Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta. Foto de Daniele Fly

Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – Encerrou com a fala do reconfirmado moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense.

— Coletiva de imprensa ao vivo e a ser revista em: —-

“Queremos nos enraizar no compromisso – que em nosso modo de entender a fé só pode ser renovado e que, de fato, renovamos também neste Sínodo – de dar uma contribuição, não apenas com palavras, mas com a participação e a ação concreta em debates culturais e sociais e nas lutas sobre temas importantes como o cuidado dos idosos e do trabalho, a proteção do meio ambiente, a construção da paz e da democracia. Importantes porque são essenciais para a dignidade da humanidade e de toda a criação de Deus, que como crentes e cidadãos somos sempre chamados a defender” declarou o moderador.

Alessandra Trotta partiu de uma crítica à ‘fraqueza’, utilizada como “álibi para a preguiça e o desleixo; pela ignorância causada por um analfabetismo cultural e bíblico original ou recorrente; por preguiça (não querer assumir a responsabilidade de fazer escolhas) ou por indiferença (vale tudo, são todos iguais)”. Em seguida, falou da “necessidade de concretude” e de não olhar para baixo, “para não perder o horizonte de esperança da qual temos o dever de prestar contas como cristãos e cristãs; e guiado pelo desejo – palavra amplamente utilizada na noite pública dedicada ao tema da paz – que abre caminho também nas inquietações, nas contradições, com tenacidade e humildade, com a ajuda do Senhor”.

O trabalho deste ano concentrou-se não apenas nos aspectos organizacionais da igreja, no ecumenismo e nas relações internacionais, mas também nas obras sociais e na formação. O mandato para o ano que se inicia é continuar trabalhando com empenho e confiança ao lado dos pobres, últimos e em dificuldade. Entre as moções aprovadas, a documento de trabalhoque exorta para que não haja “trabalhadores pobres”, pede o reconhecimento de um salário mínimo e destaca os direitos de quem trabalha: uma postura contra as privatizações e as desigualdades econômicas, em nome da proteção do trabalho, garantias sociais e ambientais, políticas migratórias, igualdade de oportunidades e igualdade fiscal. Um parágrafo é dedicado à segurança no trabalho e ao surgimento do trabalho não declarado. Importante também é o ato em vista das eleições políticas, com o convite para o exercício do direito de voto, o apelo à extensão do direito de cidadania e uma “oração pelo bem da cidade” (Jeremias 29).

Realizada na Torre Pellice a partir de 21 de agosto, nos dois primeiros dias em sessão conjunta com a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) na chamada Assembléia-Sínodoo Sínodo Valdense e Metodista, o mais alto órgão de decisão dessas históricas igrejas protestantes, contou com a participação de cerca de 200 delegados e convidados de toda a Itália.

ELEIÇÕES

Na mesa valdense, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-presidente), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi.

Nova presidência da Sociedade das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI): o pároco Luke Elders. O presidente cessante Mirella Manocchio assim passa o bastão após seis anos de serviço. Manocchio recebeu palavras de agradecimento e elogios pelo trabalho realizado.

No conselho da Faculdade Valdense de Teologia, eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor Francisco Sciotto reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense).

Explore o Sínodo 2022

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Luca Anziani é o novo presidente da Opcemi, a organização das igrejas metodistas na Itália

Em chiesavaldese.org as histórias em vídeo do Sínodo

Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org

Foto de Daniele Fly

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 - Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino. Eu meu mim meu O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida. Toshiki Toma na Islândia "A Islândia aprecia as pessoas", diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 “Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor. Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local. Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade. Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado? Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: "É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro." Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC). Por que você se mudou para a Islândia? Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999. Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades. Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece? Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal. Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade. Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos? As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente . Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas. Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível. Quão receptivos são os islandeses hoje, com os "novos" migrantes? Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo. Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: "Por que devemos ajudar os budistas ou outros?" Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso." ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Lea Schlenker, Foto CEC Roma (NEV), 17 de junho de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). CEC à presidência francesa da UE: "Envolver as igrejas para trazer paz à Ucrânia" Num encontro híbrido em Bruxelas com a Presidência francesa do Conselho da União Europeia, o CEC sublinhou a necessidade de reforçar o compromisso das comunidades religiosas locais na concretização da paz na Ucrânia. A CEC pode construir pontes para promover a reconciliação e a paz. Para saber mais, leia o artigo aprofundado sobre Reforma AQUI. Relatório da Conferência sobre o Futuro da Europa Um futuro democrático e justo para a Europa. Esta é uma das questões que preocupam as igrejas membros da CEC. Daí o engajamento direto na Conferência sobre o futuro da Europa. O secretário-geral do CEC Jørgen Skov Sørensenfala sobre isso aqui: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=nvpe8V4LbHA[/embed] Lea Schlenker, Foto CEC Lia Schlenker. Em que Europa querem viver as novas gerações de crentes? Lea Schlenker, da Igreja Evangélica na Alemanha, é membro do Conselho Executivo do CEC. Ela também desempenha o papel de Conselheira da Juventude. Em uma de suas reflexões, ele fala sobre os desafios e oportunidades que as novas gerações de crentes estão expressando hoje e sobre como o CEC ouve suas vozes e seus pedidos. Pandemia, guerra, a importância da presença e da escuta dos jovens, são alguns dos temas que o seu estudo aborda. Leia aqui. O treinamento KEK chega à Finlândia para garantir comunidades mais seguras e fortes O CEC, juntamente com a Igreja Ortodoxa da Finlândia, organizou um briefing e treinamento para líderes e funcionários da igreja sobre a proteção de locais de culto. O evento decorreu no âmbito do projeto Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O curso foi ministrado pela Secretária Executiva de Direitos Humanos do CEC, Elizabeta Kitanovic. O evento também contou com a presença de representantes da Igreja Evangélica Luterana e da comunidade muçulmana da Finlândia. Entre os tópicos que surgiram: as novas propostas legislativas sobre a proibição do abate ritual, circuncisão, liberdade de religião e crença, os relatórios do serviço de segurança finlandês, os riscos potenciais para a sociedade finlandesa devido a ameaças terroristas e de extrema direita. Falou-se também de minorias étnicas e religiosas, da cultura do cerco e do suprematismo branco, que incita à violência e ao colapso social. Leia aqui. Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias discutem os trabalhos e a Assembleia da CEC Em reunião virtual, os responsáveis ​​dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias reuniram-se com o Secretário Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen, e o Secretário Executivo, Katerina Pekridou, para discutir o futuro e, em particular, a próxima Assembleia da CEC em Tallinn. Falou-se do papel da teologia ecumênica, que transcende as fronteiras privadas, nacionais e confessionais. Também, da significativa contribuição das igrejas no discurso público e para o bem comum. Para saber mais, clique aqui. ...

Ler artigo
Nariz.  A liberdade religiosa não é uma questão partidária.  É o coração da democracia

Nariz. A liberdade religiosa não é uma questão partidária. É o coração da democracia

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2023 - A agência NEV está inaugurando um ciclo de entrevistas para abordar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias", realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vamos começar com Paulo Nasocoordenadora da Comissão de Estudos do Diálogo da Integração da FCEI, consultora para as relações institucionais do programa de refugiados e migrantes FCEI/Mediterrâneo Esperança, além de professora da Universidade Sapienza e membro da comissão científica do Centro Studi Confronti. Por que uma conferência sobre pluralismo e liberdade religiosa? É fácil dizer: relançar uma questão que há anos se esquiva do debate parlamentar, esmagada por outras prioridades e interesses. Nesse sentido, foi uma operação corajosa, que deve ser creditada aos promotores, principalmente à Fondazione Basso e à revista Confronti, que tiveram a força de relançar o debate sobre um tema certamente complexo, mas cada vez mais urgente. Por que urgente? A liberdade religiosa é garantida. A urgência reside no fato de que em poucas décadas o perfil religioso da Itália mudou como nunca se poderia imaginar e o "fator R" da religião adquiriu uma importância crescente na dinâmica social e cultural de um país multicultural como a Itália. tornou-se objetivamente. E um fenômeno novo não pode ser governado com ferramentas velhas e enferrujadas como a legislação da era fascista sobre os "cultos admitidos": aquela legislação ainda em vigor, desde o título, expressa sua intenção discriminatória e seletiva, e ainda hoje distingue juridicamente confissões reconhecidas e outras (a maioria) que não o são. É uma lei que determina quais ministros de religião e quais confissões têm livre acesso a espaços protegidos (prisões, hospitais, centros para imigrantes, residências para idosos) e quais não. É a lei que, ao não proteger o edifício do culto, cria dificuldades inultrapassáveis ​​a diversas comunidades que padecem de limitação do direito constitucional ao exercício do culto privado e público (art. 19º). Na ausência de normas rígidas sobre o assunto, algumas comunidades de fé são privadas do direito fundamental de se reunir em locais dignos e legalmente reconhecidos. "Não, a mesquita não" é apenas a expressão mais virulenta de uma intolerância à diversidade religiosa que, há poucos dias em Tortona, se traduziu no incêndio de um centro islâmico. Mas se isto é racismo islamofóbico, a outro nível da convivência multirreligiosa ordinária, é normal que em Milão, a cidade europeia e intercultural por excelência, não exista uma mesquita digna desse nome? E por que as igrejas pentecostais têm que se contentar com locais improváveis ​​e periféricos? Ou que dezenas de denominações religiosas que possuem instalações adequadas não conseguem obter a sua conversão para fins de culto? E os acordos previstos no art. 8 da Constituição? Sim, existem, mas eles "abrangem" apenas 10% do número total de não católicos que teriam direito a fazê-lo: todos juntos não ultrapassam quinhentas mil pessoas (comparações de dados IDOS de 2022): valdenses e metodistas, batistas, luteranos e anglicanos pelo protestantismo histórico; adventistas, pentecostais (das Assembleias de Deus e da igreja apostólica) para a área evangélica em sentido amplo; Judeus; budistas (da União Budista Italiana e da Soka Gakkai); ortodoxos gregos, hindus e mórmons. Por outro lado, os muçulmanos (mais de dois milhões de pessoas, incluindo um número crescente de italianos), os ortodoxos romenos (quase dois milhões), as testemunhas de Jeová (mais de 400.000, principalmente italianos), os sikhs (cerca de 100.000), um número crescente de evangélicos independentes (300.000), outras comunidades de fé para pelo menos 100.000 atendimentos. Este é o limite do art. 8: não a sua substância jurídica, mas a sua escassa e débil implementação, sorvida de critérios nem sempre compreensíveis, a ponto de parecer discricionária: isto sim, aquilo não. Falando francamente, acredita que existem as condições políticas para que este Parlamento possa pôr a mão numa disposição tão complicada e controversa como uma lei sobre a liberdade religiosa e de consciência? Desde o pós-guerra, o debate sobre a liberdade religiosa tem sido o campo de batalha de exércitos ideológicos opostos: católicos contra secularistas, crentes contra não crentes, direita contra esquerda, ocidentais contra multiculturalistas. Chegou a hora de uma trégua, na verdade de uma reconciliação sobre uma questão que, além de estar no centro da democracia liberal, está no centro de muitos eventos na Itália e no mundo. Sobre uma questão legal e constitucional de grande repercussão como esta, como já aconteceu em outros momentos da vida política italiana, é fundamental que o Parlamento decida por ampla maioria. O desafio é superar a lógica partidária para assumir a proteção da liberdade religiosa e da consciência - mesmo aqueles que não acreditam ou acreditam de forma não convencional têm seus direitos e devem ser reconhecidos e protegidos - como questão central de importância democrática universal. Renunciando à linguagem dos "tempos que não estão maduros" ou das "outras prioridades", representantes de diversas forças políticas - governo e oposição - se manifestaram dispostos a abrir o canteiro de obras sobre o tema. Correndo o risco de parecer ingênuo, é correto dar crédito às aberturas que registramos e que, creio, devem ser levadas muito a sério. Não só pela atenção às minorias, mas pela qualidade da República. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.