Diaconia, acampamento internacional 14/17 anos: inscrições abertas

Diaconia, acampamento internacional 14/17 anos: inscrições abertas

Fotos retiradas de www.facebook.com/giovanieterritorio

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2019 – Dois projetos internacionais voltados para jovens de 14 a 17 anos. Essa é a proposta com direito a créditos de formação, ou como experiência de alternância escola-trabalho, coordenada pela Diaconia Valdense – Juventude e Território.

Trata-se de um intercâmbio de jovens Erasmus+ sobre o tema do diálogo inter-religioso, com prazo de inscrição até 22 de fevereiro, e um work camp de verão, com prazo de inscrição até 30 de abril; ambos contam com a participação de pares estrangeiros e serão alojados em Villaholland, albergue Diaconia localizado nos vales valdenses, no coração dos Alpes Cottian, precisamente em Luserna San Giovanni (província de Turim), um dos pólos sociais e de agregação da o território.

Aqui estão os detalhes


Intercâmbio de Jovens Erasmus+
“DIGA-ME. Jovens descobrindo comunidades inter-religiosas”

Quando: de segunda-feira, 22 de abril a segunda-feira, 29 de abril de 2019

Onde: Villa Holland, Luserna San Giovanni (TO)

Quem: 6 participantes de 14 a 17 anos

Taxa: 152€ (inclui: alimentação, alojamento, seguro e selo fiscal)

Inscrições: até 22 de fevereiro de 2019 >>>

Junto com os outros participantes internacionais (de Kosovo, Ucrânia e Estônia) será aprofundado o tema do diálogo inter-religioso, para promovê-lo através de atividades multiculturais e da luta contra os estereótipos.


Trabalho de acampamento de verão 2019
“Juntos trabalhamos!”

Quando: de 5 a 12 de agosto de 2019

Onde: Villa Holland, Luserna San Giovanni (TO)

Quem: 12 participantes de 14 a 17 anos

Taxa: 202€ (inclui: alimentação, alojamento, seguro e selo fiscal)

Inscrições: até 30 de abril de 2019 >>>

Em colaboração com a rede internacional de voluntários IBO, você tem a oportunidade de viver uma experiência de trabalho voluntário residencial ao lado de jovens de toda a Europa.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi. Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected] Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui. Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85' (quinta-feira, 13, às 15h) Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre. Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81' (quarta-feira, 12, às 17h30) A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra. Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88' (quinta-feira, 13, às 17h) Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real. Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102' (quinta-feira, 13, às 21h) Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis. O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90' (sexta-feira 14h00 às 15h00) Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis. Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120' (quarta-feira, 12, às 15h) Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos. Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' (quinta-feira, 13, às 19h) Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do "Kairos", dimensão do "momento supremo", o aqui e agora onde tomar decisões extremas. Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91' (terça-feira, 11, às 15h) A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas. Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a "fortaleza mãe", o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a "fortaleza mãe", madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros. ...

Ler artigo
a violência é patriarcal e estrutural

a violência é patriarcal e estrutural

Roma (NEV), 9 de junho de 2023 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) emite um comunicado assinado por seu presidente, pároco Mirella Manocchio. Publicamos na íntegra. A apresentação de projeto de lei pelo governo Meloni visando fortalecer os dispositivos já existentes ocorre nos últimos dias”de combate à violência contra a mulher e contra a violência doméstica”. O comunicado do governo afirma que a intenção é "agilizar as avaliações preventivas sobre os riscos de potenciais vítimas de feminicídio ou crimes de violência contra a mulher ou no âmbito doméstico; tornar mais efetivas as ações preventivas de proteção; fortalecer as medidas contra a reincidência de crimes contra a mulher e a reincidência; melhorar a proteção geral das vítimas de violência.” Só posso estar contente com esta disposição, mas se tenho de dizer que também estou satisfeito então já é outro assunto... De facto, ainda não está claro onde se obterá o financiamento para sustentar o que consta do projeto de lei, como e quando serão formados os magistrados especializados na matéria, mas sobretudo parece-me que não há nada quanto à questão cultural nas quais se baseiam firmemente e nas quais vivem atitudes prejudiciais e nocivas, a discriminação, a violência contra a mulher. Mais uma vez em nosso país agimos na onda da emoção de notícias terríveis, como as de Júlia Tramontano E Pierpaola Romano; ainda continuamos a falar de uma emergência, enquanto a questão deve ser abordada como um fenômeno estrutural de nossa sociedade, como expressão feroz de uma cultura patriarcal que se apodera firmemente das consciências e das instituições. Nós mulheres evangélicas que nos reconhecemos na FDEI temos nos questionado muito nessa frente e continuamos a fazê-lo. Durante o nosso XIII Congresso aprovamos duas moções distintas, mas intimamente ligadas entre si a meu ver, que olham para o fenômeno com a ideia de enfrentá-lo em suas complexas ramificações porque não podemos nos contentar em destacar a cultura patriarcal e machista matriz subjacente a tal violência. Uma moção de trabalho em que, através da organização de uma conferência nacional, do lançamento de uma cartografia das associações e organismos de apoio à mulher no sector económico-laboral e de um projecto de formação de mulheres e homens, pretende-se ajudar a revelar L' "trama perversa em que se combinam dependência econômica, desigualdade salarial, chantagem sexual e negação da maternidade”; outra visa apoiar e criar nas nossas igrejas, em colaboração com quem já trabalha nesta área, cursos de formação dirigidos a raparigas e rapazes, mulheres e homens, que dão "atenção à justiça de gênero e respeito às mulheres e a cada pessoa em sua singularidade”. Devemos agir e contribuir concretamente para desfazer abordagens culturais, sociais, teológicas preconceituosas e ultrapassadas, sublinhando, e parece sempre necessário, cuja riqueza as mulheres são portadoras nos vários âmbitos, como faremos no próximo Pré- sínodo das mulheres em agosto, na Torre Pellice. Não queremos e não podemos baixar a guarda sobre esta questão que atinge todas as áreas e épocas da existência, todas as classes sociais, todas as instituições e organizações; e queremos fazê-lo a partir de nossas igrejas evangélicas que foram as primeiras a sentir a urgência de uma reflexão sobre as questões de gênero e seu entrelaçamento com a justiça social solicitada por teólogas e mulheres comprometidas com a paz e a justiça. Teólogos e mulheres como Dorothee Solle – cujos vinte anos se passaram desde sua morte – que, no livro 'Trabalhar e amar', encerra suas reflexões afirmando que nosso velho ser"não é apenas ser egocêntrico; é também o ser humano desamparado, que se sente incapaz de mudar qualquer coisa em seu próprio mundo. Como Paulo diz, ele é 'o escravo do pecado'. E ele também é um escravo dos poderes que organizam o holocausto nuclear, um escravo da injustiça e da destruição da terra. O egoísmo e o desamparo são as principais características do 'velho ser'. A nova criatura humana nasce da ressurreição de Cristo. Ela (homem ou mulher) tem poderes para combater a morte e aqueles que nos mantêm sob o domínio da morte. O novo ser humano em Cristo é um contraditório, um resistente, um revolucionário.” E queremos fazer nosso o seu apelo final do livro para assumirmos um dos antigos nomes de Deus "Tu que amas a vida" (Sabedoria de Salomão 11:26). passado. Mirella Manocchio presidente da FDEI ...

Ler artigo
Novas minas de carvão?  Não, obrigado!

Novas minas de carvão? Não, obrigado!

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2022 – O mundo está de cabeça para baixo! Quem se lembra da greve dos mineiros ingleses, que durou 51 semanas, custou 2 mortos, 710 despedimentos, 10.000 processos judiciais, para impedir o governo conservador de Margareth Thatcher fechar 20 minas? Bem, hoje são os Conservadores que querem reabrir as minas de carvão, na verdade, construir novas, do zero. No último dia 7 de dezembro, o governo de Rishi Sunak na verdade, deu sinal verde para uma nova fábrica na região de West Cumbria, em meio a protestos de ambientalistas, igrejas e cidadãos. mineiros em greve Em particular, 450 líderes eclesiásticos e associações ambientais cristãs escreveram ao primeiro-ministro, o mencionado Sunak, e ao ministro de "Leveling up" (nivelamento da sociedade britânica), Michael Gove pedindo-lhes que se retirem da decisão. Coordenados pela Young Christian Climate Network e com o apoio da Operation Noah e Christtain Aid, representantes das igrejas cristãs britânicas dizem: “Reconhecemos que esta região [la West Cumbria] precisa de novos investimentos, mas o governo está apoiando uma indústria moribunda em vez de garantir empregos verdes e sustentáveis ​​no longo prazo”. “Sabemos – continua a carta – que cada libra investida em energia renovável gera três vezes mais empregos do que na indústria de combustíveis fósseis. O carvão desta mina contribuirá para o aquecimento global, poluirá a atmosfera e terá um forte impacto nos países mais pobres do mundo, que menos contribuíram para provocar a crise climática. Lamentamos esta grande injustiça." Foto de www.jointpublicissues.org.uk/cop26/ Uma decisão antieconômica, portanto, e sobretudo que contraria os compromissos assumidos pela Grã-Bretanha para o futuro do planeta. “Em 2021 – lembram os signatários – o Reino Unido indicou a saída gradual do carvão como um de seus objetivos para a presidência da COP26. A decisão de abrir uma nova mina de carvão semanas antes da COP27 prejudica significativamente a reputação do Reino Unido como líder climático e envia um sinal errado a outros países sobre nossas ambições climáticas. Como disse o presidente do Comitê de Mudanças Climáticas Senhor Debené 'absolutamente indefensável' começar a abrir novas minas de carvão”. primeiro signatário, Chris Manktelow da Young Christian Climate Network. Entre outros, o ex-arcebispo de Canterbury, Rowan Williams; a pastora Fiona Bennet, moderador da Igreja Reformada Unida; o pastor Graham Thompson presidente da Conferência Metodista Britânica; a pastora Judith Morris da União Batista do País de Gales; mons. John Arnold bispo de Salford e presidente de assuntos ambientais da Conferência dos Bispos Católicos da Inglaterra e País de Gales. Para ler a carta inteira, em inglês, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.