Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Roma (NEV), 1º de abril de 2020 – “O aniversário da semana dos direitos este ano infelizmente não pode ocorrer da mesma forma como sempre, mas ainda podemos continuar no caminho de afirmar a lei e a justiça em todos os lugares deste planeta , que percebemos que estamos cada vez mais interligados”. A notícia foi anunciada pelo Departamento de Evangelização da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI), que publicou ontem o programa com todas as iniciativas previstas para a Semana dos Direitos 2020, e que obviamente será realizada online, devido às restrições impostas para combater o coronavírus.

Para celebrar estes dias, os batistas decidiram criar “uma sala virtual no link meet.jit.si/liberacidalmale onde podemos nos encontrar, ler, rezar, compartilhar testemunhos e, acima de tudo, ouvir quem está sozinho ou simplesmente procurando um pouco de companhia”.

“O lema norteador que já havíamos escolhido há muitos meses para esta semana – lê-se no site da UCEBI – é “O Senhor me enviou para anunciar a libertação aos prisioneiros”, claramente inspirado no versículo de Lucas 4:8. Um verso em que Jesus define a sua missão e a sua própria identidade com as palavras do profeta Isaías”.

Assim, a partir de ontem, 31 de março, e até sábado, 4 de abril, será garantida uma escuta pastoral das 16h às 18h.

No mesmo dia, no aniversário da morte do pastor batista Martin Luther Kinga UCEBI publicará um vídeo que reproduz algumas frases retiradas da sua famosa carta escrita na prisão de Birmingham.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sobre amores protestantes – Nev

Sobre amores protestantes – Nev

Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2020 – “Ao meu amável senhor”, escreveu a ela. Ele fora frade, ela freira, antes de casar. Estamos nas primeiras décadas de 1500 e a igualdade de gênero ainda estava por vir. E apenas em 14 de fevereiro de 1546, quatro dias antes de morrer, Martinho Lutero dirigido a sua esposa, Katharina von Bora, uma ex-freira cisterciense educada com quem se casou em 1525, a última de uma longa série de cartas. Restam 21 e a correspondência virou livro, editado por Reinhard Dithmar, editado por Claudiana. A primeira dessas cartas de Lutero para sua esposa data de 4 de outubro de 1529 e começa com o relato das conversações de Marburg. O livro com as cartas entre os dois reformadores, resenhadas entre outras coisas pelo escritor e jornalista Natália Aspesi, mostra um Lutero íntimo e privado e apresenta a relação entre um marido e uma esposa muito amada e estimada, inclusive no campo teológico. Um ano depois, em 1547, outra figura feminina de primeira importância para o protestantismo morreu em Roma, Vitória Colonna, marquesa de Pescara, pertencente à mais famosa e controversa corrente de reforma em curso na Cúria Romana. Segundo muitos estudiosos, Vittoria Colonna, poetisa e nobre, teria influenciado a religiosidade e o processo criativo de Michelangelo na década de 1540. A Pietà de Vittoria Colonna, desenho a giz sobre papel de Michelangelo Buonarroti, datável de cerca de 1546 e preservado no Museu Isabella Stewart Gardner em Boston Entre a mulher, uma das figuras mais influentes do evangelismo italiano, e o artista, houve também por muitos anos uma estreita correspondência epistolar, outras cartas, portanto, das quais duas cartas de Michelangelo e cinco da marquesa permanecem até hoje. “Um homem em uma mulher, de fato um deus“isso Michelangelo viu nela, como escreveu em suas rimas. Também neste caso, subverter a identidade de gênero, subverter masculino e feminino, para atribuir respeito, honra e estima a uma mulher que não representa o amor romântico, mas sim uma referência espiritual, intelectual e cultural. Provavelmente haveria muito mais "histórias" de diferentes "amores" a serem celebradas hoje, 14 de fevereiro. Para redescobrir, em vez ou antes dos chocolates, também o sentido primitivo de uma festa que deriva da lupercali, antigos ritos pagãos dedicados ao deus da fertilidade Luperco. Em sua homenagem, explica Treccani, as comemorações foram realizadas no dia 15 de fevereiro festas lupercais de purificação: primeiro as cabras e um cachorro foram imolados, depois dois jovens Luperci, com as testas molhadas com o sangue das cabras e vestidos com as peles dos animais sacrificados, correram pelo Monte Palatino atingindo as mulheres com tiras do mesmo pele. Era então o Dia dos Namorados: dias ligados à natureza, ao despertar da primavera, aos ritos de fertilidade dos campos e das pessoas. [BB] ...

Ler artigo
O desaparecimento de Giovanni Mottura

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O de Panzieri e seu grupo - entre eles muitos evangélicos - era um socialismo "libertário"; certamente atento ao papel da classe trabalhadora, mas não estritamente operário; “pragmática”, no sentido de vincular teoria e compromisso, método e experimentação. O cadernos vermelhos eles constituíram uma referência importante para uma geração de evangélicos que, em alguns casos, assumiriam papéis importantes na vida da Igreja Valdense. Eles também foram uma escola que posteriormente levou Giovanni a se medir contra os tumultuados fenômenos sociais da década de 1960, começando com a imigração para Turim e as lutas dos trabalhadores e dos estudantes. Fê-lo a partir de dentro, com participação militante e compromisso. Em anos que correram muito rápido, a perspectiva de mudança social e política foi muito concreta e, em um país que se polarizava, até as igrejas evangélicas foram atravessadas por debates e tensões. Foram os anos de estudo da imigração em Turim onde chegaram as "Nápoles", da colaboração com juventude evangélica e outras revistas como Investigação, uma revista que combinava compromisso político e análise social; trocas intelectuais com Vittorio Rieser e Enrico Pugliese, Maria Imaculada Macioti mas também Mario Miegge, Giorgio Bouchard e outros expoentes do protestantismo italiano. Com a atenção cautelosa, mas benevolente dos anciãos, uma nova geração de intelectuais leigos, teólogos e pastores assumiu o tema da mudança social e até mesmo da "revolução" como uma questão teológica. Revista juventude evangélicadirigido por Giorgio Bouchard primeiro e Marco Rostan mais tarde, tornou-se o centro de uma linha teológica e política para a qual Mottura também deu uma importante contribuição. A sua foi, por exemplo, uma formulação destinada a perdurar no tempo e a desencadear uma enxurrada de reações contrárias e escandalizadas: “Nós nos confessamos cristãos, nos declaramos marxistas”. Para alguns, essa fórmula reduzia a fé a uma ideologia política temporária, pregando um fundamentalismo de "esquerda" pouco compartilhado na base das igrejas. Na realidade, essa frase - à qual Giovanni frequentemente voltava em várias entrevistas, mesmo décadas depois - significava outra coisa. Em outras palavras, ele pretendia afirmar e reiterar a alteridade entre o nível teológico da confissão de fé e o nível histórico e político da declaração política; não invocou a síntese, mas, ao contrário, enfatizou uma distinção tipicamente barthiana entre o nível absoluto da revelação cristã e o nível relativo e contingente da opção política e ideológica. Os vestígios dessa época permanecem num volume de Gabriel De Ceccocom prefácio de Giovanni, publicado pela Claudiana em 2011, e uma longa entrevista em vídeo produzido pela Sérgio Veludo intitulado “Aqueles que fizeram isso”. Nos anos seguintes, sua carreira acadêmica, enriquecida por estudos e viagens aos Estados Unidos, trouxe Giovanni de Portici para a escola de sociologia agrícola em Manlio Rossi Doria, onde produziu importantes estudos sobre a agricultura meridional. Na Universidade de Modena e Reggio, onde concluiu a sua carreira académica, Giovanni foi dos primeiros a lidar com os imigrantes e, em particular, com as parcelas do mercado de trabalho que abrangem: funcionais à produção mas rejeitadas a nível social. Não poucas vezes Giovanni colocou suas habilidades à disposição das igrejas evangélicas: isso aconteceu nos anos de intervenção da Federação das igrejas evangélicas na Itália (FCEI) após o terremoto de Irpinia, quando uma frutífera reflexão sobre o Sul e o novo desafios que colocou; mais recentemente em várias conferências da FCEI sobre imigração, a última na Calábria - em Rosarno - em outubro de 2019. Na ocasião, as igrejas evangélicas lançaram um projeto de trabalho original para combater a contratação ilegal, apoiar a economia ecológica e legal, restaurar as condições sociais e habitacionais dignidade aos migrantes engajados na cadeia agrícola. João estava lá. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

Foto de Bruno van der Kraan Roma (NEV), 29 de março de 2021 – Domingo de Páscoa, 4 de abril, de 10 a 11, o culto evangélico de Páscoa será realizado na Rai 2 no Eurovision, transmitido pela Igreja Evangélica Batista de Grosseto. “Que pensamentos devem ter acompanhado as mulheres na madrugada daquela manhã, enquanto se dirigiam ao túmulo de Jesus? Por que os onze discípulos estão céticos sobre a notícia da ressurreição, relatada a eles pelas mulheres? Da história que os dois discípulos de Emaús contam ao andarilho desconhecido - que mais tarde se tornará o Ressuscitado - a resignação, o desespero, a incompreensão emergem no trágico fim de um sonho... Os personagens desta história voltam à vida num contexto sugestivo que reconstitui, em estilo narrativo, as horas dramáticas que precederam e sucederam aquela madrugada de Páscoa”, lê-se na apresentação do culto. O culto será presidido pelo pároco da comunidade, além do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Luca Maria Negro. A coordenação musical será de Alberto Annarilli E Francesco Iannitti, do Ministério de Música da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI). na flauta Jana Hildebrandtvioloncelo Michael Lanzinipiano Francesco Iannitti Piromallosoprano Silvia Striatocontralto Amanda Ferritenor Matteo Bagnibarítono Gabriel Spina. Lá fora, elementos da associação musical Luigi vão cantar Antonio Sabatini de Albano Laziale e do coro Voz da Graça de Ariccia, dirigido por Alberto Annarilli. na percussão Mateus Martizzi. Edição editada pelo programa de televisão "Protestantesimo-Raidue". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.