Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d’Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar)

Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Na véspera da Semana da Liberdade, entrevistamos o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Daniele Garrone.

A Semana acontece próximo ao dia 17 de fevereiro, data do aniversário da concessão dos direitos civis aos valdenses, em decorrência da Carta-Patente expedida pelo rei Carlo Alberto, em 1848. Algumas semanas depois, os mesmos direitos foram concedidos aos Judeus.

Seu mandato como Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália começou há pouco mais de três meses, juntamente com o novo Conselho. Do ponto de vista organizacional e programático, que são as moradas do triénio que vos espera?

Como é comum em nossas igrejas, não se é chamado a ocupar determinados cargos com base em um programa: as linhas de trabalho indicadas nos estatutos e “atualizadas” pelos mandatos da assembléia. A assembléia, duas vezes ao ano, debate e verifica o andamento da Federação. Nesse sentido, nosso estilo de trabalho é fortemente “parlamentar”.

Continuaremos a realizar nossos esforços em vários setores. Os corredores humanitários, que tiveram uma extensão significativa com o apoio dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores; os projetos dentro da Mediterranean Hope, incluindo a assistência aos desembarques em Lampedusa e as iniciativas de apoio aos trabalhadores na planície de Rosarno e contra a contratação ilegal. Nesses setores, o apoio que recebemos continua e até se estende, aqui na Itália, de igrejas membros da Federação, como da União Budista Italiana, mas também de igrejas irmãs e organizações no exterior.

Além disso, continua o trabalho de reflexão sobre questões importantes para o debate público em nosso país, em particular sobre a liberdade religiosa. Vamos intensificar a atividade de investigação e mobilização sobre as questões da liberdade religiosa (que deve ser igual para todos, sem privilégios e discriminações) e da laicidade, a começar pelas escolas públicas. Em breve publicaremos um volume sobre “populismo e religiões” resultante de uma série de webinars que criamos com parceiros de igrejas irmãs na Europa e América. Cuidaremos da comunicação não só sobre as atividades da Federação, mas sobre a realidade e as posições das igrejas protestantes na Itália. Outro setor fundamental é o da conscientização sobre a proteção do planeta. Oferecemos ferramentas para o ensino da Bíblia em nossas comunidades, mas também na esfera cultural.

Apesar dos grandes obstáculos colocados pela pandemia – por exemplo tivemos de adiar a grande “assembléia geral” que de três em três anos oferece a oportunidade de conhecer, discutir e interagir com o espaço público – não reduzimos as iniciativas, mesmo que tudo esteja mais complicado é difícil.

A Federação é um conjunto de igrejas protestantes com diferentes histórias e diferentes estruturas. Na sua opinião, quais são os aspectos mais criativos e desafiadores para as igrejas e comunidades federadas neste momento histórico?

A Federação é um laboratório importante para o que é uma ideia tipicamente protestante, a da unidade na diversidade. É possível acordar em assembléia, decidir juntos compromissos comuns e falar a uma só voz sem esse homólogo ou obscurecer as diferenças. As diferenças históricas e organizacionais não superam a fé comum e não impedem compromissos compartilhados. Recebemos tudo isso como herança preciosa, mas também como vocação. Devemos valorizá-la ainda mais nestes tempos em que parece que as identidades devem ser gritadas em vez de discutidas e em que a diversidade é temida quando não contrariada.

A teologia e a pastoral são elementos que se entrelaçam cotidianamente no trabalho e na vida dos crentes, tanto na esfera diaconal, quanto profissional e existencial. O que você acha?

Em todas as áreas da vida, e cada uma delas é sustentada e orientada pela vocação, é preciso pensar na fé e a fé suscita perguntas, leva-nos a refletir. Não na solidão, porque há a dimensão da oração, de se expor ao Outro, e do outro como nós, que – de fora de nós – pode nos fazer reverberar aquela Palavra que não encontramos em nós mesmos, que pode compartilhe os fardos conosco. Pensamento, oração, consolo mútuo. Como disse Lutero mutuum colloquium et consolatio fratrum et sororum: diálogo mútuo e consolação entre irmãos e irmãs.


Nos próximos dias, mais aprofundamentos sobre o tema da liberdade e sobre os encontros agendados para o dia 17 de fevereiro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – AObservatório inter-religioso sobre a violência contra a mulher manifesta sua indignação com a resolução adotada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre violência sexual em conflitos armados (nº 2.467 de 23 de abril de 2019). "O que aconteceu na ONU é uma violação gravíssima dos direitos de todas as mulheres do mundo - as mulheres do Observatório (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judias, islâmicas , hindu, budista) –. Não ter escrito expressamente que após um estupro de guerra a mulher tem direito à proteção da saúde e a possibilidade legal de aborto é intolerável”. O comunicado recorda ainda a necessidade de fiscalizar as leis sobre a matéria: “tanto no julgamento de Nuremberga como no de Tóquio, embora a violação já tivesse sido estabelecida como crime, não foi processada; de facto, nem sempre é suficiente que existam leis, mas é também necessário que exista um contexto cultural capaz de as transpor e aplicar”. A condenação da violência, explicam as mulheres do Observatório, está muito articulada no texto da resolução: "de fato, ela recomenda a todas as comunidades, inclusive religiosas, que desempenhem um papel mais ativo na defesa contra a violência sexual nos conflitos, evitar a marginalização e a estigmatização dos sobreviventes e suas famílias, e comprometer-se a auxiliá-los em sua reintegração social e econômica". Por exemplo, o documento reconhece a importância de apoiar e promover "organizações de mulheres, guias religiosas e lideranças comunitárias, para uma mudança do estigma da violência sexual da figura da vítima para a do agressor", mas revela-se completamente insuficiente no que diz respeito à proteção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres violentadas, sobre o que, continua o Observatório, "a Resolução nos decepciona e nos ofende com suas reticências". Mais uma vez, os corpos das mulheres se tornam objeto de discórdia. O Observatório explica ainda: "Para evitar o incumprimento total do acordo, a linha pretendida pelo Donald Trumpde acordo com qual as mulheres estupradas na guerra não têm direito ao aborto; a referência à saúde reprodutiva teria sido um sinal verde para o aborto. Aliás, notamos que foi retirado do texto o estabelecimento de um mecanismo formal para monitorar e denunciar atrocidades cometidas na guerra, contra Estados Unidos, Rússia e China, três das nações mais poderosas do mundo”. O secretário-geral da ONU António Guterres ela disse: “Apesar de muitos esforços, a violência sexual continua a ser uma característica horrível dos conflitos em todo o mundo e é usada deliberadamente como uma arma de guerra. Devemos reconhecer que o estupro na guerra afeta em grande medida as mulheres porque está ligado à questão da discriminação de gênero”. Apesar disso, o veto dos EUA negou a dignidade e o respeito humanos. “Como mulheres de fé, dizemos que o veto dos EUA também nega o misericórdia para mulheres horrivelmente ofendidas e violentadas – conclui o Observatório -. O estupro de guerra tem uma longa história nas culturas patriarcais; tem muitos significados, inclusive para humilhar o país inimigo e consolidar o pacto criminoso homofóbico entre os agressores. É um ato brutal, muitas vezes vivenciado no silêncio e na vergonha da vítima; um acto de crueldade feroz, cujas consequências dilacerantes para a integridade da pessoa são gravíssimas. Se, além disso, a mulher também é ferida pela humilhação de ter engravidado pelo agressor voraz, então outro vexame se junta a um vexame. É desumano impor-lhe este 'peso', forçá-la a acolher a presença de um feto nas suas entranhas que só pode ser um sinal dessa terrível desgraça. Cada uma então será livre para escolher seu próprio destino, mas precisamente: ela terá o direito de escolhê-lo. E apoio não deve faltar para ela seja qual for a sua escolha”. O Observatório nasceu em março passado com um Memorando de Entendimento e suas atividades incluem iniciativas culturais, de conscientização e vigilância sobre o tema da violência contra as mulheres. ...

Ler artigo
Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 18 de maio de 2023 - “Talvez tenhamos desclassificado o reparo da Criação como uma moda passageira, em vez de pensar constante e ativamente sobre o que podemos fazer como crentes, devemos ser responsáveis ​​como parte de um mundo interconectado. Um rio transbordante não deveria ser uma calamidade, sempre existiram, até a Bíblia fala disso (Isaías - 66, 12) e ao contrário se torna um problema porque os assentamentos humanos foram além da Criação”. A pastora valdense diz isso de Bolonha Giuseppina Bagnatopoucas horas depois dos acontecimentos que atingiram a Emilia Romagna. Entre a noite e a manhã, na província de Ravenna, Lugo e Cervia foram inundados. Ainda dezenas de estradas fechadas ou danificadas por deslizamentos de terra ou inundações. Milhares de pessoas evacuadas. Mais inundações na zona de Ravenna, um metro de água no centro histórico de Lugo. «Devemos centrar a atenção na relação a que somos chamados como crentes - continua o pároco da comunidade metodista e valdense que conta com cerca de 100 pessoas, entre Bolonha e a província de Modena -, com todos os súbditos, leigos, crentes e não -crentes, para construir projetos que possam melhorar os territórios e as cidades em que vivemos. Somos chamados a fazê-lo, como Igrejas, desde baixo, porque a Igreja deve ser profética e por isso é necessário agir pessoalmente, esperando uma mudança ainda mais ampla, “acima”, naqueles que fazem escolhas políticas”. Na capital da Emília, a situação parece estar sob controle, “os maiores problemas não estão apenas na Romagna, mas também nas províncias, nas aldeias das colinas”. O pastor valdense Alexandre Esposito, em Rimini há pouco menos de dois anos, fala de uma situação pouco grave na cidade, mas "estamos nos organizando com outras entidades para ajudar os feridos e as pessoas que vivem nos centros mais afetados. Aproveito para agradecer a todos os socorristas e a todos os que estão a fazer o seu melhor para apoiar a população. Como igrejas, estamos à disposição de todos os necessitados". Mesmo para ele, porém, é preciso entender e refletir sobre “nossa falta de atenção”, como cidadãos, para com a emergência climática. Na zona mais afectada pelas chuvas, a de Cesena, "a situação é caótica e muito difícil, estamos a tentar ajudar as famílias em dificuldade, a dar a mão como podemos", afirma Nicodemos Fabiano, pároco da Igreja Evangélica Batista de Cesena e Rimini. “Em Forlì, as instalações da igreja evangélica são invadidas por um metro de água. Até na minha casa a chuva causou estragos. Agora é preciso rezar pela cidade, pelas vítimas destes dias”. O número de mortos subiu para nove nas últimas horas. 10 mil deslocados, segundo estimativa do governador da região da Emilia Romagna Stefano Bonaccini. E os prejuízos – diríamos de alguns bilhões – ainda não foram contabilizados. Hoje em Ferrara o sol brilha, mas "as pessoas estão com medo, devemos responder também a esta necessidade: o medo das pessoas", explica o pároco batista Emmanuel Casalino da cidade Este. Para isso, talvez, precisemos de uma maior consciência ou, pelo menos, da vontade de “chamar as coisas pelo nome”. “É inútil falar de chuva – conclui o pároco, que também segue a comunidade de Livorno -: o que aconteceu diz respeito às mudanças climáticas, ao consumo do solo, às construções excessivas. Deve nos fazer pensar: agora é a hora de agir, devemos almejar a transição ecológica, imediatamente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
24 de fevereiro.  “A paz é a vitória que precisamos”

24 de fevereiro. “A paz é a vitória que precisamos”

Roma (NEV), 22 de fevereiro de 2023 – 24 de fevereiro marca o primeiro aniversário do início da invasão russa da Ucrânia. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Center for Peace (CIPAX) continuam a jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela paz. Com o lema “Esta guerra tem de acabar!”, as duas siglas pretendem lembrar “que a guerra, todas as guerras têm de acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, incluindo o desarmamento nuclear”. Com esta premissa, convoca-se, portanto, um novo momento de espiritualidade compartilhada. O encontro é em Roma, sexta-feira, 24 de fevereiro, das 18h às 19h30, na Igreja Cristã Evangélica Batista na via del Teatro Valle 27. “Convidamos a aderir crentes de todas as fés e não crentes, associações e movimentos que compartilham o apelo da Europa pela paz. Cada um trará sua própria contribuição de pensamentos, valores, sentimentos e propostas – escreva GLAM e CIPAX -. Gostaríamos que nosso caminho inter-religioso fosse fortalecido em torno de um grupo promotor que pudesse contribuir para a abordagem inter-religiosa, que se mostrou tão crucial também nesta guerra, e fortalecer as atividades da Europa pela paz e da Rede Italiana de Paz e Desarmamento ( RIPD). O Momento de espiritualidade compartilhada também servirá para essa comparação”. Para inscrições no Momento de espiritualidade compartilhada: comissã[email protected] ; [email protected] Para todas as outras iniciativas da Europa pela paz: Abaixo, o apelo da Europa pela paz/RIPD 24 de fevereiro de 2022 - 24 de fevereiro de 2023 VAMOS PARAR A GUERRA NA UCRÂNIA Um ano de guerra é demais! Iniciativas em toda a Itália e em toda a Europa A invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022. Uma violação da Carta da ONU e do direito internacional que exige justiça imediata."Europe for Peace" convida você a promover mobilizações em cidades italianas e europeias um ano após a invasão da Ucrânia para pedir um cessar-fogo, diálogo e negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos. Mostre solidariedade ao povo ucraniano e às vítimas de todas as guerras, violência, repressão e discriminação no mundo. A paz é a vitória que precisamos! ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.