Se você quer paz, prepare-se para a paz

Se você quer paz, prepare-se para a paz

Roma (NEV), 20 de março de 2023 – Está tudo pronto para o 4º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Encontro Domingo, 26 de março de 2023, das 19 às 20. Desta vez, o tema é:

“Se você quer paz, prepare-se para a paz”

Convidados da noite Luciano Ardesijornalista e vice-presidente do Interfaith Center for Peace (CIPAX) e Simone Caccamopastor batista, em serviço na igreja batista na Via del Teatro Valle em Roma.

Reunião Zoom no seguinte link:

ID da reunião: 832 8945 3827

Senha: 683848

Para comunicações urgentes ligue: 335/7263374

Para marcar participação escreva para:[email protected]

A Rádio GLAM foi criada para coletar “Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…”



Quem ouve Rádio GLAM?

Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais.

Por que o nome Radio GLAM?

Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar.

Quando Rádio GLAM?

Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…

Como assinar a Rádio GLAM?

Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências!


A Comissão de Globalização e Meio Ambiente

Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã.

A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica.

Existem ecocomunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Multilinguismo no culto e nas liturgias, para “sentir-se em casa”

Multilinguismo no culto e nas liturgias, para “sentir-se em casa”

Foto de arquivo, Palermo 2019. Laboratório Intercultural de Formação e Acolhimento (LINFA) promovido pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) como parte do programa Ser a Igreja Juntos (ECI) Roma (NEV), 18 de novembro de 2022 – Em chiesavaldese.org a pastora Anne Zell assina um relatório sobre a Consulta sobre multilinguismo nas religiões e liturgias, promovida pela Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) em Cluj-Napoca na Romênia, de 8 a 11 de novembro passado. Entre outras coisas, falou-se da inclusão, da luta pelos direitos e pela justiça, da reconciliação e da convivência entre os diferentes, das minorias. Participaram mais de trinta representantes de diferentes Igrejas protestantes europeias. Zell escreve: >. leia em chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Chuva

Chuva

foto de Geetanjal Khanna, unsplash Roma (NEV), 22 de março de 2023 – No Dia Mundial da Água, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) nos convida a refletir sobre este elemento vital. “A Comissão sempre se manifestou muito sobre a água e continuará a fazê-lo, mas hoje propõe a partilha de um poema como contribuição própria – declara a coordenadora Maria Elena Lacquaniti -. A água refere-se a muitos temas, o mar, a água que sai da torneira, um poço, ribeiras de rios, mas o tema que neste momento parece concretizá-los a todos e que nos faz muita falta é a chuva”. “CHUVA de Federico García Lorcana tradução de Cláudio Rendina, contém sabores, emoções, memórias e vida. Esperamos receber seu apoio de boas-vindas”, escreve a GLAM em uma nota emitida por ocasião do Dia. CHUVA A chuva tem um vago segredo de ternura,uma vaga sonolência resignada e amável,a música humilde desperta com elaque torna vibrante o espírito adormecido da paisagem. É um beijo azul que a Terra acolhe,o mito primitivo que se concretiza novamente.O agora frio contato do velho céu e terracom um clima ameno de noites intermináveis. É o alvorecer da fruta. Aquele que nos dá florese nos unge com o espírito santo dos mares.Aquele que espalha a vida em sementese na alma tristeza de algo vago. A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de um amanhã impossívelcom a preocupação iminente da cor da carne. O amor desperta em seu ritmo cinza,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se transforma em tristezavendo as gotas mortas no vidro. São as gotas: olhos de infinito que olhamo branco infinito que era sua mãe. Cada gota de chuva treme no vidro sujodeixar feridas de diamante divinas.São poetas da água que viram e meditamo que a massa dos rios não sabe. Ó chuva silenciosa, sem tempestades nem ventos,chuva calma e serena de retumbante e doce luz,chuva boa e pacífica, você é o verdadeiroque desce amorosa e tristemente sobre as coisas! Oh chuva franciscana que trazes com as gotasalmas de fontes claras e mananciais humildes!Quando você desce os campos lentamenteabra as rosas do meu peito com seus sons. A canção primitiva que sussurra ao silêncioe a história sonora que você conta às frondesmeu coração deserto comenta chorandoem uma pauta preta profunda sem uma chave. Minha alma está triste com a chuva serena,resignado com tristeza de coisas irrealizáveis,e meu coração me impede de admiraruma estrela que se ilumina no horizonte. Oh chuva silenciosa que as árvores amame você é pela pura doçura das emoções;conceder à alma as mesmas brumas e ressonânciasque você coloca no espírito da paisagem adormecida! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 (Tradução de Cláudio Rendina) de "Poems (Libro de poemas)", Newton Compton, Roma, 1970 ∗∗∗ Chuva A chuva guarda um vago segredo de ternura,algo de sonolência resignada y lovable,uma música humilde dorme com elaque faz vibrar a alma dormida da paisagem. É um besar azul que a Terra recebe,o mito primitivo que vuelve a realizarse.El contato ya frio de cielo y tierra viejoscon una mansedumbre de atardecer constante. É o alvorecer da fruta. La que nos trae las florese somos ungidos com o espírito santo dos mares.La que derrama vida subre las somenterase na alma tristeza do que não se sabe.A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de uma manhã impossívelcom a inquietação em busca da cor da carne. O amor se perde no gris de seu ritmo,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se convence na tristezacontemplar as gotas mortas nos cristais. E são as bochechas: olhos de infinito que olhamal infinity blanco que les sirvió de madre. Cada face da chuva tiembla no cristal turbioy le dejan divinas heridas de diamante.São poetas da água que viram e que meditamlo que la muchedumbre de los ríos não sabe. Oh chuva silenciosa, sem tormentos nos ventos,a chuva mansa e serena de esquila e a doce luz,Chove bem e tranquilo que tu és o verde,la que amorosa y triste sobre las coisas caes! ¡Oh a chuva franciscana que te levanta os olhosalmas de fontes claras y humildes manantiales!Cuando sobre los campos desce lentamentelas rosas de mi pecho con tus sonidos abres. El canto primitivo que dices al silencioy la historia sonora que conta al ramajelos comentários llorando meu coração desertoem um pentágrama negro e profundo sem clave. Minha alma tem tristeza da chuva serena,tristeza cheia de uma coisa irrealizável,tengo en el horizonte un lucero encendidoe meu coração me impede de correr para contemplá-los. Oh a chuva silenciosa que as árvores amamy eres sobre el piano dulzura emocionante;das almas las mismas nieblas y ressonânciasque pones en el alma dormida del paisaje! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 de “Libro de poemas”, Maroto, Madrid, 1921 ...

Ler artigo
Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 18 de maio de 2023 - “Talvez tenhamos desclassificado o reparo da Criação como uma moda passageira, em vez de pensar constante e ativamente sobre o que podemos fazer como crentes, devemos ser responsáveis ​​como parte de um mundo interconectado. Um rio transbordante não deveria ser uma calamidade, sempre existiram, até a Bíblia fala disso (Isaías - 66, 12) e ao contrário se torna um problema porque os assentamentos humanos foram além da Criação”. A pastora valdense diz isso de Bolonha Giuseppina Bagnatopoucas horas depois dos acontecimentos que atingiram a Emilia Romagna. Entre a noite e a manhã, na província de Ravenna, Lugo e Cervia foram inundados. Ainda dezenas de estradas fechadas ou danificadas por deslizamentos de terra ou inundações. Milhares de pessoas evacuadas. Mais inundações na zona de Ravenna, um metro de água no centro histórico de Lugo. «Devemos centrar a atenção na relação a que somos chamados como crentes - continua o pároco da comunidade metodista e valdense que conta com cerca de 100 pessoas, entre Bolonha e a província de Modena -, com todos os súbditos, leigos, crentes e não -crentes, para construir projetos que possam melhorar os territórios e as cidades em que vivemos. Somos chamados a fazê-lo, como Igrejas, desde baixo, porque a Igreja deve ser profética e por isso é necessário agir pessoalmente, esperando uma mudança ainda mais ampla, “acima”, naqueles que fazem escolhas políticas”. Na capital da Emília, a situação parece estar sob controle, “os maiores problemas não estão apenas na Romagna, mas também nas províncias, nas aldeias das colinas”. O pastor valdense Alexandre Esposito, em Rimini há pouco menos de dois anos, fala de uma situação pouco grave na cidade, mas "estamos nos organizando com outras entidades para ajudar os feridos e as pessoas que vivem nos centros mais afetados. Aproveito para agradecer a todos os socorristas e a todos os que estão a fazer o seu melhor para apoiar a população. Como igrejas, estamos à disposição de todos os necessitados". Mesmo para ele, porém, é preciso entender e refletir sobre “nossa falta de atenção”, como cidadãos, para com a emergência climática. Na zona mais afectada pelas chuvas, a de Cesena, "a situação é caótica e muito difícil, estamos a tentar ajudar as famílias em dificuldade, a dar a mão como podemos", afirma Nicodemos Fabiano, pároco da Igreja Evangélica Batista de Cesena e Rimini. “Em Forlì, as instalações da igreja evangélica são invadidas por um metro de água. Até na minha casa a chuva causou estragos. Agora é preciso rezar pela cidade, pelas vítimas destes dias”. O número de mortos subiu para nove nas últimas horas. 10 mil deslocados, segundo estimativa do governador da região da Emilia Romagna Stefano Bonaccini. E os prejuízos – diríamos de alguns bilhões – ainda não foram contabilizados. Hoje em Ferrara o sol brilha, mas "as pessoas estão com medo, devemos responder também a esta necessidade: o medo das pessoas", explica o pároco batista Emmanuel Casalino da cidade Este. Para isso, talvez, precisemos de uma maior consciência ou, pelo menos, da vontade de “chamar as coisas pelo nome”. “É inútil falar de chuva – conclui o pároco, que também segue a comunidade de Livorno -: o que aconteceu diz respeito às mudanças climáticas, ao consumo do solo, às construções excessivas. Deve nos fazer pensar: agora é a hora de agir, devemos almejar a transição ecológica, imediatamente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.