Serviço público, voluntários AAA procurados

Serviço público, voluntários AAA procurados

Foto do site da Diaconia Valdense – Culto jovem

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – Dois cargos públicos em Roma, como parte do Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. Você tem até 10 de fevereiro para se inscrever.

O projeto tem como título específico “Este é o caminho”, o código é: PTXSU0019022010895NXX, o código do site: 178966.

A iniciativa é uma das muitas atividades planejadas e implementadas graças à Diaconia Valdense, que disponibiliza um total de 61 vagas em toda a Itália:

A Diaconia também ativou recentemente um serviço de helpdesk, tanto presencial quanto remotamente (online via zoom ou google meet) para quem precisa de ajuda no preenchimento do requerimento.

Para saber mais:

Aqui estão duas “visões da fronteira” escritas por voluntários do serviço público atualmente envolvidos nas atividades do MS:

A primeira vista de Lampedusa

Os Nakibs, uma família

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Luterano.  Continuidade, mudança, futuro.  E misericórdia

Sínodo Luterano. Continuidade, mudança, futuro. E misericórdia

Wolfgang Prader, foto de arquivo - CELI Roma (NEV/CELI), 24 de março de 2021 – A 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será realizada de 29 de abril a 1º de maio. O título desta sessão, que decorrerá online, é: “Continuidade, mudança, futuro – A Misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Continuidade, mudança, futuro “Sede, tornai-vos misericordiosos, como vosso Pai é misericordioso”. Misericórdia é a palavra do ano de 2021 e a misericórdia está no centro da 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Os trabalhos do Sínodo decorrerão sob o tema “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". “Ainda há muita incerteza sobre o futuro nesta difícil situação ligada à pandemia.”, diz o reitor do CELI, Heiner Bludau, explicando a escolha do tema. “Isso também se aplica à nossa igreja. A reflexão sobre esta situação será uma parte importante da agenda do nosso Sínodo. Devemos nos perguntar que contribuição podemos dar, neste momento, para a sociedade como um todo. A igreja, porém, reitera o reitor, não deve ser considerada apenas uma instituição social. “É a comunidade daqueles que acreditam no Deus trino”. O Sínodo on-line O presidente do Sínodo, Wolfgang Prader e seu vice Ingrid Pfrommer, juntamente com o Consistório do CELI, para proteger a segurança de todos os participantes, decidiram realizar o Sínodo online em vez de presencial. Portanto, faltará um dos aspectos importantes de um Sínodo. Em outras palavras, a possibilidade de encontro, de troca recíproca. No entanto, o Sínodo estará acessível online e de casa pela primeira vez. Não apenas a todos os membros do CELI, espalhados em 15 comunidades em toda a Itália, desde o Passo do Brenner até a Sicília, mas também a todos os interessados ​​que se inscreverem (para registrar-se em www.chiesaluterana.it). “A pandemia está determinando os preparativos para o Sínodo deste ano”, sublinha Prader. Todas as possibilidades técnicas devem ser exploradas, as plataformas disponíveis devem ser examinadas e testadas para poder garantir aos sinodais um andamento regular dos trabalhos, em conformidade com o Estatuto. “Espero que possamos discutir os temas mais importantes e urgentes de forma intensa, mesmo que online, para que possamos tomar boas decisões e olhar para o futuro.” O convidado de honra, Martin Junge O convidado de honra da segunda sessão do XXIII Sínodo, na sexta-feira, 30 de abril, será o secretário geral da Federação Luterana Mundial, pároco Martin Junge. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera importantes impulsos de seu relatório. Assim como pelos seis grupos de trabalho que serão realizados no segundo dia do Sínodo, também na sexta-feira, 30 de abril. São eles os temas: gênero; digitalização; jovem; ambiente; as consequências da pandemia e a diaconia. Há apenas seis meses, de 9 a 11 de outubro de 2020, aconteceu em Roma a 1ª Sessão do XXIII Sínodo (embora com vários meses de atraso devido à Covid). Esta sessão elegeu o novo Presidium Sinodal com Wolfgang Prader como presidente e Ingrid Pfrommer como vice-presidente. Leia o press release completo no site do CELI. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, "é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa". Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner ...

Ler artigo
Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Photo Agensir Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 – Morreu ontem à noite em Mestre Maria Vingianifundador da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), justamente às vésperas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). O teólogo valdense Paulo rico lembre-se assim. “Maria Vingiani é sem dúvida a principal arquiteta do ecumenismo na Itália. Não há ninguém, nem homem nem mulher, que tenha contribuído tanto quanto ela para o nascimento do ecumenismo. Foi ela quem o concebeu, exatamente como quem concebe um filho, deseja-o, dá à luz, cria-o com amor, paciência e também com uma carga de amor única, excepcional, particular, como a de Maria Vingiani. Você tem sido um professor de ecumenismo, não só para a Igreja Católica, pelo que a Igreja Católica conseguiu assumir do ideal ecumênico. Mas, uma característica que me parece muito singular, mais única do que rara, é que foste mestre de ecumenismo não só, como disse, na Igreja Católica, mas também na Igreja Evangélica. Se devo dizer quem mais contribuiu para minha formação ecumênica, devo mencionar, por um lado, a experiência fundamental e inesquecível do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em cuja comissão tive o privilégio de trabalhar por cerca de quinze anos , mas então ela. Considero Maria Vingiani minha mestra de ecumenismo. É ela quem me ajudou a vencer minhas resistências, porque todos inevitavelmente carregamos resistências conosco. Por isso tenho para com ele, também pessoalmente, uma grande e inesquecível gratidão”. o pastor batista Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), acrescenta: “Somos gratos ao Senhor pela longa vida e compromisso ecumênico de Maria Vingiani. Maria nos ensinou muitas coisas: entre elas, que o ecumenismo exige um grande respeito pela identidade de todos os interlocutores e, para respeitar-se, é preciso conhecer-se de maneira não superficial; que está enraizado no diálogo entre as igrejas e o judaísmo, que é a nossa raiz; que o ecumenismo não pode ser explorado por nenhuma estrutura eclesiástica. Para isso ele queria fundar um movimento de 'leigos' no qual nenhuma igreja pudesse colocar seu 'chapéu'. Ainda hoje, numa Itália que ainda luta para se abrir ao diálogo ecuménico, a SAE, sobretudo com as suas formações ecuménicas (já na sua 56. países onde o diálogo ecumênico está muito mais avançado do que na Itália". Maria Vingiani (1921-2020), veneziano, de família meridional, cresceu em Veneza na pluralidade de Igrejas cristãs: ortodoxa grega, valdense, metodista, luterana, anglicana atuante no perímetro do centro histórico da cidade lagunar. A divisão entre católicos e protestantes foi o tema de sua tese de graduação, discutida na Universidade de Pádua em 1947. No pós-guerra envolveu-se na política, tornando-se assessora das Belas-Artes; foi nesses anos que seu compromisso com o ecumenismo encontrou apoio e força no encontro com o então patriarca Roncalli, futuro Papa João XXIII. Com o Concílio Vaticano II, Vingiani mudou-se para Roma e dedicou-se a tempo inteiro à sua 'paixão' pelo ecumenismo, fundando a SAE no início de 1963. Maria Vingiani presidiu a SAE até 1996. ...

Ler artigo
desafios e riscos, entre fé e ecologia

desafios e riscos, entre fé e ecologia

Foto NEV/er Roma (NEV), 20 de junho de 2022 – Recebemos e publicamos o relatório completo da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) que participou da 14ª Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Ambiente (ECEN ). A Assembleia, intitulada “Os desafios que vivemos”, decorreu de 13 a 15 de junho. Entre os principais temas que surgiram estavam o risco de ecocídio e teocídio; a necessidade de transformação em todos os níveis, espiritual e prático; o desejo de esperança e reconciliação; justiça climática. Abaixo, a reportagem do GLAM. O contexto A European Christian Environmental Network (ECEN) é uma rede que trabalha em estreita colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), bem como com o Conselho das Conferências Episcopais Católicas Romanas na Europa (CCEE). A ECEN costuma organizar uma Assembleia Internacional a cada dois anos. As Assembléias ECEN fornecem uma ampla plataforma ecumênica para cooperação e compartilhamento entre representantes das igrejas anglicana, ortodoxa, protestante e católica romana. A última Assembleia foi realizada em junho de 2021 em formato online e a anterior foi realizada em 2018 em Katowice, pouco antes da COP24 em que pela primeira vez Greta Thunberg falou em um escritório da ONU. Os fatores contextuais incluem as diferentes formas como a espécie humana continua a afetar o equilíbrio vital do planeta (incluindo a proliferação de guerras e sua crescente violência nos ecossistemas) e os efeitos em termos de poluição e mudanças climáticas. Comprometem-se tanto as temperaturas como o ciclo da água (e com ele a hidrelétrica) e a biodiversidade terrestre e marinha. Face aos compromissos que a ONU tenta arrancar aos Governos durante as Conferências das partes para as alterações climáticas, a mesma Europa que quer ser ambiciosa (o European Green Deal e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050) ainda considera as renováveis ​​como uma diversificação e não uma linha prioritária, mantendo uma dependência energética que corre o risco de passar para terras raras de combustíveis fósseis. A avaliação dos resultados alcançados pelos esforços dos governos a nível global para reduzir as emissões de CO2 6 anos após a assinatura do histórico acordo de Paris (COP21 2015, que entrou em vigor em 2016) e os novos dados científicos na avaliação do os progressos das alterações climáticas, apresentados no âmbito do 6.º Relatório de Avaliação do IPCC, são motivos de crescente preocupação. Nesta situação, o networking e a troca de experiências estão se tornando mais importantes do que nunca. A montagem Os objetivos da Assembleia ECEN definidos no convite foram: Oferecer um espaço de compartilhamento e intercâmbio de ações ambientais em igrejas na Europa e no mundo, e intensificar o trabalho das igrejas na Europa e a cooperação com parceiros, com atenção especial às preocupações dos jovens. Enfatizar a dimensão ética, espiritual e teológica do compromisso ambiental das igrejas. Destaque os esforços das Igrejas para uma ação global coordenada sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável e apoie o tema do desenvolvimento sustentável e justiça ecológica na Assembleia do CMI 2022 agendada para setembro em Karlsruhe, Alemanha. Fornecer às igrejas orientação e apoio em seu trabalho ambiental e desenvolver sua capacidade de trabalhar em rede, cooperar e agir em conjunto. As intervenções Na sessão teológica introdutória, o arcebispo luterano sueco Karl Gustav Hammar (1943) expressou a urgência da mudança e o anúncio da esperança a partir de Romanos 12 e Filipenses 2. Devemos viver na tensão produzida por estar no mundo de forma crítica, não porque estejamos menos expostos ao pecado, mas pela fé , procurando fazer a vontade de Deus, para dar sinais do reino. Devemos deixar-nos guiar pela humildade, feita de justiça e simplicidade, para mudar o exterior. A teologia deve ser transformadora, kenótica (do grego kenosisesvaziamento), ecológico. Guiados pela fé, a teologia e a experiência nos dizem que é necessário um novo sistema econômico para superar o consumismo, a legitimação da posse baseada no ego, na propriedade e na violência. Rute Valério (da Zâmbia, para a Tearfund – uma agência cristã internacional de assistência e desenvolvimento com sede no Reino Unido) enfatizou que a transformação requer cooperação. Além disso, ele falou sobre o papel da impaciência na vida cristã. É tempo de enfrentar os desafios com a oração, a ação, o testemunho da esperança. Desafios que não são enfrentados com as mesmas ferramentas em diferentes contextos. E isso, segundo Valerio, produz injustiça climática. No debate, foi mencionado o tema do ecocídio, que está destruindo a resiliência da criação (David Colemann, Escócia). Fala-se também em “teocídio”, considerando que o espírito do mundo vem de Deus, é seu sopro; a extinção foi chamada de blasfêmia. Mais do que a sessão com deputados do Parlamento Europeu e com o diretor de A Rocha (1983, rede internacional de organizações ambientais de origem cultural cristã), a oportunidade de continuar a refletir sobre os fundamentos da nossa fé foi durante o dedicado painel no 11º Assembleia do Conselho Ecumênico (Karlsruhe, 31 de agosto – 8 de setembro). Durante esta sessão, de facto, emergiram os temas, em particular, da interpretação antropocêntrica das Escrituras, da fronteira entre o humano e o não-humano, do uso de mordomia em vez de parcerias e suas consequências. Em Karlsruhe, a Assembleia do Concílio Ecumênico deu a si mesma uma indicação cristológica (o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade). Presume-se que o foco no amor, na compaixão, na reconciliação, na cura e na unidade, no contexto de uma emergência de saúde global e de uma guerra multiterritorial, marcará seus documentos na história do Concílio Ecumênico. Foi dada especial atenção ao envolvimento dos jovens e às suas preocupações específicas relacionadas com o cuidado de um futuro sustentável. A estreita colaboração com o Conselho Ecumênico da Juventude da Europa e com a Federação Mundial de Estudantes Cristãos/Movimento Estudantil Cristão – Europa, foi parte essencial do processo. Além disso, durante a Assembleia, foram apresentados os materiais para o Tempo da Criação e as iniciativas do movimento sueco www.walkforfuture.se, criado para organizar a peregrinação de 103 dias rumo à COP26. Por fim, surgiu a preocupação com o futuro do ECEN, em particular no que diz respeito à decisão do CEC de alterar as suas relações organizacionais e financeiras, e de cooperar de diversas formas com as redes que gravitam para ele (ECEN, Rede de Ação da Igreja no Trabalho e na Vida ( CALL) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). Os relatórios para a Assembleia estarão disponíveis em www.ecen.org Para saber mais Abaixo alguns links compartilhados no chat da Assembleia https://www.spiegel.de/wissenschaft/abstimmung-im-eu-parlament-vorschlag-zur-taxonomie-faellt-ueberraschend-durch-a-681ff121-6322-43eb-9379-34461966ffe2https://casa-comun-2022.de/ ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.