O Sínodo Luterano está em andamento.  Encontrar de novo

O Sínodo Luterano está em andamento. Encontrar de novo

Última reunião do Consistório antes do início do Sínodo. foto CELI

Roma (NEV CS/41), 8 de outubro de 2020 – A 1ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começará em Roma na sexta-feira, 9 de outubro, com o título “Escolha = Wählen”. Estão marcadas as eleições para a Presidência e leigos do Consistório. Entre os temas: futuro, igreja digital, medidas anti-pandemia. O Sínodo terminará no domingo, 11 de outubro.

O Sínodo do CELI decorrerá à porta fechada e em conformidade com os regulamentos anti-covid. “Mais de quatro quintos dos membros sinodais confirmaram sua presença – escreve o CELI em um comunicado intitulado ‘Reencontro’ -. Apesar do calendário reduzido, haverá tempo para traçar rumos para o futuro. Um dos temas que tem ganhado importância, também por conta da pandemia do coronavírus, é a igreja digital”.

O presidente sinodal cessante, Georg Schedereitnão reaplicou. seu vice, Wolfgang Praderapresentou a sua candidatura, enquanto a tesoureira cessante Ingrid Pfrommer é candidata ao cargo de vice-presidente do Sínodo.

A quarta sessão do XXII Sínodo, realizada no final de abril de 2019, abordou o tema “Fé e ação”, um programa sinodal no qual o CELI quis aprofundar os temas de ecologia, sustentabilidade e migração e empreendeu uma ação orientada para o futuro e inspirados pela fé. A primeira sessão do XXIII Sínodo estava originalmente marcada para 30 de abril a 3 de maio em Castellamare di Stabia/ Nápoles, mas foi cancelada devido a medidas para limitar a pandemia. Esta sessão terá lugar em Roma na Casa La Salle, em instalações que permitem uma distância superior a um metro; os participantes estarão equipados com máscaras FP2.


A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, “é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa”. Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).


www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, nesta manhã, domingo, 10 de abril de 2022 - Em março, em nossa nota mensal sobre o caminho para a unidade dos cristãos, destacamos como a guerra na Ucrânia representa um retrocesso dramático para o movimento ecumênico, já que as várias igrejas às vezes têm avaliações diametralmente opostas. Ele se expressou em termos semelhantes no jornal A República de 21 de março, o fundador da comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi: “Com esta guerra, o ecumenismo entre as Igrejas, que já atravessa um inverno, fica ainda mais ferido e desmentido»”. “O que já não pensávamos ser possível para os cristãos – escreve Bianchi – aconteceu: uma guerra foi sagrada e a religião foi invocada como justificativa para o conflito. Em frentes opostas, as Igrejas sucumbiram à tentação do nacionalismo e quando religião e nacionalismo se cruzam, a mistura é explosiva”. Hoje continuamos no mesmo tema, citando algumas das recentes posições assumidas pelas igrejas sobre o conflito. A primeira é positiva: é a declaração conjunta do Conselho das Conferências Episcopais (Católicas) da Europa (CCEE) e da Conferência das Igrejas Europeias (KEC), que inclui protestantes, anglicanos e ortodoxos (mas não os russos ortodoxos, que suspenderam sua participação por anos). “A religião – lê-se no texto – não pode ser usada como meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. O segundo texto é mais problemático: é a Declaração da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE). Embora com aspectos muito equilibrados, este documento inclina-se para a questão do fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando: "Reconhecemos as decisões que os Estados tomaram para oferecer apoio à Ucrânia através do fornecimento de equipamento defensivo"; o que quase soa como uma inoportuna "bênção protestante" do trabalho dos governos ocidentais. Nestes dias, um grupo de evangélicos italianos está lançando um apelo pedindo ao CPCE que reconsidere esta posição. Por fim, acaba de ser divulgado um dossiê muito útil, porque compara as diferentes posições que existem, dentro das igrejas, justamente sobre a questão de saber se é ou não apropriado fornecer armas à Ucrânia. Publicado por Com Nuovi Tempi e editado pelo prof. Fulvio Ferrario da Faculdade Valdense, o dossiê “Guerra, paz, justiça”, como explica o curador, “visa ajudar aqueles que buscam o mandamento de Deus rezando e pensando; quer estimular quem não se contenta com citações bíblicas usadas como chave de fenda para atingir quem pensa diferente, mas sabe que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer acompanhar quem se sente ensurdecido pela sloganmas sente sua vontade chantagista e pretende resistir a ela". ...

Ler artigo
Igreja e estado na Irlanda.  Um evento de Consciência e Liberdade

Igreja e estado na Irlanda. Um evento de Consciência e Liberdade

Detalhe da capa do livro de Tiziano Rimoldi sobre Igreja e Estado na Irlanda Roma (NEV), 7 de junho de 2023 – Um compromisso a marcar na agenda de quarta-feira, 14 de junho, em Roma. “Estado e Igreja na Irlanda. 1914-2014” é o título do livro de Tiziano RimoldiProfessor de disciplinas históricas e jurídicas na Faculdade Adventista de Teologia. O volume, publicado por il Mulino, será apresentado nesta ocasião com diversas intervenções, entre as quais a de Paulo Naso. Moderado David RomanoDiretora da revista Consciência e Liberdade, com a qual colabora este evento organizado. A conferência acontece por iniciativa do senador Simão Malpezzi das 9h30 às 13h no Salão do Instituto de Santa Maria in Aquiro na Piazza Capranica. Abaixo está o programa. SAUDAÇÕES Sen. Simão Malpezzi Exmo. Federico Gianassi ELES INTERVEM prof. Marcos Ventura Professor de Direito Eclesiástico e Canônico na Universidade de Siena prof. Pasquale Annicchino Pesquisador de Direito Eclesiástico e Canônico na Universidade de Foggia prof. Paulo Naso Professor de Ciência Política na Universidade “Sapienza” de Roma prof. Francesco Margiotta Broglio Professor Emérito de Relações Igreja-Estado na Universidade de Florença prof. Francisco Alcino Professor de Direito Público e Religiões Na Universidade LUM Giuseppe Degennaro Prof. Maria d'Arienzo Professor de Direito Eclesiástico, Direito Canônico e Direitos Confessionais na Universidade de Nápoles "Federico II" Tiziano Rimoldi Professor de história e direito na Faculdade Adventista de Teologia As atas da conferência serão transmitidas ao vivo no link webtv.senato.it e no canal do YouTube do Senado italiano. O acesso à sala – com vestuário adequado e, para os homens, obrigatório paletó e gravata – é permitido até à lotação máxima. Jornalistas e convidados devem se credenciar escrevendo para: [email protected] Consciência e Liberdade Órgão de imprensa da Associação Internacional de Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), Consciência e Liberdade está presente na Itália desde 1978. A revista cultural trata de tematizar e promover a liberdade religiosa, a liberdade de consciência e os direitos humanos fundamentais e das minorias. Reconhecida como revista categoria A (seção 12 "Revistas científicas com cunho legal") no catálogo da ANVUR. O pressuposto acalentado pela revista é que somente em democracias abertas, liberais, em regime de pluralismo e com instituições civis seculares é possível que todos os credos e todas as sensibilidades culturais participem do debate público sem qualquer abuso ou compressão de direitos. ...

Ler artigo
Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice. “A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros? São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados. Três só nos últimos dias. Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava. O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer. Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento. Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro. Então ele confessou o assassinato. Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela. Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la. Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la. Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl. São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”. Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência. Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”. É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri. A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso. Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações. Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis. A pandemia até agravou esse processo. “Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais. De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa. As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência. Ainda que durante algumas décadas as mulheres - individualmente e em conjunto - tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio. Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva. Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço. Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor. Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa. Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes. O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez: “Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”. AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith: AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.