O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF).

“A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”.

Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense.

“Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa.

O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico.

A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença – concluem os promotores – será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”.

A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)
Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense).

artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidade
Próximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália?

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Despatriarcar o nome de Deus

Despatriarcar o nome de Deus

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – A sessão ecumênica de Camaldoli está na metade de seu curso. A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) dá a notícia em nota à imprensa. Na noite de terça-feira no claustro da igreja do mosteiro celebrou-se o culto de Santa Cena com a pregação da pastora Ilenya Goss, da Igreja Valdense de Mântua, animada por pastores, pastores e leigos e leigas de várias igrejas reformadas italianas. Estiveram presentes na assembleia os monges da comunidade camaldulense que acolhem a sessão na casa de hóspedes do mosteiro. "A Palavra nos constitui como uma assembléia que escuta", disse Goss em seu sermão sobre a passagem final do Evangelho de Mateus em que Jesus convoca os discípulos antes de se separarem definitivamente, com a promessa "estou sempre com vocês, até o fim do idade "presente". No mandato dado aos discípulos, geralmente definido como missionário e voltado para a conversão, na realidade existe um espírito completamente diferente, disse o pároco. "Jesus diz" vá para discípulo”: viver a vida de discípulo e chamar os outros a viver como discípulos, a entrar em relação com o Mestre. Fazer discípulos passa de discípulos para discípulos, mas apenas um é o Mestre. Somos chamados a compartilhar o dom recebido sem possuí-lo". No final, uma arrecadação foi arrecadada e doada a um projeto para crianças em dificuldade em Burkina Faso através do irmão Enzo Biemmi. A entrevista em streaming foi realizada na quarta-feira por sabina baralde Turim, com o teólogo valdense Paulo ricoligado de Roma, e o teólogo católico da Coordenação Teológica Italiana (Cti) Christine Simonelli, presente em Camaldoli na Sala del Landino. As perguntas iam além do título do encontro "Pai nosso que estais no céu": como dizer Deus hoje": qual é a relação entre a crescente necessidade de serenidade e paz e a busca de Deus, como resolver a dicotomia entre a dramática acontecimentos do mundo e o desejo de felicidade, o que significa fazer teologia nas periferias existenciais, qual a maior contribuição que as teologias femininas podem trazer à busca de Deus. Para Paolo Ricca “buscar a Deus significa buscar a paz e a serenidade. Não devemos acreditar que a busca da paz seja evasiva, uma operação egoísta, mas vital. Claro que a busca de Deus não é só isso, mas também é isso. Não precisamos ter medo de buscar a Deus buscando essas coisas.” O pastor disse considerar o desejo de felicidade compatível na perspectiva reconciliada do mundo destinado à transfiguração. Nos tempos modernos, a felicidade foi incluída como um direito na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776. Na Bíblia, a felicidade é uma dádiva, não um direito. O Sermão da Montanha que diz "bem-aventurados", isto é, felizes, está ligado ao Reino de Deus. A busca da felicidade em meio aos dramas cotidianos é legítima porque em tudo isso o Reino se aproximou. Para Cristina Simonelli, ex-presidente do CTI, viver, como viveu por vinte e cinco anos, em um acampamento cigano “foi uma expansão de fronteiras. Reconhecer a todos como filhos, filhas, pais e mães. Não vivi como alternativa, não consigo distinguir minha vida, a graça que recebi por ter meus pés ali e a teologia da mulher. Um dos motivos de eu ter ido foi: “Quero testar se o 'Pai Nosso' vale”. Não me fiz a pergunta do pai e da mãe, mas do 'nosso'. Eu vivi como uma promessa cumprida. Esse aspecto da oração do 'Pai Nosso' foi importante, uma palavra profética”. A contribuição das teologias femininas em busca de Deus Simonelli a define com três elementos emprestados de um livro de sua colega Elisabeth Green: adulteração, profundidade, respeito. “A adulteração não é apenas perturbadora, mas também liberta as pessoas e as Escrituras. Respeito profundo pela Tradição sem deixar nada firme, capotando. Por respeito e obediência a adulteração, ou seja, abrir tudo e tentar liberar tudo. Liberte-se, passe pelos tratados teológicos e pela Escritura”. Da oração do "Pai Nosso" o teólogo sublinhou que na versão de Mateus ela é introduzida pelo convite a não fazer como os pagãos, a não desperdiçar palavras. Uma poluição de palavras ocorreu na nomeação do pai que tem sido usada ao longo dos séculos para justificar o poder e o patriarcado. “Todo o poder no céu e na terra foi dado a Jesus, não a nós.” A palavra pai pode ser mantida, mas acompanhada de mãe. “É importante despatriarcar. A proclamação do evangelho eAbba falado por Jesus diz como entender pai e mãe. Pai não é o nome de Deus, mas é figura de relação, origem da vida e guarda, paterna e materna. Não queremos substituir a mãe pelo pai. Mantemos ambos, mantemos a complexidade das diferenças entre homens e mulheres e também entre confissões. Poderemos afirmar a riqueza da comunhão como diferenças reconciliadas e reconvertidas pelo verme originário da hierarquia”. À tarde, os participantes da sessão subiram até a Sagrada Ermida para uma visita guiada pelo prior. A noite foi dedicada à memória do fundador do Sae, Maria Vingianicom depoimentos da neta Francesca Vingiani e de colaboradores e colaboradoras. ...

Ler artigo
“Fratelli tutti”, uma reflexão ecumênica e de gênero sobre a Encíclica

“Fratelli tutti”, uma reflexão ecumênica e de gênero sobre a Encíclica

Foto: Albin Hillert/WCC Roma (NEV), 5 de março de 2021 – A perspectiva de gênero na Encíclica do Papa Francisco. O assunto foi discutido em um webinar realizado no último dia 3 de março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, que contou com a presença da secretária-geral adjunta do Conselho Mundial de Igrejas, professora Isabel Apawo Phiri. O site do Conselho Mundial de Igrejas dá a notícia. Phiri refletiu anteriormente sobre as restrições linguísticas associadas à palavra "fraternidade" como uma linguagem patriarcal, argumentando que a outra frase encontrada no subtítulo da encíclica, "amizade social", ajuda a preencher a lacuna linguística. “Do ponto de vista teológico cristão, acho significativo o uso da palavra ‘amizade’, especialmente em um contexto inter-religioso”, disse ele. O segundo elemento que emergiu da análise do subsecretário do KEK é que "Fratelli tutti" busca preencher a lacuna entre a visão teológica e a vontade política. “Uma das ideias importantes deste documento é inspirar uma nova visão de fraternidade e amizade social que não fique no nível das palavras”, afirmou. “Essa lacuna entre nossas palavras e nossas decisões deve se tornar uma prioridade das instituições religiosas”. O ambiente atual do COVID-19 exacerbou as desigualdades de gênero globalmente, continuou Phiri. "De muitas maneiras, o documento oferece ao mundo uma nova oportunidade de tornar realidade nossas esperanças de um mundo de justiça e igualdade", disse ele. “Assim, nos tornamos o que os cristãos chamam de comunidade de iguais.” O webinar foi organizado pela União Mundial das Organizações Femininas Católicas e pelo Pontifício Conselho para a Cultura em colaboração com o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. ...

Ler artigo
A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais.  Do conflito à comunhão

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais. Do conflito à comunhão

Durante a audiência papal, o presidente da FLM presenteou o pontífice com um cálice e uma patena, prato utilizado para cobrir o cálice, confeccionado para a ocasião pelos irmãos da Comunidade Ecumênica de Taizé. O esmalte dos vasos eucarísticos foi feito com areia retirada do campo de refugiados Za'atari, na Jordânia, onde a Federação Luterana Mundial trabalha desde 2012 para apoiar refugiados sírios, deslocados internos e comunidades de acolhimento. Este presente, disse o presidente Musa ao papa, "representa nossa vocação para sermos um". Em seu discurso, Francisco agradeceu aos líderes luteranos pelos dons que, segundo ele, “evocam nossa participação na paixão do Senhor – e continuou –: Continuemos, portanto, com paixão nosso caminho do conflito à comunhão”. O líder da Federação Luterana liderou uma delegação de representantes de todas as regiões da comunhão global de igrejas: pela Igreja Luterana na Itália, o reitor, pároco Heiner Bludau E Cordelia Vitiello que é membro do conselho da FLM. A viagem segue um marco importante nas relações ecumênicas em 2016, quando o Papa Francisco se juntou aos líderes luteranos nas cidades suecas de Lund e Malmö para uma comemoração conjunta da Reforma. Em suas palavras ao papa, o arcebispo Musa afirmou que o caminho é "irreversível" e agora exorta católicos e luteranos a aguardar a comemoração da Confissão de Augsburgo na "esperança de nos reconectar com sua intenção ecumênica original". A Confissão de Augsburgo é a principal confissão de fé para as igrejas luteranas em todo o mundo. Inicialmente, foi apresentado como uma confissão ecumênica à Dieta de Augsburg em 25 de junho de 1530, em uma tentativa de restaurar a unidade religiosa e política dentro da igreja. Em seu discurso, o Papa Francisco também observou que a Confissão originalmente "representava uma tentativa de evitar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental", afirmando que esperava que a "reflexão compartilhada" no período que antecederá 2030 "possa beneficiar nosso ecumênico jornada". Refletindo sobre esse caminho, afirmou: “O ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Não depende de negociações e acordos humanos, mas da graça de Deus, que purifica memórias e corações, supera atitudes de inflexibilidade e nos orienta para uma comunhão renovada: não para acordos redutores ou formas de sincretismo irênico, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças". No discurso ao Papa Francisco, o líder da FLM recordou que 2021 marca também uma das “difíceis memórias” do passado: os 500 anos da excomunhão de Martinho Lutero pelo Papa Leão X. Enfatizando que não é possível contar uma história diferente, mas contá-la de forma diferente, Musa disse que a participação do papa na oração comum em Lund foi "um símbolo poderoso do que Deus realizou no caminho da reconciliação e o reconhecimento mútuo 'como irmãs e irmãos'”. Um grupo de teólogos católicos e luteranos está estudando o contexto histórico e teológico da excomunhão em preparação para a assembleia luterana em Cracóvia, Polônia, em 2023. O arcebispo agradeceu ao Papa Francisco por sua forte liderança durante a pandemia do COVID-19, "lembrando-nos de nosso profundo vínculo como família humana". Ele também destacou o fortalecimento da cooperação que o World Service (Serviço Mundial, braço ecumênico da Federação Luterana Mundial) e a rede católica de agências de ajuda e desenvolvimento estão engajados durante esta visita. O presidente da FLM também apresentou ao papa uma tradução italiana da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), assinada por católicos e luteranos em Augsburg, na Alemanha, em 1999. O presidente Musa qualificou o documento como uma “pedra angular” que agora “ reúne católicos, luteranos, metodistas, anglicanos e [chiese] reformados na proclamação conjunta e na oração”. "Através da oração (Taizé), do serviço (Za'atari) e do diálogo - concluiu Musa -, o Espírito Santo pode continuar a guiar-nos para que um dia nos possamos reunir à mesa onde Deus, pelo dom de Cristo, nos fez já um". Neste link você pode ler o discurso que o arcebispo Panti Filibus Musa fez na ocasião. Aqui, em vez disso, o discurso do Papa Francisco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.