Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Catedral de Lund (Suécia), 31 de outubro de 2016. A partir da esquerda: Munib Younan, Papa Francisco, Martin Junge

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Há dez anos, em 13 de março de 2013, foi eleito o papa “que veio do fim do mundo” Franciscoao século Jorge Bergoglio. O que mudou no movimento ecumênico em seus dez anos de pontificado? Não há dúvida de que, por meio de suas muitas viagens e encontros ecumênicos, Francisco trouxe um novo alento ao panorama estagnado das relações entre as divididas Igrejas cristãs. Gostaria de recordar algumas dessas visitas.

A primeira é a da Igreja Pentecostal da Reconciliação de Caserta em 2014, uma visita “privada”, mas ainda assim significativa: quando ainda estava na Argentina, Bergoglio fez amizade com seu pároco, John Traettino, e em todo caso foi a primeira visita de um papa a uma comunidade evangélica de língua italiana (seus predecessores só haviam visitado os luteranos de Roma, uma comunidade de língua alemã). Lá segundo é o encontro na Igreja Valdense de Turim, em 2015: uma visita histórica, porque pela primeira vez um papa visitou uma igreja herdeira direta da chamada “primeira reforma” do século XII, que pagou altíssimos preços em termos de repressão e perseguição sistemática. Em Turim, Francisco pediu perdão “pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos” que os católicos tiveram contra os valdenses. Mas este não é o único aspecto significativo do encontro: outro, por exemplo, é a clara afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso está muito claro no Novo Testamento”, disse o Papa, pois já então “nem todas as comunidades cristãs tinham o mesmo estilo, nem uma organização idêntica”. Em suma, Francisco fez seu o princípio ecumênico da “diversidade reconciliada”, nascido no âmbito protestante.

Outra visita fundamental foi a de Lund, na Suécia, em 31 de outubro de 2016, a convite da Federação Luterana Mundial para inaugurar as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. A presença do Papa em Lund deu um claro caráter ecumênico ao quinto centenário, na esteira do documento “Do conflito à comunhão. A comemoração conjunta luterano-católica da Reforma em 2017”, publicado pela Comissão Luterana/Católica para a Unidade.

Finalmente, gostaria de recordar a visita a Genebra em 2018, por ocasião do 70º aniversário da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O que mais me impressionou neste encontro foi a imagem inusitada do movimento ecumênico como uma “grande empresa perdida”. Hoje, de fato, todos procuram afirmar a própria identidade, e os que trabalham pelo ecumenismo parecem não proteger devidamente os interesses das comunidades a que pertencem. Mas cuidado, disse Francisco, não devemos ter medo de trabalhar com prejuízo, se for um “perda evangélica”, segundo o caminho traçado por Jesus: “Salvar os seus é andar segundo a carne; perder-se atrás de Jesus é caminhar segundo o Espírito”. O ecumenismo poderá progredir “se, caminhando sob a guia do Espírito, recusar qualquer afastamento auto-referencial”.

Para ouvir novamente o episódio, clique aqui: Culto evangélico na Rádio RAI 1 em 12 de março de 2023. A partir do minuto 19h37.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020. A relação existente entre as igrejas protestantes e a Maçonaria do Grande Oriente da Itália deriva do antigo rito escocês, já desde 1860, e até o primeiro quartel do novo século. "Uma estimativa dos evangélicos pertencentes à Ordem naqueles anos é aproximada por padrão", explicou o Prof. Marco Novarino, da Universidade de Turim, abrindo a segunda parte da jornada de estudos "A limões Católico. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida”. No entanto, disse Novarino: "é possível estimar que houve 123 pastores iniciados na loja maçônica do Grande Oriente da Itália naquele período". E depois acrescentou: “a estes devemos acrescentar também outros membros leigos das igrejas protestantes. A convergência de diferentes elementos sociais e culturais existentes entre os dois mundos deu origem ao que se chamou a figura do maçom evangélico". Em particular, havia: "o amargo sentimento antipapista e anticlerical que os unia a ambos e, além disso, sob a influência político-religiosa britânica e americana, cosmopolita que os unia". Uma relação, aquela entre os membros das igrejas evangélicas e a Maçonaria italiana, que no entanto já trava no início da Primeira Guerra Mundial como resultado da opção intervencionista e do crescente nacionalismo entre os círculos maçônicos, "que antes eram cosmopolita", lembrou o professor Novarino. Assim surgiu o fascismo, o isolacionismo americano e a crise de 1929; e com ela veio o financiamento da missão episcopal que veio dos Estados Unidos, que tinha a ambição de "construir uma nova classe dirigente italiana que fosse iluminada pelo Evangelho e longe das superstições clericais, papais e romanas", como ele explicou no final da tarde, em seu relatório intitulado: "A questão religiosa nas relações ítalo-americanas", o historiador Luca Castagna, da Universidade de Salerno. Uma ambição evidentemente desconsiderada de "formar uma classe dominante metodista na Itália unificada", objeto do relatório final que foi confiado ao professor Daniele Garrone, um dos maiores especialistas do protestantismo italiano. Ele lembrou o caso específico do instituto Monte Mario, em Roma, um instituto de ensino superior de alto nível, criado "com o objetivo de formar jovens que deveriam renovar a classe dominante na Itália". Garrone explicou, citando documentos de Nova York e guardados na Torre Pellice, que: “o objetivo do colégio internacional era aumentar os cursos a serem ministrados em inglês, a frequência de cursos esportivos, melhorar a oferta financeira e a cultura de Monte Mario, em suma, construir uma nova classe dirigente italiana, iluminada pelo Evangelho”. E então concluiu – não sem antes ter descrito o prédio que abrigava o colégio Monte Mário também do ponto de vista arquitetônico e paisagístico – considerando que: “O objetivo de Monte Mário era criar uma espécie de contrapartida educacional ao de origem católica privada”. ...

Ler artigo
Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

O grupo dos Conselhos Nacionais das igrejas europeias no terraço panorâmico da igreja metodista da Ponte Santì'Angelo Roma (NEV), 16 de maio de 2019 - A reunião anual dos Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas (ENNC) foi realizada em Roma de 6 a 9 de maio. Convocado pela Conferência das Igrejas Européias, e sediado pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), o evento trouxe à capital 18 representantes do ENCC de 15 nações europeias, da Noruega à Suíça, de Portugal à Hungria. O grupo ENCC na praça de São Pedro “O programa deste ano propôs momentos de discussão no plenário e encontros com realidades significativas para o ecumenismo e o testemunho cristão presentes em Roma”, explicou o pároco Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Entre os palestrantes e os oradores, Débora Spini, professor de teoria política na Universidade de Syracuse, em Florença, apresentou o tema do populismo político; Enquanto Luca Maria Negropresidente da FCEI, e dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional da CEI para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (UNEDI), refletiu sobre a nova temporada ecumênica que a Itália está vivendo nos últimos anos. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope – FCEI Refugee and Migrant Programme, e Shari Brownsecretário executivo da Comissão das Igrejas para os migrantes na Europa (CCME), apresentou os projetos de acolhimento e fez um balanço das políticas migratórias na Itália e na Europa. A partir da esquerda, Angelita Tomaselli, Mads Christoffersen (Conselho das Igrejas Dinamarquesas), Gaberiela Lio, Francesca Danese e Luca Baratto Uma sessão inteira foi dedicada ao engajamento das mulheres nas igrejas evangélicas e na sociedade italiana: Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), apresentou as iniciativas contra a violência contra as mulheres, desde o "lugar ocupado" até os "16 dias de combate à violência"; Angelita Tomasellipresidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa (CEGE), apresentou um projeto europeu sobre a presença e inclusão de mulheres nas igrejas; Frances Danishex-conselheiro de políticas sociais do município de Roma e chefe de relações públicas do Exército de Salvação, apresentou as muitas emergências sociais que caracterizam o tecido urbano das grandes cidades italianas, em particular de Roma. Arcebispo Marco Gnavi em frente à entrada de Sant'Egidio Os representantes do ENCC também foram recebidos no Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos como um pai Hyacinthe Destivellee ao Ofício Ecumênico Metodista, pelo pároco Tim Macquibban que conheceu o grupo no terraço panorâmico da Igreja Metodista de língua inglesa da Ponte Sant'Angelo. A noite passada na Comunidade de Sant'Egidio foi muito significativa, começando pelo encontro com Mons. Marco Gnavi que reconstituiu a história da Comunidade e seu compromisso com a paz e, pelo menos, com a oração em Santa Maria in Trastevere, até o jantar fraterno junto com os voluntários da Comunidade. “Outro momento marcante da programação – lembrou Baratto – foi a visita ao 'Altra Roma', um passeio guiado por Daniele Garroneprofessor da Faculdade Valdense de Teologia, que nos conduziu desde a igreja valdense na Piazza Cavour, até a estátua de Giordano Bruno no Campo dei Fiori, até o gueto judeu". ...

Ler artigo
Especial Karlsruhe// Concílio Ecumênico, apelo à unidade

Especial Karlsruhe// Concílio Ecumênico, apelo à unidade

31 de agosto de 2022, Karlsruhe, Alemanha: Um show de luzes no Castelo de Karlsruhe completou uma noite de entretenimento e confraternização para os participantes da assembléia e residentes de Karlsruhe na Marketplatz na primeira noite da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha de 31 de agosto a 8 de setembro de 2022. Foto: Simon Chambers/WCC Karlsruhe (NEV), 8 de setembro de 2022 – XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, a “gotha” do ecumenismo a nível mundial, o maior encontro de cristãos e cristãs – e não só – de todos os continentes. 'Reconciliação' a ​​palavra-chave. E o trabalho e as muitas iniciativas à margem da cúpula oficial foram realizadas sob a bandeira da inclusão. De fato, grande espaço foi reservado aos povos indígenas, representantes de todo o mundo, mas também muitas vozes da sociedade civil, ativistas e realidades comprometidas com os direitos das pessoas e do meio ambiente. Esta manhã o último plenário com as declarações do "comitê de assuntos públicos“, a comissão que trata essencialmente de questões de maior relevância política – como guerras e meio ambiente – e importância social. O documento "Guerra na Ucrânia, Paz e Justiça na região europeia" foi objecto de debate, no âmbito de uma Assembleia em que estiveram presentes representantes das igrejas russa e ucraniana. O texto, que retoma essencialmente as posições expressas pelo último Comité Central do CMI, foi inicialmente contestado por ambas as partes, o que no entanto não impediu a sua aprovação. "o objetivo do documento não é ser exaustivo ou agradar a uma ou outra parte, mas permitir a continuação do diálogo, garantir que o CMI continue a ser um espaço de diálogo no caminho da reconciliação", explicou o 'Arcebispo Angelos da Igreja Ortodoxa Copta e moderador da Comissão de Assuntos Públicos do CMI. O mesmo documento sobre "Guerra na Ucrânia, paz e justiça na região europeia" também diz respeito, como antecipado, à migração e inclui uma referência precisa à experiência de corredores humanitários e projetos de busca e salvamento no Mediterrâneo. Torsten Moritz, secretário-geral da Comissão das igrejas para migrantes na Europa (CCME), confirma: "As migrações tiveram um papel importante nesta 11ª Assembleia, desde os Brunnens às conversas ecumênicas até a discussão também no plenário e, como resultado, no texto da declaração final, há uma página sobre migração, racismo e xenofobia. É um excelente resultado e um bom sinal, útil no sentido de que reconhece verdadeiramente o compromisso das Igrejas, particularmente na Europa nos últimos nove anos, de Busan até hoje, e o que foi alcançado no que diz respeito à proteção dos migrantes . Ainda há muito a fazer, também em termos de advocacia. Neste contexto, pela primeira vez num organismo ecuménico deste nível há uma referência precisa a passagens seguras e corredores humanitários: é o reconhecimento do trabalho que as igrejas que integram o CCME e o CEC sobre questões migratórias têm feito fizeram e continuam a fazer". O clima foi o outro grande protagonista dos trabalhos da Assembleia Geral: em breve todos os materiais do evento serão publicados no site www.oikumene.org, incluindo a declaração pública sobre meio ambiente e cuidado com a criação. Sobre outro documento particularmente discutido, o da situação no Oriente Médio e a paz na Palestina e em Israel, foi encontrada uma síntese ao final do trabalho que deu conta substancialmente das diferentes posições expressas pelas delegações (em particular, a respeito ao uso do termo “apartheid”). Finalmente, o CMI opinou, com três breves notas, sobre tantos conflitos ou situações que suscitam preocupação: Nagorno Karabakh, Coréia e Papua. Aqui a coletiva de imprensa final do evento realizado na Alemanha:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=hQyQtzBoiPo[/embed] Para saber mais: Aqui estão todos os artigos NEV de e sobre Karlsruhe, em ordem cronológica, publicados até agora: 08/09/2022 Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo” 07/09/2022 Conselho Mundial de Igrejas: apelo para fortalecer e ampliar os corredores humanitários 07/09/2022 Concílio Ecumênico: as palavras para dizer a unidade das igrejas 07/09/2022 Mulheres vítimas do tráfico, uma discussão sobre o tema da prostituição 09/06/2022 Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades 06/09/2022 Conselho Ecumênico: uma Assembleia sem barreiras 09/06/2022 Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central 06/09/2022 Concílio Ecumênico: afirmar a plenitude da vida 05/09/2022 Especial Karlsruhe// Religiões pela paz, Azza Karam: “A fé e o amor são universais” 09/05/2022 Chile, decepção após não à Constituição. Bispo luterano Bruch: "Reconstruindo a esperança" 03/09/2022 Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe 02/09/2022 De guerras e paz, ocupações e direitos. O mundo em Karlsruhe 01/09/2922 Pílulas de Karlsruhe, o "Fórum Social Mundial das Igrejas" na cidade dos direitos 01/09/2022 Especial Karlsruhe// Dia de cuidar da criação 31/08/2022 Especial Karlsruhe// O primeiro dia: “Uma oportunidade a não perder para ver as crises de outros pontos de vista” 31/08/2022 Especial Karlsruhe// Saudações do presidente alemão 29/08/2022 Também Esperança do Mediterrâneo em Karlsruhe 24/08/2022 O que vai acontecer em Karlsruhe 19/08/2022 Rumo a Karlsruhe. Em nome da justiça climática ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.