Conselho Mundial de Igrejas.  Novo site

Conselho Mundial de Igrejas. Novo site

Roma (NEV), 19 de outubro de 2020 – Notícias, histórias, percepções e uma linha direta que conectará a mídia de massa e as igrejas em todo o mundo, nos níveis nacional, regional e global. Essa é a função do novo site do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acaba de ser inaugurado. Novo design, novas funções, possibilidades de interação são as características desta ferramenta, que representa, entre outras coisas, uma resposta ao crescente interesse dos navegantes e das igrejas membros do CMI.

O secretário-geral interino do CMI, padre Ioan Sauca, encorajou a família ecumênica a participar ativamente: “Teremos o maior prazer em compartilhar os apelos por justiça e paz, em ter um diálogo significativo com as igrejas-membro, com os parceiros e com todas as pessoas de boa vontade – declarou Sauca – . Nesse caso, a tecnologia pode nos ajudar a fortalecer o compromisso espiritual e fornecer outra maneira de apoiar uns aos outros.

Marianne Ejderstendiretora de comunicação do WCC, agradeceu o feedback recebido: “Continuamos nos esforçando para criar uma comunidade digital que ofereça informações precisas, sugestões concretas e inspiração”, disse ela.

“É o início de uma nova era e de uma nova forma de trabalhar globalmente, para interligar as igrejas-membro em todo o planeta” diz o artigo de lançamento do novo site, que é resultado de quase cinco anos de desenvolvimento. O novo site apresenta facilidade de navegação, clareza na apresentação dos programas do CMI sobre os temas de unidade, justiça e paz no mundo, fé e constituição, missão e evangelização, que representam “o coração e a alma do movimento ecumênico”. O conteúdo acessível e compartilhável inclui documentos, recursos históricos e acadêmicos importantes, coleções digitais, livros, revistas, orações, reflexões teológicas, estudos bíblicos e materiais voltados para saúde e meio ambiente.

Muitas pessoas envolvidas nesta iniciativa, incluindo Ivars Kupcischefe de comunicação do CEC, que coordenou o projeto; Annegret Kappresponsável pela comunicação na web; Michael Westeditora consultora CEC/Publications (Estados Unidos); Lyn van Rooyencoordenador do CEC/Publications baseado na África do Sul; Marcelo Schneiderassessora de comunicação da CEC baseada no Brasil.

Xanthi Morfi, um Communications Fellow do WCC, disse: “Para nós, o acesso ao conhecimento para todas as pessoas em todas as partes do mundo significa ‘empoderamento’. Oportunidades educativas adequadas conduzem a sociedades melhores, onde a dignidade da pessoa humana e o respeito pelos direitos e liberdades fundamentais asseguram a unidade e a paz”.

O novo site também tem um significado especial em vista de 2022, com uma seção dedicada à próxima 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe (Alemanha). Na página relevante você pode encontrar os relatórios oficiais de todas as assembleias anteriores.

Opiniões e sugestões podem ser enviadas para [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

um gesto violento em um lugar de fraternidade

um gesto violento em um lugar de fraternidade

A igreja ADI de Orta di Atella Roma (NEV), 14 de dezembro de 2022 – No Extremo Oeste, a nova fronteira do crime eram os assaltos a trens; hoje, na Itália, incrivelmente parece ser roubos a igrejas. As cerca de 70 pessoas que se reuniram para o culto noturno nas dependências da igreja das Assembléias de Deus (ADI) em Orta di Atella (Caserta), no domingo, 11 de dezembro, foram agredidas por seis assaltantes com os rostos cobertos. “Foi um verdadeiro assalto à mão armada – explicou o pároco Dario Jazzetta que presidiu o culto no domingo à noite -. Alguns de nossos irmãos foram ameaçados com uma arma na cabeça e todos foram solicitados a entregar seus objetos de valor”. Perplexidade, consternação, mas também surpresa, são os sentimentos que o pastor transmite ao relatar o roubo. “Acho que algo assim nunca aconteceu antes. E certamente as igrejas pentecostais na Itália não vivenciam momentos de violência como este desde os tempos das leis fascistas que nos discriminavam”. O interior da igreja. O prejuízo é, por um lado, econômico. “Em cada culto – explica o pároco – existe um espaço dedicado à recolha de ofertas” que os fiéis doam à igreja e que a igreja utiliza para se financiar. “Mas é sobretudo o dano moral que tanto pesa. Ficamos impressionados com a violência deste ataque, sem qualquer consideração pelas muitas crianças presentes que estavam assustadas. Houve também pessoas com problemas cardíacos, a quem não aconteceu nada de grave, mas que certamente sofreram mais do que os outros”. Além disso, "lamentamos essas ações, mas infelizmente não nos surpreendemos, ao ouvi-las se referir a roubos em supermercados ou outros estabelecimentos comerciais", acrescenta o pastor Iazzetta. E embora na concepção evangélica o local de culto não seja um local sagrado, todavia “a igreja é e continua sendo um local de fraternidade e alegria, deve ser percebida e respeitada como um local seguro, de paz”. “Naturalmente, a comunidade não se deixa desanimar, somos sustentados pela fé em Deus e pela fraternidade mútua de irmãos e irmãs. Além disso, o perdão é um elemento fundamental na fé cristã. No entanto, nos faz sentir mal pensar que nosso mesmo contratempo pode acontecer com outras pessoas também”. A solidariedade da diocese católica chegou à comunidade. A polícia assegurou o seu total empenho na investigação em curso. ...

Ler artigo
Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Reconstrução feminina do "Quarto Stato" de Giuseppe Pellizza da Volpedo realizada por professores e alunos do instituto técnico comercial "Giovanni Caboto" de Chiavari - segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 Roma (NEV), 5 de fevereiro de 2020 - A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) - grupo de Milão e o Centro Cultural Protestante de Milão apresentam o seminário "Mulheres nas igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?". É um ciclo de 4 encontros, que será aberto na segunda-feira, 10 de fevereiro, para explorar o papel das mulheres nas comunidades judaica e islâmica, nas igrejas evangélicas e na Igreja Católica Romana. “Nas igrejas e nas comunidades de fé existem diferentes ideias sobre a posição que a mulher deve ou pode ter – lê-se no cartaz -. Em algumas tradições religiosas houve notáveis ​​evoluções nos papéis aos quais eles têm acesso. De fato, dentro de sua religião, as mulheres podem ter uma importante função crítica ou proativa: onde assumiram cargos de responsabilidade, ocorreram mudanças significativas na vida e na prática da fé das comunidades. O tempo, as experiências e as reflexões espalhadas pelas diferentes confissões têm questionado as imagens consolidadas e os papéis estereotipados. Uma viagem está, portanto, em andamento. Na maioria das vezes, porém, ainda é uma jornada acidentada e com evidente resistência das comunidades em aceitar o pedido dooutra metade do céu ser mais presentes, mais responsáveis, mais protagonistas”. Os promotores também citam Susan Frederick Gray, presidente da Unitarian Universalist American Association (UUA): “O declínio não é responsabilidade das mulheres. E talvez sejamos a esperança para o futuro”. A perspectiva inicial do seminário, portanto, é que "a liderança feminina é essencial em uma época de declínio para muitas religiões". As reuniões serão coordenadas por Elza Ferrario da SAE e contará com a participação de estudiosos que desenvolverão problemáticas e perspectivas das diversas tradições religiosas. Abaixo está o programa. Baixe o cartaz Mulheres nas igrejas. segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020 Mulheres em comunidades judaicas Miriam Camerini, diretor de teatro, estudioso do judaísmo, Milão – Jerusalém segunda-feira, 9 de março de 2020 Mulheres em comunidades islâmicas Marisa Iannucci, Islamologista, presidente da Life Association, Ravenna Segunda-feira, 20 de abril de 2020 Mulheres nas Igrejas Cristãs Evangélicas Elizabeth Greenteólogo e pastor da Igreja Evangélica Batista, Cagliari segunda-feira, 11 de maio de 2020 Mulheres na Igreja Católica Romana Maria Soave BuscemiBiblista, Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, Brasil Os encontros serão das 18h às 19h30 na Livraria Claudiana – Via Francesco Sforza 12/a – 20122 Milão – entrada livre ...

Ler artigo
Corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade.  tutoriais

Corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade. tutoriais

Roma (NEV), 24 de junho de 2022 - Saiu o 2º tutorial de "corredores ecológicos" para insetos polinizadores. É um projeto de algumas igrejas evangélicas na Itália (Luterana de Nápoles, Batista Centocelle, Batista Civitavecchia, Adventista de Bolonha, Metodista de Milão), que entre outras coisas participaram do concurso "Juriga Romana" da Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). . A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O projeto se chama “Caminhos Ecumênicos para Polinizadores”. Este novo tutorial fala sobre como criar corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade e explica como e por que é útil projetar esses tipos de ambientes. Para ilustrar como o fazer, desde os materiais às ferramentas necessárias para fazer as casas para os insectos bons, é Annette Brunger, responsável pelo ambiente da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), comunidade de Nápoles e membro do GLAM. Você pode construir hotéis para bons insetos, explica Brünger, “junto com outras pessoas, mesmo com crianças e adolescentes. Uma forma de ser criativo e abordar o tema do respeito pela natureza e da proteção da criação. Também pode ser uma ideia de presente original e eco-sustentável. O objetivo é, entre outras coisas, conscientizar as pessoas e ampliar a rede de corredores ecológicos”. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=SAvpl_DDWkI[/embed] Contexto A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. Um primeiro tutorial foi lançado em abril com Paul Versariprofessor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas, editado por Monica DePaolis E Maria Elena Lacquaniti. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.