Academia Europeia de Religiões.  edição digital 2020

Academia Europeia de Religiões. edição digital 2020

Concebido pela Fundação para as Ciências da Religião e lançado – graças ao apoio do MIUR, MAECI, Região Emilia-Romagna, Cariplo Foundation e Carisbo Foundation – com o patrocínio do Parlamento Europeu, da Comissão Europeia, da Comissão Nacional da UNESCO, a Universidade e o Município de Bolonha, o Academia Europeia de Religiões é uma ocasião internacional extraordinária para o encontro de estudiosos e hermenêuticos do fenômeno religioso. Consciente da centralidade desta reflexão, é ambição da EuARe fomentar a investigação, a leitura crítica, a comunicação e o intercâmbio – aberto à sociedade civil – sobre os principais temas religiosos, nomeadamente no contexto da transformação epocal que a humanidade atravessa.

De 22 a 25 de junho de 2020, os vídeos de quatro das palestras programadas para a conferência estarão disponíveis no site EuARe, redes sociais e canal do YouTube (bem como nas redes sociais FSCIRE), cuja intenção é «destacar o poderoso efeito que a religião tem na vida pública e pessoal, um efeito que se refere a todos os seus campos”, como afirmou o Presidente da EuARe Herman Selderhuisconferencista e teólogo de renome internacional.

Politização da Religião: Casos Cristãos Orientais é o título da contribuição de Cyril Hovorun, diretor do Huffington Ecumenical Institute e professor da Loyola Marymount University, especialista em teologia, tradições cristãs primitivas e eclesiologia. Movendo-se com competência entre os debates da “teologia política” do século IV e do século XX, Hovorun refletirá sobre as relações Igreja-Estado nas realidades ortodoxas orientais e sobre como essas relações contribuem para a politização da religião. A lectio de Cyril Hovorun estará disponível em 22 de junho.

Scott Applebyreitor da Universidade de Notre Dame e especialista em relações globais entre fenômenos religiosos e guerra, fará uma palestra intitulada Santificado seja o teu nome: poder e glória na imaginação religiosa, on-line em 23 de junho. Com base em estudos de casos empíricos, seu discurso questionará o significado das noções de “poder” e “glória” no imaginário religioso em momentos cruciais da evolução comunitária e da consciência nacional, como os representados por um conflito armado.

Estudioso de conflitos pós-seculares e professor de sociologia na Universidade de Innsbruck, Kristina Stoecklapresentará um discurso intitulado Os novos conflitos religiosos da Europa: ortodoxia russa, conservadores cristãos americanos e o surgimento de uma direita cristã populista europeia, on-line em 24 de junho. Sua lição altamente atual comparará fenômenos emergentes em diferentes regiões do mundo – a Igreja Russa, a direita cristã nos Estados Unidos e os partidos populistas na Europa – destacando como, ao se mobilizar contra os valores liberais, esses atores sociais paradoxalmente adotam uma retórica religiosa, desafiando o próprio significado do cristianismo.

Finalmente, em 25 de junho, a contribuição de Susanne Schröter, diretor do Global Islam Research Center em Frankfurt e professor de antropologia social e cultural na Goethe University na mesma cidade. Em sua palestra, Islã, Política e Sociedade na Alemanharefletirá sobre a história do debate sobre o Islã na Alemanha e abordará as ambivalentes políticas alemãs relacionadas à questão islâmica, a fim de propor soluções alternativas.

Nos mesmos dias (22-25 de junho) serão publicadas online as apresentações em vídeo das obras vencedoras do Prêmio Giuseppe Alberigo e serão premiados os vencedores do Prêmio de Jornalismo Religioso Piazza Grande (22 de junho).

Prémio Alberigo: no canal YouTube da Fundação será possível conhecer as obras vencedoras do prestigiado prémio 2020, atribuído a obras que alcançaram a excelência nas diversas disciplinas das ciências religiosas.

O Prêmio de Jornalismo Religioso Piazza Grande é organizado pela Associação Internacional de Jornalistas Religiosos em colaboração e com o apoio do FSCIRE para destacar o trabalho de jornalistas que lidam com religião e espiritualidade.

A Foundation for Religious Sciences (FSCIRE) é um instituto de pesquisa com sede em Bolonha, presidido por Alessandro Pajno e dirigido por Alberto Melloni. O instituto publica, desenvolve, fornece, organiza, aprofunda e divulga pesquisas no campo das ciências religiosas, estudando em particular o cristianismo e sua relação com outros monoteísmos. Reconhecida por decreto do Presidente da República, a Fundação mantém convênios com a Universidade de Bolonha e outras universidades e atua, ainda que em sinergia com outros institutos de pesquisa, em plena autonomia em relação a universidades e igrejas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Você só cresce se sonhar”.  Reflexões sobre humilhação e humildade

“Você só cresce se sonhar”. Reflexões sobre humilhação e humildade

Foto Annie Spratt / Unsplash Roma (NEV), 25 de novembro de 2022 - Publicamos a nota do pastor evangélico batista Cristina Arquidiáconatransmitido pela Rádio RAI 1 no domingo, 27 de novembro de 2022, na transmissão "Culto evangelico" - seção "Finestra Aperta". Você só cresce se sonhar. Então ele disse Danilo Doces, pacifista, educador, sociólogo, muito atuante nas áreas mais pobres e esquecidas do país, desde a década de 1950. Você só cresce se sonhado, só se reconhecido como parte de uma visão mais ampla, de uma vida que vai além da minha também. Você cresce apenas se humilhado parece significar hoje. Humilhar é um verbo que se refere à terra. Húmus, terra que fertiliza, que nutre. A humildade é característica de quem sabe que ser baixo é uma condição comum e oferece um ponto de observação diferente. Na Bíblia, no Evangelho de Lucas, Deus é cantado pela voz de uma jovem grávida, Maria, abraçada e reconhecida por Isabel, sua parente, também grávida, como aquela que se rebaixa (se humilha?) que já está abaixo, apenas ela, como aquela que levantou os humildes e tirou o poder dos orgulhosos, enviou os ricos de mãos vazias e encheu de bens tantos e quantos tinham fome. Humilhar, nas palavras do poder, assume o sentido não só de rebaixar, mais, de envergonhar, de não reconhecer, de castigar. Talvez os adultos de hoje humilhem meninos e meninas mesmo quando não os veem, não os escutam, não confiam neles. E ao invés de se questionarem sobre suas próprias escolhas e ações, talvez atuem tal qual foram humilhados, em outros contextos e em outros tempos, e reproponham uma pedagogia "negra", feita de pequenas e grandes torturas psicológicas e físicas de honra, de poder. Tudo isso nada tem a ver com a possibilidade de reparar uma relação, de participar materialmente da restauração de algo que está quebrado, coisas pelas quais um adolescente estaria mais do que disposto. Na última semana, foram comemorados o Dia dos Direitos da Criança e o Dia Internacional contra a Violência contra a Mulher. No espaço de tempo de um dia, condensa-se o cotidiano de dificuldades de reconhecimento, relações de poder, abuso psicológico, violência física, exploração infantil, venda de crianças, disparidades nas condições de trabalho e econômicas, reproposição pública de clichês e estereótipos, desde a infância de mulheres e homens. Diariamente. Sonhar com uma nova forma de ser comunidade passa pela possibilidade de nos reconhecermos sonhados e sonhados, já amados. Juntamente com Maria que canta o magnificat, os Evangelhos propõem um José que sonha e no sonho deixa Deus sonhá-lo, para ser um homem diferente do que o poder gostaria que fosse: José é acompanhado para nascer de novo, graças a uma parteira de Deus , que a reconhece como parte do projeto de amor pela humanidade. Um homem não patriarcal em uma sociedade patriarcal dará o exemplo de um homem para seu filho. E assim o poder será humilhado, trazido de volta à terra. ...

Ler artigo
Presbiterianos americanos visitando a Itália

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2020 - Uma reunião com alguns expoentes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) aconteceu hoje em Roma, na sede da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. Na verdade, hoje em dia o valdense está na Itália Luciano Kovacscoordenador da área Europa e Oriente Médio da Missão Mundial da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA), pároco Elmarie ParkerPCUSA responsável pelo Iraque, Síria, Líbano e Irã e Burkhard Paetzoldpessoa de contato da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos para a Europa Central e Oriental. Durante a manhã, os três representantes do PCUSA se reuniram com o presidente da FCEI, pastor Luca Maria NegroFCEI Coordenador do Programa de Migrantes e Refugiados, Mediterranean Hope, Paulo Nasodiretor da revista e centro de estudos Comparisons Cláudio Paravatio pastor Luca Barattosecretário executivo da FCEI, Fiona Kendall E Júlia Gorioperadoras da Mediterranean Hope. No centro do encontro, uma comparação e troca de boas práticas sobre alguns temas particularmente caros à igreja dos EUA, incluindo paz, comércio justo e sustentável, igrejas minoritárias, migrações, que também serão objeto de outros compromissos internacionais durante 2020. Amanhã a delegação dos Estados Unidos partirá para Palermo e outras cidades da Sicília, onde conhecerá comunidades e experiências eclesiais, incluindo, mais uma vez, o trabalho de Mediterranean Hope, com o Marta Bernardini. ...

Ler artigo
13 de outubro.  Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

13 de outubro. Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

Foto Andrew Guan / Unsplash Roma (NEV), 12 de outubro de 2022 – O Centro Cultural Evangélico de Sondrio propõe a conferência sobre “iGod e Infochiesa. A nova coesão dos crentes”. Marcação às 17h de quinta-feira, 13 de outubro, via Malta 16 ou online. “A revolução digital perturbou os pontos de referência tradicionais – escrevem os organizadores -. O ser humano conectado à internet é diferente do animal social de que falava Aristóteles? Como pensar o impacto do digital na natureza humana? Entre oportunidades e riscos, entre informações e embustes, nos perguntamos sobre a relação entre o desenvolvimento da mídia e a fase atual do capitalismo? Que margens de liberdade restam à iniciativa humana?”. O debate partirá destas questões e tentará encontrar respostas… “Na perspectiva cristã da vocação para estar presente neste mundo como testemunhas intelectualmente honestas da realidade – continua o convite – a discussão estará aberta”. Convidados, o filósofo católico Matteo Bergamaschi e o pastor protestante Pedro Ciaccioapresentado pelo pastor, filósofo e médico, especialista em bioética, Ilenya Goss. Moderar o diretor do Centro Emanuele Campagna. Na véspera do encontro, o próprio Campagna convida a participar e ilustra os temas, que vão do ponto de vista sociológico e filosófico, a partir dos dois livros dos palestrantes: INFOIGREJA. Os desafios da infoesfera para o pensamento crente - por Matteo Bergamaschi. eGospel, iGod e Jesus Pessoal. Desembaraçando redes sociais, tecnologia e liquidez - por Peter Ciaccio. Campagna diz: “O pastor Ciaccio se pergunta quem é uma pessoa famosa, um influenciador, um amigo segundo o FB, ele se pergunta sobre os acontecimentos de 6 de janeiro de 2021 em todo o fenômeno de estado profundo (teorias da conspiração) e nos julgamentos de envergonhar E tempestade de merda. Bergamaschi se pergunta sobre a relação entre comunicação e capitalismo, sobre a liberdade como incógnita aleatória da comunicação após o advento da máquina de Turing. Na verdade, da leitura dos dois livros, cada um iluminador em si mesmo, parece-me que a abordagem de Bergamaschi emerge fortemente ao se colocar como um crente diante desse fenômeno e da importância de ter que recuperar o terreno perdido, enquanto Ciaccio é mais o intelectual que observa o desenvolvimento de um fenômeno a partir de uma perspectiva sociológica, mas não exclusivamente. Frequentemente chama a atenção para a história do folclore (protestante), mas também da arte e da fruição do cinema. […] Ambos os autores abordam a questão de saber se o homo sapiens sapiens ainda é o mesmo que dominou o Neandertal com o advento da tecnologia de comunicação. Ciaccio menciona a filosofia do Cyberpunk. Citação também Bruno Mastroianni e sua “Disputa Feliz”. Bergamaschi veste as roupas de um filósofo e pensa a tecnologia não como uma prótese, mas como órgãos instrumentais (ou possivelmente massa cancerígena, quando mata) do ser humano de hoje”. Dos livros, dos autores, do debate, pode-se esperar, portanto, uma imersão no mundo da informação, da manipulação, da vida, da fé e da confiança. Por fim, da liberdade entendida, conclui Campagna, “como uma libertação conquistada por muitos como um valor hacker. E isso leva às perguntas: a rede promove a colaboração, o desenvolvimento da criatividade e a cooperação para além dos limites da autoridade?”. Marcação quinta-feira 13 de outubro às 17:00 - na via Malta 16 em Sondrio e nos canais YOUTUBE e página do Facebook. Para mais informações: leia também o NEV especial sobre Ódio e perigos online ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.