Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – O G20 Interfaith Forum 2021 terminou ontem com a cerimônia final com a presença do Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghi. Com mais de 370 participantes, o G20 das Religiões reuniu delegados de 70 países em Bolonha para 32 sessões de trabalho. 160 palestrantes, 94 políticos e diplomatas, 50 autoridades religiosas e 93 especialistas chegaram à capital da Emilia-Romagna “com o objetivo de construir um espaço de encontro e diálogo, estimulando o debate sobre o tema no centro do Fórum”, disse o Time Curar”, consta na nota de encerramento do evento.

Philip Vinod Pavão
Secretário-Geral Interino de Programas
Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas

Entrevistamos alguns desses líderes de igrejas, com foco particular na representação evangélica internacional. O primeiro é Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), professor de teologia e diácono da Igreja do Norte da Índia.

Quais foram suas primeiras impressões sobre o trabalho do Fórum?

É importante que haja encontros inter-religiosos deste tipo entre as várias comunidades de fé, ocasiões como esta de discussão para apresentar uma agenda muito clara e concreta sobre o que estamos pedindo ao G20. No entanto, acho que alguns dos pedidos e deliberações são muito “conservadores”, talvez pudéssemos ser mais enfáticos sobre o que queremos, principalmente como comunidade de fé.

Em quais questões você acha que precisamos de mais ênfase, mais coragem?

Em particular sobre dois itens da ordem do dia. A primeira é a crise climática: que é real e, portanto, requer uma pergunta mais profunda e clara sobre ações concretas de combate às mudanças climáticas e voltadas para a proteção da criação. Em segundo lugar, no que diz respeito às desigualdades econômicas, também ligadas a este momento de crise: deve haver indicadores muito claros de como vamos atuar nessa frente. Seria preciso pedir um imposto para os mais ricos.

As igrejas reformadas sempre estiveram comprometidas com a questão de gênero, justiça econômica e ecológica, começando com a Confissão de Acra em 2004. Como esse compromisso continua?

Sobre a justiça econômica, problematizamos a confissão de Acra em uma nova arquitetura financeira e econômica internacional, um programa colaborativo, implementado em conjunto com o Conselho Mundial de Igrejas, a Federação Luterana Mundial, o Conselho Metodista Mundial, o Conselho Mundial de Missões. Nesta campanha, estamos trabalhando em dois níveis. A primeira diz respeito à atividade de defesa o que fazemos com nossas igrejas, que representam cerca de meio bilhão de pessoas em todo o mundo, especialmente para organizações financeiras internacionais e as Nações Unidas, tanto para democratizar essas instituições, quanto para exortá-las a trabalhar para o bem das massas, em todo o mundo , em vez de servir aos interesses de alguns. Em 2019 lançamos uma campanha fiscal, o #ZacTax, o projeto Zaqueu, pela tributação justa, que continua e continua recebendo apoios e assinaturas. Estamos pedindo um imposto sobre grandes fortunas, um imposto sobre transações financeiras e um específico contra as mudanças climáticas. As indústrias poluidoras têm de pagar um imposto ad hoc. Assim como acreditamos que as empresas e indivíduos que ganharam muito dinheiro durante a pandemia devem ser tributados, com um imposto único que pode, por exemplo, contribuir para um serviço de saúde global universal. Grandes multinacionais, como Amazon e Google, aumentaram seus ganhos durante esta crise, agora têm que contribuir. Finalmente, pedimos fundos para um sistema abrangente de reparações pelos danos da escravidão e do colonialismo.

Falando de ecumenismo e diálogo, quais são os principais desafios que você enfrenta?

Para ser honesto, no momento o ecumenismo parece estar muito focado na situação da unidade da Igreja. Isso é importante, claro, há pessoas que parecem crescer em suas próprias tradições denominacionais sem perder o foco na visão mais ampla de um horizonte ecumênico. Mas, enquanto se dão esses passos rumo à unidade, creio que também é importante nos perguntarmos: “O que nos une?” E acho que a resposta é, principalmente neste momento em que a pandemia revelou tanta desigualdade no mundo, que devemos nos unir em prol da justiça para todos.

Como as igrejas reagiram à pandemia de Covid19 e tudo o que ela envolveu?

As igrejas individuais são muito ocupadas e ativas, localmente, em todo o mundo. Tanto para disseminar informações e aumentar a conscientização sobre saúde, quanto com outros tipos de intervenções, por exemplo nos EUA, onde há uma grande demanda por assistência médica universal, ou em outros países da Ásia, duramente atingidos pela crise econômica após o bloqueio , com apoio para trabalhadores migrantes e pessoas que não tiveram acesso a bens de uso diário. Temos apoiado algumas dessas iniciativas por meio de pequenas doações. Tanto para o lado “prático”, mas para nós da comunidade reformada, este é realmente um momento apocalíptico. Apocalipse no sentido bíblico: ou seja, não um grande desastre, mas uma revelação do que está acontecendo, das desigualdades pré-existentes, a realidade é revelada. Usamos muito essa linguagem do “novo normal”, mas o que estamos tentando trazer à tona é que o que é normal é muito avassalador para tantas pessoas. Assim, na vida cotidiana, por exemplo, na língua que falamos, na forma como organizamos nosso mundo, o patriarcado está arraigado: até mesmo usando a palavra “humanidade (humanidade)” exclui metade do mundo. Então o que é “normal” muitas vezes não é bom, é um espaço onde ocorre a opressão. Queremos outro mundo, não um novo normal, mas algo radicalmente diferente. Para nós esta visão é teológica. A entrada neste novo espaço faz-se através do sacramento da comunhão, que é também um momento simples, uma refeição. Mas comer juntos não é mais possível em tempos de pandemia. Assim, devemos também simbolicamente regressar a um lugar onde nos possamos sentar à mesa, reconhecendo que todas as mesas são espaços sagrados, não só as da igreja, mas também as das salas de reunião onde são tomadas decisões que influenciam – e devem proteger – a vida dos pessoas. Com a renovação dos votos batismais, morremos para a velha vida e ressuscitamos para uma nova, em um novo espaço transformado onde há fartura para todos.

Migrantes e a situação afegã: o que as igrejas reformadas estão fazendo?

Trabalhamos em estreita colaboração com a Comissão das Igrejas para a Migração na Europa e com todas as realidades das Igrejas envolvidas, em particular nestas questões. Nossas igrejas na Grécia e na Itália estão ainda mais “na vanguarda” da hospitalidade. Em escala global, então, fomos até a fronteira entre os EUA e o México, em El Paso, vimos como as pessoas estavam sendo paradas na fronteira e em Washington apoiamos as iniciativas de nossas igrejas, também em termos de advocacy. Também gastamos na crise em Mianmar, Líbano e Síria. No que diz respeito ao Afeganistão, onde, no entanto, não há igrejas-membro e, portanto, não temos uma “voz” direta, pedimos e continuamos a pedir um compromisso para proteger a população.

Em geral, no que diz respeito à questão da migração, na minha opinião, houve uma mudança marcante nos últimos anos: a Europa foi muito mais acolhedora no passado do que agora. Até o Covid19 tem sido usado de alguma forma como um meio, um pretexto para fechar ainda mais as fronteiras e não deixar as pessoas migrarem. Os migrantes costumam ser vistos como propagadores. Então, acho que a pandemia trouxe um retrocesso em termos de direitos dos migrantes. Ao mesmo tempo, sabemos que muitas de nossas igrejas têm oferecido hospitalidade e acolhimento, ou seja, estão tentando fazer a sua parte. Recordemos, por exemplo, o caso da igreja protestante na Holanda que conseguiu evitar a expulsão de uma família de refugiados, continuando a celebrar um culto durante dias.

Por um ano não haverá novo secretário geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, mas a responsabilidade será compartilhada por um secretariado coletivo. Essa estrutura pode se tornar uma nova expressão de liderança?

Mudamos de organização e agora estamos trabalhando em uma secretaria geral coletiva, onde trabalhamos três juntos, depois de quatro anos fui secretário executivo de justiça e testemunho (Pastor Chris Ferguson, secretário-geral cessante, terminou o seu mandato após sete anos no passado dia 31 de agosto, ed.). Essa nova forma coletiva de organização também significa que as decisões serão mais coletivas. Estamos tentando trabalhar com discernimento e consenso, e todas as decisões são tomadas coletivamente. Portanto, também estamos nos movendo em direção a uma nova forma de liderança, que acreditamos ser verdadeiramente reformada. Infelizmente, persiste um problema de gênero e representação feminina, do qual estamos cientes. Isso precisa mudar, e esperamos fazer isso muito em breve, na verdade.”


A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) reúne mais de 225 igrejas protestantes em mais de 110 países.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conferência.  De Lutero a Marchionne.  Ética de trabalho e globalização

Conferência. De Lutero a Marchionne. Ética de trabalho e globalização

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 – Na terça-feira, 7 de dezembro de 2010, uma conferência intitulada “De Martinho Lutero a Sergio Marchionne. Ética de trabalho e globalização". A noite, organizada pelo Centro Evangélico de Cultura Arturo Pascal e pela editora Claudiana, que teve como inspiração a recente publicação do volume de Mario Miegge intitulado "Vocação e trabalho", contou não apenas com a presença do autor do livro, Luciano Gallino , professor emérito de sociologia da Universidade de Turim, e Marco Revelli, professor de ciência política da Universidade do Piemonte Oriental. O volume de Miegge reconstrói as etapas pelas quais o trabalho, uma atividade tradicionalmente confinada à reprodução da vida biológica e desprovida de relevância política, ganhou a luz da esfera pública. Os dois momentos fundamentais que marcaram a emancipação do trabalho como atividade e a emancipação do movimento operário como sujeito político são, segundo a reconstrução precisa de Miegge, a doutrina calvinista e puritana do trabalho como vocação, que redime essa atividade de sua dimensão tradicional ligada ao biológico e às trevas da esfera doméstica, e a doutrina marxista do trabalho como fator de produção de um mundo autenticamente humano. O debate, em particular, abordou as questões mais dramaticamente urgentes da centenária parábola do trabalho, que agora atingiu uma crise e um ponto de inflexão, exemplificada pela história de Pomigliano. Os palestrantes questionaram se os processos de globalização colocaram em risco a possibilidade do trabalho construir uma esfera pública, ao fazer do trabalho uma atividade descontínua, precária e desprovida de direitos, que perde aquela dimensão de construção de sentido que permitiu sua emancipação. Qual é, então, o futuro do trabalho na sociedade ocidental? E qual é a sua relevância política futura? Hoje não é permitido responder à questão propondo soluções do passado; ao contrário, é necessário repensar a dimensão vocacional da atividade laboral e seu significado profundo em chave renovada. ...

Ler artigo
Proteger a criação construindo a paz.  Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Proteger a criação construindo a paz. Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Roma (NEV), 19 de junho de 2023 – A convocação para o XXII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, tradicionalmente celebrado em 27 de outubro, tem como título “Guardar a Criação Construindo a Paz”. Os promotores convidam "todas as mulheres e os homens de boa vontade a organizar iniciativas no dia 27 de outubro para celebrar o XXII Dia Ecumênico do diálogo cristão-islâmico", diz o comunicado divulgado hoje. Já em 2022 a comissão promotora havia sublinhado a necessidade do desarmamento para alcançar a paz. Este ano, à luz das Escriturassagradas religiões islâmica e cristã, a encíclica Laudato si' e a Declaração de AbuDhabi, o Comitê “propõe uma reflexão sobre a guarda humana da criação. Mudançascorrentes ecológicas – aumento das temperaturas e dos mares, desertificação, eventoscondições climáticas extremas – mostram o impacto negativo das ações humanas – guerras,poluição, exploração extrema de recursos – no planeta”. E convida «a um desarmamento dos corações, a uma conversão ecológica que renove a nossa vocação a ser guardiões da obra de Deus. As religiões, assim como a política, a escola e os meios de comunicação de massa são responsáveis ​​pela educação para a paz e o cuidado». Opomo-nos à bênção dos exércitos em nome de Deus, à transferência de fundos da saúde e da educação para o setor militar. Por fim, nos opomos à linguagem da guerra que vê o outro como inimigo. Pedimos uma reconversão da indústria de armas”. Também este ano o Dia é comemorado em memória de John Sarubbientrepromotores desta iniciativa e fundador do periódico online ildialogo.org. Nascido após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, na esteira da preocupação com um "choque de civilizações" no conceito desenvolvido pelo cientista político Samuel Huntingtono Dia do Diálogo Cristão-Muçulmano reuniu homens e mulheres desde o seu inícioreligião cristã e islâmica. “O diálogo é o único futuro possível da humanidade e do cosmos” repetem os organizadores.Na celebração do primeiro dia, na última sexta-feira do Ramadã em 2002, neoutros vinte se seguiram – a partir de 2008 celebrados na data fixa de 27 de outubro pararecordar o encontro inter-religioso de Assis em 1986 – e a iniciativa ano após anoenvolveu grupos, comunidades e associações que praticam localmente o "diálogo da vida". Leia o Apelo para o XXII Dia do Diálogo 2023 ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.