Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

foto CEC

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A reunião anual do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) aconteceu no Centro Ecumênico de Genebra e no vizinho Chateau de Bossey de 6 a 7 de fevereiro .

O pessoal do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e o Escritório para o Diálogo e a Cooperação Inter-religiosa do CMI trocaram notícias sobre as várias atividades realizadas no ano passado e analisaram os programas futuros.

Uma das principais características do encontro foi a elaboração de um documento conjunto, “Servir juntos em um mundo ferido: rumo à solidariedade inter-religiosa”. Desde 1977, os dois escritórios têm editado conjuntamente uma série de publicações inter-religiosas, incluindo “Interreligious Prayer” (1994); “Reflexão sobre o casamento inter-religioso” (1997); “Testemunho cristão em um mundo multirreligioso”: Recomendações de conduta” (2011); e “Educação para a paz em um mundo multirreligioso: uma perspectiva cristã” (2019).

A reunião foi seguida por mais dois eventos que atraíram grande participação. Primeiro, uma mesa redonda com a presença de líderes de diferentes religiões, bem como diplomatas, trabalhadores inter-religiosos, ativistas pela paz, que explorou o tema “Repensando o engajamento inter-religioso em um mundo ferido”. Em segundo lugar, o CMI organizou o lançamento em novo formato de “Diálogo Atual”, a revista do CMI sobre as relações inter-religiosas, dirigida aos trabalhadores inter-religiosos, pesquisadores, estudantes, instituições acadêmicas e todos os interessados ​​no estudo das religiões.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo
Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

A partir da esquerda, Rosa Manfredi e Silvia Zerbinati, respectivamente Diretora e assistente social do GB Taylor Institute em Roma Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – Pelo segundo ano consecutivo, o GB Taylor Rest Home em Roma recebeu o reconhecimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) por seu compromisso com os processos de integração laboral de beneficiários de proteção internacional. A cerimônia de premiação aconteceu ontem no Campidoglio na presença do Prefeito Roberto Gualtieri e o Ministro do Trabalho André Orlando. O diretor esteve presente para o Taylor Rosa Manfredi e a assistente social Silvia Zerbinati. “Nossa missão é representar uma presença evangélica em nosso bairro – comentaram Manfredi e Zerbinati -. Este é o caminho que seguimos e, ao longo do tempo, oferecemos a muitos imigrantes e refugiados uma oportunidade de formação e um contrato de trabalho que restaurou a dignidade e a auto-estima. Permitindo também reconstituir famílias separadas”. O ACNUR concedeu o logotipo 'Bem-vindo' a 107 empresas. Graças ao programa Welcome, lê-se no comunicado de imprensa, "nos últimos 5 anos mais de 10.000 refugiados foram colocados no mundo do trabalho". Além do Taylor, foram premiados pequenas e grandes empresas, cooperativas, organizações sem fins lucrativos, fundações, associações comerciais, sindicatos, serviços de emprego e entidades locais que, por diversos motivos, têm colaborado para a inclusão dos requerentes de asilo no mercado de trabalho e beneficiários de proteção internacional. casa taylor A Taylor Rest Home, lê-se no site da instituição, “é um local onde todos os idosos que necessitam de companhia e de interagir com os outros podem encontrar ajuda e conforto válidos. A casa de repouso oferece aos idosos a possibilidade de uma vida comunitária, respeitando a sua autonomia, estimulando as suas capacidades residuais, favorecendo a sua relação com o meio”. A Taylor faz parte das estruturas pertencentes à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O instituto também oferece serviços de assistência religiosa, respeitando a liberdade de culto de cada hóspede. Foto Silvia Zerbinati O programa Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados “Nascido em 2017 como um prêmio para empresas que contratam refugiados, hoje Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados é um programa amplo que inclui treinamento e acompanhamento para empresas e operadores do mercado de trabalho e apoio específico para empresas que pretendem contratar refugiados. O ACNUR, com os seus parceiros, apoia as empresas na co- planificação de cursos de formação e colocação profissional, juntamente com as associações e realidades que acolhem os refugiados na zona”, escreve o ACNUR. “Os refugiados são médicos, professores, operários, agricultores, engenheiros, chefs, atletas, comerciantes, artistas. Através do trabalho eles readquirem, reforçando-o, seu próprio capital social como sujeitos ativos que podem determinar sua própria existência. Ao mesmo tempo, sua inclusão gera um desenvolvimento econômico positivo e generativo em benefício de toda a comunidade”, afirmou. Clara Cardolettirepresentante do ACNUR para Itália, Santa Sé e San Marino. Esta experiência, segundo a organização, traz um valor acrescentado em termos de enriquecimento, criatividade e novas energias, “transformando a diversidade numa grande vantagem para as empresas”. O comunicado de imprensa continua: “Uma vez fora de perigo, os refugiados precisam de oportunidades para superar traumas, fazer bom uso de seus talentos, treinar, trabalhar e contribuir para o país que os acolheu. A criação de oportunidades concretas de integração é tarefa e responsabilidade de todos, instituições, sociedade civil e setor privado. Somente trabalhando em sinergia, os refugiados podem ter a oportunidade de colocar suas habilidades e seu desejo à disposição para reconstruir suas vidas”. Bem-vindo projeto. Trabalhar para a integração de refugiados é apoiado pelo Ministério do Trabalho, Confindustria e Global Compact Network Itália. Também conta com o apoio da Tent Foundation. Para maiores informações: ...

Ler artigo
Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 - O 18º seminário "Building Bridges" foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho. O objetivo do seminário, intitulado "Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs", é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade - na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão. Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam. Para mais informações, contate: [email protected] O evento será transmitido ao vivo em: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.