2022. Os eventos evangélicos e ecumênicos do ano

2022. Os eventos evangélicos e ecumênicos do ano

Foto Pixabay CC

Roma (NEV), 1º de janeiro de 2022 – Esta é uma visão geral das nomeações nacionais e internacionais de igrejas protestantes e órgãos ecumênicos para o ano de 2022.

Entre outras coisas, o programa inclui o Sínodo Luterano, a V sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das igrejas valdenses e metodistas, conhecida como “Sínodo-Assembléia”. E ainda, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (18-25 de Janeiro), os compromissos da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e do Conselho Ecuménico das Igrejas (CEC), a 15ª Conferência de Lambeth.

Abaixo, em ordem cronológica, a Agência NEV Press relata os eventos mais significativos que irá explorar parcialmente durante o ano.


AGENDA

2 de janeiro Celebração Ecumênica no zoom. Organizado, entre outros, pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE).

18/25 de janeiro Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022.

20 de janeiro Womanitarian: mulheres como recursos comunitários – IV edição da Conferência Nacional de Serviços de Inclusão, com a Comissão Sinodal para a Diaconia (Waldensian Diaconia-CSD). POSTERGADO até 28 de abril

23 de janeiro Adoração das diferentes denominações protestantes no Grossmünster em Zurique, Suíça.

25/27 de fevereiro Assembleia Preliminar Regional da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) em Varsóvia, Polónia.

10/12 de março Conferência “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” da Church Action on Labour and Life (CALL), em Estrasburgo, França.

22/25 de abril 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI)

28 de abril / 1º de maio Sínodo Luterano.

Poderia Primeiro Comitê Executivo da Comissão de Igrejas Reformadas (CMCR) com o novo Secretário Geral.

5 de junho Domingo de Pentecostes e “Dia do Impacto Global” da Aliança Batista Mundial (ABM).

23/30 de junho Conferência Geral da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, Telford.

27 de julho/8 de agosto Conferência de Lambeth.

final de agosto “Assembleia-Sínodo”, V sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas.

31 de agosto / 8 de setembro Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Karlsruhe, Alemanha.

21/24 de setembro Conselho da Federação Batista Europeia (EBF).


Para quaisquer alterações, correções e acréscimos, envie uma solicitação via e-mail para [email protected]


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

A comemoração antirracista dos 400 anos da chegada dos primeiros africanos escravizados às margens do Old Point Comfort. Foto cortesia de Steven D. Martin / NCCCUSA Roma (NEV), 18 de outubro de 2019 – Em mensagem dirigida aos participantes do Christian Unity Gathering (CUG), em Hampton, Virgínia (EUA), o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit falou de "raça, arrependimento e reparação como oportunidade ecumênica". O CUG é a reunião anual patrocinada pelo Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos Estados Unidos da América (NCCCUSA). O tema deste ano é “Acabar com o racismo: comparar nosso passado, revisitar nosso presente e nomear o futuro preferido de Deus”. Entre outras coisas, Tveit participou da comemoração dos 400 anos da chegada dos povos africanos escravizados em Jamestown, Virgínia (EUA). “O racismo em todas as suas formas é exatamente o oposto de nossos valores cristãos, como igrejas e como movimento ecumênico – declarou Tveit -. O racismo vai contra todos os aspectos do nosso trabalho como Conselho Mundial de Igrejas. O racismo também é contrário ao nosso trabalho pela unidade da Igreja”. Na presença de muitos líderes de diferentes tradições cristãs presentes na comemoração, Tveit também sublinhou que o racismo é um pecado que não pode ser enfrentado apenas em um setor, mas deve ser combatido "em tudo o que fazemos: é uma preocupação constante da irmandade mundo das igrejas e, na verdade, de todo o movimento ecumênico”. 30 anos após o colapso do apartheid, continuou Tveit, "hoje vemos uma nova fase e uma nova face do racismo: nos movimentos racistas recentemente encorajados e em tendências e ideologias políticas como a supremacia branca nos Estados Unidos e na Europa, mas também nas novas expressões do mesmo veneno, em todas as partes do mundo”. As próprias igrejas não são isentas de culpa, insistiu Tveit: “O apartheid, lembremo-nos, era fundamentalmente uma heresia religiosa – concluiu -. Ainda hoje, a política e a prática cristã muitas vezes se revelam inúteis na luta contra o racismo moderno”. O moderador do comitê central do CMI também esteve presente em Hampton Agnes Abuom, que recebeu o Prêmio NCCCUSA de Excelência em Liderança. Durante a comemoração, Abuom falou da imagem legítima de Deus, destacando como foi a fé no verdadeiro Deus de justiça e graça que ajudou os escravos africanos a sobreviver naquele período sombrio da história da humanidade. ...

Ler artigo
17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”. “A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades - pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar - mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”. Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos. 17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus. ...

Ler artigo
Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – Excelente início da campanha lançada pela Confronti, a Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e os Italianos Sem Cidadania. Entre as adesões do primeiro dia destacam-se as de Nicola Zingarettipresidente da Região do Lácio, Onofrio Rotasecretário-geral Fai Cisl, Emanuela C. Del ReRepresentante Especial da União Europeia para o Sahel, e Marta Bonafonivereador da Região do Lácio. O apelo vem acompanhado de uma carta dirigida à política, que insta o atual Legislativo a dar o passo há muito prometido e nunca concretizado: "Os números do Parlamento estão aí: é claro que chegamos à hora da verdade", como leia no documento. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. Os promotores da iniciativa vão continuar com o trabalho de sensibilização nas próximas semanas através de eventos públicos e manifestações. Entre os primeiros signatários do documento, que aderiram antes do lançamento da campanha, estão: Paulo Naso, Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Para assinar, conecte-se ao site ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.