Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – O G20 Interfaith Forum 2021 terminou ontem com a cerimônia final com a presença do Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghi. Com mais de 370 participantes, o G20 das Religiões reuniu delegados de 70 países em Bolonha para 32 sessões de trabalho. 160 palestrantes, 94 políticos e diplomatas, 50 autoridades religiosas e 93 especialistas chegaram à capital da Emilia-Romagna “com o objetivo de construir um espaço de encontro e diálogo, estimulando o debate sobre o tema no centro do Fórum”, disse o Time Curar”, consta na nota de encerramento do evento.

Philip Vinod Pavão
Secretário-Geral Interino de Programas
Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas

Entrevistamos alguns desses líderes de igrejas, com foco particular na representação evangélica internacional. O primeiro é Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), professor de teologia e diácono da Igreja do Norte da Índia.

Quais foram suas primeiras impressões sobre o trabalho do Fórum?

É importante que haja encontros inter-religiosos deste tipo entre as várias comunidades de fé, ocasiões como esta de discussão para apresentar uma agenda muito clara e concreta sobre o que estamos pedindo ao G20. No entanto, acho que alguns dos pedidos e deliberações são muito “conservadores”, talvez pudéssemos ser mais enfáticos sobre o que queremos, principalmente como comunidade de fé.

Em quais questões você acha que precisamos de mais ênfase, mais coragem?

Em particular sobre dois itens da ordem do dia. A primeira é a crise climática: que é real e, portanto, requer uma pergunta mais profunda e clara sobre ações concretas de combate às mudanças climáticas e voltadas para a proteção da criação. Em segundo lugar, no que diz respeito às desigualdades econômicas, também ligadas a este momento de crise: deve haver indicadores muito claros de como vamos atuar nessa frente. Seria preciso pedir um imposto para os mais ricos.

As igrejas reformadas sempre estiveram comprometidas com a questão de gênero, justiça econômica e ecológica, começando com a Confissão de Acra em 2004. Como esse compromisso continua?

Sobre a justiça econômica, problematizamos a confissão de Acra em uma nova arquitetura financeira e econômica internacional, um programa colaborativo, implementado em conjunto com o Conselho Mundial de Igrejas, a Federação Luterana Mundial, o Conselho Metodista Mundial, o Conselho Mundial de Missões. Nesta campanha, estamos trabalhando em dois níveis. A primeira diz respeito à atividade de defesa o que fazemos com nossas igrejas, que representam cerca de meio bilhão de pessoas em todo o mundo, especialmente para organizações financeiras internacionais e as Nações Unidas, tanto para democratizar essas instituições, quanto para exortá-las a trabalhar para o bem das massas, em todo o mundo , em vez de servir aos interesses de alguns. Em 2019 lançamos uma campanha fiscal, o #ZacTax, o projeto Zaqueu, pela tributação justa, que continua e continua recebendo apoios e assinaturas. Estamos pedindo um imposto sobre grandes fortunas, um imposto sobre transações financeiras e um específico contra as mudanças climáticas. As indústrias poluidoras têm de pagar um imposto ad hoc. Assim como acreditamos que as empresas e indivíduos que ganharam muito dinheiro durante a pandemia devem ser tributados, com um imposto único que pode, por exemplo, contribuir para um serviço de saúde global universal. Grandes multinacionais, como Amazon e Google, aumentaram seus ganhos durante esta crise, agora têm que contribuir. Finalmente, pedimos fundos para um sistema abrangente de reparações pelos danos da escravidão e do colonialismo.

Falando de ecumenismo e diálogo, quais são os principais desafios que você enfrenta?

Para ser honesto, no momento o ecumenismo parece estar muito focado na situação da unidade da Igreja. Isso é importante, claro, há pessoas que parecem crescer em suas próprias tradições denominacionais sem perder o foco na visão mais ampla de um horizonte ecumênico. Mas, enquanto se dão esses passos rumo à unidade, creio que também é importante nos perguntarmos: “O que nos une?” E acho que a resposta é, principalmente neste momento em que a pandemia revelou tanta desigualdade no mundo, que devemos nos unir em prol da justiça para todos.

Como as igrejas reagiram à pandemia de Covid19 e tudo o que ela envolveu?

As igrejas individuais são muito ocupadas e ativas, localmente, em todo o mundo. Tanto para disseminar informações e aumentar a conscientização sobre saúde, quanto com outros tipos de intervenções, por exemplo nos EUA, onde há uma grande demanda por assistência médica universal, ou em outros países da Ásia, duramente atingidos pela crise econômica após o bloqueio , com apoio para trabalhadores migrantes e pessoas que não tiveram acesso a bens de uso diário. Temos apoiado algumas dessas iniciativas por meio de pequenas doações. Tanto para o lado “prático”, mas para nós da comunidade reformada, este é realmente um momento apocalíptico. Apocalipse no sentido bíblico: ou seja, não um grande desastre, mas uma revelação do que está acontecendo, das desigualdades pré-existentes, a realidade é revelada. Usamos muito essa linguagem do “novo normal”, mas o que estamos tentando trazer à tona é que o que é normal é muito avassalador para tantas pessoas. Assim, na vida cotidiana, por exemplo, na língua que falamos, na forma como organizamos nosso mundo, o patriarcado está arraigado: até mesmo usando a palavra “humanidade (humanidade)” exclui metade do mundo. Então o que é “normal” muitas vezes não é bom, é um espaço onde ocorre a opressão. Queremos outro mundo, não um novo normal, mas algo radicalmente diferente. Para nós esta visão é teológica. A entrada neste novo espaço faz-se através do sacramento da comunhão, que é também um momento simples, uma refeição. Mas comer juntos não é mais possível em tempos de pandemia. Assim, devemos também simbolicamente regressar a um lugar onde nos possamos sentar à mesa, reconhecendo que todas as mesas são espaços sagrados, não só as da igreja, mas também as das salas de reunião onde são tomadas decisões que influenciam – e devem proteger – a vida dos pessoas. Com a renovação dos votos batismais, morremos para a velha vida e ressuscitamos para uma nova, em um novo espaço transformado onde há fartura para todos.

Migrantes e a situação afegã: o que as igrejas reformadas estão fazendo?

Trabalhamos em estreita colaboração com a Comissão das Igrejas para a Migração na Europa e com todas as realidades das Igrejas envolvidas, em particular nestas questões. Nossas igrejas na Grécia e na Itália estão ainda mais “na vanguarda” da hospitalidade. Em escala global, então, fomos até a fronteira entre os EUA e o México, em El Paso, vimos como as pessoas estavam sendo paradas na fronteira e em Washington apoiamos as iniciativas de nossas igrejas, também em termos de advocacy. Também gastamos na crise em Mianmar, Líbano e Síria. No que diz respeito ao Afeganistão, onde, no entanto, não há igrejas-membro e, portanto, não temos uma “voz” direta, pedimos e continuamos a pedir um compromisso para proteger a população.

Em geral, no que diz respeito à questão da migração, na minha opinião, houve uma mudança marcante nos últimos anos: a Europa foi muito mais acolhedora no passado do que agora. Até o Covid19 tem sido usado de alguma forma como um meio, um pretexto para fechar ainda mais as fronteiras e não deixar as pessoas migrarem. Os migrantes costumam ser vistos como propagadores. Então, acho que a pandemia trouxe um retrocesso em termos de direitos dos migrantes. Ao mesmo tempo, sabemos que muitas de nossas igrejas têm oferecido hospitalidade e acolhimento, ou seja, estão tentando fazer a sua parte. Recordemos, por exemplo, o caso da igreja protestante na Holanda que conseguiu evitar a expulsão de uma família de refugiados, continuando a celebrar um culto durante dias.

Por um ano não haverá novo secretário geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, mas a responsabilidade será compartilhada por um secretariado coletivo. Essa estrutura pode se tornar uma nova expressão de liderança?

Mudamos de organização e agora estamos trabalhando em uma secretaria geral coletiva, onde trabalhamos três juntos, depois de quatro anos fui secretário executivo de justiça e testemunho (Pastor Chris Ferguson, secretário-geral cessante, terminou o seu mandato após sete anos no passado dia 31 de agosto, ed.). Essa nova forma coletiva de organização também significa que as decisões serão mais coletivas. Estamos tentando trabalhar com discernimento e consenso, e todas as decisões são tomadas coletivamente. Portanto, também estamos nos movendo em direção a uma nova forma de liderança, que acreditamos ser verdadeiramente reformada. Infelizmente, persiste um problema de gênero e representação feminina, do qual estamos cientes. Isso precisa mudar, e esperamos fazer isso muito em breve, na verdade.”


A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) reúne mais de 225 igrejas protestantes em mais de 110 países.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

A Casa Valdense de Torre Pellice, sede do Sínodo da união das igrejas Metodista e Valdense. Foto retirada do site www.chiesavaldese.org Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – 2.893 pedidos de financiamento do terceiro setor para o Otto per mille Waldensian. Este é o número de projetos envolvendo a Itália que pediram às igrejas valdenses uma contribuição econômica. As áreas de maior interesse são deficiência, crianças e jovens e cultura. O último concurso do OPM encerrou no dia 27 de janeiro. Nos próximos meses, o órgão responsável seguirá com a fase de investigação preliminar, ou seja, a verificação da admissibilidade formal quanto aos requisitos do edital.A segunda fase será a avaliação de mérito e é realizada por uma comissão responsável. Os critérios para esta etapa são: coerência entre os objetivos e finalidades da solicitação; integridade e precisão na descrição; correspondência entre os problemas descritos e os objetivos do projeto; correlação entre atividades e objetivos; relação entre o custo estimado e a atividade; coerência entre o pedido e os fins estatutários da instituição. Esse processo leva seis meses, de fevereiro a julho. Finalmente, em agosto, o Sínodo vota e discute a lista de projetos aprovados e em setembro haverá a publicação no site de todas as atividades que receberão a contribuição Otto por mil. artigo anteriorPluralismo religioso, fundamentalismos, democraciasPróximo artigoMaddalena Colombo: "Nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra a mulher" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Lutero em Worms.  O momento chave da Reforma, 500 anos depois

Lutero em Worms. O momento chave da Reforma, 500 anos depois

Roma (NEV), 16 de abril de 2021 – ONU “Momento chave na história da Reforma“, segundo o professor Lothar Vogel da Faculdade Valdense de Teologia. Estamos falando de 16 a 18 de abril de 1521, 500 anos atrás. Martinho Lutero chega a Worms, onde está em andamento desde janeiro a Dieta, assembléia dos príncipes do Sacro Império Romano-Germânico, juntamente com Carlos V. O encontro tem como ponto central de debate o Causa Lutheri, a discussão sobre as teses do monge agostiniano, intimado a se retratar do que já havia sido tornado público mais de três anos antes, em 31 de outubro de 1517. Em Riforma.it, Cláudio Geymonat E Gian Mario Gillio assinar um estudo sobre a recusa de Lutero em abjurar. Recusa que levará à sua condenação e será um passo decisivo no processo de início da Reforma Protestante, cujas ideias já despertavam grande atenção entre as populações alemãs. Na Alemanha, o próximo fim de semana será marcado por comemorações, cultos, shows para relembrar o evento. Na sexta-feira, dia 16, está agendada uma celebração, transmitida pelo canal de televisão SWR, que envolverá o Presidente da República Federal Frank-Walter Steinmeiero presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), bispo Heinrich Bedford-Strohme o bispo católico de Mainz Peter Kohlgraf. Sábado, dia 17, na página do Facebook da emissora Swr, será transmitido um elaborado programa multimídia referente à visita de Lutero a Worms. Sobre a Reforma, também o comentário de Vogel, que estudou teologia em Tübingen e Marburg e desde 2006 é professor de História do Cristianismo na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Leia mais em Riforma.it Vá para a guia NEV. Martinho Lutero (1483-1546) ...

Ler artigo
Faculdade Valdense.  Abertura do ano letivo 2020/21

Faculdade Valdense. Abertura do ano letivo 2020/21

Roma (NEV), 29 de setembro de 2020 – A abertura do ano acadêmico 2020/21 da Faculdade Valdense de Teologia (FVT) será oficialmente realizada no sábado, 3 de outubro, a partir das 17h30, com uma prolusão de Fulvio Ferrario, reitor da Faculdade, sobre “A cátedra e o púlpito. Serviço Teológico na Igreja Evangélica”. O culto de abertura editado por Yann Redalié será realizada na igreja valdense na Piazza Cavour, domingo, 4 de outubro, às 10h45, também em transmissão ao vivo no Durante a Semana Introdutória, a partir de segunda-feira, dia 5 de outubro, estão programadas várias atividades: apresentação do programa, introdução à Biblioteca, boas-vindas aos alunos internacionais. Estarão presentes como oradores David Romanosobre “Fazendo Teologia na Faculdade Adventista Villa Aurora”; José Loriziosobre "Fazer teologia na Pontifícia Universidade Lateranense"; Gury Schneider-Ludorff E Markus Mülke sobre “Fazendo teologia na Augustana Hochschule em Neuendettelsau”. Sexta-feira, 9 de outubro, às 17h30, apresentação do livro "Relendo a Reforma" de Fulvio Ferrario e Lothar Vogelpreside Domenico Segnaeles intervêm Cettina Militello (Marianum) e Paulo rico (FVT). Baixe o Pôster da Semana Introdutória Por motivos de organização, favor confirmar sua participação no local enviando um e-mail para a Secretaria da FVT ([email protected]). A participação no atendimento é limitada a 80 pessoas (para o discurso de abertura e adoração) e 12 pessoas (para os eventos da semana introdutória) respectivamente. Prolusão e adoração podem ser acompanhadas na página do Facebook da igreja valdense na Piazza Cavour ou enquanto os eventos da semana podem ser acompanhados via Zoom no modo telemático registrando-se por e-mail no seguinte endereço [email protected] Na oferta formativa da Faculdade, também dois cursos ministrados por Daniele Garrone E Fulvio Ferrarioaberto a todos, segundo o método "All you can learn": ao inscrever-se como "auditor" durante um ano lectivo completo, tem acesso a todos os cursos indicados no catálogo e programa da FVT. Consulte Mais informação: Daniel Garrone. Um Deus, o seu nome e as suas denominações – 13 de outubro de 2020 a 26 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 Fúlvio Ferrario. Proclamando o Evangelho na Europa secular. Uma proposta protestante – 14 de outubro de 2020/20 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Foi fundada em 1855 na Torre Pellice (TO), e depois mudou-se para Florença para o Palazzo Salviati de 1860 a 1921, e para Roma, na via Pietro Cossa, ao lado da igreja valdense na Piazza Cavour. A Faculdade representa um ponto de encontro e diálogo, dada a participação de muitos estudantes estrangeiros e em virtude de uma acentuada sensibilidade ecuménica. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.