Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – “Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê”. Com este versículo (do Sermão sobre Romanos 1, 16a e 17) teve início hoje, 28 de abril, em Roma, o Sínodo da Igreja Luterana na Itália (CELI). O culto de abertura, confiado aos pastores Kirsten Thiele E Carsten Gerdes, partiu de uma referência aos lugares narrados nos volumes de Asterix, “a pequena aldeia gaulesa que resiste a César e ao império romano. Assim deve ter sido em Roma naquela época: uma pequena comunidade cercada por todos aqueles que acreditavam em outras coisas. Ele realmente precisava de algum incentivo, porque a tentação de se esconder, de não fazer algo diferente, provavelmente era grande.”

O impacto da pandemia, mas também a crise internacional e climática estiveram no centro do relatório do presidente do Sínodo Wolfgang Prader, que recordou diante dos 47 deputados sinodais presentes a etimologia do termo “sínodo”: “syn”, que significa “juntos” e “odòs”, que significa “caminho, caminho” em grego antigo”. “O sínodo – declarou – é o órgão supremo, a assembléia de religiosos e leigos que regula a doutrina e a organização da Igreja […] Em minha escrivaninha há uma pequena cruz, que recebi anos atrás, feita por um escultor soviético, que nasceu em uma cidade que hoje fica na Ucrânia. A guerra não é a solução, a Europa precisa de paz”.

O reitor cessante, Heiner Bludau, no relatório anual do Consistório, lembrou como “a Igreja não é uma instituição fechada em si mesma” e falou de um novo “choque entre o Oriente e o Ocidente”, devido à guerra na Ucrânia. E citou a célebre frase de Martinho Lutero: “Se o mundo acabasse amanhã também, eu ainda plantaria uma macieira no meu jardim”.

Que tarefa para a igreja luterana na Itália? “Não devemos fechar os olhos para os medos que nos perseguem, mas também não devemos deixar que os medos determinem nossas vidas”, disse Bludau.

O Decano também destacou a estreita colaboração da Igreja Luterana com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

E o presidente da FCEI, Daniele Garronefalou como convidado no primeiro dia do Sínodo, trazendo as saudações e agradecimentos da federação dos protestantes italianos, e recordando o compromisso social, em particular pelos corredores humanitários e a favor dos migrantes, com os novos projetos do social albergue em Piana di Gioia Tauro e projetos para ajudar pessoas que fogem da Ucrânia.

“Liberdade e responsabilidade: não poderia ter escolhido lema mais protestante – disse Garrone. E, citando Lutero, uma ideia que “nos transforma de seres curvados sobre nós mesmos em pessoas que podem ficar de costas eretas e olhar em volta”, onde “ao redor há tanto para os outros fazerem”.

“O desafio para todos nós – continuou –, e espero que a FCEI possa servir de espaço para essas reflexões, é fazer um trabalho de memória. A Escritura – onde a história se vive e se vê entre a memória e a esperança – a oração e as nossas estruturas de assembleia são ferramentas para responder aos desafios do presente”.

Finalmente, no que se refere à guerra, para Garrone, é necessário, ao falar do “Ocidente”, “lembrar que a história conduziu à liberdade. Uma história cansativa e muito dolorosa, cujas atrocidades não devemos esconder, feita de séculos de guerras religiosas, de intolerância, de antijudaísmo”, mas que felizmente deu origem às actuais democracias.

Os trabalhos do Sínodo da Igreja Luterana na Itália continuarão amanhã, sexta-feira 29 e sábado 30 de abril, com a eleição do novo reitor e vice-reitor, para concluir finalmente no domingo, 1º de maio.


Para mais informações: AQUI o comunicado de imprensa n.3, relativo aos trabalhos do primeiro dia do Sínodo do CELI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Exército da Salvação.  Há 132 anos ao lado das pessoas

Exército da Salvação. Há 132 anos ao lado das pessoas

Roma (NEV), 18 de novembro - O Exército de Salvação na Itália (EdS) apresentará seu Relatório de Atividades em Roma no dia 21 de novembro. O anúncio foi feito pelo próprio EdS em um comunicado à imprensa. O tenente-coronel Massimo Tursi, chefe do Comando do Exército de Salvação na Itália, declarou: "Em um momento de grande dificuldade de vida, principalmente no campo social e econômico, atuamos, como sempre, há mais de 132 anos em nosso país, estar perto das pessoas, perto e concretamente para ajudar o próximo. O relatório-balanço de nossas atividades ilustrará ações, dados, números e perspectivas para 2020”. A EdS é uma associação de caridade e culto de inspiração cristã-protestante que apoia cerca de 60.000 pessoas, famílias e indivíduos, em situações de dificuldade e sofrimento em toda a Itália. O Relatório é um verdadeiro “balanço social do ano que acaba de terminar”, lê-se no comunicado. Para a ocasião, a EdS vai propor "um encontro-debate dinâmico entre personalidades do mundo académico, social e religioso, apresentado por Eleanor Camillijornalista da 'Editora Social'”. A manhã será aberta com as saudações institucionais e a intervenção do Tenente Coronel Massimo Tursi. Eles também vão participar Frances Danishgerente de relações públicas da EdS, o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Antonieta CosentinoProfessor de Economia de Empresas sem fins lucrativos na Universidade de Roma - La Sapienza, Roberto Panzaranipresidente do Comitê Científico do Fórum do Terceiro Setor do Lazio e professor de Gestão da Inovação em várias universidades italianas e estrangeiras, Sandra Huesca Ávila, educador e formador. Seguir-se-á um “microfone aberto” para instituições, associações e voluntários. A apresentação do Relatório de Atividades 2018 e da Carta de Serviço do Exército de Salvação na Itália será realizada na quinta-feira, 21 de novembro, entre as 9h30 e as 13h30 na via degli Apuli, 41 em Roma. Fundada pelo pastor metodista William Booth, a EdS está presente em mais de 130 países com aproximadamente 1 milhão de associados. Entre suas obras sociais: escolas, lares infantis, albergues para desabrigados, hospitais, programas de emergência para desastres. Recentemente, as Cúpulas Mundiais do Exército de Salvação foram recebidas por Papa Francisco no Vaticano, que lhes agradeceu por seu trabalho em favor dos mais pobres do mundo e, em particular, pela atividade caritativa e moral no território romano. A EdS está presente na Itália desde 1887 e é membro da FCEI. Para mais detalhes: www.Esercitodellasalvezza.org ...

Ler artigo
Torre Pellice, berço da Europa.  O primeiro dia #senzasinodo

Torre Pellice, berço da Europa. O primeiro dia #senzasinodo

A crônica da primeira noite pública da revista #senzasinodo e o vídeo completo da inauguração dos eventos que acontecem na Torre Pellice até 30 de agosto A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta, na reunião de abertura da resenha #senzasinodo Roma (NEV/Riforma.it), 25 de agosto de 2020 – Ontem à noite, segunda-feira, 24 de agosto, aconteceu a primeira noite de «Gerações e Regenerações», a semana organizada pelas igrejas metodistas e valdenses da província de Turim. Ele fala sobre isso neste artigo sobre Reforma Gian Mario Gillio. Neste link você pode acompanhar a web ao vivo da resenha #senzasinodo, ler e baixar o programa completo dos encontros que acontecerão até o próximo domingo nos vales valdenses.Aqui está o vídeo completo da inauguração na segunda-feira, 24 de agosto: artigo anteriorSemana #semsínodo. Recomeçar da escuta para reconstruir o paísPróximo artigoSemana #semsínodo. Trotta: estamos aqui para inovação, cooperação e desenvolvimento Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
SAE.  A 55ª Sessão terminou em Assis

SAE. A 55ª Sessão terminou em Assis

Roma (NEV), 8 de agosto de 2018 – A 55ª Sessão de Formação Ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi concluída no último sábado, em Assis, com o tema “As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra. Uma busca ecumênica”, tema que também será explorado na sessão do próximo ano. A última mesa redonda, intitulada "Testemunhando o Evangelho em sociedades com desigualdades econômicas", teve como palestrantes Erio Castelluccibispo da diocese de Modena-Nonantola, e pároco batista Lydia Maggi. As igrejas podem fazer muito: educar na cultura da doação, na clarividência no uso dos bens, no apoio financeiro não especulativo, na solidariedade com os pobres, os fracos, os últimos, os indefesos. “Esta ação de proximidade e caridade é a melhor verificação da qualidade da nossa fé, tanto a nível pessoal como a nível comunitário” declarou Castellucci. Lidia Maggi, como afirma o comunicado final da SAE, comparou a igreja a "uma mulher que há muito tempo vem perdendo energia vital e sangrando até a morte na tentativa de viver e gerar um futuro, que não ousa transgredir, agir com coragem e criatividade, 'tocar no manto' para ser curado. A Igreja é também semelhante à primeira geração de discípulos, que sob a cruz assistem atônitos à morte de Jesus, cujo rosto hoje é o de um refugiado de guerras e desastres climáticos, de uma menina vítima do tráfico, de um desempregado sem futuro”. . Maggi também dirigiu um convite às igrejas “para que recuperem a coragem de testemunhar o evangelho juntos no mundo sem atalhos. A partir de si mesmo, na consciência de que o cerne da justiça econômica, da partilha dos bens, é questão de vida e morte e imperativo de justiça social para a Igreja”. As conclusões da 55ª sessão foram confiadas ao presidente da SAE Pedro Stefani está em Maria Luísa Sgargetta que retomou os temas: o financiamento das igrejas, as afirmações fundamentais das Escrituras sobre a riqueza, a relação entre as religiões e a economia. Entre outras coisas, os participantes aprovaram uma moção em favor de mulheres e homens migrantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.