Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Lea Schlenker, Foto CEC

Roma (NEV), 17 de junho de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK).


CEC à presidência francesa da UE: “Envolver as igrejas para trazer paz à Ucrânia”

Num encontro híbrido em Bruxelas com a Presidência francesa do Conselho da União Europeia, o CEC sublinhou a necessidade de reforçar o compromisso das comunidades religiosas locais na concretização da paz na Ucrânia. A CEC pode construir pontes para promover a reconciliação e a paz. Para saber mais, leia o artigo aprofundado sobre Reforma AQUI.


Relatório da Conferência sobre o Futuro da Europa

Um futuro democrático e justo para a Europa. Esta é uma das questões que preocupam as igrejas membros da CEC. Daí o engajamento direto na Conferência sobre o futuro da Europa. O secretário-geral do CEC Jørgen Skov Sørensenfala sobre isso aqui:


Lea Schlenker, Foto CEC

Lia Schlenker. Em que Europa querem viver as novas gerações de crentes?

Lea Schlenker, da Igreja Evangélica na Alemanha, é membro do Conselho Executivo do CEC. Ela também desempenha o papel de Conselheira da Juventude. Em uma de suas reflexões, ele fala sobre os desafios e oportunidades que as novas gerações de crentes estão expressando hoje e sobre como o CEC ouve suas vozes e seus pedidos. Pandemia, guerra, a importância da presença e da escuta dos jovens, são alguns dos temas que o seu estudo aborda. Leia aqui.


O treinamento KEK chega à Finlândia para garantir comunidades mais seguras e fortes

O CEC, juntamente com a Igreja Ortodoxa da Finlândia, organizou um briefing e treinamento para líderes e funcionários da igreja sobre a proteção de locais de culto. O evento decorreu no âmbito do projeto Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O curso foi ministrado pela Secretária Executiva de Direitos Humanos do CEC, Elizabeta Kitanovic. O evento também contou com a presença de representantes da Igreja Evangélica Luterana e da comunidade muçulmana da Finlândia. Entre os tópicos que surgiram: as novas propostas legislativas sobre a proibição do abate ritual, circuncisão, liberdade de religião e crença, os relatórios do serviço de segurança finlandês, os riscos potenciais para a sociedade finlandesa devido a ameaças terroristas e de extrema direita. Falou-se também de minorias étnicas e religiosas, da cultura do cerco e do suprematismo branco, que incita à violência e ao colapso social. Leia aqui.


Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias discutem os trabalhos e a Assembleia da CEC

Em reunião virtual, os responsáveis ​​dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias reuniram-se com o Secretário Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen, e o Secretário Executivo, Katerina Pekridou, para discutir o futuro e, em particular, a próxima Assembleia da CEC em Tallinn. Falou-se do papel da teologia ecumênica, que transcende as fronteiras privadas, nacionais e confessionais. Também, da significativa contribuição das igrejas no discurso público e para o bem comum. Para saber mais, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Especial Karlsruhe// Dia da Criação

Especial Karlsruhe// Dia da Criação

Karlsruhe (NEV), 1º de setembro de 2022 – Meio ambiente e mudança climática no centro da agenda da Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). E este só poderia ser o tema prioritário dos trabalhos do evento em Karlsruhe, no dia do início do Tempo da Criação. De fato, 1º de setembro é um dia de oração dedicado à Criação: a ideia nasceu em 1989 por desejo do Patriarca Ecumênico Dimitrios, que sugeriu que o primeiro dia do ano ortodoxo, precisamente 1º de setembro, fosse considerado um dia "de proteção ao meio ambiente". Assim, desde a Assembleia Ecumênica Europeia em Graz, Áustria, em 1997, o “Tempo da Criação” tornou-se um tempo litúrgico ecumênico global, cada vez mais participado em todos os níveis, terminando em 4 de outubro. Voltando à cúpula de Karlsruhe, na coletiva de imprensa de hoje, o representante do povo Sami, Júlia Rensberg, delegada da Igreja da Suécia, falou de como a mudança climática é concreta e visível, inverno após inverno, em sua terra natal. Ela e seu povo estão literalmente morrendo de fome devido ao aumento das temperaturas na região do Ártico, que é uma "fronteira". Ele também lembrou como suas raízes estão ligadas à "mãe terra" e o impacto da das Alterações Climáticas “em florestas naturais, que conservam um enorme patrimônio em termos de biodiversidade”. Joy Kennedy ela é a moderadora do grupo de trabalho sobre mudança climática do Conselho Mundial de Igrejas. “Precisamos de uma nova teologia para o clima, uma cosmologia, uma nova forma de viver neste cosmos”, declarou no encontro com a imprensa realizado esta manhã. Mas, ele admitiu, nem todas as igrejas estão fazendo sua parte ou realmente entenderam a urgência desta questão. Uma crise que afeta globalmente, desde o norte profundo representado, por exemplo, pela voz do expoente Sami até o Caribe. Björn Wards, delegado da igreja presbiteriana de Trinidad e Tobago, destacou os múltiplos problemas da região de onde vem, também ligados ao fenômeno da grilagem de terras (a grilagem de terras para agricultura, na sua maioria intensiva, sem consentimento ou em qualquer caso em detrimento das comunidades locais, ed.). Efeitos devastadores para esses territórios, também potencializados pelo turismo de massa. Nos próximos dias, a ecologia e o ambiente continuarão a estar entre os temas mais falados tanto nos eventos oficiais da Assembleia como nas iniciativas paralelas. Amanhã, sexta-feira, 2 de setembro, por exemplo, está previsto o protesto climático do movimento #FridaysforFuture liderado por jovens, com uma marcha simbólica e um programa de intervenções do palco com vozes, canções, apelos à solidariedade global e ação dos jovens. A iniciativa nasceu graças ao Encontro Ecumênico de Jovens (EYG), um grupo de jovens de todo o mundo que organizou uma greve pela justiça climática, em conexão com o movimento lançado pela Greta Thunberg. O EYG Climate Group é constituído por cerca de 25 voluntários com menos de 30 anos. Desde que chegaram a Karlsruhe, eles se reuniram todos os dias durante o horário de almoço para compartilhar histórias e experiências sobre como o clima está mudando seus países e regiões de origem e para planejar a greve. Aqui está o vídeo da conferência de imprensa do clima:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=sOSY5zaclWc[/embed] Para saber mais: ...

Ler artigo
Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018 Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário. “A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado. O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”. O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI. Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel. ...

Ler artigo
O primeiro Dia Internacional da Fraternidade em 4 de fevereiro de 2021

O primeiro Dia Internacional da Fraternidade em 4 de fevereiro de 2021

Foto de @keviatan, unsplash Roma (NEV), 29 de dezembro de 2020 – A Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu por unanimidade no dia 21 de dezembro que o Dia Internacional da Fraternidade Humana será comemorado em 4 de fevereiro de cada ano, a partir de 2021. A notícia foi anunciada no site do World Conselho de Igrejas (CEC). A iniciativa foi promovida pelo Comitê Superior para a Fraternidade Humana, do qual é membro o secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), padre Ioan Sauca. Membros do Comitê se reuniram com o Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres em dezembro de 2019 e apresentou um documento contendo a proposta para o dia reconhecido internacionalmente. O pedido foi então apresentado à Assembleia Geral em nome de 34 países, incluindo Bahrein, Egito e Arábia Saudita. A resolução final ganhou o apoio dos 27 estados membros da União Europeia e dos Estados Unidos. “Este dia – lê-se no comunicado da ONU – surge como uma proposta concreta da Assembleia em resposta ao crescente ódio religioso que surgiu nestes meses afetados pela pandemia do COVID-19. Em 4 de fevereiro de 2019, o Papa Francisco, o Grande Imã de Al Azhar e Sheikh Ahmed al-Tayeb assinaram o "Documento sobre a Fraternidade Humana" em Abu Dhabi. A resolução da Assembléia Geral da ONU, portanto, refere-se especificamente a esse evento como um momento significativo nas relações cristão-muçulmanas. Daí a inspiração para a data em que a irmandade será celebrada todos os anos. Além do secretário-geral interino do CMI, o Comitê Sênior para a Fraternidade Humana inclui cinco funcionários muçulmanos e dois católicos, um rabino judeu e um ex-secretário-geral da UNESCO. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.