, mesmo que a caminhada certamente ainda seja longa, mas acreditamos firmemente que é preciso olhar para a política migratória italiana de forma honesta, pragmática, sobretudo colocando os direitos em o Centro. Os direitos de todos, porque no sistema atual todos estamos perdendo: trabalhadores, empregadores, famílias, empresas, a economia e nossa humanidade. Não é por acaso que o subtítulo da Campanha Ero Straniero é ‘HUMANIDADE QUE FAZ O BEM’. O objetivo é transformar a imigração em uma oportunidade para todas as pessoas”.

O Relatório 2023 promovido pela Assindatcolf será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais foi confiado a um dos parceiros do projeto: Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fondazione Employment Consultant Studies e Idos Study and Research Centre.

Leia o discurso completo: Family Net Work por Giulia Gori.docx.

Leia o comunicado de imprensa final de Assindatcolf:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia e igrejas protestantes acolhem refugiados

Ucrânia e igrejas protestantes acolhem refugiados

Roma (NEV), 13 de abril de 2022 - 37 pessoas, a maioria mulheres, meninas e meninos, viajam da Polônia para a Itália, por iniciativa da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).“Depois de duas missões para avaliar como trazer nosso apoio – explica marta bernardini, coordenadora do programa de migrantes e refugiados da FCEI, Mediterranean Hope - , junto com as igrejas protestantes atuantes na Polônia, oferecemos esta possibilidade a algumas famílias. Pessoas que serão acolhidas por "comunidades de acolhimento", ou seja, segundo o modelo de "apadrinhamento comunitário" que temos vindo a promover há algum tempo: um acolhimento de base, participativo, em que a sociedade civil se encarrega de acolher os que fogem da guerra na Ucrânia . Um modelo que esperamos replicar também para migrantes que fogem de outros conflitos e situações perigosas. Sempre na esperança de que se trabalhe pela paz, que a violência e o ódio da guerra acabem, na Ucrânia e em toda parte”.As pessoas que viajam com a FCEI chegarão amanhã à Itália e serão acolhidas por três igrejas batistas, algumas famílias protestantes e voluntários individuais em diferentes cidades e vilas: Milão, na província de La Spezia e Turim, perto de Frosinone e Civitavecchia. Assim que chegarem, poderão solicitar proteção temporária, conforme previsto na Itália para a população ucraniana.“Continuaremos dando nosso apoio às igrejas e comunidades da Polônia que ajudam aqueles que fugiram da guerra, mas querem retornar ao seu país o mais rápido possível – continua Bernardini -. Para nós, é importante ouvir daqueles que lidam com a recepção todos os dias a poucos quilômetros da fronteira ucraniana quais são as reais necessidades, necessidades que provavelmente mudarão nas próximas semanas. Finalmente, para o próximo verão, estamos tentando organizar períodos de férias para grupos de crianças ucranianas hospedadas na Polônia. O compromisso com a população ucraniana, do nosso jeito, continua”. Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declara: "Com o apoio e o encorajamento daqueles que nos enviaram recursos desde os primeiros momentos da guerra e ofereceram sua vontade de nos receber, estamos tentando fazer nossa parte para aqueles que vêm privados do que temos". ...

Ler artigo
Guerra, Paz, Justiça – Nev

Guerra, Paz, Justiça – Nev

Roma (NEV) 6 de abril de 2022 – “Guerra, paz, justiça. Igrejas protestantes eguerra na Ucrânia” é o dossier que acaba de ser publicado pela revista e centro de estudos Confronti, que contém contributos “úteis para refletir sobre os tempos de guerra que vivemos”, refere o comunicado de lançamento.O volume é editado por Fulvio Ferrarioteólogo, professor da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que em sua introdução recorda como "a guerra de agressão desencadeada pela Rússia de Vladimir Putin 24 de fevereiro de 2022 está se preparando para ser um grande ponto de virada na história mundial”.A publicação pretende "trazer um pouco da reflexão das Igrejas da reforma européia para a esfera pública italiana". As contribuições do volume são traduções de artigos publicados pela revista Zeitzeichen (editada pela Igreja Evangélica na Alemanha), da intervenção do pároco Annette Kurschus (a mais alta autoridade do protestantismo alemão) na manifestação de Berlim pela paz em 27 de fevereiro; e de umdeclaração oficial da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (Igrejas Luterana, Reformada, Unida e Metodista Europeia).Todas as contribuições “são a favor de uma ética de participação responsável de homens e mulheres na construção política da paz”.Ferrario conclui: “Este pequeno dossiê visa ajudar quem não se considera profeta, mas busca o mandamento de Deus orando e pensando; quer estimular aqueles que não se contentam com citações bíblicas usadas como um porrete para atingir aqueles que pensam diferente, mas sabem que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; queracompanham aqueles que se sentem ensurdecidos pelos slogans, mas sentem a sua vontade chantagista e pretendem resistir-lhes".Aqui está o link para baixar o livro. artigo anteriorO jardim urbano no telhado da igrejaPróximo artigoCentro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e à Rede de Associações Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Palermo, “In-dipendenze” está a caminho, pelo uso responsável da tecnologia

Palermo, “In-dipendenze” está a caminho, pelo uso responsável da tecnologia

Roma (NEV), 30 de maio de 2022 – Nasceu em Palermo “In-Addiction”, um projeto que “testa um modelo territorial de prevenção e atendimento dedicado a menores com transtornos de dependência de internet ou devido ao uso excessivo de dispositivos tecnológicos”. conforme declarado no comunicado de imprensa de lançamento. A iniciativa, apoiada pela Fondazione con il Sud como parte da Chamada Social-Saúde 2020, vê o Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdense da capital siciliana como parceiro principal e "espera conseguir a rede de informações e sensibilizar as escolas para uma utilização responsável e informada dos dispositivos informáticos e da Internet”. Especificamente, serão envolvidos alunos do ensino básico e secundário e os seus professores. Está também prevista a abertura de um serviço ambulatório de tratamento e diagnóstico, aberto 3 vezes por semana e gerido por psicoterapeutas especializados, que garantirá o contacto precoce, o acolhimento atempado, o diagnóstico, as terapias adequadas e a prevenção de patologias relacionadas com a dependência do smartphone. A actividade de atendimento ambulatório de livre acesso decorrerá através da acção de sensibilização em sala de aula ou da denúncia da Asp e dos pediatras. A clínica oferecerá cursos de psicoterapia individual e em grupo, oficinas de reeducação no uso da Internet e atividades de apoio aos pais. O evento de apresentação no Cre.Zi.Plus, no Cantieri Culturali alla Zisa em Palermo, alguns dias atrás, contou com a presença de Piero La Monica, psicólogo e psicoterapeuta do Centro La Noce; Laura Pavia, psicóloga e psicoterapeuta do Instituto Don Calabria; Simone Lucido, socióloga do NEXT – Novas Energias X O Território; Cecilia Giordano, professora da Faculdade de Ciências Psicológicas, Pedagógicas, do Exercício Físico e do Treinamento da Universidade de Palermo; Giampaolo Spinnato, Diretor da UOC Patológica Addictions da ASP Palermo; Cinzia Mantegna, Vereadora de Cidadania Solidária do Município de Palermo; Pasquale D'Andrea, Fiador da Infância e Adolescência do Município de Palermo; Francesco Vitrano, Diretor Médico de Neuropsiquiatria Infantil da ASP Palermo; Rosaria Alleri, Pedagoga da Escola do Centro Diaconal "La Noce"; Riccardo Ganazzoli, Diretor do Instituto Estadual Integral "Antonio Ugo" de Palermo; e Giovanna Genco, Diretora da Escola Estadual - Escola Secundária "Leonardo Da Vinci" de Palermo. "Graças a In-Dependencies será possível trazer à tona os fenômenos ligados ao abuso e dependência de dispositivos digitais na área de Palermo - explica Peter La Mônica, psicóloga e psicoterapeuta do Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdense - O paradigma operacional e de pensamento que será implantado é o de estender o tratamento à prevenção, não apenas à patologia. Queremos evitar a demonização de ferramentas tecnológicas, ampliar o conhecimento dos dispositivos e criar consciência; mas sobretudo – continua La Monica – entender quais são os códigos interpretativos que nos permitem entrar nos quartos dos meninos e meninas e “sintonizar” com eles através de um olhar cultural transformador que leva em conta a velocidade da evolução da tecnologia e a sistema de relações. Também serão envolvidos os pais, alunos do ensino básico e secundário, de forma a agilizar a abordagem”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.