Mulheres de fé.  Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Mulheres de fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Roma (NEV), 30 de setembro de 2020 – A conferência organizada pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC) intitulada “Mulheres de Fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina”. A presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pastora, participa Gabriela Lio.

A conferência faz parte do “Projeto Saber” dedicado ao estudo das minorias religiosas na Itália e das diferentes formas como estas últimas se inserem no contexto social italiano.

O objetivo é promover o diálogo e a troca de experiências através dos testemunhos de alguns representantes de diferentes religiões, comprometidos com a promoção e proteção dos princípios fundamentais da dignidade do homem e da mulher. As organizadoras escrevem no convite da iniciativa: “As mulheres de fé desempenham um papel vital não apenas dentro de suas respectivas comunidades religiosas, mas também na sociedade multicultural e multirreligiosa de hoje”.

A conferência, anteriormente adiada devido às disposições da emergência do coronavírus, será realizada em plataforma digital no dia 5 de outubro de 2020, das 16h30 às 19h.

Para participar, cadastre-se no seguinte link:


PLANO

16h30 Saudações

Sen. Valéria Fedeli

Pedro Nocita

Presidente Honorário do Centro de Estudos LIREC

Apresentar e moderar

Raffaella DiMarzio

Diretor do Centro de Estudos LIREC

CAIXAS DE SOM

Gabriela Lio

Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI)

Mariangela Fala

Presidente da Fundação Maitreya e da Mesa Inter-religiosa de Roma

Paula Cavallari

Professor de história e filosofia, promoveu o Observatório Inter-religioso contra a violência contra as mulheres (OIVD) do qual é presidente.

Swamini Hamsananda Ghiri

Freira hindu e vice-presidente da União Hindu Italiana

França Coen

Co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista e vice-presidente da Religiões pela Paz seção italiana.

Elizabeth Nistri

Presidente da Federação Feminina para a Paz Mundial-Itália

Susana Giovannini

Membro da Igreja Pentecostal Betel e do Grupo de Diálogo Inter-religioso pela Paz de Cosenza

Marisa Iannucci

Islamologista e ativista de direitos humanos. presidente da ônus vitalício.

Os parceiros do evento são: a Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a revista Consciência e Liberdade, o Observatório Inter-religioso sobre a Violência contra a Mulher (OIVD) e a Federação Feminina para a Paz no Mundo-Itália (WFWP).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Turismo sustentável, as propostas primaveris das casas e pensões valdenses

Turismo sustentável, as propostas primaveris das casas e pensões valdenses

Casa Cares Roma (NEV), 9 de março de 2023 – Sem ideias para férias nas pontes da primavera? A resposta poderia ser solidária e sustentável, com um fim de semana como hóspedes das casas e pensões valdenses. De facto, algumas estruturas à beira-mar estão a reabrir as suas portas, enquanto as do campo e das cidades de arte, em Florença, Veneza e Roma, continuam operacionais. Por exemplo, a Casa di Pietra Ligure, na província de Savona, reabrirá no dia 6 de abril. Já a Casa Cares, na Toscana, perto de Florença, oferece um pacote especial para a Páscoa, para estadias de sexta-feira, 7 de abril de 2023, para jantar, até segunda-feira, 10 de abril de 2023, com trekking, degustações e aulas para aprender a fazer pão. O jardim da casa valdense em Rio Marina, na Ilha de Elba Para todas as informações e reservas: www.casevaldesi.it. Os Case Valdesi, como se pode ler no site casevaldesi.it, são estabelecimentos de alojamento que fazem parte da Diaconia Valdese, entidade eclesiástica sem fins lucrativos que coloca a dignidade da pessoa humana no centro do seu trabalho, assegurando o respeito e o cuidado com absoluta laicidade a quem utiliza os serviços oferecidos, sem distinção de gênero, origem ou cultura.A Diaconia Valdense, com sede no Piemonte, nos vales valdenses, coordena e administra algumas estruturas e serviços de atendimento e acolhimento da Igreja Valdense na Itália.Os Case Valdesi são estruturas sem fins lucrativos abertas a todos, onde é possível passar tempo de qualidade a preços razoáveis. ...

Ler artigo
“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo
17 de fevereiro.  “Partido da Liberdade de Todos”

17 de fevereiro. “Partido da Liberdade de Todos”

Roma (NEV CS/05), 17 de fevereiro de 2020 - "Para os protestantes italianos, este é o Dia da Liberdade: não apenas a nossa liberdade, mas a de todos". Estas são as palavras de Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no dia em que celebramos o 172º aniversário das Cartas-Patente com as quais o Rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus Sujeitos protestantes, os valdenses. No mês seguinte, ele também os concedeu aos judeus. E os evangélicos italianos dedicam este ano a Semana da Liberdade (por volta de 17 de fevereiro) ao tema do antissemitismo. A Mole Antonelliana, em Turim, iluminada para 17 de fevereiro “Um fenômeno que se reacende perigosamente na Itália, na Europa e no mundo – continuou Negro -. Os dados são alarmantes: os atos de ódio contra os judeus estão aumentando, começando com ataques verbais, especialmente online, profanação de cemitérios e lápides, pedras de tropeço arrancadas, casas marcadas com escritos difamatórios”. A FCEI preparou um compêndio para esta Semana da Liberdade, Contra o anti-semitismo e a cultura do ódio, como ferramenta de reflexão e análise para as igrejas federadas. “A Federação propõe partir das pedras de tropeço porque elas nos permitem recordar – sublinhou o Presidente Negro -. Eles nos fazem tropeçar em nome das vítimas, na trágica história da Shoah, em discursos cheios de preconceitos antissemitas”. O presidente da FCEI lembrou também que como cristãos devemos tropeçar no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de praticada, foi alimentada no seio do cristianismo e que fez parte da bagagem 'normal' de ' qualquer 'cristão. “A tarefa de reconhecer e eliminar visões antijudaicas é ecumênica. Esperamos que os cristãos das várias confissões também na Itália se unam para denunciar o anti-semitismo e dialogar com os judeus, nossos irmãos mais velhos na fé” concluiu Negro. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.