Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Foto Ivars Kupcis/CEC

Roma (NEV), 24 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina em 25 de janeiro. O Secretário Geral Interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Padre Ioan Sauca, convida a família ecumênica e todas as comunidades globais a se unirem para o serviço de oração. A celebração será transmitida no dia 25 de janeiro.

Na próxima segunda-feira, portanto, será possível ficar online para rezarmos juntos. “Como as restrições devido à pandemia estão dificultando a reunião física. disse Saúca. Esta celebração on-line global nos permitirá orar juntos onde quer que estejamos. A oração é um dos frutos que brota da nossa permanência no amor de Cristo”.

Concluindo, mais algumas palavras sobre a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Tradicionalmente, é comemorado de 18 a 25 de janeiro, em meio às festas de Pedro e Paulo. O tema para 2021 é “Permanecei no meu amor: dareis muito fruto”.


Para saber mais:

A carta convite de Ioan Sauca.

Link para acompanhar o culto de oração na segunda-feira, 25 de janeiro de 2021, 14:00 CET. www.oikoumene.org/live

unidade cristã. Carta conjunta católica, ortodoxa e protestante “Vivemos e celebramos nossa unidade na oração comum”. Mensagem assinada pelo bispo Ambrogio Spreaficodo metropolita Polykarpos Stavropoulos e pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), por ocasião do SPUC.

agenda NEV de eventos italianos.

Semana de oração pela unidade dos cristãos e recorrências históricas o artigo de Claudio Geymonat. “Este ano é também uma ocasião para comemorar os 500 anos da excomunhão de Lutero”…

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Detalhe do cartaz do filme "Sonhos moram nas árvores" de Marco Della Fonte Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O júri da Interfedi concedeu ao filme o “Prêmio pelo respeito às minorias e pelo secularismo” “Sonhos habitam árvores”. estréia do diretor Marcos Della Fonteconvidado do 40º Festival de Cinema de Turim (25 de novembro – 3 de dezembro de 2022), o longa-metragem recebe assim o reconhecimento da nona edição deste júri especial. O Júri Interfedi é de fato promovido, desde 2013, pela Igreja Valdense e pela Comunidade Judaica de Turim, com o patrocínio do Comitê Interfedi da Cidade de Torino. Este é o raciocínio: júri 2022 O Júri Interfedi 2022 é composto por Walter Nuzzo (representando o Comitê Inter-religioso). Nino Pennacchia (Igreja Valdense). Daniel Segre (comunidade judaica). Prêmio Interreligioso “O reconhecimento, estabelecido em 2013 por iniciativa da Igreja Valdense e da Comunidade Judaica de Turim, com a participação do Comitê Inter-religioso da Cidade de Turim, visa premiar e chamar a atenção para filmes que contribuam para dar voz a todos tipos de minorias, para promover o respeito pelas mesmas, o reconhecimento dos direitos, a integração, a superação da discriminação e que afirmem os valores da laicidade, a cultura da tolerância, o respeito pela autonomia, a liberdade e a responsabilidade individual" lê-se no comunicado de imprensa do Prémio. Este Prémio pretende reafirmar “os valores que constituem os fundamentos de toda a sociedade verdadeiramente democrática e pluralista”, denunciando toda a intolerância e racismo, propaganda anti-semita e discriminação contra as comunidades de fé, em primeiro lugar a islâmica. De fato, afirma "acolhida, partilha, solidariedade, respeito mútuo, dignidade humana, aceitação das diversidades étnicas, culturais e religiosas como fundamentos de uma sociedade justa e inclusiva, multiétnica, multiconfessional, multicultural, na qual os direitos e as liberdades do indivíduo sejam preservadas". O Comitê Inter-religioso da cidade de Turim reúne representantes do cristianismo (católicos, protestantes e ortodoxos), judaísmo, hinduísmo, islamismo, budismo e mundo mórmon. ...

Ler artigo
Tempo de religião católica e alternativa.  Um manual protestante

Tempo de religião católica e alternativa. Um manual protestante

Roma (NEV/CS02), 18 de janeiro de 2023 – O "Sportello Scuola Laicita Pluralismo" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) preparou um documento com as respostas às perguntas mais frequentes sobre a inscrição e a opção de não usar o ensino da religião católica (IRC). De facto, as famílias e os alunos são chamados, até ao final de janeiro, a fazer a escolha dos institutos e cursos de estudo para o ano letivo 2023/2024. “Não menos relevante é a escolha de fazer uso ou não do ensino da religião católica (IRC) – escreve o Sportello FCEI na introdução do documento -. O crescente número de alunos (mais de um milhão segundo dados ministeriais, ed) que optam por não recorrer ao ensino religioso confessional e as significativas dificuldades em encontrar informações claras sobre como exercer esse direito, tornam necessário esclarecer que a FCEI pretende proporcionar às famílias e pessoas, evangélicas e não". Para tanto, algumas orientações estão disponíveis no site da FCEI com as chamadas FAQs (Perguntas Frequentes). No documento é possível encontrar instruções e informações para a escolha, mas também soluções para quem pretende mudar de opção durante o ano ou de um ano para o outro. São também ilustradas as obrigações das escolas e da direção escolar que, por lei, devem sempre e em qualquer caso garantir o direito de não se valerem do ensino da religião católica. Por fim, o operacional responde tanto em casos de discrepâncias e/ou ilegitimidade das fichas, quanto sobre o que acontece se pais e alunos optarem pelo estudo individual ou pela chamada “disciplina alternativa”. A jurisprudência, por exemplo, já estabeleceu que o direito constitucional à liberdade religiosa e de consciência prevalece sobre as necessidades organizacionais das escolas. A escolha de uma das 4 alternativas possíveis (actividades lectivas, investigação e estudo com ou sem acompanhamento de docentes, não frequência da escola durante o horário do IRC) como escreve a secretária: "é necessária, mas a sua activação pela escola é obrigatório". Além disso, o manual explica: “não há um número mínimo de alunos necessário para a ativação da hora disciplinar alternativa. E o aluno não tem obrigação de ficar na aula para fazer a matéria alternativa enquanto o restante da turma faz a hora de religião”. No extenso debate sobre as notas do IRC no boletim, o Sportello reitera que “nenhuma vantagem adicional se adquire com a frequência da aula de religião em termos de créditos escolares”. No entanto, a questão ainda é motivo de debate. Atualmente, a frequência da disciplina alternativa, como o IRC, entra em jogo na avaliação mais ampla que inclui atividades extracurriculares, faltas, qualidade de comprometimento do aluno. O vademecum foi elaborado pelo consultor jurídico da FCEI, avv. Ilaria Valenzi. O Balcão Escolar de Laicismo e Pluralismo da FCEI está sempre disponível para apoiar as famílias no processo de escolha e em relação a problemas específicos. A recepção pode ser contatada a qualquer momento no endereço de e-mail [email protected]. Outras perguntas frequentes e outros conteúdos úteis serão gradualmente divulgados no site da FCEI. Para saber mais Leia os artigos do NEV sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas. ...

Ler artigo
De massacre em massacre.  Dez anos depois de Lampedusa

De massacre em massacre. Dez anos depois de Lampedusa

Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 6 de março de 2023 – A imagem é de partir o coração: uma praia com os destroços de um barco, alguns sapatos e um macacão de criança. Nada se sabe sobre o corpo que deveria conter, exceto que foi engolido pelo mar durante a última tragédia migratória, a que ocorreu em Cutro, perto de Crotone, na madrugada de 27 de fevereiro. Uma avaliação inicial assume quase 70 vítimas, mas teme-se um número muito maior.Cutro como Lampedusa, no ano em que teremos que recordar 10 anos desde o massacre de 3 de outubro de 2013, quando houve 368 vítimas. Estima-se que 26.000 migrantes morreram no Mediterrâneo em dez anos.Dez anos é muito tempo e 26.000 mortos são um fardo moral intolerável para a consciência italiana e europeia. Portanto, é possível e necessário nos perguntar o que tem sido feito para proteger a vida dos migrantes na rota do Mediterrâneo.Após o massacre de Lampedusa, foram ativados dispositivos de salvamento marítimo como o Mare Nostrum ou Sofia: unidades da Guarda Costeira, da Guardia di Finanza e, posteriormente, de várias marinhas europeias foram assim utilizadas para patrulhar as rotas migratórias e garantir o resgate no caso de um naufrágio. Foi uma temporada curta, contada em filmes e dramas de televisão que exaltaram o profissionalismo das forças militares italianas; capitães e capitães que presenciaram o nascimento de crianças a bordo tornaram-se heróis folclóricos expressando o espírito humanitário italiano. Nessa mesma fase intervieram as primeiras ONGs, associações privadas que lançaram unidades de busca e salvamento e, sempre naqueles anos, colaboraram eficazmente com os meios militares.Então, por volta de 2017, o clima mudou. A presença de navios de resgate em vez de uma guarnição humanitária tornou-se um "fator de atração" da imigração irregular, um ímã que, em vez de desencorajar as saídas, as encorajou. O fator pull – fator de atração – tornou-se a palavra-chave, esquecendo-se porém de outra: fator push. E é por isso que as pessoas estão dispostas a sacrificar qualquer dinheiro guardado e a confiar na cínica loteria de uma viagem organizada por criminosos sem escrúpulos. Por que eles fazem isso? porque são pais e mães inconscientes e irresponsáveis, como alguns ministros italianos moralmente fora do tempo e fora do lugar? Não, fazem-no porque estão desesperados, desprovidos da mais remota esperança de que a sua permanência na Líbia, nas zonas desertas da África subsaariana, nos campos de refugiados do Norte de África lhes garanta o mínimo para viver e olhar para o futuro .E assim começou a guerra contra as ONGs, desprezadas como "táxis marítimos", acusadas de cumplicidade com os contrabandistas.Assim chegamos a algumas semanas atrás, quando outro pacote de medidas definidas como "por segurança" complicou ainda mais as ações de resgate, alongou os tempos de cada operação de resgate e obrigou os navios a fazer longas viagens para chegar aos portos designados com base no o mais irracional dos critérios: o mais longe possível da zona crítica de salvamento.O resultado está diante de nós: menos navios em zonas de resgate, operações mais lentas e resgates mais difíceis. As vítimas de Cutro são consequência direta desse dispositivo. Aqueles que, por outro lado, acusam os migrantes de serem responsáveis ​​pelas mortes sobem em vidro ensaboado com argumentos ilógicos e desumanos.Nesse contexto, os corredores humanitários promovidos também pelas igrejas evangélicas italianas indicam um importante caminho, corroborado pelas recentes declarações da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que os citou como eixo estratégico das políticas europeias de imigração. Mas cuidado, corredores humanitários para alguns milhares de pessoas não podem ser o álibi de uma Europa que constrói muros e fecha fronteiras. Para se tornarem um eixo estratégico das políticas europeias de imigração, o número atual de corredores humanitários deve aumentar significativamente. Ao mesmo tempo, é ainda necessário reforçar os mecanismos de salvamento no mar, pelo menos até que os canais migratórios ordinários inutilizem as migrações irregulares. Isso sugere a lógica das coisas.Se, por outro lado, se prefere enfurecer-se com as vítimas, significa que perdemos não só o caminho da racionalidade, mas também o do direito e dos princípios humanitários. Aqui é possível ouvir a transmissão do Culto evangelico e em particular a transmissão do domingo, 5 de março de 2023. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.