Estocolmo+50.  Uma terra, ideias para uma economia do cuidado

Estocolmo+50. Uma terra, ideias para uma economia do cuidado

Um frame do vídeo para a campanha Climate Justice for all (CJ4A) feito por jovens metodistas na Itália

Roma (NEV), 7 de junho de 2022 – Acaba de terminar a comemoração da “Conferência de Estocolmo sobre o meio ambiente humano” de 1972. Cinquenta anos depois, e perto do Dia Mundial do Meio Ambiente instituído pelas Nações Unidas, “Estocolmo +50” representa um momento de reflexão e relançamento pela ecologia e cuidado com o planeta. Neste contexto, foi assinada uma declaração inter-religiosa como “contribuição para a política ambiental”. Centenas de assinaturas, incluindo a do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC).

A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) propõe a tradução integral da declaração e, ao mesmo tempo, compartilha uma reflexão sobre os dois dias de “Estocolmo+50” que produziram “Dez recomendações”.

O Dia Mundial do Meio Ambiente, segundo a GLAM, “foi a primeira admissão pública da atual relação entre o homem e o meio ambiente. Identificou a necessidade de uma ação comum, inspirando e orientando os povos do mundo, para a conservação e melhoria do meio ambiente humano. Ele convidou (então como agora) a adotar uma abordagem integrada do conceito de desenvolvimento, de modo que o desenvolvimento vinculado ao progresso seja compatível com a necessidade de proteger e melhorar o meio ambiente”. A conferência, escreve GLAM, tornou-se um “marco” e conduziu, em particular, a dois importantes momentos políticos “numa área em que a ideia de que os problemas ambientais tinham uma origem atribuível à produção e ao consumo ainda não era difundida”. Estamos falando, por um lado, da criação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com sede em Nairóbi. Do outro, a Declaração de Estocolmo de 1972.

No que diz respeito ao PNUMA, suas tarefas incluem monitorar o estado do meio ambiente global e coletar e divulgar informações sobre o assunto. Pode-se dizer que a Declaração de Estocolmo, que até hoje contém 26 artigos, é fruto de várias etapas. Um trabalho, explica GLAM, “que ficou concluído em 2010 e que evidencia a pressão progressiva dos temas e problemas tratados na conferência. Tem seu ponto forte no conceito de bidirecionalidade entre as ações humanas e o estado do meio ambiente, cuja defesa se tornou um objetivo prioritário para a humanidade”.


Meio século depois, Estocolmo relança os seus temas com estas “Dez Recomendações”.

  1. Colocar o bem-estar humano no centro, reconhecendo que um planeta saudável é um pré-requisito para a paz, a coesão e a prosperidade.
  2. Reconhecer e implementar o direito a um ambiente limpo, saudável e sustentável, concretizando o 1º princípio da Declaração de Estocolmo de 1972.
  3. Abrace a mudança econômica em todo o sistema para contribuir para um planeta saudável.
  4. Fortalecer a implementação nacional dos compromissos existentes com o Planeta Saudável.
  5. Alinhar os fluxos financeiros públicos e privados em prol do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável.
  6. Acelerar as transformações em setores de alto impacto: alimentos, energia, água, construção, manufatura e mobilidade.
  7. Reconstruir relações de confiança para fortalecer a cooperação e a solidariedade.
  8. Fortalecer e revigorar o multilateralismo.
  9. Reconhecer a responsabilidade intergeracional como uma pedra angular para a formulação de políticas sólidas.
  10. Levando adiante os resultados do Stockholm+50.

A recomendação número 10 “é mais do que um ponto”, diz GLAM. É “a razão que nos deve acompanhar pelo resto dos nossos dias até 2050”.

O slogan “Somente uma Terra”, escolhido para o Dia do Meio Ambiente há 50 anos e proposto novamente em 2022, “transformou-se no olhar desgostoso de um jovem Greta Thunberg que do palco da COP24 em Katowice, na Polônia, repetiu ‘Não existe planeta B’.

Este último ponto é o alerta do ‘Clube de Roma’ que, ainda em 1972, mesmo ano da conferência de Estocolmo, profetizou com o livro “Os Limites do Crescimento” que intervir é a única opção possível para deter a destruição.

Não foi feito. A maioria dos governos caiu nas várias hipóteses propostas pelo ensaio sobre os desastres que um sistema neoliberal e mal globalizado poderia produzir”.

Foto PNUMA / Estocolmo+50, Inger Andersen com a Assembleia da Juventude

Hoje, Stockholm+50 e outras iniciativas paralelas “dizem, ou melhor, impõem, um modelo de desenvolvimento que não podemos mais chamar de novo, mas o último apelo à salvação”, escreve novamente GLAM. Estamos falando de “um modelo de desenvolvimento que conhecemos muito bem, mas que tem culpa de não ser adotado”. Segundo a GLAM, seria necessário: “uma redução drástica do consumo, desde a energia à alimentação, para bloquear a circulação convulsiva das mercadorias. E isso impulsiona a procura de recursos locais, identificando aqueles que favorecem a conversão energética, que fornecem soluções alternativas ao mercado de trabalho e que satisfazem as necessidades alimentares. Além disso, que parâmetros éticos essenciais sejam estabelecidos para a proteção das economias mais fracas. Finalmente, precisamos desenvolver uma economia que cuide dos povos, como os mares, as terras, o céu, os recursos oferecidos pelo planeta. É preciso fiscalizar a exploração e o uso lucrativo dos mesmos recursos, dos homens e mulheres engolfados e engolfados pela chantagem do trabalho”.

A GLAM conclui a sua reflexão com palavras muito duras sobre a necessidade urgente de encontrar novos parâmetros para gerir a globalização.

“Estocolmo sugere isso claramente para nós. Podemos fazer isso única e exclusivamente com colaboração global, envolvendo todos os países. Do menor ao maior, do mais pobre ao mais rico. Respeitar as minorias com base no princípio da equidade. Para que todos possamos crescer ou diminuir, dependendo das diferentes situações, rumo aos objetivos de desenvolvimento e saúde que a agenda 2030 prevê. E atingir os objetivos absolutamente necessários até 2050, caso contrário podemos anunciar sem reservas, a destruição do planeta”.

Leia a tradução por GLAM aqui Declaração inter-religiosa Estocolmo +50.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Covid19 e prática religiosa.  Viminale consulta outras confissões que não a católica

Covid19 e prática religiosa. Viminale consulta outras confissões que não a católica

Foto: Annie Spratt, de unsplash.com Roma (NEV), 6 de maio de 2020 – Um procedimento inédito, ditado pela emergência Covid 19, que levou o Ministério do Interior a organizar ontem uma conferência online com representantes das várias áreas confessionais, para definir um protocolo de conduta que permita ao diversas comunidades de fé retomem pelo menos algumas atividades, cumprindo as normas de prevenção indicadas pela Presidência do Conselho. Participaram do encontro representantes da União das comunidades judaica, bahá'í e sikh, das igrejas ortodoxa e anglicana, de associações islâmicas, dos mórmons. Pelas igrejas evangélicas, esteve presente o Presidente da FCEI, pároco Luca M. Negro; os pastores Caetano Montante representando as Assembléias de Deus na Itália (ADI); Michele Passerettipara a Consulta Evangélica; David Romanopara a União Cristã Adventista. A reunião foi convocada e presidida pelo prefeito Michael DiBariDiretor do Departamento de Liberdades Cívicas e Imigração que, trazendo as saudações do Ministro do Interior Luciana Lamorgeseconvidou todos os participantes a reportar quaisquer questões críticas detetadas na prática dos religiosos das várias comunidades e a comprometerem-se para que sejam cumpridas as normas de segurança e prevenção do contágio são adotadas e aplicadas escrupulosamente e no interesse da comunidade também nos locais de culto. “As igrejas da FCEI – disse o Presidente Negro – apreciam a iniciativa do Ministério que reconhece a importância do pluralismo religioso e inicia um diálogo com vários representantes confessionais. Eles também confirmam sua atitude de responsabilidade: reconhecemos a gravidade da situação - sublinhou - e apoiamos as medidas tomadas pelo governo e pelas regiões para conter a propagação do vírus. Ao mesmo tempo - continuou Negro - apontamos a necessidade de os pastores poderem exercer a sua actividade deslocando-se pelo território, ultrapassando mesmo as fronteiras regionais e que, à medida que a normalidade se aproxima, será possível aos fiéis chegarem a lugares de culto mesmo quando estão longe de suas residências”. Profs. Pierluigi Consorti da Universidade de Pisa e Paulo Naso della Sapienza – Universidade de Roma, apreciando “o método adotado – como afirma este último – e reconhecendo a sentido de responsabilidade com que as diversas confissões reorganizaram as atividades pastorais e litúrgicas, em nome de um princípio superior e universal como a segurança coletiva. Quanto às questões ainda em aberto - prosseguiu - deverão ser enfrentadas adotando o método da analogia pela qual a liberdade de circulação e organização adotada para outras figuras profissionais e outras formações sociais deve ser reconhecida também para ministros de religião e comunidades religiosas ". Para a FCEI foi, portanto, "uma reunião indubitavelmente positiva", como concluiu também o prefeito Di Bari, anunciando a apresentação de um protocolo que valorizará as observações surgidas durante o encontro ou que, dentro em breve, as diversas confissões enviarão ao Ministério do Interior. ...

Ler artigo
Rega sem desperdício – Nev

Rega sem desperdício – Nev

Continua a série de vídeos realizados pelos jovens da Comissão de Meio Ambiente e Globalização da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com conselhos práticos e sugestões para ser “mesmo o protagonista menos responsável da mudança” em relação à emergência climática. Filip Urban, unsplash Roma (NEV), 21 de julho de 2022 – O novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da GLAM, a Comissão de Meio Ambiente e Globalização da FCEI, tem como título “Rega sem desperdício”. Aqui o primeiro vídeo dos jovens GLAM, publicado no passado dia 6 de julho, sobre poupança de água doméstica e aqui o segundo, datado de 13 de julho. artigo anteriorBatistas Mundiais falam sobre Ucrânia, Mianmar, justiça racial e escravidãoPróximo artigoCOP27 Summit Egito, oportunidades para jovens Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.