valenzi.  A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

valenzi. A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2023 – Segundo “episódio” do especial da Agência para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”, realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Após a primeira entrevista com Paulo Nasohoje é a vez de Ilaria Valenzi.


A grande participação na conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias” realizada recentemente em Roma e que contou com a participação de representantes de diversas religiões, especialistas, juízes, juristas, jovens universitários, “confirma o crescente interesse pela liberdade religiosa e pelos direitos fundamentais na esfera intercultural – aponta Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI –. A reunião – recorda – nasceu por iniciativa da Fundação Basso e de algumas vozes do Poder Judiciário, algumas vindas do Supremo Tribunal de Cassação. As sessões de trabalho dedicadas ao tema “direito e religiões” abordaram um tema essencial de forma interdisciplinar: interagir com o mosaico cultural e de fé presente no nosso país. As orientações religiosas entram diariamente nas sentenças do Tribunal de Cassação. Os juízes têm de lidar com situações inusitadas, como a poligamia ou o repúdio conjugal, distantes do nosso ordenamento jurídico e da nossa sensibilidade jurídica e cultural. A Fundação Basso e a revista Comparar eles vêm promovendo programas de estudo sobre o pluralismo religioso há algum tempo. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália foi o interlocutor natural para a experiência adquirida no campo da liberdade religiosa. As comemorações da Semana da Liberdade e do 17 de fevereiro, mais uma ocasião para enriquecer o debate geral”.

A liberdade religiosa (e a vontade de chegar a uma lei-quadro) sempre foi uma questão decisiva para a FCEI, porquê?

Porque está presente na ideia fundadora da Federação. Há muito que a FCEI reclama a superação da obsoleta lei dos “cultos admitidos” de 1929 e promove iniciativas a favor de uma lei geral da liberdade religiosa, precisamente para adequar o quadro constitucional vigente em matéria de protecção dos direitos e liberdade religiosa para as comunidades de fé e alargada às associações e aos seus membros individuais. De facto, existe uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS) constituída para o efeito e que reúne também as Igrejas Evangélicas não federadas em torno do tema da liberdade religiosa. Por estatuto, é presidido pelo presidente da FCEI. A situação legislativa em matéria de liberdade religiosa na Itália é “piramidal”, diferentes níveis dão acesso a diferentes direitos. Nossa Constituição, apesar da garantia abrangente, não consegue desvendar as pequenas disparidades ainda presentes. Existem, de fato, níveis hierárquicos de tratamento em relação às diversas confissões religiosas. Começa da Concordata com a Igreja Católica aos Acordos com 13 confissões religiosas, à lei de 1929 dos “cultos permitidos” que acomoda todas as outras religiões, mas no nível mais baixo. Os “admitidos”, por exemplo, podem nomear seus ministros ou construir locais de culto, mas a aprovação do governo costuma ser muito complexa. Disparidades que aumentaram após a promulgação de algumas leis regionais, também erroneamente definidas como “leis anti-mesquitas”, porque afetam indistintamente todas as denominações religiosas minoritárias.

Falou-se do princípio da laicidade do Estado?

Foi o pano de fundo de nossas discussões. O espaço dos direitos deve ser inserido em uma moldura e essa moldura é o princípio supremo da laicidade; o lugar onde todos somos chamados a nos mover com respeito. O pluralismo religioso é garantido pela neutralidade não confessional do Estado. Entre os modelos de secularismo, além do italiano, foram citados o francês e o britânico. O modelo italiano, já foi dito, está em contínua evolução, devido à natureza da concordata.

Você mencionou o degrau mais baixo da pirâmide em termos de liberdade religiosa, de quem estamos falando e de quais números?

Quem se encontrar sob a proteção da legislação de 1929, antes de poder recorrer a uma Entente, deve obter o reconhecimento legal. Este é um primeiro passo, mas também um primeiro obstáculo. Portanto, as confissões religiosas que estão na base da pirâmide muitas vezes são obrigadas a empreender uma longa jornada para obter o reconhecimento institucional. Estamos falando de milhões de pessoas, por exemplo, as duas confissões de origem imigrante que são parte integrante e viva de nosso tecido social: o Islã e a comunidade ortodoxa romena. O último tem cerca de 1.700.000 membros, o primeiro cerca de 1.400.000. Durante a pandemia, por exemplo, surgiu a necessidade de se chegar a uma lei-quadro o quanto antes. Entre as dificuldades que surgiram estava a de conseguir encontrar lugares para sepulturas rituais para acolher os corpos dos crentes muçulmanos; e, novamente, para garantir assistência espiritual em prisões e hospitais. Algumas leis regionais no passado intervieram para resolver disputas, mas às vezes de forma arbitrária. Uma lei-quadro nacional certamente poderia enquadrar e fixar princípios fundamentais no campo da liberdade religiosa, eliminando pela raiz as atuais anomalias.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Uma família refugiada da Ucrânia chega à fronteira de Vama Siret, na Romênia. Localizada ao norte de Siret e mais ao sul a cidade de Suceava, a travessia conecta a Romênia com a vila ucraniana de Terebleche e mais ao norte a cidade de Chernivtsi. Após a invasão da Ucrânia pelos militares russos a partir de 24 de fevereiro de 2022, mais de meio milhão de refugiados fugiram pela fronteira ucraniana para a Romênia. Foto: Albin Hillert/WCC Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – O Dia Mundial do Refugiado é celebrado na segunda-feira, 20 de junho. São muitas as iniciativas promovidas por todo o terceiro setor e várias também são organizadas pelo mundo protestante. No que diz respeito à Federação das Igrejas Evangélicas, em particular, e seu programa de migrantes e refugiados, Mediterrâneo Esperança, a Casa das Culturas de Scicli com a CGIL e em colaboração com as realidades do terceiro setor que fazem parte do Pacto de Solidariedade Scicli, com o Integrado O projeto de serviços para a autonomia socioeconômica dos titulares de Proteção Internacional, e com o patrocínio do Município de Scicli, está organizando um evento de um dia a ser realizado na Villa Comunale Penna no município da província de Ragusa. “Existem mais de 70 milhões de refugiados, requerentes de asilo e deslocados internos em todo o mundo que fogem da guerra e da perseguição. Todos obrigados a abandonar tudo e todos em busca de novas certezas em outros países. Refletir sobre a sua situação, conhecer as suas histórias e as suas dificuldades, não ficar indiferente e procurar agir, no dia-a-dia, para acolhê-los e respeitar os seus direitos”, são, por isso, alguns dos objectivos do Dia Mundial do Refugiado. Durante o Dia em Scicli, serão promovidas atividades didáticas e recreativas para crianças, entretenimento e também momentos de reflexão sobre as "Rotas migratórias e estratégias de acolhimento e integração" para aprofundar o tema também em relação ao território siciliano. “Agora mais do que nunca – lê-se na apresentação da iniciativa – é necessário promover caminhos de plena inclusão em todos os âmbitos da sociedade, desde o trabalho ao estudo e à saúde dos forçados a fugir dos seus países de origem”. O dia começará com um workshop criativo e interativo "Construindo a paz" com curadoria dos operadores da Coop. A Soc. Acting destina-se a todas as crianças e jovens que queiram participar. Compromisso às 11 horas em frente à Câmara Municipal de Scicli. Um momento de reflexão, com curadoria da CGIL e da Mediterranean Hope - Casa delle Culture, envolverá entidades e associações envolvidas na área. Serão explorados os temas dos projetos dedicados aos corredores humanitários e apoio psicológico aos que fogem do seu próprio país. eles vão intervir Federica Brizi, gerente de recepção de corredores humanitários para Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Evangélicas, Clemente SabbaCoordenadora do MEDU – Médicos pelos Direitos Humanos da Sicília, Ahmed Echigerente do projeto Emergência em Ragusa, Ana Caratozzolochefe da CPIA Ragusa e Giuseppe Scifo, secretário geral da CGIL Ragusa. A noite no Villa Penna será encerrada com uma apresentação de música popular com “Carmelo Errera e os Scacciadiavoli”. A participação nas oficinas e a entrada na Villa Penna são gratuitas e gratuitas. Em Roma, em particular, em Casale Garibaldi, a Diaconia Valdense, Casale Garibaldi – comum no trabalho, Arco Solidário OnlusMédicos Sem Fronteiras, Intersos, BINÁRIO15 organizam um momento de partilha e confronto junto com os cidadãos e os refugiados do território. A partir das 17h30 exposição fotográfica, histórias solidárias, concerto ArabJazz com os 66 KIF, aperitivo. “Todos os anos – explica a Diaconia Valdense em nota à imprensa – é uma oportunidade de convidar as pessoas a conhecerem nossas atividades de trabalho com requerentes de asilo e refugiados por meio de momentos de encontro e contação de histórias”. O Dia Mundial do Refugiado foi celebrado pela primeira vez em 20 de junho de 2001 e foi criado para comemorar o 50º aniversário da aprovação da Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra pela Assembleia Geral das Nações Unidas. ...

Ler artigo
Relatórios GLAM

Relatórios GLAM

Um enquadramento do vídeo realizado no âmbito do projeto "terra terra" em colaboração entre EIIS, Parlamento Europeu, YouTube: rios infiltrados e rios atmosféricos, plantas-mãe, ecossistemas fluviais, ciclos hidrogeológicos, agricultura sintrópica, European Great Deal e muito mais mais 28 de junho de 2023 - Segundo episódio do serviço "La GLAM sinaliza". Dirigido pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), em colaboração com a agência de notícias NEV, consiste na divulgação de notícias e informações sobre, em particular, a Criação e a proteção do meio ambiente. TerraTerra: a água é plantada “Eu planto água. Se tenho dúvidas planto árvores, se tenho muitas dúvidas planto muitas árvores”. Os "Amigos da floresta" compartilham 7 estratégias para proteger os recursos hídricos: 40% da água é reciclada nas florestas e a água aumenta onde há árvores. Círculo Ártico sem gelo até 2030? Um Ártico sem gelo teria impactos enormes tanto nas sociedades humanas quanto nos ecossistemas. Ele fala sobre isso no il Fatto Quotidiano Lucrezia Parpaglioni citando pesquisas publicadas na Nature Communications. Imagem retirada de A Política Ambiental da Igreja Reformada Unida Comunidades mais verdes graças a comportamentos atentos a viagens, construções, consumos e investimentos. A Igreja Reformada Unida ativou sua Política Ambiental em janeiro de 2023, adotada na Inglaterra, Escócia e País de Gales. Leia o documento completo: Política Ambiental da URC para a Igreja Reformada Unida Temporada da Criação 2023 sobre justiça e paz Apresentação em vídeo dos materiais litúrgicos para o Tempo da Criação 2023: "Que fluam a justiça e a paz". Líderes religiosos de todo o mundo falam sobre como orar, agir e se engajar por um meia-nóia ecológica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=9F1i609k5Ko[/embed] Rumo a uma “teologia do companheirismo” O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) fala de "teologia de companheirismo". Coisas? Teologia da proximidade? De amizade? Da inter-relação? De reciprocidade? De fazer amigos? Em espanhol, eles traduziram “compañerismo”… Vamos tentar investigar melhor esse conceito lendo o artigo completo de Fernando Enns traduzido para o italiano por Antonella Visintin (as notas estão presentes apenas na versão em inglês). ITA – Companheirismo – Para uma teologia ecumênica do companheirismo PT – Companheirismo – Enns 2022 – Rumo a uma teologia ecumênica do companheirismo Para saber mais: Relatório sobre as Conversas Ecumênicas na 11ª Assembleia do CMI | Conselho Mundial de Igrejas (oikoumene.org) Conversas Ecumênicas_Web.pdf (oikoumene.org) ...

Ler artigo
Em 24 passos rumo ao Natal, o calendário do Advento CELI

Em 24 passos rumo ao Natal, o calendário do Advento CELI

Roma (NEV), 2 de dezembro de 2020 - Quatro semanas de preparação para o nascimento do Senhor. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) propõe seu calendário do Advento. “Um período marcado pelo silêncio, mesmo que muitas vezes não seja assim. Este ano, porém, o Advento será verdadeiramente silencioso – lê-se no site luterano -. A alegre antecipação do Natal é ofuscada pelas notícias diárias de um aumento nas infecções por coronavírus, no número de mortes e na preocupação com os entes queridos, próximos e distantes. O Natal não é apenas a alegria do nascimento do Filho de Deus, mas também o calor da festa familiar mais importante do ano. Este ano não só as igrejas vão estar (mais) vazias, como também os locais à volta da árvore de Natal. No entanto, os pastores, pregadores e pregadores da Igreja Evangélica Luterana na Itália gostariam de evocar todos os dias um pouco da luz e da atmosfera do Advento nos corações. Compartilhar um versículo da Bíblia, uma oração, uma história do Advento, uma meditação ou uma memória”. Aqui o link para o calendário do CELI. “Advento – escreve no site do CELI Heiner Bludau, Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália – do latim adventus, que significa chegada. No Advento, nós cristãos somos confrontados com a vinda de Cristo de duas maneiras. Com o nascimento de Cristo, "a Palavra de Deus se fez carne" diz a Bíblia (João 1:14). Isso significa que Deus e seu reino chegaram muito perto de nós. Algo começou cuja conclusão ainda está por vir. Enquanto confessamos e pedimos rezando o Credo e o Pai Nosso, em algum momento o Reino de Deus será concluído, Cristo prometeu que Ele voltará. Este é o segundo aspecto da vinda a que se refere o Advento. O Advento visto como um período de Paixão (Quaresma) não extinguiria nossa alegria. Pelo contrário, poderia levar-nos a experimentar uma alegria ainda mais profunda. […] Um advento vivido como um período de paixão/quaresma não significaria necessariamente um convite a desistir de tudo. Mas o abandono de alguns hábitos quotidianos não poderia criar um espaço livre para nos dedicarmos à Palavra de Deus, ajudando-nos a captar a mensagem do Advento não só com a mente, mas também e plenamente com a alma? Se dermos à Palavra de Deus uma chance de se ativar dentro de nós, ela poderá desencadear uma alegria muito maior do que a que experimentamos por meio de nossas tradições natalinas. Neste sentido, desejo a todos um abençoado Advento”. Muitas ideias, portanto, do mundo protestante, para contar os dias que nos separam do Natal e sobretudo para refletir, neste período pré-feriado. Ontem, 1º de dezembro, falamos sobre outros dois calendários do Advento, o da Igreja Valdense de Turim e o da FGEI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.