Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar?  Essa é a questão…

Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar? Essa é a questão…

Foto por rawpixel – Unsplash

Roma (NEV), 24 de março de 2023 – A apresentação do segundo papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, “Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico”. Promovido pela Assindatcolf e editado, nesta parte, pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, o relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), “Esperança do Mediterrâneo”, representando a campanha “Fui estrangeiro” à qual a própria FCEI adere.

“Ficou claro que na Itália, em termos de políticas de entrada, existe um paradoxo antigo – diz Gori -. Por um lado, o mercado de trabalho italiano precisa de mão de obra. Por outro lado, os decretos de fluxo não prevêem cotas para o setor doméstico e, no fundo, a rigidez e a miopia dos mecanismos de entrada na Itália para quem procura trabalho geram essencialmente uma imigração irregular”.

Trabalho doméstico, trabalho não declarado

Alguns dados relativos ao setor doméstico. “Estima-se que 50% dos trabalhadores do setor doméstico sejam ilegais; de todos os trabalhadores ilegais, 1 em cada 4 trabalha no setor doméstico. E 70% dos residentes regulares são estrangeiros, principalmente de fora da UE”, explica Giulia Gori.

A escassez de trabalhadores masculinos e femininos também afeta o setor agrícola, onde são necessárias 100.000 pessoas. O setor turístico-hoteleiro (segundo Federalberghi, há 50.000 desaparecidos). As pequenas e médias empresas, segundo o Confartigianato, em 2022 tiveram dificuldade em encontrar 1,4 milhões de trabalhadores (43% dos recrutamentos esperados). Há também 20.000 transportadores rodoviários desaparecidos.

A máquina administrativa está “perpetuamente com falta de pessoal e continuamente bloqueada por um nível muito alto de burocracia”, escreve Gori novamente. Passados ​​quase 3 anos, portanto, “cerca de 40.000 trabalhadores ainda aguardam a obtenção de autorização de residência, assim como muitos empregadores e famílias aguardam finalizar a contratação e estabilizar a relação laboral com estas pessoas. Obviamente insustentável.”

O decreto “Cutro” e os pedidos de um estrangeiro

Gori analisa em seguida o “Decreto Cutro” em detalhe, sublinhando os seus aspectos positivos e críticos, nomeadamente o facto de que “o último decreto de fluxo introduz pela primeira vez a ‘Verificação prévia da indisponibilidade dos trabalhadores italianos’ para realizar um trabalho específico antes de contratar um trabalhador estrangeiro”.

Ao encerrar sua fala, Giulia Gori retoma as reivindicações da Campanha Eu Fui Estrangeira, ou seja, “a superação do mecanismo de cotas. A introdução de uma autorização de procura de emprego de doze meses, que facilita as reuniões entre trabalhadores estrangeiros e empregadores italianos. Introduzir um canal adicional de entrada de patrocinadores, que permite apoiar a entrada de um estrangeiro de forma a permitir a sua entrada no mercado de trabalho mediante um conjunto de garantias iniciais. Criação de um mecanismo permanente de regularização a título individual contra contrato de trabalho. No caso dos cuidadores, a única forma de poderem regularizar a sua situação e sair do trabalho não declarado”.

O projeto de lei de iniciativa popular proposto por Ero Straniero está de volta à pauta, com o texto mais uma vez articulado na agenda de trabalho da Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara.

Os direitos de todos, para não perder todos

“É um novo e importante passo – comenta Gori -, mesmo que a caminhada certamente ainda seja longa, mas acreditamos firmemente que é preciso olhar para a política migratória italiana de forma honesta, pragmática, sobretudo colocando os direitos em o Centro. Os direitos de todos, porque no sistema atual todos estamos perdendo: trabalhadores, empregadores, famílias, empresas, a economia e nossa humanidade. Não é por acaso que o subtítulo da Campanha Ero Straniero é ‘HUMANIDADE QUE FAZ O BEM’. O objetivo é transformar a imigração em uma oportunidade para todas as pessoas”.

O Relatório 2023 promovido pela Assindatcolf será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais foi confiado a um dos parceiros do projeto: Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fondazione Employment Consultant Studies e Idos Study and Research Centre.

Leia o discurso completo: Family Net Work por Giulia Gori.docx.

Leia o comunicado de imprensa final de Assindatcolf:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

foto de Clément Dellandrea, unsplash Roma (NEV), 20 de maio de 2021 – Uma carta ao Presidente da Comissão Europeia Ursula Von Der Leyen pela American Waldensian Society, para pedir um maior empenho em favor do acolhimento dos migrantes. “Nós escrevemos para vocês como americanos que têm laços profundos e duradouros com a Europa e em particular com os cristãos italianos. […] valorizamos os valores europeus de tolerância, inclusão e abertura a estrangeiros. Como descendentes de imigrantes da Europa, adoramos a ideia europeia, expressa por Emma Lázarofilha de judeus portugueses, em seu poema para a Estátua da Liberdade no porto de Nova York, que diz: “… me dê seu cansaço, seus pobres, suas massas amontoadas desejando respirar livremente, o miserável refugo de sua costa fervilhante. Envie-me os sem-teto, sacudidos pela tempestade". Muitas dessas "massas amontoadas" acabaram se tornando a espinha dorsal da sociedade americana", diz a carta, assinada em particular por Carol Bechteldiretoria executiva, Brad Lewispresidente e Duncan Hansoncoordenador de comunicação da North American Waldensian Society. “Tememos que esta antiga visão de acolher os migrantes, trazida pelos nossos antepassados ​​da Europa para os Estados Unidos, esteja agora a morrer em ambos os lados do Atlântico. Vimos o sofrimento dos migrantes que tentam cruzar o Mediterrâneo em direção à ilha de Lampedusa - continuam os valdenses - e quantos deles perdem a vida antes mesmo de chegar às costas da Europa. Mas também estamos dolorosamente cientes da situação dos migrantes que tentam atravessar o Mar Egeu para Lesbos, bem como de outros migrantes que tentam entrar na Europa através do enclave espanhol de Ceuta e ainda outros expulsos à força da Hungria. Não podemos ver nada desse sofrimento sem pensar também na angústia indescritível dos migrantes que tentam entrar em nosso país pela fronteira sul”. Em particular, os valdenses americanos pedem à UE “que apoie a criação de novos corredores humanitários para que os migrantes mais vulneráveis ​​possam entrar na Europa de forma legal e segura; exortar os Estados-Membros da UE a aumentarem as suas quotas nacionais de reinstalação ao abrigo do Pacto Global das Nações Unidas sobre Refugiados e da Estratégia Trienal sobre Reinstalação e Vias Complementares; facilitar o processo de realocação de migrantes da Itália e de outros países da linha de frente, para que todos os Estados-Membros da UE tenham sua parcela justa de responsabilidade europeia compartilhada para receber migrantes; desenvolver um plano de ação abrangente da UE que considere a migração global não como uma emergência, mas como um processo normal e de longo prazo que requer estratégias de cooperação, integração e inclusão social”. Por último, uma referência ao discurso do Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli do último dia 25 de fevereiro no Conselho Europeu, que “expressa perfeitamente nossa oração pela Europa e pelos Estados Unidos: “Não podemos voltar ao mundo em que estávamos antes da pandemia. Precisamos de mais democracia, mais solidariedade, mais Europa”. ...

Ler artigo
O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

Karlsruhe. Foto de Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2022 – 800 delegados de igrejas-membro de todo o mundo, outros 500 entre observadores, convidados e crentes de várias religiões, mais de 300 estudantes e voluntários. Esses são apenas alguns dos números de participantes - um total de mais de 1.500 pessoas por dia - na próxima cúpula do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que será inaugurada em poucos dias, no dia 31 de agosto, em Karlsruhe, na Alemanha . Sobre o que é isso? Da 11ª Assembleia do CMI, um “Encontro de Fé e Fraternidade” do mais alto órgão de governo do Conselho Ecumênico Mundial, que se reúne normalmente a cada 8 anos (a última vez foi em Busan, na Coreia do Sul, em 2013). O que isso faz? Ele elege o Comitê Central e os presidentes, estabelece a direção "política" do Conselho Mundial de Igrejas, prepara declarações públicas, revisa o trabalho do Conselho, faz quaisquer mudanças na constituição e nos regulamentos, decide as diretrizes financeiras. As decisões são tomadas usando o método de consenso. Para suas igrejas membros, o WCC (WCC em inglês) é, como explica o pastor Michael Charbonnier, que será delegado em Karlsruhe e é membro do Comitê Central do CMI, “um espaço único: um espaço no qual eles podem refletir, conversar, agir, louvar a Deus e trabalhar juntos, questionar e apoiar uns aos outros, compartilhar dons e desafios, e discutem entre si e com a sociedade civil”. O CMI é, por sua vez, "a mais ampla e inclusiva das muitas expressões organizadas do movimento ecumênico moderno, um movimento cujo objetivo é a unidade cristã". O trabalho diário, na Alemanha, será dividido em vários momentos: haverá pré-assembléias sobre mulheres e homens, jovens, indígenas, pessoas com deficiência, oração matutina e vespertina, cinco plenárias e reflexões teológicas, grupos de estudos bíblicos e de formação, conversas ecumênicas, encontros confessionais e regionais, assim como momentos mais "institucionais" e técnicos como Comissões, relatórios e eleições. Haverá também espaços "no estilo de um fórum social", ou seja, i Brunnen (literalmente 'fonte', em alemão), onde acontecerão oficinas, exposições e atividades culturais, performances. “Pequenos passos mas juntos” Qual será a relevância deste evento internacional? “É um momento importante para o cristianismo que tem consciência da necessidade de trabalhar juntos e ter lugares, momentos, momentos em que nos encontramos, nos conhecemos e nos reconhecemos”, declara o pároco Michael Charbonnier. Pr. Michel Charbonnier “Será uma forma de recarregar as baterias espirituais. Para igrejas muito pequenas como as nossas italianas é importante se encontrar em um contexto com igrejas diferentes, de tamanhos diferentes, para se reconhecer como parte de um cristianismo maior e ver que sua voz é preciosa e é ouvida naquele contexto. Além da parte de decisão, há uma parte importante da comunidade, nos encontramos para descobrir ou redescobrir uma enorme diversidade que é uma riqueza em termos de modos de ser Igreja. Isto é funcional para recarregar as baterias mencionadas. E também será importante a comparação com muitas ONGs ligadas às igrejas, associações, redes que trabalham em vários temas, desde a paz na Palestina e em Israel, passando pelo direito à água, até os dos povos apátridas…” Quais são suas expectativas antes de começar a trabalhar? “Será a minha terceira assembleia e por isso saio sabendo que não será possível acompanhar tudo mas que só de estar imerso neste evento será por si só uma experiência única e um grande privilégio. Uma parte importante será o networking, a possibilidade de construir novos relacionamentos”. As convergências serão encontradas em muitas questões e o caminho compartilhado será crucial: "pequenos passos, mas dados juntos". Na mesa de Karlsruhe, um dos assuntos mais quentes será inevitavelmente a guerra na Ucrânia e, em particular, as posições expressas pelo Patriarca Kirill. “A declaração do CMI, em junho passado, sobre a Ucrânia lança as bases para um trabalho mais ponderado e pode neutralizar o risco de conflitos – explica Charbonnier -. A assembléia trabalhará, portanto, no sentido de baixar os braços, físicos e outros, ou seja, para não elevar o nível de confronto também em termos de diplomacia eclesiástica. Por outro lado, deve-se lembrar que as igrejas ortodoxas não são monolíticas, há dissidência interna e também na política paralela há certamente uma oposição à linha de Putin. Em todo caso, o comitê central, por unanimidade por consenso - incluindo, portanto, os delegados do patriarcado de Moscou - já considerou que a tarefa do conselho não era aumentar o nível de confronto, como eu disse. A tarefa dos cristãos é trabalhar pela reconciliação e expulsão só isto de uma igreja – o que nunca aconteceu nem para igrejas durante o apartheid na África do Sul – acho que é um atalho”. E quanto à exploração da fé? “Devemos continuar denunciando e abrindo espaços contra esse uso perverso da fé”, conclui o pároco valdense. não ao eurocentrismo o pastor estagiário Simone De Giuseppe Simone De Giuseppe, battista, pároco probatório nas igrejas de Gravina e Altamura, na Puglia, 30 anos, está em sua primeira experiência como delegado à Assembleia da CEC. “Mesmo sendo um geração do milênioacho que a questão do clima, como você já apontou também Ioan Sauca, estar grávida, para qualquer outro discurso. Por isso, acho que deve ter um destaque particular e espero que sejam tomadas posições fortes sobre isso porque o futuro depende do clima e, infelizmente, percebemos a irreversibilidade do que está acontecendo”, declara De Giuseppe. Do ponto de vista humano e pessoal, o jovem Batista está "animado por poder compartilhar um encontro tão internacional, um compromisso global que certamente dará uma oportunidade preciosa para a riqueza de crenças e experiências, que já tive em parte em meus estudos teológicos no instituto ecumênico de Bossey, na Suíça, centro do Conselho Ecumênico de Igrejas”. Uma ocasião, portanto, mais única do que rara, aquela em que “mais de 4500 pessoas se reunirão, num momento histórico particularmente significativo como este que vivemos na Europa. Será um momento para realmente nos perguntarmos "Que Europa queremos construir?" Gostaria que tudo não fosse feito em chave eurocêntrica - conclui De Giuseppe -, há um risco neocolonial de viver o cristianismo com uma perspectiva autorreferencial que deve ser superada. Olhemos para os muitos hemisférios do sul, partamos das necessidades das populações e territórios que mais sofrem com o estilo de vida ocidental, escutemos as vozes dos oprimidos. A começar pelos rumores de que estarão presentes em Karlsruhe. Espero sinceramente, dado o caminho já percorrido pelo concílio ecumênico nessa direção, que possamos dizer 'não' à armadilha do eurocentrismo”. O CMI reúne igrejas, denominações e associações de igrejas em mais de 120 países e territórios em todo o mundo, representando mais de 580 milhões de cristãos* e incluindo a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes igrejas. Enquanto a maioria das igrejas fundadoras do WCC eram européias e norte-americanas, hoje a maioria das igrejas-membro são encontradas na África, Ásia, Caribe, América Latina, Oriente Médio e Pacífico. Existem atualmente 352 igrejas membros. A agência de notícias NEV acompanhará o evento na Alemanha com seu editor. Artigos, entrevistas e insights serão publicados por Karlsruhe durante o encontro, a partir de 31 de agosto. Para saber mais: “Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática" “CEC. Rumo à Assembleia na consciência do valor de um organismo global”, da Reforma Todos os materiais aqui: www.oikoumene.org Aqui estão as últimas declarações do CEC: sobre a Ucrânia a-matar-e-todas-as-outras-consequências-miseráveis-que-acarrete-é-incompatível-com-a-própria-natureza-dos-deuses sobre Israel e Palestina direitos humanos iguais para todos na terra santa sobre a emergência climática de ação contra as mudanças climáticas sobre exploração sexual, abuso e violência e-assédio chama-igrejas-para-desafiar-a-injustiça-conscientizar- sobre as necessidades da Etiópia no chifre da África sobre o recém-eleito secretário-geral Relatório da Comissão Executiva de maio de 2022 oferece espaço para ouvir e cuidar uns dos outros Entrevista com o secretário-geral sobre a guerra na Ucrânia As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Um amor acabado é realmente o fim de tudo?

Um amor acabado é realmente o fim de tudo?

Roma (NEV), 6 de dezembro de 2021 – Tristeza, medo, esperança, confiança, alegria e amor. Essas são as "emoções de fé" representadas na minissérie proposta pela Igreja Evangélica Valdense e pela Igreja Protestante Unida da França. “A partir deste primeiro episódio sobre a tristeza, seguimos nossa protagonista em sua jornada entre a Bíblia e as emoções de sua vida de adolescente – escrevem as igrejas patrocinadoras -. Irá prevalecer o desânimo ou ele conseguirá encontrar (e reencontrar) uma luz dentro de si?”. Os vídeos serão transmitidos diariamente até 19 de dezembro de 2021. Feita para a web, a minissérie se chama “As emoções da fé e estará disponível no Instagram, Facebook, YouTube e sites das respectivas igrejas. As duas primeiras séries, estreladas por Léa E Camila, são seis episódios cada. Disponíveis em francês e italiano, serão traduzidos para espanhol, português, holandês e alemão em janeiro de 2022. A iniciativa também conta com o apoio da Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa (CEPPLE). [embed]https://www.youtube.com/watch?v=0qwv4ptPDR0[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.