Palermo, a popular clínica de psicoterapia abre suas portas

Palermo, a popular clínica de psicoterapia abre suas portas

Roma (NEV), 28 de março de 2023 – Chama-se clínica de psicoterapia popular e será apresentada à cidade no dia 4 de abril, das 10h30 às 12h30, no Ex Noviciado de San Mattia ai Crociferi, na via Torremuzza, em Palermo. A nova realidade pretende promover projetos de saúde mental na área de Palermo e surge da sinergia entre a Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência – Casa Buoni Fanciulli – Istituto Don Calabria, o Centro Diaconal “La Noce” – Istituto Valdese, a Cooperativa “La Panormitana” e a Fundação “San Giuseppe dei falegnami” – braços operacionais da Cáritas Diocesana de Palermo – e a Associação Maghweb.

“A clínica nasceu de uma necessidade manifestada pelo território”, explica Ana Maria CullottaPresidente da associação Ambulatorio Popolare di Psicoterapia “As realidades que deram vida ao projeto recebem pedidos contínuos de orientação nos serviços, por isso a rede de parceiros e os profissionais envolvidos querem colocar suas habilidades à disposição, colocando-se a serviço de aqueles que têm menos chances, mas encontram coragem e força para externar um pedido de ajuda expressando a necessidade de apoio”.

A clínica ficará instalada nos espaços da Casa San Francesco, em vicolo Infermeria dei Cappuccini, no bairro de Ballarò, e oferecerá cursos de psicoterapia e psicoterapia acessíveis a todos, trabalhando em rede com os serviços já existentes na área.

“Graças à composição do grupo clínico com diferentes formações e especializações – explicam os promotores da iniciativa – a clínica vai poder prestar serviços em diferentes áreas de intervenção: problemas psicológicos individuais e de casal, apoio à parentalidade, entrevistas a toda a família integrantes de pessoas com deficiência, transtornos mentais, doenças orgânicas graves, crônicas estressantes; entrevista para apoiar a qualidade de vida na velhice. A clínica pretende garantir a possibilidade de acesso a um percurso psicoterapêutico a todos os cidadãos e localidades: os serviços prestados não têm um preço fixo e permitem-lhe contribuir de acordo com a sua disponibilidade financeira. As entrevistas cognitivas serão gratuitas e qualquer remuneração para as sessões subsequentes será acordada de acordo com as possibilidades econômicas.

Para marcar uma consulta será possível enviar uma mensagem de whatsapp ou ligar para +39 377 085 2443.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 25 de janeiro de 2020 – "Teologias feministas" foi o tema de uma conferência com Nesma Elsakaan E Adriana Valério realizada em 23 de janeiro passado no Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), uma associação ecumênica e inter-religiosa que, além disso, estará presente hoje na mobilização nacional "Vamos iluminar a paz" em Roma. A conferência faz parte do “Worksite 2019-2020” intitulado “Women hope for peace”. Adriana Valerio é teóloga e historiadora, há anos está envolvida em pesquisas sobre mulheres e fé e mulheres na igreja, e é autora de vários ensaios, incluindo “Mulheres e a Igreja. Uma história de gênero”, Carocci, Roma 2016; “O Poder das Mulheres na Igreja. Judite, Clara e as outras”, Laterza, Roma-Bari 2016. O historiador e teólogo começou citando o livro de pastor batista Elizabeth Green e de Christine Simonellipresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI) “Onamorando. Memórias e perspectivas da teologia feminista” (San Paolo Edizioni) onde eue dois autores comparam suas diferenças confessionais e ministeriais em tópicos como hierarquias patriarcais e linguagem sobre Deus. Valerio também falou da pastoral da mulher e da antropologia, traçando um afresco da história do feminismo cristão protestante e católico, onde os movimentos de mulheres, as igrejas e a Academia se entrelaçam. Segundo Valerio, são três áreas vastas e complexas que se encontram e têm raízes no pacifismo e no feminismo do final do século XIX como lugar de elaboração. Adriana Valerio falou então sobre o entrelaçamento de feminismos, ecofeminismo e movimentos pacifistas, destacando várias figuras históricas que deram uma importante contribuição para o desenvolvimento do pensamento e das práticas femininas em questões sociais, científicas, filosóficas, políticas e teológicas: Dora (Dorette Marie) Melegari, intelectual e escritora de origem valdense que em 1894 fundou em Roma, com Giulio Salvadori E Antonieta Giacomellia união para o bem; Bertha von SuttnerPrêmio Nobel da Paz em 1905; Jane AddamsPrêmio Nobel da Paz em 1931, e novamente Maria Montessori E Dorothy Daysó para citar alguns. “Hoje as feministas questionam o que significa ser igreja e como interpretar criticamente o texto sagrado – argumenta a historiadora -. Não existe masculino ou feminino universal, existe uma dimensão particular da qual se deve partir para construir relações com os outros e com o cosmos”. Nesma Elsakaan é membro da Union Européenne des Arabisants et Islamisants, é pesquisadora e professora da Universidade de Palermo; estudou a participação feminina na vida política nos Emirados Árabes Unidos. Entre outras coisas, ela é autora do volume “Feminismo islâmico no Egito. Religião, mulheres e justiça de gênero” (Aracne Editore). A teologia feminista islâmica nasceu no início dos anos 1900, explica Elsakaan, com movimentos ativos na comunidade muçulmana, com o objetivo de afirmar os direitos das mulheres no espaço público e mudar suas condições de dentro. Esses movimentos veem o Islã como uma ferramenta de emancipação. As teólogas feministas, apesar de suas diferenças, pretendem assim “penetrar no espaço religioso dominado pelos homens, sancionar formas de discriminação e elaborar um discurso religioso alternativo para a igualdade de gênero”. A estudiosa traçou um afresco do feminismo islâmico em vários países, incluindo Estados Unidos, Irã e Egito, enfatizando os princípios nos quais se baseia: "Al-Tawhid", ou seja, a singularidade de Deus; “Al'-aal”, Deus é justo; “Al-Taqwà”, o temor de Deus “Se Deus é único e acima de todas as criaturas, isso significa que homens e mulheres são iguais, sem distinção de raça e gênero – explica Elsakaan -. Qualquer um que mude este plano está quebrando a lei do Islã. Interpretar os versos do Alcorão de tal forma que o homem é superior também seria uma contradição do próprio Islã e dos preceitos de Deus que, de fato, são baseados na justiça. Portanto, a discriminação e a desigualdade são contrárias à lei islâmica. Finalmente, o temor de Deus é o único fator discriminante: seremos julgados pelo que fizemos”. A pesquisadora, portanto, citou algumas feministas islâmicas, incluindo Ziba Mir-Hosseiniantropóloga e ativista jurídica pela justiça de gênero que deseja modificar as leis baseadas na "Sharìa", como as do casamento e do divórcio, a partir de uma comparação da jurisprudência islâmica com os juristas, e Amina Waduda imã feminina, que releu o Alcorão em busca de sua identidade feminina. Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html A noite foi moderada pelo editor da NEV News Agency, Elena RibetQue ela interveio mencionando o papel dos monoteísmos e das religiões tradicionais e indígenas. “A violência patriarcal ao longo da história excluiu cada vez mais as mulheres da liderança nas sociedades e religiões, por exemplo, relegando o xamanismo feminino e os movimentos espirituais à marginalidade”, disse ela. Citando o arqueólogo Maria Gimbutas, Ribet lembrou como a chamada "civilização da Deusa" da Velha Europa, pacífica, igualitária e altamente evoluída nos campos da cerâmica, tecelagem, agricultura, metalurgia e comércio, foi quase exterminada pelos Kurgans, ou proto-indo-europeus ou Yamna, que entre o sexto e o terceiro milênio aC caiu na Europa e depois no Cáucaso e na Índia, trazendo guerra e devastação. De acordo com Gimbutas, “O choque entre essas duas ideologias e estruturas socioeconômicas leva a uma transformação drástica da Europa antiga. As mudanças se expressam como uma transição da ordem matrilinear para a patrilinear, da teocracia erudita para o patriarcado militante, da sociedade sexualmente equilibrada para a hierarquia dominada pelos homens, da religião da Deusa ctônica para o panteão masculino indo-europeu orientado para o céu. Por fim, ao destacar como a linguagem afeta também a construção do pensamento, no imaginário coletivo e nas hierarquias de poder, citou o pastor batista Silvia Rapisarda, segundo o qual: “No princípio era o hokmah: conhecimento, sabedoria. Então nos voltamos para o grego e ele se tornou o logos: a palavra, o discurso, a razão. Então nos inclinamos para o latim e ficou: o verbo. No princípio era o ruah: poder vital. Então nos inclinamos para o latim e se tornou: o espírito. No princípio era Shaddai: Deus dos seios. Então nos inclinamos para o grego e o latim e ficou: o todo-poderoso”. A conferência contou com a presença, entre outros, do vice-presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), pároco José MiglioE Frances Kochex-presidente da Casa Internacional da Mulher em Roma. O canteiro de obras da Cipax também foi criado graças à contribuição da Otto per mille Waldensian – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. ...

Ler artigo
Covid19 e prática religiosa.  Viminale consulta outras confissões que não a católica

Covid19 e prática religiosa. Viminale consulta outras confissões que não a católica

Foto: Annie Spratt, de unsplash.com Roma (NEV), 6 de maio de 2020 – Um procedimento inédito, ditado pela emergência Covid 19, que levou o Ministério do Interior a organizar ontem uma conferência online com representantes das várias áreas confessionais, para definir um protocolo de conduta que permita ao diversas comunidades de fé retomem pelo menos algumas atividades, cumprindo as normas de prevenção indicadas pela Presidência do Conselho. Participaram do encontro representantes da União das comunidades judaica, bahá'í e sikh, das igrejas ortodoxa e anglicana, de associações islâmicas, dos mórmons. Pelas igrejas evangélicas, esteve presente o Presidente da FCEI, pároco Luca M. Negro; os pastores Caetano Montante representando as Assembléias de Deus na Itália (ADI); Michele Passerettipara a Consulta Evangélica; David Romanopara a União Cristã Adventista. A reunião foi convocada e presidida pelo prefeito Michael DiBariDiretor do Departamento de Liberdades Cívicas e Imigração que, trazendo as saudações do Ministro do Interior Luciana Lamorgeseconvidou todos os participantes a reportar quaisquer questões críticas detetadas na prática dos religiosos das várias comunidades e a comprometerem-se para que sejam cumpridas as normas de segurança e prevenção do contágio são adotadas e aplicadas escrupulosamente e no interesse da comunidade também nos locais de culto. “As igrejas da FCEI – disse o Presidente Negro – apreciam a iniciativa do Ministério que reconhece a importância do pluralismo religioso e inicia um diálogo com vários representantes confessionais. Eles também confirmam sua atitude de responsabilidade: reconhecemos a gravidade da situação - sublinhou - e apoiamos as medidas tomadas pelo governo e pelas regiões para conter a propagação do vírus. Ao mesmo tempo - continuou Negro - apontamos a necessidade de os pastores poderem exercer a sua actividade deslocando-se pelo território, ultrapassando mesmo as fronteiras regionais e que, à medida que a normalidade se aproxima, será possível aos fiéis chegarem a lugares de culto mesmo quando estão longe de suas residências”. Profs. Pierluigi Consorti da Universidade de Pisa e Paulo Naso della Sapienza – Universidade de Roma, apreciando “o método adotado – como afirma este último – e reconhecendo a sentido de responsabilidade com que as diversas confissões reorganizaram as atividades pastorais e litúrgicas, em nome de um princípio superior e universal como a segurança coletiva. Quanto às questões ainda em aberto - prosseguiu - deverão ser enfrentadas adotando o método da analogia pela qual a liberdade de circulação e organização adotada para outras figuras profissionais e outras formações sociais deve ser reconhecida também para ministros de religião e comunidades religiosas ". Para a FCEI foi, portanto, "uma reunião indubitavelmente positiva", como concluiu também o prefeito Di Bari, anunciando a apresentação de um protocolo que valorizará as observações surgidas durante o encontro ou que, dentro em breve, as diversas confissões enviarão ao Ministério do Interior. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 8º dia.  Entre desejos e desilusões

16 dias para superar a violência, 8º dia. Entre desejos e desilusões

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 2 de dezembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 8: 2 DE DEZEMBRO Jovens mulheres entre desejos e desilusões SOLICITARdiscutircomo defenderigual dignidadetrabalhando entremulheres jovens ehomens? Em 2022 na Itália o problema não está sóser mulher é ser mulherjovem. Felizmente, certamente estamosnuma situação de privilégio dado queestamos localizados no Norte do Mundo e na Europapa e ser mulher branca e capaz é umbenefício adicional.Mas ser uma mulher jovem significa quealém das dificuldades dadas pelo nosso gêneroos dados pessoais são somados, portanto ias entrevistas de emprego que apoiamos são para empregos precários e mal pagos e, além disso, nos perguntam se queremos ser mães ou se já somos. Esta situação não é surpreendente dado que o salário mínimo em Itália é uma utopia e a licença de paternidade é de apenas dez dias, é lei desde 2012 e deixou de ser "experimental" apenas desde o ano passado. Neste momento o problema não é simplesmente a disparidade salarial entre homens e mulheres – lembremo-nos, ela existe!-, mas conseguir um contrato que preveja um salário correspondente à carga horária, que inclui doença e férias. Também porque sem tudo isso como você pode ir morar sozinho e se sustentar? Todas as jovens que conheço para sobreviver costumam juntar dois ou mais empregos e tambémos poucos que conseguiram o tão almejado contrato permanente ainda não ganham o suficiente para poder viver por conta própria. Dada a sociedade capitalista em que vivemos, a liberdade da mulher passa pela independência econômica, e lutar por um mercado de trabalho justo e equitativo também ajudaria os jovens, o que não faz mal. VERSÍCULO BÍBLICO “Ai daquele que edifica a sua casa sem justiça e os seus aposentos sem equidade; que faz o seu próximo trabalhar de graça, não lhe paga o salário” (Jeremias 22:13). COMENTE O profeta Jeremias anuncia que quem conhece a Deus conhece a justiça e vive colocando-a em prática. Assim, ele acusa veementemente aqueles que não respeitam o trabalho do próximo, aqueles que não trabalham de acordo com a justiça. Diante da situação em que muitas vezes as mulheres são obrigadas a fazer múltiplos trabalhos para sobreviver, sem contratos que protejam a licença-maternidade e doença, denunciar injustiças e invocar a justiça de Deus pode parecer pusilânime, uma forma de lamentar-se descontente. No entanto, sem sentir pena de nós mesmos, podemos ter a certeza de que Deus está do lado de quem se comporta de acordo com a justiça, de quem reivindica a sua dignidade. ORAÇÃO Nosso Deus, nos dê a chancepara viver segundo a tua justiça,deixemo-nos inspirar por eleresistir e lutar diante decada abuso, cada cancelamentode direitos que protegem o trabalhode tudo. Você nos deu em JesusCristo a derrubada de todosordem constituída, você nos colocou comotestemunhas da tua ressurreiçãofilho mesmo antes de seus discípulos-lá, ainda nos dê sabedoria e tenacidadeenfrentar cada injustiça, cadahumilhação e qualquer desvalorizaçãodo seu trabalho. deixe o preçodo trabalho de tantas mulheres não éfrustração, ressentimento, fadiga eaflição; mas pode ser motivode orgulho, alegria e satisfaçãopessoal. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.