Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

foto @Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash

Roma (NEV), 30 de agosto de 2022 – O workshop que o Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, organizará durante a Assembleia Geral do Conselho Ecumênico é intitulado “O custo de uma laranja “. das igrejas.

O evento será aberto em 31 de agosto em Karlsruhe, Alemanha. A iniciativa da marca MH está marcada em particular para a tarde de quinta-feira, dia 1 de setembro, das 15h30 às 16h45

No dia 4 de setembro, às 11h, os operadores do Mediterranean Hope, e em particular o coordenador marta bernardinio operador e mediador Ibrahim Diabate por Rosarno e a operadora Fiona Kendall participarão de um culto, seguido de almoço e apresentação das atividades do programa da FCEI na igreja do pároco Dorothee Mack.

Aqui está o programa das oficinas que inclui também o encontro promovido pelos protestantes italianos:

Por fim, de 1 a 7 de setembro, será montada a exposição “Ouça minha voz”, já organizada em Roma nos últimos meses.


O NEV seguirá a cúpula com um relatório ad hoc de Karlsruhe. Seguem os artigos da assessoria de imprensa da FCEI já publicados nos últimos dias:

O que vai acontecer em Karlsruhe (24/08/2022)

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática (19/08/2022)

Comitê Central do CMI, uma página de ecumenismo vivido (31/07/2022)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial da AIDS.  O amor conta

Dia Mundial da AIDS. O amor conta

Foto Albin Hillert / CEC Roma (NEV), 1º de dezembro de 2022 – Hoje é o Dia Mundial da AIDS. Várias iniciativas são organizadas para conscientizar a população sobre esta doença. Todos os dias no mundo 301 crianças e adolescentes (entre 0 e 19 anos) morrem de causas ligadas à AIDS (dados da UNICEF, retirados de Riforma.it). Além disso, 850 novas infecções ocorrem todos os dias na mesma faixa etária (em 2021 morreram cerca de 110.000 crianças). Foto Albin Hillert / CEC O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) organizou uma oração para homenagear as vítimas e reafirmar seu compromisso na luta contra a AIDS. Além disso, o WCC promoveu um seminário intitulado "Love Matters", dirigido à geração mais jovem, para dar-lhes a oportunidade de explorar as questões de saúde física e mental e gestão de traumas. O seminário, organizado no âmbito das iniciativas ecuménicas sobre SIDA em colaboração com a Kecher Africa (quarto de uma série), contou com a participação online de jovens do Burundi, Etiópia, Quénia, Ruanda, Sudão do Sul, Tanzânia, Togo, Nigéria, Gana, Zimbábue e Uganda. “Sofremos por acaso e curamos por escolha” Paul Boylefundador deInstituto Albain, incentivou os jovens a não olhar para o passado: “Estamos feridos pelo passado que não podemos mudar. O que podemos mudar é o efeito do passado e como ele está afetando nossas vidas. Podemos superar a causa focando no efeito – disse Boyle -. Se o trauma não for enfrentado, se não for administrado e controlado, terá como efeito a raiva, agressividade, depressão, ansiedade, pensamentos autodestrutivos, pois o cérebro - o hipotálamo, o sistema nervoso simpático - será ativado levando lutar, agir e reagir como se estivéssemos naquele passado, que não podemos mudar”. 85 por cento das doenças fisiológicas, disse Boyle, estão relacionadas ao estresse e ao trauma. Esses distúrbios afetam particularmente adultos jovens e crianças. Entre as ferramentas propostas para superar o trauma, segundo Boyle: paciência, esperança, fé, gratidão e confiança. “Devemos nos concentrar nas escolhas que fazemos, porque sofremos por acaso e curamos por escolha.” Boyle acrescentou que é importante curar a mente, a alma e o coração. “Quando curamos, curamos os outros também”, disse ele. Enfatizando também a necessidade de evitar os "fatores desencadeantes" por meio do "discernimento", uma palavra espiritual. “Conforme nos relacionamos com as pessoas, nos conectamos, saímos e fazemos amigos, há aleatoriedade. Os jovens devem discernir com quem estão, perguntar-se se estão fazendo uma diferença positiva ou negativa em suas vidas: complementam ou complicam?” concluiu Boyle. Conversamos também sobre como superar traumas pedindo ajuda, saindo das situações com equilíbrio, tentando olhar para o futuro enfrentando o presente, enfrentando as dificuldades. Além disso, de 27 a 29 de novembro, representantes de 14 igrejas e organizações religiosas de 10 países europeus reuniram-se em Minsk, Bielorrússia, para uma consulta sobre “O Ministério da Cura”, em colaboração com o CEC e a Conferência das Igrejas Europeias (CEC). . ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242 Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília. Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo? O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo. Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo. Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”? A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo. Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice. Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor? Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria. ...

Ler artigo
Fiona Kendall no novo Comitê Executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa

Fiona Kendall no novo Comitê Executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa

Roma (NEV), 16 de outubro de 2020 – Meu colega Fiona Kendallassessora de assuntos europeus e jurídicos da FCEI, passou a integrar o novo comitê executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), como moderador adjunto. O CCME, como afirma o site da comissão, é "uma organização ecumênica" que ajuda "as igrejas em seu compromisso de promover a visão de uma comunidade inclusiva, apoiando uma política adequada para migrantes, refugiados e grupos minoritários a nível europeu e nacional. Ao cumprir este mandato, respondemos à mensagem da Bíblia que insiste na dignidade de todo ser humano e na compreensão da ausência de distinção entre estrangeiros e nativos”. Fiona Kendall, uma advogada, tem fortes laços com a Igreja da Escócia, onde cresceu, e a Igreja Metodista, onde desempenhou um papel ativo durante uma década passada em Yorkshire. Ela está atualmente envolvida com a Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, como parte do programa de migrantes e refugiados, Mediterranean Hope. Parabéns à Fiona de toda a FCEI e votos de bom trabalho. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.