O serviço público: uma aventura – Nevada

O serviço público: uma aventura – Nevada

Roma (NEV), 2 de fevereiro de 2023 – por Lorenzo Sgro

O serviço público é uma aventura. Colocar-se ao serviço dos outros, à disposição das instituições das quais é escolhido, significa deixar-se levar pelas necessidades do próximo em toda uma série de encontros extraordinários. Obviamente cada voluntário pode escolher de acordo com sua disponibilidade e nem todos esses encontros são agradáveis. Você não precisa dizer sim para tudo e se arrepende de muitos “sim” depois. Mas quanto mais as pessoas dizem não, mais oportunidades de experimentar a natureza aventureira do serviço público são perdidas.

Posso dizer que raramente dizia “não”. Quase todas as vezes que os operadores da Federação de Igrejas Evangélicas e seu Programa para Refugiados e Migrantes, Mediterranean Hope, me pediam para fazer algo, eu não recuava. E isso me levou a ter as aventuras mais maravilhosas da minha vida. Acolhi os migrantes que chegaram à Itália pelos corredores humanitários do aeroporto de Fiumicino, levei-lhes comida enquanto esperavam para fazer a papelada, brinquei com seus filhos para prepará-los enquanto esperavam. Estive em Scicli, na província de Ragusa, para trabalhar no centro de acolhimento Casa delle Culture do programa Esperança Mediterrânica, onde auxiliei os hóspedes em todos os aspectos, acompanhando-os até à esquadra, ajudando-os a aprender italiano, levando-os eles na praia. E em tudo isso pude conhecer os operadores da instituição, os membros das igrejas evangélicas envolvidos nas atividades como voluntários e todas as pessoas de outras instituições e serviços que ajudam a atender nossos beneficiários. Todas as pessoas maravilhosas.

Não é fácil dizer sempre sim, sobretudo porque é difícil atender os migrantes. Quantas vezes acompanhei beneficiários a uma repartição pública para fazer uma papelada e não consegui concluir nada … Não é fácil dizer sempre sim porque muitas vezes você se encontra em circunstâncias em que prefere ter dito “não “. É natural se arrepender de más escolhas. Mas o funcionalismo público não é uma má escolha, ainda que assim pareça pelas dificuldades que acarreta. O objetivo não é alcançar resultados brilhantes, porque eles vêm com tempo e esforço. O verdadeiro propósito é simplesmente servir, estar disponível e viver o momento. Portanto, não apenas se entusiasme com os sucessos, mas também enfrente os fracassos. Não apenas ser agradecido pelo sucesso de seus esforços, mas também pedir desculpas quando os esforços são em vão.

Em suma, o serviço público é estranho. Colocar-se à disposição de pessoas e organizações com necessidades muito diversificadas significa lançar-se em atividades completamente opostas. Já falei da parte “épica” e da frustrante (que de qualquer forma garante emoções fortes) mas também há uma parte que pode ser descrita como chata. Ajudar quem sai de casa a mudar-se para o seu apartamento, passar horas ao telefone com a reserva regional para marcação de consultas hospitalares, responder a e-mails e telefonemas de pessoas que gostariam de fazer estágios curriculares na instituição mas não têm ideia o que a instituição faz e só está interessado nos créditos de formação que tem de cumprir. Mas tudo isso nada mais é do que a demonstração de que o serviço público é uma experiência extremamente vital porque o confronta com as complexidades e contradições da vida. Não é uma experiência que você vive, mas que faz você viver.


Até às 14h00 de sexta-feira, dia 10 de fevereiro de 2023, é possível apresentar candidatura para participar num dos projetos da função pública que decorrerão entre 2023 e 2024 em todo o país e no estrangeiro. Duas vagas estão disponíveis no Programa para Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, em Roma.

Para se inscrever, é necessário fazê-lo através do portal online-demand.serviziocivile.it.

As especificações são:

Título: Este é o caminho

Código do projeto: PTXSU0019022010895NXX

2 vagas nos Serviços de Inclusão de Roma, Via del Campo 44D (anteriormente via di Torre Spaccata) – Sede código: 178989

2 posições nos escritórios da FCEI em Roma, Via Firenze 38 – Código da sede: 178966

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Ouse pela paz pela fé”

“Ouse pela paz pela fé”

Sunguk Kim, antisplash 24 de fevereiro de 2022 – “Vamos dizer não à guerra, sem ses e mas. Expressamos toda a nossa preocupação e consternação com o que está acontecendo na Ucrânia e pedimos a todos os atores envolvidos que trabalhem imediatamente pela paz - declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Estamos próximos da população e rezamos para que retornem ao caminho da diplomacia e da resolução negocial dos conflitos. A UE e a Itália fazem todos os esforços pela paz. Como igrejas evangélicas apoiamos e apoiaremos todas as iniciativas que possam evitar a violência e a dor, no pleno respeito ao direito à autodeterminação dos povos e indivíduos. Intercedemos para que as igrejas cristãs dos países envolvidos no conflito possam identificar e promover caminhos de reconciliação para além dos nacionalismos. Façamos nossas as palavras do teólogo luterano Dietrich Bonhoeffer que na década de 1930 exortava a "ousar a paz pela fé", fé no Deus de Jesus Cristo que proclama "bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus". artigo anteriorUE e Igrejas protestantes pedem cessar-fogo na UcrâniaPróximo artigoUcrânia, Mesa de Asilo: "Bem-vindos, refugiados de guerra" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Photo Agensir Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 – Morreu ontem à noite em Mestre Maria Vingianifundador da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), justamente às vésperas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). O teólogo valdense Paulo rico lembre-se assim. “Maria Vingiani é sem dúvida a principal arquiteta do ecumenismo na Itália. Não há ninguém, nem homem nem mulher, que tenha contribuído tanto quanto ela para o nascimento do ecumenismo. Foi ela quem o concebeu, exatamente como quem concebe um filho, deseja-o, dá à luz, cria-o com amor, paciência e também com uma carga de amor única, excepcional, particular, como a de Maria Vingiani. Você tem sido um professor de ecumenismo, não só para a Igreja Católica, pelo que a Igreja Católica conseguiu assumir do ideal ecumênico. Mas, uma característica que me parece muito singular, mais única do que rara, é que foste mestre de ecumenismo não só, como disse, na Igreja Católica, mas também na Igreja Evangélica. Se devo dizer quem mais contribuiu para minha formação ecumênica, devo mencionar, por um lado, a experiência fundamental e inesquecível do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em cuja comissão tive o privilégio de trabalhar por cerca de quinze anos , mas então ela. Considero Maria Vingiani minha mestra de ecumenismo. É ela quem me ajudou a vencer minhas resistências, porque todos inevitavelmente carregamos resistências conosco. Por isso tenho para com ele, também pessoalmente, uma grande e inesquecível gratidão”. o pastor batista Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), acrescenta: “Somos gratos ao Senhor pela longa vida e compromisso ecumênico de Maria Vingiani. Maria nos ensinou muitas coisas: entre elas, que o ecumenismo exige um grande respeito pela identidade de todos os interlocutores e, para respeitar-se, é preciso conhecer-se de maneira não superficial; que está enraizado no diálogo entre as igrejas e o judaísmo, que é a nossa raiz; que o ecumenismo não pode ser explorado por nenhuma estrutura eclesiástica. Para isso ele queria fundar um movimento de 'leigos' no qual nenhuma igreja pudesse colocar seu 'chapéu'. Ainda hoje, numa Itália que ainda luta para se abrir ao diálogo ecuménico, a SAE, sobretudo com as suas formações ecuménicas (já na sua 56. países onde o diálogo ecumênico está muito mais avançado do que na Itália". Maria Vingiani (1921-2020), veneziano, de família meridional, cresceu em Veneza na pluralidade de Igrejas cristãs: ortodoxa grega, valdense, metodista, luterana, anglicana atuante no perímetro do centro histórico da cidade lagunar. A divisão entre católicos e protestantes foi o tema de sua tese de graduação, discutida na Universidade de Pádua em 1947. No pós-guerra envolveu-se na política, tornando-se assessora das Belas-Artes; foi nesses anos que seu compromisso com o ecumenismo encontrou apoio e força no encontro com o então patriarca Roncalli, futuro Papa João XXIII. Com o Concílio Vaticano II, Vingiani mudou-se para Roma e dedicou-se a tempo inteiro à sua 'paixão' pelo ecumenismo, fundando a SAE no início de 1963. Maria Vingiani presidiu a SAE até 1996. ...

Ler artigo
Somos todos pecadores.  Levi e o arrependimento que cura

Somos todos pecadores. Levi e o arrependimento que cura

Unsplash foto, Billy Plasco Roma (NEV), 19 de maio de 2021 - O segundo episódio de "Bíblia e seus arredores" narra o episódio do encontro de Jesus com Levi e seus companheiros "publicanos", ou seja, cobradores de impostos. Para ouvir os outros podcasts do NEV, aqui o perfil do speaker com todos os episódios. "Bíblia e seus arredores" é a nova coluna de podcast de histórias bíblicas e mais com curadoria do Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) em colaboração com Nev-FCEI Press Agency e o periódico para a infância "O amigo das crianças". Aqui o primeiro episódio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.