Luteranos do mundo.  Junge assina prefácio do livro do Papa Francisco

Luteranos do mundo. Junge assina prefácio do livro do Papa Francisco

O Secretário Geral Luterano Mundial Martin Junge e o Papa Francisco na Comemoração Conjunta da Reforma em Malmö. 2017 – Foto: Igreja da Suécia

Roma (NEV), 7 de dezembro de 2020 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Martin Junge, escreveu o prefácio da nova publicação do Papa Francisco “Heaven on Earth. Amar e servir para transformar o mundo”.

“O convite para escrever este prefácio é um significativo gesto ecumênico do Papa Francisco”, declarou. Dirk LangeSecretário Geral Adjunto para as Relações Ecumênicas da FLM.

Em seu prefácio, Junge escreve: “Ao longo de sua vida e ministério e nas páginas deste livro, o Papa Francisco destacou o vínculo ‘constitutivo’ fundamental da família humana. Um vínculo, uma solidariedade tecida na vida pela misericórdia de Deus, fonte da criação e da redenção. E a misericórdia de Deus, revelada em Jesus Cristo, continuamente nos chama à obra da reconciliação”.

O secretário Martin Junge também relata os marcos significativos no diálogo luterano-católico, em particular a assinatura da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação em 1999 e a comemoração católico-luterana da Reforma em 2016. “A jornada do conflito à comunhão que traz uns aos outros é sempre um caminho em comunhão com toda a família humana e no cuidado de toda a criação” escreve Junge novamente, enfatizando os temas da vocação cristã, do batismo como elemento que une, da paz e da justiça.

Leia no site da FLM

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os migrantes ainda são notícia?

Os migrantes ainda são notícia?

foto de Roman Kraft, unsplash Roma (NEV), 16 de dezembro de 2022 – 1310 notícias em um ano no horário nobre: ​​-14% em relação aos primeiros meses de 2021 e o nível mínimo de cobertura desde 2014. 563 artigos nas primeiras páginas dos jornais: 17 % em menos e o valor mais baixo dos últimos oito anos. Sobre o que estamos conversando? Do número de notícias sobre migrações. Estes são apenas alguns dos muitos dados contidos no décimo Relatório da Carta de Roma, intitulado "Notícias da frente", apresentado durante uma reunião pública organizada ontem, 15 de dezembro, em Roma. Agora em Roma para a apresentação do relatório X #Novidades da frente De @cartadiroma #direitos #migrantes o escritor apresenta o encontro @djarahkan pic.twitter.com/mlngKhusu8 — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 15 de dezembro de 2022 O Relatório analisa a qualidade e a quantidade de notícias sobre migração na TV, na imprensa e nas redes sociais, comparando as informações dos últimos dez anos. Analisando as palavras que têm sido usadas, sublinhando quantas vezes os migrantes têm voz e quantas vezes os políticos falam dos migrantes, relatando os títulos e o "sentimento" ligado a estas questões... Aqui o comunicado de imprensa após a apresentação do relatório. Aqui a gravação do evento na quinta-feira, 15 de dezembro, em Roma: Carta di Roma é uma associação fundada em dezembro de 2011 para implementar o protocolo deontológico para a informação correta sobre questões de imigração, assinado pelo Conselho Nacional da Ordem dos Jornalistas (CNOG) e a Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) em junho de 2008 . A associação trabalha para se tornar um ponto de referência estável para todos aqueles que trabalham diariamente nas questões da Carta, jornalistas e operadores de informação principalmente, mas também organismos e instituições comerciais, associações e ativistas há muito comprometidos com os direitos dos requerentes de asilo, refugiados, minorias e migrantes no mundo da informação. O presidente da Associação é Valério Cataldi; o vice-presidente é Ana Meli. A FCEI é uma das organizações associadas à Carta de Roma. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

Foto: Magnus Aronson/WCC Roma (NEV/SIR), 25 de junho de 2018 – “Foi um dia lindo. Foi para mim e para todas as igrejas. Foi a manifestação de que existe um único movimento ecumênico e que a Igreja Católica e a liderança do Papa Francisco eles estão seriamente engajados nesta busca pela unidade juntos”. É assim que o pastor responde Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (WCE). Poucos dias depois da partida de Francisco de Genebra, as dependências do Centro Ecumênico ainda estão vazias... A presença do Papa deixou uma marca. “Foi – acrescenta – uma experiência muito forte para o CMI, para os membros do nosso Centro Ecumênico, para todo o pessoal, celebrar estes 70 anos de nossa vida junto com o Papa Francisco. Foi uma afirmação significativa do trabalho realizado ao longo dos anos”. Foto: Vatican Media/SIR Pastor Tveit, o que mais o impressionou em Francisco?Ele mostra muito claramente seu compromisso pessoal e também seu amor pelas relações ecumênicas. Também impressionante é seu forte chamado para sermos mais honestos e mais profundamente comprometidos com nossa busca pela unidade. Ele também encoraja fortemente a ver este chamado à unidade como um chamado a uma missão comum: testemunhar juntos o Evangelho ao mundo. é um conceito que nos está muito próximo do coração e que foi o foco de uma recente conferência realizada na Tanzânia, onde também esteve presente uma delegação da Igreja Católica. Falamos muito sobre como pregar o Evangelho em um mundo secularizado. Temos uma tarefa comum e o Papa Francisco também está ciente disso e está caminhando nessa direção. Mas também diz que só encontraremos nossa unidade na medida em que caminharmos juntos. E isso corresponde ao que nossas igrejas também acreditam. Houve algo – uma palavra, um gesto particular – que particularmente o impressionou?Acho que todos nós pudemos ver o quanto o Papa Francisco queria esta visita. E ele afirmou isso de várias maneiras. Era algo que estava muito próximo de seu coração: mostrar seu compromisso com a unidade das Igrejas. Vimo-lo na forma como respondeu ao que lhe dissemos, nos seus discursos públicos, mas também nas conversas pessoais. Impressionou-me também o seu grande interesse em apoiar e encorajar todas as iniciativas destinadas a trazer a paz ao mundo, promover os direitos, defender a dignidade de cada ser humano. Foi um evento incrível aqui em Genebra que atraiu a imprensa local e internacional. Uma cobertura da mídia que é certamente um sinal do interesse pelo que o Papa Francisco faz e diz, mas que mostrou ao mundo o que é o movimento ecumênico e o que o CMI faz no mundo. Uma ocasião também para encorajar nossas igrejas locais a fazer mais pela unidade, justiça e paz em seus contextos e um impulso para trabalhar juntos. Você disse que esta visita foi um marco na história do movimento ecumênico, mas também disse: não vamos parar por aqui, vamos em frente. Como você deseja continuar esta colaboração agora? Sim, foi realmente um marco que estabelecemos em nosso caminho. Esta pedra indica o caminho percorrido. E assim agradecemos a Deus e também aos que nos precederam e tornaram tudo isso possível hoje. Mas indica também o caminho futuro que ainda temos que percorrer porque vimos como é importante que as igrejas estejam juntas para levar o Evangelho ao mundo porque só na unidade a sua mensagem pode ser credível. É importante entender que há muitas coisas que podemos aprender uns com os outros e que devemos sair ao encontro daqueles que mais precisam da ajuda de nossas igrejas. O que buscamos não é uma unidade por si só. Queremos estar unidos porque estamos convencidos de que as igrejas podem dar uma contribuição credível para a unidade em tempos de medo, populismo, xenofobia, conflito e divisão, individualismo. Queremos mostrar que esta pertença é uma boa notícia para o mundo de hoje. Então, depois de Genebra, quais serão os próximos passos? Existem vários níveis nos quais podemos continuar nosso trabalho. A Comissão Mista certamente dará continuidade aos seus trabalhos com uma série de reuniões já previstas. Também organizamos esta conferência muito importante em Roma, em setembro, sobre xenofobia, racismo e populismo. Existem também várias iniciativas de discussão que continuarão sobre missão e teologia. Existe um importante documento sobre a compreensão da Igreja que foi fruto de um longo e aprofundado estudo, sobre o qual discutimos, e agora estamos colhendo as respostas de nossas Igrejas e da Igreja Católica. E então continuaremos a trabalhar juntos pelos migrantes e refugiados, pela justiça, pela paz, nos vários contextos em que estamos envolvidos no Oriente Médio, Sudão do Sul, Congo, Colômbia e Coréia. Há muitas coisas para fazer juntos. Qual foi a última coisa que você disse ao Papa Francisco antes de partir?Eu disse a ele que pediria a Deus bênçãos sobre seu trabalho e assegurei-lhe que oraríamos por ele. Fonte: SIR ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.