Pandemia e o papel das religiões.  Da justiça de gênero à justiça climática

Pandemia e o papel das religiões. Da justiça de gênero à justiça climática

Roma (NEV), 26 de janeiro de 2021 – Entre hoje e 28 de janeiro, uma série de reuniões será realizada envolvendo igrejas globais e personalidades ecumênicas sobre questões cruciais de justiça de gênero e justiça climática.

A primeira nomeação, que ocorre hoje, 26 de janeiro, é o 7º Simpósio anual sobre o papel da religião e das organizações baseadas na fé em assuntos internacionais. O título deste encontro é “2021: ano decisivo para acelerar a igualdade de gênero, equidade e justiça”. Organizado pela CEC, juntamente com a Aliança ACT, Junta Geral da Igreja e Sociedade da Igreja Metodista Unida, Ajuda Islâmica, Igreja Adventista do Sétimo Dia, Soka Gakkai Internacional, Iniciativa das Religiões Unidas, ONU Mulheres, Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) – Força-Tarefa Interinstitucional das Nações Unidas sobre Religião e Desenvolvimento.

Os participantes estão discutindo como superar as desigualdades de gênero e a discriminação generalizada. Estes objetivos são urgentes e essenciais para “remodelar o mundo, enquanto trabalhamos para a recuperação e reconstrução após a pandemia”.

A segunda nomeação, sinalizada pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e pelo Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), é a cúpula de Halki. Esta é a quarta edição de um encontro que reúne ativistas, cientistas, jornalistas, empresários, teólogos e acadêmicos que se empenham e trabalham para levar adiante uma discussão ambiental em nível global. “Em seu cerne está a crença de que nenhum empreendimento pode ter sucesso sem uma mudança fundamental nos valores, como se manifesta em ética, espiritualidade e religião”, diz o site da cúpula. O título deste ano é “COVID-19 e mudanças climáticas: vivendo e aprendendo com uma pandemia”. Os impactos do vírus na natureza, na ciência e na saúde serão explorados em três encontros. Os trabalhos serão apresentados pelo Patriarca Ecumênico Bartolomeu e pelo metropolita João de Pérgamo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Manifesto Justiça Digital.  Apelo ecumênico em defesa de direitos

Manifesto Justiça Digital. Apelo ecumênico em defesa de direitos

Foto Albin Hillert Roma (NEV), 21 de setembro de 2021 – O Manifesto da Justiça Digital está disponível em inglês, francês, espanhol e alemão. Este Manifesto é o resultado do trabalho do simpósio internacional realizado de 13 a 15 de setembro, parte online e parte presencial em Berlim, Alemanha. Intitulado “Comunicação para a Justiça Social na Era Digital”, o simpósio é organizado pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em colaboração com outros parceiros. O Manifesto denuncia as ameaças decorrentes da desinformação, vigilância digital e transformação tecnológica. “As tecnologias digitais estão transformando nosso mundo e os múltiplos espaços em que vivemos e nos movemos – lê-se no texto -. Essas tecnologias nos oferecem novas maneiras de nos comunicar, defender nossos direitos humanos e dignidade e fazer nossas vozes serem ouvidas." As tecnologias digitais, argumentam os comunicadores cristãos e ecumênicos, oferecem oportunidades e desafios. “As plataformas digitais também são usadas para espalhar desinformação e ódio deliberados – continua o texto -. Campanhas digitais de 'notícias falsas', exploradas para fins políticos, prejudicam os processos democráticos e o jornalismo responsável”. Os crescentes monopólios de tecnologia digital também ameaçam a diversidade de vozes e perspectivas: “Os usuários se tornaram a nova mercadoria. Dados privados são cada vez mais solicitados, coletados e controlados por um número limitado de plataformas para explorar pessoas para fins econômicos e políticos. Durante os três dias do simpósio, os participantes identificaram a vigilância, a marginalização e a militarização como ameaças significativas: “As preocupações com a segurança cibernética aumentaram, principalmente no setor de saúde. À medida que procuramos responder às questões levantadas pela transformação digital, podemos encontrar em muitas tradições religiosas uma incrível profundidade de compreensão sobre o que significa ser humano e viver corretamente dentro da criação”. Por uma ecologia digital: uma abordagem holística O simpósio também explorou como a digitalização levanta preocupações ecológicas. “Atores políticos, culturais, da sociedade civil e comunidades religiosas estão lutando para responder de forma eficaz. Para responder aos desafios e oportunidades da era digital, precisamos de uma abordagem participativa inclusiva e holística, internacional e intergeracional, baseada no valor sagrado da justiça social”. O manifesto, portanto, descreve uma abordagem holística e inclusiva para a criação de tecnologias digitais que promovam a vida, a dignidade e a justiça. “Precisamos de princípios que permitam que todas as pessoas participem de um debate transparente, informado e democrático. Em que as pessoas tenham acesso irrestrito à informação e conhecimento essenciais para a convivência pacífica, empoderamento, engajamento cívico responsável e responsabilidade mútua – conclui o manifesto -. Para alcançar a justiça digital, precisamos de um movimento transformador de indivíduos, comunidades, instituições educacionais, agências de mídia e sociedade civil. Incluindo comunidades de fé. E precisamos de políticas e ações governamentais informadas e apoiadas pela sociedade civil, fundamentadas nos direitos, na dignidade humana e nos princípios democráticos”. Os direitos fundamentais não prevalecerão por conta própria ou por meio de promessas voluntárias de corporações, o manifesto finalmente observa: “Vamos criar uma resistência popular inspirada pela fé contra as forças que desafiam a dignidade humana e prosperam em espaços digitais”. Para saber mais: Consulte o manifesto on-line. Simpósio Internacional “Comunicação para a Justiça Social na Era Digital”. Assista as gravações em vídeo do simpósio. Galeria de fotos. Juntamente com WACC e CEC, o simpósio contou com a colaboração de: Brot für die Welt (Pão para o mundo). Evangelische Kirche in Deutschland (Igreja Evangélica na Alemanha-EKD). Evangelische Mission Weltweit (EMW, Associação de Igrejas e Missões Protestantes na Alemanha). Federação Cristã Mundial de Estudantes-Região da Europa (WSCF). A iniciativa também faz parte da aproximação à XI Assembleia Geral do CMI prevista para 2022 em Karlsruhe. ...

Ler artigo
Batistas europeus se reúnem em Riga

Batistas europeus se reúnem em Riga

Roma (NEV/Reforma), 21 de setembro de 2022 - O Conselho da Federação Batista Europeia (EBF) abre hoje em Riga, Letônia (e terminará em 24 de setembro). A EBF é uma das seis regiões da Baptist World Alliance (BWA). No Riga Islândia Hotel são esperadas mais de 140 pessoas: elas participarão da Itália John Archdeaconpresidente da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI), e o pastor evangelista Ivano De Gasperissecretário do Departamento de Evangelismo. O encontro também contará com a presença de cerca de 30 líderes juvenis que, dentro das diversas Uniões Batistas, realizam seu ministério com jovens e crianças. O encontro, portanto, nas intenções dos organizadores, quer ser uma grande experiência intergeracional de adoração, oração, escuta de Deus e do outro, partilha recíproca e construção da missão futura. Entre os temas que serão abordados: missão e ministério na era pós-Covid; um mundo afetado por velhos e novos conflitos; uma economia desafiadora; preocupações ambientais globais; novas oportunidades para demonstrar a beleza, maravilha e esperança do Reino de Deus. A sessão de abertura (21 de setembro, quarta-feira – 19h30, horário de Riga) e o lançamento do projeto Livro de canções (23 de setembro, sexta-feira – 20h30, horário de Riga) será transmitido ao vivo no canal da EBF no YouTube. ...

Ler artigo
olhar para a frente, com confiança e empenho

olhar para a frente, com confiança e empenho

O dia do encontro, realizado em Ampliaçãodividiu-se pela manhã em quatro temas focais no relatório do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), apresentado através de breves introduções, comentários e testemunhos, alguns momentos de saudações (as intervenções do moderador da a mesa valdense Alessandra Trottado secretário da Federação da Juventude Evangélica da Itália - FGEI - Annapaola CarbonatoDe Stephen Bertuzzi para o conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI - e o pároco Dominic Kofi Dansoque conclui seu compromisso na Itália para a Comunidade de Igrejas em Missão - CEVAA) e o culto da tarde, durante o qual os cerca de 120 participantes da Consulta se juntaram aos que acompanham a iniciativa há várias semanas adoração de zoom. Invertendo a ordem do relatório, começamos com "Orçamento e contribuições", e a discussão logo se expandiu para a dimensão de conexão e a relação entre as comunidades locais e os órgãos centrais, entre os quais muitos se queixam de desconexão, falta de confiança mútua. A questão financeira foi obviamente afetada pelas consequências da covid-19, que impedem que se façam previsões, tal como os restantes temas: “Ação social e espaço público”, com os testemunhos sobre a iniciativa Hora do Pequeno Almoço para Sem-abrigo em Milão e Roma e os projetos de formação profissional em Rapolla; “Relações internacionais e ecumênicas”, sobre o qual, além da suspensão de muitos encontros, foi reafirmada a importância da rede internacional em que vivem as igrejas metodistas italianas, e na qual elas podem dar uma valiosa contribuição. Em particular, sobre algumas questões que estão minando a “saúde” do Metodismo internacional (e não estamos falando de cobiça), por exemplo a visão da homossexualidade na Igreja Metodista Unida. “O futuro que nos atravessa”, último tema da manhã e primeiro do relatório, do qual constitui uma espécie de introdução, é também o mais imbuído da complexidade deste período, sem dúvida feito de problemas mas também de oportunidades e descobertas positivas, de que a própria consulta online foi exemplo, assim como o culto que a concluiu, realizado como um culto de renovação de Aliança segundo a tradição metodista. Como sempre, este momento tem encontrado um forte impulso na componente musical, que tem como base a produção de hinos de Charles Wesley: a parte musical do culto da renovação da aliança foi preparada por Anthony Montano e apresentado por Stephanie Gabuyo. A liturgia foi conduzida por membros da Comissão Permanente Samuel Carrare e Alberto Bragaglia e pelo pastor George Enninenquanto a pregação foi realizada em dois momentos pelo presidente, pastor Mirella Manocchioe depois pelo vice-presidente Enrico Bertollini a partir do último capítulo do livro de Josué, o discurso que este último, em Siquém, dirige ao povo de Israel, cuja parte central é a admoestação a temer o Senhor e a servir só a ele e a mais ninguém. “Servir a Deus – disse o Pastor Manocchio – não é fruto da capacidade de Israel, mas é obra de Deus; as pessoas nem sempre estão em condições de servi-lo, mas estão sempre em diálogo com ele, e é precisamente nesta conversa que percebem a manifestação da sua graça”. Bertollini enfatizou o caráter "ciumento" de Deus, que "faz de conta": e o povo só pode aceitar esta escolha, já feita por Ele, escolha que - diz Josué - deve ser feita Hoje, ainda que o resultado da liberdade e da vitória pareça já ter sido definitivamente alcançado. Hoje e todos os dias. Daí o sentido da Renovação da Aliança que fala a todos os evangélicos e da “nova partida”, representada visualmente pelas fotos das comunidades ao som das notas de outro hino. por Alberto Corsani e Sara Tourn (Reforma) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.