“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

Najla Kassab prega do púlpito de Lutero em Wittenberg

Roma (NEV), 31 de outubro de 2019 – O presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) Najla Kassab, o primeiro pároco eleito para o cargo e ex-representante do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, emitiu uma mensagem para o Dia da Reforma, que é comemorado em 31 de outubro em todo o mundo. Reproduzimo-lo na íntegra a seguir.

Das ruas de Beirute, em meio a uma crise política, eu os saúdo hoje enquanto lembramos e celebramos o Dia da Reforma. Uma das lições mais fortes que a Reforma nos ensinou é a responsabilidade: que cada pessoa e líderes são responsáveis ​​perante a comunidade. Não há autoridade acima da responsabilidade. Por meio da prestação de contas, reformamos juntos e garantimos que nosso ministério e líderes trabalhem pelo Reino de Deus, pela justiça para todos. Se levamos a sério o desafio da Reforma permanente, de manter viva a Reforma, devemos aumentar a responsabilidade.

Hoje muitas ruas ao redor do mundo estão em greve, em Beirute, Hong Kong, Iraque, Chile ou em outros lugares. As pessoas decidiram não se calar mais e os jovens arriscaram-se a ir às ruas pedir aos seus líderes que assumam a responsabilidade por uma vida digna para todos, levantando o seu grito contra a corrupção. Sim, os líderes devem ser responsabilizados e o que é injusto deve ser enfatizado.

Apesar de cada país ter suas próprias causas de injustiça, o fator comum é que os jovens têm a coragem de falar e até de pagar um preço. É hora de pensarmos juntos como a mudança pode acontecer, seja ela gradual ou radical. O silêncio está entre as principais causas de injustiça, assim como a mentalidade de que não devo suportar problemas que não me digam respeito diretamente.

Hoje, novamente, nossa Confissão de Acra nos lembra que questões de justiça econômica e ecológica não são apenas questões sociais, políticas e morais, mas são parte integrante da fé. Ser fiel à aliança de Deus exige que cada cristão e igreja se posicione contra as atuais injustiças econômicas e ambientais “vendo através dos olhos de pessoas desamparadas e sofredoras”. As Igrejas e a sociedade são chamadas a ouvir o grito das pessoas que sofrem e a ferida da própria criação, superconsumida e desvalorizada pela atual economia global.

Hoje o desafio é continuar denunciando a injustiça econômica, falar e usar nossa imaginação juntos para um futuro melhor. Hoje me refiro ao Testemunho de Wittenberg, com o qual nos comprometemos há dois anos com nossos irmãos e irmãs luteranos, dizendo juntos:

Juntos, desejamos uma imaginação renovada do que significa ser igreja em comunhão – para o nosso mundo, em nosso tempo.

Precisamos de novas imaginações para viver juntos, de forma a abraçar nossa unidade não apenas como um dom, mas também como um chamado.

Precisamos de uma nova imaginação para sonhar com um mundo diferente, um mundo onde prevaleçam a justiça, a paz e a reconciliação.

Precisamos de uma nova imaginação para praticar uma espiritualidade de resistência e uma visão profética, uma espiritualidade a serviço da vida, uma espiritualidade moldada pela missão de Deus.

Neste dia unimos nossas vozes a todos aqueles que lutam nas ruas do mundo. Somos chamados a lembrar, com a força de “ficar aqui” pelos nossos valores, tendo fé, que independente de quantos somos, podemos fazer a diferença. Martinho Lutero ele nos encorajou a dizer “Aqui estou, não posso fazer outra coisa” mesmo quando isso significava pagar um preço. Hoje acrescentamos às palavras de Lutero: “Aqui falo”.

Acreditamos que podemos fazer a diferença e nos comprometemos com uma reforma que continua (sempre reformanda, ou seja, sempre reformada).

em Cristo,

Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Foto: Proteção Civil Roma (NEV), 19 de maio de 2023 - "Mais uma vez vemos as pesadas consequências da mudança climática em nosso país - declara o pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que expressou proximidade “aqueles que tiveram que deixar suas casas ou viram seu trabalho comprometido. Acima de tudo, proximidade e solidariedade com aqueles que hoje choram seus entes queridos. Esperamos que todos possam ser salvos graças aos esforços dos socorristas, cujo compromisso é mais do que precioso. Então – continuou Garrone – será uma questão de reconstrução, com entusiasmo e previsão. Um esforço do qual as igrejas evangélicas pretendem participar”. Para contribuir para ajudar a população da Emilia Romagna, a FCEI abriu uma assinatura, é possível fazer uma transferência bancária com o motivo "Assinatura da Emilia Romagna" para a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - Via Firenze 38, 00184 Roma, IBAN : TI 26 X 02008 05203 000104203419 ou via PayPal, aqui: Aqui estão algumas vozes e testemunhos das igrejas protestantes das áreas afetadas pela enchente. artigo anteriorEscuta, diagnóstico e tratamentoPróximo artigoApelo às Igrejas Europeias para o Dia Mundial do Refugiado Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
De guerras e pazes, ocupações e direitos.  O mundo em Karlsruhe

De guerras e pazes, ocupações e direitos. O mundo em Karlsruhe

Cole Keister, unsplash Karlsruhe (NEV), 2 de setembro de 2022 – O elefante na sala é a questão ucraniana. Ou melhor, o que as igrejas cristãs decidirão fazer e dizer, depois das posições assumidas pelo patriarca de Moscou Kirill e seu apoio a Putin. Enquanto se aguarda o resultado final da cúpula em Karlsruhe, hoje, na XI Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, oArcebispo Yevstratiy de Chernihiv e Nizhyn da Igreja Ortodoxa da Ucrânia (aqui o texto de seu discurso). "Lá #guerra não é apenas sobre a Rússia, #Ucrânia e #Europa. É sobre #segurança mundialmente. Onde será o próximo conflito?», as palavras do representante da Igreja Ortodoxa Ucraniana agora #Karlsruhe #WCCassembly. "Estamos abertos ao diálogo, mas não à propaganda." pic.twitter.com/VL2WhKflnh — Agência NEV (@nev_it) 2 de setembro de 2022 Mas, além dessa guerra, o evento internacional ocorrido na Alemanha é catalisador de muitos outros conflitos, de muitas outras vozes que falam de ocupações e direitos negados. Mas também de esperança e de possibilidade de "reconciliação". Nós conhecemos alguns. Palestina Rifat Kassis é um conhecido ativista cristão palestino nascido na Cisjordânia, expoente do Kairos Palestina, movimento nascido do "Documento Kairos", que defende "o fim da ocupação israelense e a obtenção de uma solução justa para o conflito". O que eles querem é "criar consciência sobre o que está acontecendo na Palestina, mas também dar esperança às pessoas: a situação vai mudar, a ocupação vai acabar, o sistema de apartheid criado e fortalecido nos últimos anos deve chegar ao fim, para que haja um justo paz na região. Estamos aqui para pedir ao CMI que adote uma nova política - disse Kassis - que reconheça a situação no terreno, a urgência do que está acontecendo e a necessidade de acabar imediatamente. Deve chamar as coisas pelo nome. Considerando que muitas organizações internacionais de direitos humanos definem Israel como um sistema de apartheid (aqui a declaração da Anistia Internacional, ed) isso deve parar: a pré-condição para a paz é esta. Estamos aqui para fazer lobby por uma resolução que pode ser uma Roteiro pela paz". A solução do 'dois estados, dois povos', para o expoente de Kairós, deve ser superado. “Os fatos no terreno mostram que não funciona. Todas as soluções propostas até agora falharam, porque todas falharam em tornar a realidade clara, a situação deve ser considerada indo à raiz do problema. Queremos começar a partir daí. Não estamos aqui para decidir, não somos políticos, não estamos aqui para dar respostas ou propor soluções. Mas o condição sine qua non pois uma solução certa é parar de nos iludir com soluções que não são viáveis. Nós conversamos sobre isso nos últimos quarenta anos e nada aconteceu…” O que as igrejas podem fazer? “Muitas igrejas já estão fazendo muito. Por exemplo, eles boicotam produtos, firmas, empresas, bancos que se beneficiam da ocupação. Mas, mais importante, as igrejas podem ter uma voz mais ética e não ceder a políticos corruptos. As igrejas - se quiserem - podem desempenhar um papel e é o da ética, da moral, dos princípios baseados na humanidade. Ambos podem atuar, com desinvestimentos e boicotes, mas também ser uma voz ética. Como palestinos, nossa maior esperança hoje está na sociedade civil, nas mãos dos povos, porque infelizmente todos os governos estão muito distantes... Todos os governos ocidentais, os EUA, os países europeus estão financiando e apoiando a ocupação e dando imunidade a Israel fazer o que quiser, ignorando os direitos humanos e o direito internacional... Queremos rejeitar a desumanização do povo palestino. Eles tentam silenciar nossa voz, distorcer os fatos aos olhos do público e “assustar” as pessoas com anti-semitismo: qualquer crítica imediatamente se torna uma forma de anti-semitismo e para mim aterrorizar as pessoas e negar-lhes o direito de falar e se expressar, isso é terrorismo”. Observação. Qual é a posição do CMI sobre Israel e Palestina? Em uma declaração pública do Comitê Central do CMI datada de 18 de junho, há um "pedido pelo fim da ocupação e pela igualdade de direitos humanos para todos" na Terra Santa. O WCC reconheceu o Estado de Israel desde a sua criação em 1948, afirmou as garantias das Nações Unidas para sua existência, reconheceu o direito de Israel de proteger seu povo sob a lei internacional e manteve as garantias da integridade territorial de Israel e de todas as nações da região. O conselho sempre pediu o fim da violência, denunciou todas as formas de anti-semitismo, pediu o fim dos assentamentos ilegais nos Territórios Palestinos Ocupados e promoveu uma solução negociada de dois Estados para o conflito. O CMI nunca pediu um boicote econômico ao estado de Israel, mas trabalha com igrejas e outras organizações para uma paz justa na Palestina e em Israel por todos os meios não violentos possíveis, políticos e diplomáticos. O WCC não promove boicotes com base na nacionalidade neste ou em qualquer outro contexto. Nem defende medidas econômicas contra Israel. No entanto, ele tem uma posição política de longa data favorável ao boicote de bens e serviços dos assentamentos (considerados internacionalmente ilegais) nos Territórios Palestinos Ocupados. EUA Tawnya Denise Anderson é pastor da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos, serve em Kentucky, mora perto de Washington DC e faz parte do conselho da Missão Presbiteriana. “Para mim é a primeira assembléia do CEC e é fascinante. Depois da pandemia é bom discutir tantos assuntos cruciais, nos reencontrar e perceber como cuidamos uns dos outros”, declara. Sobre o direito ao aborto nos EUA, “como uma igreja presbiteriana dos EUA, há muito apoiamos o direito ao aborto e a saúde reprodutiva das mulheres. Claro que não somos monolíticos, também entendemos que dentro de algumas de nossas tradições existem pessoas que não pensam como nós sobre o aborto – elas são uma minoria em nossa denominação. Mas para a maioria de nós, a questão do aborto se enquadra na saúde reprodutiva e no direito de acesso aos cuidados. Continuamos esta batalha pelos direitos das mulheres, por meio de nossos escritórios em todo o país, e apoiamos outras denominações que o fazem localmente”. As igrejas europeias e mundiais podem fazer alguma coisa? “Enquanto isso, junte-se a nós em orações. Mas também nos ajude a arrecadar dinheiro para pessoas que precisam viajar para acessar o atendimento ao aborto, de um estado para outro. E podem conversar com seus governantes, fazer pressão sobre a situação nos Estados Unidos e a decisão da Suprema Corte de ser criticada em todos os níveis”. O direito à saúde se confunde com os desafios do movimento Vidas negras importam. “Nossa denominação é 90% branca e temos uma longa história de ação não violenta, defesa, engajamento e testemunho ao lado de movimentos antidiscriminatórios. E sabemos, por exemplo, que é sobre os negros que a reviravolta do STF terá as piores consequências, sobre pessoas que já vivenciavam profundas desigualdades no acesso ao sistema de saúde, famílias negras, núcleos mais pobres e vulneráveis: é um tema, o do aborto, portanto não só de justiça de gênero e saúde, mas também de justiça racial, como costuma acontecer”. Cuba Edelberto Juan Valdese Fleites é pároco da Igreja Presbiteriana Reformada de Cuba e está em Karlsruhe junto com uma delegação de onze pessoas que representam diversas comunidades cristãs da ilha. Para o expoente cubano, o evento atual fala de “reconciliação, diálogo, entendimento e estamos celebrando esta assembleia em um mundo onde tudo isso falta. Todas estas palavras são fundamentais também para a Igreja cubana. Temos muitas dificuldades económicas, e como viver a unidade, o diálogo, o entendimento e a reconciliação numa sociedade com tantos problemas? As razões dos problemas de Cuba têm razões complexas: uma delas, há sessenta anos, é a bloqueio econômico-financeira mantida pelos EUA contra Cuba, e há um problema de nossa eficiência, dentro de nosso país, de tantas coisas que não funcionam. O que procuramos fazer é ajudar a população por meio de diversos projetos sociais, desde a purificação da água até o atendimento a idosos e crianças. Acima de tudo, tentamos dar esperança às pessoas e resolver os problemas das pessoas, tanto quanto podemos como igrejas”. O diálogo é um valor para as igrejas cubanas e o cultivam também com o Partido Comunista de Cuba, “o único partido que temos. Existe um gabinete ad hoc que trata precisamente das relações entre as igrejas e os órgãos e órgãos do Estado, e também resolve muitos problemas práticos - como, por exemplo, a renovação e manutenção dos edifícios das igrejas - em vários domínios. Existe um diálogo, nem sempre é fácil mas não deixa de ser um espaço de discussão e sobretudo de escuta, o que é importante”. A delegação cubana pedirá ao CMI uma posição contra o embargo, que afeta “não tanto o governo quanto a população cubana. Gostaríamos de uma mudança na política dos Estados Unidos em relação a Cuba, para ter uma vida menos cansativa. E gostaríamos que as igrejas e a opinião pública falassem do povo cubano. O bloqueado está nos separando e o tema desta assembléia é precisamente a reconciliação: nunca podemos ser iguais, mas pelo menos podemos viver em diálogo dentro da diferença”. Uruguai Rogelio Dario Barolin é pastor da Igreja Valdense de Rio de la Plata, ordenado em 1999, nos últimos seis anos é secretário da Aliança de Igrejas Presbiterianas Reformadas da América Latina. Nessas redes, tenta-se “ligando a economia à teologia“. Por isso, nos últimos anos, a campanha #ZacTax foi lançada também na América Latina, depois de outros continentes, "em nome da figura e seguindo o exemplo de Zaqueu, por um modelo tributário justo e capaz de reparar as injustiças que eles foram criados". Porque “a economia não é apenas uma ciência que lida com números, mas tem um valor e deve ter a ver com o que é ético e certo. E também nos diz o que, como sociedade, toleramos ou aceitamos, em termos de injustiça." Diferentes modelos serão estudados e propostos para cada país, dependendo dos contextos e leis vigentes. Quanto ao papel das comunidades evangélicas na sociedade, sendo “um lugar onde as pessoas podem ser acolhidas e acompanhadas, este é um dos desafios mais importantes para as igrejas protestantes. Temos uma capacidade de resiliência muito grande e uma teologia que responde a muitas necessidades deste tempo; o problema é como se comunicar. Muitas vezes viemos dos guetos, mas é como se voltássemos para lá, trancados num gueto, sozinhos”. Finalmente, no Uruguai, "há um declínio nas questões de direitos, há uma crescente criminalização do protesto social, nos anos pós-covid a distribuição da riqueza se polarizou, a desigualdade aumentou e os problemas das pessoas se agravaram mais vulneráveis... muito a fazer". Para mais informações sobre a campanha #ZacTax: O planeta Há outra guerra esquecida ou talvez negada como tal e é a da humanidade contra a Terra. Realizou-se hoje na cidade alemã uma – bastante pequena face ao número de pessoas presentes na Assembleia da CEC – manifestação de protesto, a propósito do #FridaysForFuture, com uma procissão que chegou à entrada da cimeira ecuménica, discursos de jovens e activistas, cânticos e dançando pelo meio ambiente. A fé, lê-se num dos cartazes dos jovens na procissão, é verde. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
#SPUC 2020. Variações da filantropia

#SPUC 2020. Variações da filantropia

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia Roma (NEV), 18 de janeiro de 2020 - Trataram-nos com bondade: este é o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontece, como acontece todos os anos há mais de meio século, de 18 a 25 Janeiro, promovido mundialmente pelo Conselho Mundial das Igrejas (CEC) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Eles nos trataram com gentileza (talvez seja melhor traduzir: "com humanidade"). É uma citação do livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 28.2, quando o apóstolo Paulo escapa de uma terrível tempestade e naufraga na ilha de Malta, junto com alguns de seus companheiros, os soldados que o levaram prisioneiro para Roma e para marinheiros. Quem é que trata Paolo e os outros náufragos com bondade (ou humanidade, se preferir)? São os habitantes de Malta, que acolhem, refrescam e aquecem os náufragos frios e húmidos. E por que escolher tal texto para a Semana da Unidade? A resposta das igrejas cristãs de Malta, que prepararam os materiais para a Semana, é que este texto é mais atual do que nunca. “Em várias partes do mundo – lê-se na introdução – muitas pessoas enfrentam jornadas igualmente perigosas, por terra e por mar, para escapar de desastres naturais, guerras e pobreza. Também a sua vida está à mercê de forças imensas e altamente indiferentes, não só naturais, mas também políticas, económicas e humanas. A indiferença humana assume muitas formas: a indiferença de quem vende lugares em barcos inseguros a pessoas desesperadas; a indiferença das pessoas que decidem não enviar botes salva-vidas; a indiferença de quem rejeita os barcos dos migrantes. Esta história interpela-nos como cristãos que enfrentam juntos a crise migratória: somos coniventes com as forças indiferentes ou acolhemos com a humanidade, tornando-nos assim testemunhas da amorosa providência de Deus para com cada pessoa?». A narração dos Atos dos Apóstolos desenvolve boa parte do linguagem de boas vindas que encontramos no Novo Testamento. Existem três verbos acolhedores: acolher, receber, hospedar. Os malteses são definidos como "bárbaros" (porque não pertencem ao mundo da cultura grega), mas são bárbaros hospitaleiros que literalmente acolhem os náufragos com uma "filantropia fora do comum". Ainda em Malta, o notável Públio "amigo" acolhe Paulo e seus seguidores (28,7): a palavra grega é filofronosoutro termo que, como filantropiaé composto com filia, amizade. Com efeito, no Novo Testamento, o vocabulário do acolhimento está intimamente ligado ao conceito de filiaamizade: se é filantropiaisto é, de amizade e humanidade para com todos os seres humanos, ou do Filadélfiao amor entre irmãos, ou mesmo dos filoxenia, amizade para o estrangeiro, são apenas variações do mesmo conceito. E contrastar essas diferentes formas de amizade/amor (por exemplo, afirmar que o amor pelos nossos conterrâneos vem em primeiro lugar) não faz sentido: certamente não do ponto de vista da mensagem cristã. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.