OvershootDay, recursos de 2023 concluídos.  Comissão GLAM: mitigar não basta

OvershootDay, recursos de 2023 concluídos. Comissão GLAM: mitigar não basta

Foto de Dikaseva / Unsplash

Roma (NEV), 16 de maio de 2023 – A Itália esgotou todos os recursos para o ano de 2023. E estamos apenas em maio. É chamado dia de ultrapassagem e significa o “dia da vitória”. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) intervém com um texto por ocasião deste triste recorde, não só na Itália.


Em 15 de maio, a Itália, juntamente com as Bahamas e o Chile, figura entre os 29 países que alcançaram oultrapassagem, ou a data em que se esgotam os recursos disponibilizados pelo planeta para o ano corrente. Faltam apenas 4 meses e duas semanas para o início do ano, confirmando a tendência de consumo de biocapacidade de 2021 e 2022, replicando assim um modelo que há mais de vinte anos consideramos inaceitável: produção, consumo, produção, consumo…. O que é ainda mais preocupante é que a pegada ecológica do nosso país não está entre as piores.

Atrás de nós outros 28 países, à frente de outros 33 com melhor pegada ecológica ou com maior biocapacidade, liderados pela virtuosa Jamaica que ultrapassagem em 20 de dezembro.

O que é desanimador é que dos 28 países à nossa frente, 15 são europeus, acompanhados pelo Canadá, Estados Unidos da América, Austrália, Japão, Rússia, Israel, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e alguns notoriamente ‘ países ‘pobres’. Estamos, portanto, a falar daquela parte do mundo onde se concentra toda a riqueza financeira do planeta, esse mundo dito ‘evoluído, civilizado, emancipado’ e rico mas que, poderíamos acrescentar, parece carecer de visão e perspectiva.

Perante esta realidade paradoxal e difícil de inverter, hoje não queremos centrar a atenção nos hábitos de um único indivíduo que continuamente apelamos à consciencialização, mas sim voltarmo-nos para as responsabilidades dos governos, olhar para as políticas daqueles países que, como o nosso, declaram em termos de sustentabilidade, as oportunidades que advêm do financiamento, nomeadamente por exemplo o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (PNRR) que movimenta enormes capitais.

Como sabemos, está centrado na “digitalização, revolução verde, transição energética, mobilidade sustentável”, formalmente no cumprimento da sustentabilidade social e ambiental que envolve o cumprimento e adoção de medidas fiscalizadoras no setor de compras no que diz respeito à infiltração da máfia e regras de rebate , mas é necessário monitorizar tanto o impacto das obras individuais e o seu consumo de solo, como, a montante, a sua necessidade e utilidade para o bem comum.

Portanto, supervisione os projetos que serão implementados e dê a máxima atenção ao setor financeiro, acendendo o sinal vermelho para as empresas, indústrias e, principalmente, setores de comércio intensivos em energia. Não podemos continuar fazendo com que gerem lucros com promessas de conversões que na verdade são transações lavagem verdede aparência.

O objetivo de mitigação (e ainda mais de adaptação) em relação ao dia de saturação da biocapacidade e das mudanças climáticas não é suficiente. É necessário ser mais ambicioso, entrando no mérito das escolhas de políticas industriais e urbanísticas para aumentar a biocapacidade, por um lado, e reduzir a pegada ecológica, por outro.

Não desistamos, continuemos acreditando que a mudança é possível e que, como gritam os jovens de sexta-feira nas praças, não existe planeta B, lembrando que no ano passado modificamos os artigos 9º e 41º da Constituição, para fortalecer o direito à bem-estar das gerações vindouras. Um significado ampliado para os crentes, onde a geração é toda a Criação.

A Comissão GLAM

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália

Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália

Roma (NEV), 30 de abril de 2022 – Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália (CELI). A eleição ocorreu hoje, por volta das 19h30, durante o Sínodo da Igreja Protestante, que está sendo realizado em Roma. Gerdes, eleito com 49 votos a favor em 50, presidirá o Consistório, órgão executivo da igreja, por quatro anos. Vice-reitor foi confirmado Kirsten Thiele, pároco da comunidade de Nápoles por oito anos, que exerceu este cargo por três anos. Gerdes e Thiele “O maior desafio que vejo para nossa igreja – declarou o pastor luterano Carsten Gerdes em seu discurso antes da votação – é fazer com que nossas comunidades saiam desse período de pandemia, devemos voltar juntos. Para mim, comunidade realmente significa estar junto. A tarefa mais importante, reiterada também nestes dias, é a ocupação dos ofícios pastorais (há alguns na Itália sem pároco ou que não o terão em breve, ed.)”. “Agradeço a Bludau, com quem sempre tivemos uma relação fraterna e estou confiante de que esta relação pode continuar com o novo reitor – disse Kirsten Thiele, apresentando-se ao Sínodo antes da votação -. Acho que vamos trabalhar muito bem juntos." Carsten Gerdes, nascido em 5 de janeiro de 1963 em Bremerhaven, no norte da Alemanha, é pastor luterano na comunidade de Ispra-Varese - "onde quero continuar celebrando o culto e estando em contato com as pessoas" - há quase 4 anos. Está casado há 28 anos com um pastor – “o contrato mais importante da minha vida” – como disse na apresentação da sua candidatura, e têm dois filhos. acontece com Heiner Bludaureitor desde 2014, alemão mas natural de Bagdá (Iraque), pároco da Comunidade Luterana de Turim. Carsten Gerdes Neste link, o canal do YouTube da Igreja Luterana na Itália, juntamente com outras entrevistas com os protagonistas do Sínodo 2022, vários vídeos de apresentação do novo reitor, com algumas de suas reflexões, incluindo seu papel e relação com a Federação de Evangélicos Igrejas na Itália. Kirsten Thiele Na tarde de hoje, o orçamento de 2022 da igreja luterana na Itália também foi aprovado pelos 47 sínodos. O Sínodo Luterano terminará amanhã de manhã na Christuskirche na via Sicilia em Roma, com uma cerimônia de posse do reitor e do vice-reitor. AQUI o comunicado final do Sínodo Luterano 2022. Para mais informações, do NEV especial sobre o Sínodo Luterano 2022:– Segundo dia do Sínodo Luterano 2022, “Liberdade e responsabilidade” – Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor” – Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz” sinodal ...

Ler artigo
Emissões zero.  Zero precariedade.  Sem tumores.  O futuro do planeta começa aqui

Emissões zero. Zero precariedade. Sem tumores. O futuro do planeta começa aqui

Imagem retirada de fridaysforfutureitalia.it Roma (NEV), 13 de abril de 2022 – A Assembleia Nacional Italiana do Sextas-feiras para o Futuro (FFF)movimento estudantil mundial que desde 2018 se organiza pela defesa do meio ambiente, ao lado de figuras como a jovem ativista Greta Thunberg. A igreja batista da via dei Bastioni, em Civitavecchia, desempenhou um papel importante na organização e apoio da assembléia, que reuniu cerca de 100 jovens de toda a Itália. Juntamente com os batistas, Arch e a Igreja dos Salesianos também os acolheram. Na via dei Bastioni, o Batista nos diz Maria Elena Lacquaniti, 20 meninos e meninas foram acolhidos. Com mochilas, sacos-cama e esteiras, estes jovens animaram as salas habitualmente dedicadas à catequese e outras atividades da igreja. “Esses meninos são uma alegria, lindos não só porque são jovens, mas porque são simples, com uma beleza natural – diz Lacquaniti -. E com sentido de responsabilidade e consciência que hipoteca um futuro certamente melhor nas suas mãos”. A Assembleia da FFF desenvolveu-se em torno de mesas temáticas sobre ambiente e trabalho, energia, política, alterações climáticas. Civitavecchia, explica novamente Lacquaniti, “foi escolhida porque era um território atormentado pela servidão industrial e turística, com os grandes navios de cruzeiro que insistem na costa. Em 60 anos, a mortalidade por poluição cresceu exponencialmente. Além disso, um projeto ambicioso e viável que prevê um avanço industrial com emissões zero está atualmente pendente no Ministério da Indústria”. Parques eólicos offshore (ou seja, usinas construídas offshore que exploram a energia eólica) seriam capazes de absorver a produção da usina a carvão de Torrevaldaliga Nord (TVN). Sua transformação, diz Lacquaniti, daria trabalho e sobretudo ajudaria a reter os jovens na região. “Trata-se de 'ambientalizar' o porto, com uma nova concepção de logística. Tudo isso, nos ensinam os jovens da FFF, levaria a sair da precariedade e do câncer”. A Assembleia reafirma essencialmente que “o futuro do planeta é protegido pela combinação entre meio ambiente e trabalho. E pela primeira vez a Civitavecchia está totalmente envolvida, através dos trabalhadores dos setores mais exigentes”, relata novamente Lacquaniti. Ele também participou das obras Stephanie Barça, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), online. “A chantagem ocupacional por 40 anos bloqueou tanto os movimentos operários quanto os ecologistas – disse o estudioso -. Enquanto a transição energética, com o envolvimento de todas as partes, conduz à saída do isolamento”. Renato Di Nicola, da Campanha "Pelo clima, fora do fóssil!" em vez disso, falou de modalidades e de novos objetivos comuns. Dentre elas, o envolvimento dos trabalhadores em todos os movimentos ambientalistas. Cooperação entre os movimentos. A transição energética, que se entende como “uma revolução”, e a mudança, que “deve ser programada diariamente e individualmente. O sistema não muda o sistema”, disse Di Nicola. E, novamente, a responsabilidade individual e um empurrão de baixo são necessários para sair do fóssil. Entre as propostas, também uma coleta de assinaturas para contestar o aumento das concessionárias de aquecimento e eletricidade. E a dissolução em massa de contratos com gerentes de fósseis. A este respeito, alerta o ativista, “estamos à espera que um gestor sério intervenha nesta matéria, caso contrário só corremos o risco de haver sempre o fóssil por trás do gestor verde”. Por fim, é preciso "começar a pensar seriamente que todo condomínio, escritório, atividade comercial, agrícola - e também toda igreja, todo templo, todo local de culto, acrescenta Lacquaniti juntando-se à voz de Di Nicola - pode ser produtor de energia". Foto MEL / Igreja Batista de Civitavecchia Os três dias terminaram com uma assembleia plenária, a que se seguiu a procissão da cidade que desde o parque da Resistência chegou ao centro da cidade. “Entre cantos, palavras de ordem, música, danças, também nós da igreja batista marchamos com uma bandeira levada pelos adultos e outra pelas crianças da escola dominical. Parece-me que esses jovens representaram bem o futuro que Renato Di Nicola pede para visualizar para realizá-lo em suas vidas, escolhas e esperanças”, conclui Maria Elena Lacquaniti. O documento final será divulgado no site da FFF nos próximos dias. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.