16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho “16 dias contra a violência” editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui.


DIA 14: 8 DE DEZEMBRO

Aproveite em nome de Jesus


SOLICITAR
discutir


Por que tanto desprezo e
exploração das mulheres pelos religiosos cristãos?


Gabriela65 anos, Bolívia

Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons.

Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a “orações” exaustivas e autoflagelação.
Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja.

Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante.

Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de “tráfico de pessoas, exploração e escravização” perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data.


proposta de visão

MADALENA

dirigido por Peter Mullan

Reino Unido, 2002, 114′

Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60.


Bibliografia

A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.

Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.

Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.

Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz – minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.

Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.

Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.

Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.

Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros.


VERSÍCULO BÍBLICO

Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9)

COMENTE

A ordem de Jesus “ide e pregai o evangelho a toda criatura” se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O “serviço” realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!
Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência.


ORAÇÃO

Em nome de Jesus Cristo,
nós te pedimos Senhor
para nos apoiar e acompanhar
no trabalho que você nos confiou.
Faça-nos dignos de ser seu
filhas capazes da luz
para espalhar a sua verdade para o mundo
mensagem de amor, justiça e verdade.
Amém.


A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol).

Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade.

A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma.


“16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tempo de criação.  O compromisso de cuidar da “casa comum”

Tempo de criação. O compromisso de cuidar da “casa comum”

foto de Francesco Gallarotti, unsplash Roma (NEV), 26 de agosto de 2021 – OOikosdo grego "casa", mas também "família" no sentido de todas as pessoas que compartilham uma casa comum, no centro da declaração conjunta do Cardeal Ângelo BagnascoPresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), e do pároco Christian Krieger, Presidente da Conferência das Igrejas Europeias (CEC), por ocasião do Tempo da Criação 2021. Segue abaixo o texto da nota ecumênica: "Meu senhor, se achei graça aos seus olhos, não passe sem parar por seu servo" (Gn 18, 3). No deserto, estando Abraão sentado à entrada da sua tenda na hora mais quente do dia, mostrou-se acolhedor e generoso, e a partilha de um pouco de água e um pedaço de pão revelou a promessa de Deus diante dele. cheios de fé, compreenderam que a pobreza de espírito consiste em abandonar qualquer pretensão de encontrar soluções para todos os problemas, colocando a esperança em Deus, com humildade e paciência. O sinal bíblico da tenda de Abraão foi escolhido este ano para representar o compromisso de cuidar da "casa comum", de cuidar da criação, em espírito de acolhida e diálogo. A sabedoria desta passagem bíblica ilumina o caminho e o trabalho das Igrejas cristãs na Europa, que querem revigorar o seu compromisso com o cuidado da criação, para poderem renovar ooikos de Deus, como afirma o tema escolhido para a celebração do Tempo da Criação deste ano, para que se torne a casa de todos os filhos de Deus, sem exclusões de nenhum tipo". Aqui está a versão completa da declaração conjunta. O Tempo da Criação é um período litúrgico observado em todo o mundo para refletir, rezar juntos e agir pela proteção da Criação, retomando o calendário do patriarcado ortodoxo que desde 1989 dedica o dia 1º de setembro, início do novo ano litúrgico, para este tema. Para mais informações: online no site da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), produzido para o Tempo da Criação 2021, contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente. O título escolhido para 2021 é “Corpos. Vocêsibilante, invisível, comunidade, habitada pelo Espírito". ...

Ler artigo
19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo
Campobasso.  Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Campobasso. Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Detalhe da capa da publicação sobre lugares de encontro e lugares de oração em Roma e na Província editada por Caritas-Migrantes Roma (NEV), 11 de dezembro de 2020 - Cristãos de várias confissões (protestantes, católicos, ortodoxos), muçulmanos e representantes do Instituto Budista Italiano Soka Gakkai montaram uma mesa inter-religiosa em Campobasso. A própria Mesa deu-o a conhecer num comunicado divulgado hoje, destacando uma palavra comum para enfrentar a crise pós-covid: “juntos”. As comunidades de fé presentes em Campobasso “decidiram reunir-se em permanente discussão e mesa de apoio para testemunhar publicamente que uma nova forma de comunidade é possível e necessária”, lê-se na nota. “Esta é a era do necessário mascaramento de rostos e do distanciamento mútuo de segurança, é a hora do medo de estar muito perto, é a hora das exclusões sociais, é a hora dos fechamentos e da comunicação sem o corpo, da comunicação quase apenas telemática. . Neste tempo queremos afirmar juntos, nas nossas especificidades mútuas, que este é também o tempo de preparação para o futuro”, prosseguem os representantes religiosos. A Mesa Inter-religiosa pretende colaborar na criação de um sentido de comunidade e cidadania: "As religiões que representamos em Campobasso não se furtarão à responsabilidade da reconstrução social", escrevem novamente, sublinhando a sua vontade e compromisso de intervir contra o racismo, a exclusão, a violência , medo e ignorância. Leia o comunicado de imprensa completo em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.