Para a Semana da Liberdade

Para a Semana da Liberdade

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2023 – Aproxima-se a Semana da Liberdade promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Dedicada aos temas dos direitos e da laicidade, a Semana decorre em torno do 17 de fevereiro, data em que ocorre o aniversário da concessão dos direitos civis aos valdenses, em decorrência da Carta-Patente expedida pelo rei Carlo Alberto, em 1848. Algumas semanas depois, em 29 de março de 1848, os mesmos direitos foram concedidos aos judeus. Até esta data, os valdenses eram proibidos de frequentar escolas públicas e de exercer profissões liberais (exceto notário e médico, mas exclusivamente para outros valdenses). Fora de seu “gueto alpino”, os valdenses não podiam nem mesmo possuir imóveis.

O dia 17 de fevereiro não é apenas um dia de comemoração para os valdenses e para todos os protestantes, mas também uma data simbólica. Na verdade, representa o primeiro passo da liberdade religiosa na Itália. EU’Assembleia Geral da FCEIentre outras coisas, relançou em 2018 a proposta de estabelecer o dia 17 de fevereiro como o Dia Nacional da Liberdade de Consciência, Pensamento e Religião.

Inúmeras iniciativas estão previstas durante a Semana da Liberdade, presencial e online. Haverá também as tradicionais fogueiras, que são acesas nos vales valdenses e em outras localidades italianas onde os valdenses estão presentes.

Dentre os principais eventos, destacamos a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismos, democraciasprogramado para sexta-feira 17 de fevereiro e sábado 18 de fevereiro em Roma (respectivamente no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi e na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça). O evento de dois dias é promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revista Confronti, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

Primeiro atendimento, por ordem de horário, aquele agendado pelo Fundação do Centro Cultural Valdense da Torre Pellice (Turim). Aqui estão os detalhes:

FACEBOOK / YOUTUBE – quarta-feira 8, no contexto de “A noite dos incêndios valdenses. noite de direitosreunião sobre o tema “A noite dos fogos, a conquista das Liberdades“. Com Stephen Tallia, Bruna Peyrot E David Rosso. Às 17h30 no canal do YouTube e na página do Facebook da Fundação Centro Cultural Valdense.


Para saber mais:

Vá para a guia NEV. 17 DE FEVEREIRO PARA OS VALDENSES

Para saber os demais agendamentos para o Dia da Liberdade 2023: SIGA O LOGO EM Agenda evangélica e ecumênica (nev.it)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho Ecumênico visitando igrejas na Itália

Conselho Ecumênico visitando igrejas na Itália

O monumento "Porta di Lampedusa, Porta d'Europa" de Mimmo Paladino Roma (NEV), 18 de maio de 2022 - Uma delegação do Conselho Mundial de Igrejas (CEC em italiano, WCC em italiano) estará na Itália nos próximos dias, em particular de 20 a 25 de maio, como convidada do Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. O foco principal da missão serão as políticas migratórias e, em particular, as experiências relacionadas com o acolhimento de refugiados, levadas a cabo por protestantes italianos. Os chefes de delegação serão Agnes Regina Murei Abuomda Igreja Anglicana do Quênia, e Torsten Moritzsecretário da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa (CCME). O grupo passará os primeiros dias em Palermo, onde visitará o centro diaconal La Noce, e em Lampedusa, onde terá a oportunidade de conhecer a experiência e o trabalho do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. Posteriormente, a delegação deslocar-se-á a Roma, onde estão agendados vários encontros institucionais, com associações, igrejas, comunidades e realidades do mundo católico e não católico. ...

Ler artigo
afirmar a plenitude da vida

afirmar a plenitude da vida

Foto Hillert/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – “Nosso futuro está pegando fogo” e ainda há espaço para esperança em um mundo diferente. “Percorramos o caminho de Cristo que, no seu amor, nos conduz à plenitude da vida para todos e cada um”. Assim se expressou ontem de manhã, segunda-feira, 5 de setembro, Ruth Mathenjovem delegado da Igreja Síria Ortodoxa Malankara, durante a sessão plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Ecumênico de Igrejas (CMI), em curso em Karlsruhe (Alemanha), dedicada ao tema "Afirmar a plenitude da vida". A reunião decorreu de acordo com o método de talanoapraticada nas ilhas do Pacífico para compartilhar um pensamento, uma história que “se enriquece com a contribuição de cada participante e no final se torna a história comum” de todos aqueles que contribuíram para moldá-la, explicou o pároco Babá Tutari da Igreja Metodista na Nova Zelândia, moderador do encontro. Três perguntas guiaram a conversa. A primeira: onde estamos? "Vivemos em um mundo que cada vez mais exclui, cria pobreza e injustiça", disse ele Rudelmar Bueno de Faria, secretário-geral da Action by Churches Together (ACT) Alliance, uma organização ecumênica de ajuda e socorro. “Em vez disso, queremos um modelo econômico que permita que todas as pessoas e todos os seres vivos prosperem e vivam com dignidade”. À segunda pergunta – para onde queremos ir? – eles responderam de forma eficaz Iemaima Jennifer Vaaida população indígena de Samoa, e Jocabed Solano, mulher indígena do Panamá. “No caminho de Cristo, sigo em direção a um mundo onde minha cultura e identidade indígena não sejam negadas, mas façam parte de uma narrativa para a construção de um mundo sustentável”, disse Vaai, insistindo em um ponto que esta Assembleia tem repetidamente enfatizado: defender as culturas indígenas é defender a criação. “Sonho com um mundo onde a economia seja baseada no respeito e na harmonia com a terra. Sonho com uma igreja que seja luz no mundo e percorra o caminho da defesa da vida e da harmonia”, compartilhou Solano com toda a Assembleia. A última pergunta: como alcançamos esses sonhos e objetivos? “É necessária uma conversão profunda. É necessário que cada um de nós saiba dizer 'sinto muito' ao irmão e à irmã contra quem pecou por exclusão e prevaricação", disse o sacerdote anglicano Gideon Byamugisha, co-fundador da Rede Internacional de Líderes Religiosos Vivendo com ou Afetados Pessoalmente pelo HIV/AIDS. “Só serão eficazes soluções que consigam contemplar as necessidades dos últimos, dos mínimos, daqueles que se sentem perdidos. Nenhuma outra estratégia funcionará”, concluiu Byamugisha. A sessão inspirada na prática de Talanoa incluiu as apresentações musicais e teatrais doconjuntos “Oikoumene Pasifika“, incluindo a “Dança da Vida” com que terminou a sessão. ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.