Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 – O 18º seminário “Building Bridges” foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho.

O objetivo do seminário, intitulado “Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs”, é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade – na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão.

Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade.

O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam.

Para mais informações, contate: [email protected]

O evento será transmitido ao vivo em:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

O que você pode nos dizer sobre seu encontro no Vaticano com o Papa Bento XVI? Minha impressão foi de um encontro muito cordial. Em particular, Bento XVI sublinhou e reconheceu a importância do trabalho do CMI em vista da unidade da Igreja, encorajando-nos a buscar novas áreas de colaboração para expressar o testemunho comum dos cristãos no mundo. Levei três presentes ao Papa: um caixão de madeira da Síria para recordar a preocupação comum pelos cristãos do Oriente Médio e pelos muitos desafios que enfrentam. Dentro da vitrine coloquei dois presentes da minha terra natal, a Noruega: um livro de poemas e um par de luvas de lã. Estas luvas querem ser um sinal para dizer que o inverno, por mais rigoroso que seja, pode ser uma bela estação, desde que você esteja adequadamente equipado para se defender do frio. Digo isto a quem diz que hoje vivemos uma espécie de inverno ecuménico: mesmo nesta fria estação ecuménica podemos avançar e continuar a trabalhar pela unidade da Igreja. Você também está em Roma para conhecer as igrejas protestantes italianas. Qual é a mensagem que ele veio trazer aos evangélicos do nosso país? Em primeiro lugar, gostaria de encorajar os protestantes italianos a continuarem a sentir-se parte e a contribuir para aquela comunhão mundial que é o Concílio Ecumênico com as 349 Igrejas e os 550 milhões de cristãos que representa. Não somos apenas um escritório em Genebra, mas uma verdadeira comunhão de igrejas chamadas a estar juntas para responder ao chamado do Senhor para elas. No sermão que proferi na Igreja Metodista de Roma, o texto do Advento de Lucas 12 nos pede para vigiar, para estarmos atentos ao que está acontecendo ao nosso redor, para estarmos prontos para o chamado do Senhor. Parece-me que as igrejas evangélicas italianas ouviram e responderam ao apelo do Senhor para acolher o estrangeiro, o migrante, quem vem à Itália para ganhar e reconstruir a sua vida. E isso posso fazer junto com muitos movimentos católicos que têm a mesma preocupação. Já faz um ano desde que você assumiu o cargo de secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. Quais foram os pontos mais importantes do seu compromisso? O maior desafio é que existem muitas expectativas em torno do trabalho do CMI. Este é, sem dúvida, um sinal positivo que percebi dos muitos convites recebidos de igrejas e parceiros ecumênicos para discutir juntos os temas que caracterizam a missão do CMI e que estão no centro da vida das igrejas. Sempre respondi a esses convites com muito prazer. Neste ano de trabalho também se tem feito um esforço ao nível das questões administrativas para definir um plano financeiro sustentável para as nossas estruturas. No entanto, isso foi combinado com uma reflexão sobre o que é verdadeiramente único na missão de nossa organização e um compromisso de envolver cada vez mais as igrejas-membro no que está acontecendo. Gostaria também de apontar algumas passagens encorajadoras nas relações com o mundo pentecostal e evangélico. Fui convidado para a Conferência Mundial das Igrejas Pentecostais e também para a Conferência Missionária de Lausanne do Movimento. Em ambos os casos, parecia encontrar um interesse comum em um chamado à unidade de missão no mundo. Ao considerar as iniciativas empreendidas em 2010, parece que o diálogo inter-religioso está se tornando cada vez mais central no pensamento do CMI. É isso? O diálogo com comunidades e pessoas de outras religiões sempre foi uma das prioridades do CMI. Em novembro passado tivemos uma importante Consulta Cristã-Islâmica em Genebra, um evento que não hesitaria em definir como histórico porque foi promovido junto com duas organizações islâmicas. Durante a consulta, abordamos algumas questões em conjunto que destacaram preocupações comuns. Por exemplo, juntos pudemos expressar uma firme condenação ao ataque à igreja em Bagdá, ocorrido na véspera de nosso encontro. Falámos também do próximo referendo no Sudão que deverá decidir a separação das regiões do sul, de maioria cristã e animista, das do norte, de maioria muçulmana. Nossa preocupação comum é evitar que esse evento se transforme em um conflito religioso. Assim também surgiu a proposta de constituir uma espécie de “unidade de crise” cristão-islâmica capaz de intervir nos conflitos em que parecem se chocar membros e representantes das duas religiões. No mundo de hoje é virtualmente impossível exagerar a importância do diálogo inter-religioso. O CMI tem o dever de trazer uma palavra cristã de autoridade para este diálogo que é tão central para o destino político e espiritual do mundo. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Roma, 15 de setembro de 2022 – A lista completa dos projetos financiados este ano com recursos Otto per Mille (OPM) destinados pelos contribuintes italianos à Igreja Evangélica Valdense foi publicada hoje no site www.ottopermillevaldese.org – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. As escolhas para a distribuição dos fundos receberam a aprovação do Sínodo, Assembleia que constitui a mais alta autoridade humana das Igrejas valdenses e metodistas, que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Torre Pellice (Turim). São exatamente 1557 - 1107 na Itália e 450 no exterior - os projetos aos quais foram alocados ativos totais de aproximadamente 45 milhões, adquiridos em virtude de mais de 570 mil assinaturas (3,3% do total de escolhas expressas pelos contribuintes). Manuela Vinay “O elemento distintivo deste ano, da convocatória de 2022 – explica Manuela Vinay, responsável pelo Otto per mille – é o maior número de projetos mas também o montante – 45 milhões já atribuídos: nosso recorde”. Como isso foi possível? “Graças ao maior número de assinaturas, ou seja, de contribuintes que optaram pelas igrejas valdenses e metodistas”. Recorde-se que é feita referência ao exercício fiscal de 2018 e às declarações fiscais assinadas em 2019, portanto antes da pandemia. Como esse registro pode ser explicado? “Colhemos os frutos da nossa consistência ao longo do tempo, feita de transparência e abertura total a todas as realidades. Para nós é um ponto forte estar presente em muitos territórios, mesmo com pequenas associações e projetos locais” que dificilmente têm possibilidade de acesso a fundos e empréstimos de outras instituições ou entidades. “Semear nas mais diversas realidades, mesmo com quantidades mínimas, significa para nós dar uma resposta aos “pequenos” e aos “poucos”, às realidades que estão bem conscientes das necessidades dos territórios onde trabalham e trabalham para outros", acrescenta Vinay . Diferentes perspectivas futuras. De fato, o número de assinaturas nas declarações fiscais diz que haverá uma queda significativa nas contribuições (para todas as igrejas). “Durante os anos da pandemia, os contribuintes olharam para o Estado com outros olhos, menos desanimados. Daí a decisão de transferir a cota do Otto per mille das confissões religiosas para o Estado”, disse o chefe do OPM. “Sabemos que vamos ter uma quebra de assinaturas e teremos de ser ainda mais criteriosos e criteriosos na gestão dos fundos – conclui – e vamos tentar privilegiar como sempre a qualidade das intervenções”. Projetos Otto per mille: todos os números No que diz respeito às iniciativas apoiadas em Itália, conforme refere o comunicado de imprensa do OPM, o maior número (21% do total) insere-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós" (ou seja, a proteção das pessoas com deficiência deixadas sem apoio familiar), que se faz sentir particularmente hoje. Seguem-se as categorias de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens” (17%), “Atividades culturais” (16%); luta contra a pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), proteção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e combate à violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex- reclusos (4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A maioria dos projetos está concentrada na África e no Oriente Médio, além da América Latina. As palavras do moderador “Mesmo num ano ainda muito difícil, pelo prolongamento das consequências da pandemia, que acentuou as já profundas desigualdades no acesso a serviços e direitos essenciais a uma vida com dignidade, segurança e liberdade, – explica Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense, – temos a possibilidade de não faltar o nosso apoio a essa parte da cidadania ativa que trabalha todos os dias ao lado e no apoio aos menos e mais necessitados. A maior receita recebida, graças ao aumento das assinaturas dos contribuintes a favor da nossa Igreja, permitiu-nos de facto não só garantir a continuidade de pequenos e grandes projectos levados a cabo por associações e organizações que já tinham entrado na nossa 'comunidade' nos últimos anos alargado', mas também para apoiar muitas novas iniciativas: propostas que este ano receberão pela primeira vez o nosso contributo, para serem investidas, num pacto de confiança, na solidariedade, no desenvolvimento, na cultura, na protecção do ambiente". Aqui a lista completa O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo
O primeiro dia do FCEI 2022 Assise

O primeiro dia do FCEI 2022 Assise

Roma (NEV), 30 de outubro de 2022 – “Não nos peça a fórmula que os mundos podem abrir para você / sim alguma sílaba torta e seca como um galho. / Isso só hoje podemos te dizer, /o que não somos, o que não queremos”. Eugene Montale e seu poema "Não nos peça para falar" foram citados hoje pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas de 2015 a 2021, no relatório sobre o triênio 2018-2021, no primeiro dia dos Assizes da FCEI, os “estados gerais” do protestantismo. A reunião dos delegados das igrejas protestantes está acontecendo em Ciampino nestes dias. Após a intervenção de Negro, atual presidente da FCEI, Daniele Garronea saudação de Gabriela Liopresidente da Fdei, a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália, a contribuição dos auditores e o debate entre os presentes. O programa do dia inclui esta tarde após os grupos de trabalho temáticos, a partir das 17h30 a sessão plenária, com relato dos grupos e discussão sobre o tema geral. Às 21 horas a apresentação dos principais projetos de trabalho da Federação. Amanhã, segunda-feira, 31 de outubro, pela manhã, os grupos de trabalho com os serviços, comissões e projetos: Serviço de Comunicação, SIE, Esperança Mediterrânea, COSDI, GLAM; às 15h00 a sessão plenária e às 21h00 a noite social. Por fim, na terça-feira, 1º de novembro, o culto de encerramento com o Cen do Senhor. Para saber mais: aqui o relatório trienal da FCEI 2019-2021 A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.