16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho “16 dias contra a violência” editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui.


DIA 14: 8 DE DEZEMBRO

Aproveite em nome de Jesus


SOLICITAR
discutir


Por que tanto desprezo e
exploração das mulheres pelos religiosos cristãos?


Gabriela65 anos, Bolívia

Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons.

Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a “orações” exaustivas e autoflagelação.
Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja.

Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante.

Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de “tráfico de pessoas, exploração e escravização” perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data.


proposta de visão

MADALENA

dirigido por Peter Mullan

Reino Unido, 2002, 114′

Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60.


Bibliografia

A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.

Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.

Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.

Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz – minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.

Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.

Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.

Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.

Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros.


VERSÍCULO BÍBLICO

Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9)

COMENTE

A ordem de Jesus “ide e pregai o evangelho a toda criatura” se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O “serviço” realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!
Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência.


ORAÇÃO

Em nome de Jesus Cristo,
nós te pedimos Senhor
para nos apoiar e acompanhar
no trabalho que você nos confiou.
Faça-nos dignos de ser seu
filhas capazes da luz
para espalhar a sua verdade para o mundo
mensagem de amor, justiça e verdade.
Amém.


A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol).

Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade.

A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma.


“16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Luterano.  Na sexta-feira, 28 de abril, o início em Catania

Sínodo Luterano. Na sexta-feira, 28 de abril, o início em Catania

Roma (NEV/CS10), 26 de abril de 2023 – A 4ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa em Catania em 28 de abril. A hashtag para o Sínodo Luterano 2023 é #siamosale e retoma o versículo bíblico que acompanha esta sessão sinodal, retirado do Evangelho de Mateus: “Vós sois o sal da terra”. Entre os temas da agenda: diaconia, mulher, meio ambiente, solidariedade, compromisso eclesial. Fundado em outubro de 1949, o CELI é um caso único no âmbito das congregações luteranas fora da Alemanha. Independente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), o CELI reúne 15 comunidades na Itália. Comunidades que surgiram nos séculos passados: desde a mais antiga, Veneza, nascida em 1650, até Turim em 2006. A Comunidade Siciliana, que reúne as realidades de Messina, Taormina, Catania, Siracusa, Vittoria e Palermo, foi estabelecida como uma realidade autônoma desde 1996. A Igreja Luterana está entre os membros fundadores da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O Sínodo do CELI depois de mais de 15 anos se reúne novamente na Sicília. Composto por mais de 60 delegados, representantes das quinze comunidades luteranas espalhadas por toda a Itália, entre pastores e pastoras em serviço, o Sínodo Luterano é a assembleia democrática e participativa encarregada de governar o CELI. Além dos outros representantes do mundo protestante na Itália, são convidados para o Sínodo representantes da Conferência Episcopal Italiana (CEI) e representantes de instituições nacionais, regionais e locais. Destacamos, em particular, a participação do Bispo Michael Chalupkachefe e representante da Igreja Evangélica Austríaca, da qual você pode encontrar aqui uma extensa entrevista contendo alguns dos temas que Chalupka trará à atenção do Sínodo. O início oficial está previsto com o Culto de abertura, às 16h no hotel Nettuno na Viale Ruggero di Lauria, 121 em Catânia. O trabalho continua com os relatórios do Presidente do Sínodo, os Relatórios do Consistório e o Relatório do Reitor, pároco Carsten Gerdes. Sábado, 29 de abril, começam as discussões, a partir dos relatórios, entre outros, das várias Comissões e redes de diaconia e ecologia. À tarde e no domingo pela manhã, moções e orçamento. Haverá também intervenções e saudações de convidados internacionais e locais. Os trabalhos serão encerrados oficialmente com o culto na segunda-feira, 1º de maio, às 10h, na igreja valdense de Catania, na via Naumachia, 20. Este ano é possível acompanhar as atualizações do Sínodo Luterano, de 28 de abril a 1º de maio, diretamente no site do CELI, nesta página. Para mais informações: FACTSHEET. A Igreja Evangélica Luterana na Itália - Nev ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, a campanha de comunicação de 2 de maio

Otto per mille Waldensian, a campanha de comunicação de 2 de maio

Roma (NEV), 22 de abril de 2022 – Pessoas, as "pessoas comuns", no centro da campanha de comunicação de 2022 do Otto per mille Waldensian, que começará na segunda-feira, 2 de maio, na TV, no rádio, nos cartazes de muitas cidades italianas e na web. “No último ano – declara Manuela Vinay, chefe do escritório Otto per mille - prestamos mais atenção aos comentários recebidos 22nas mídias sociais e percebemos que as pessoas, os contribuintes italianos, tinham muito a dizer sobre nós. Então resolvemos dar a palavra a eles e foi lindo principalmente porque são pessoas comuns, não atores. Nunca deixa de me surpreender que as pessoas pensem tanto de nós. É lindo também porque somos todos iguais mas diferentes e diferentes e é no campo dos direitos, da inclusão, da defesa dos mais fracos, na luta contra a discriminação, nos valores universais que nos encontramos lado a lado”. Aqui estão algumas fotos dos bastidores durante as filmagens: ...

Ler artigo
Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Roma (NEV), 22 de março de 2022 – O Comitê Conjunto das Igrejas Católicas e Protestantes da Europa emitiu uma declaração hoje. É um grupo de trabalho que reúne a Conferência das Igrejas da Europa (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Apelando aos dirigentes das nações e à comunidade internacional, as entidades religiosas pedem que se façam todos os possíveis para pôr fim à guerra em curso “que está a destruir vidas e a causar sofrimentos indescritíveis”. A declaração foi redigida na reunião de 21 de março em Bratislava, Eslováquia. “O coração da fé cristã é a paz e a reconciliação, exemplificadas na vida de Jesus Cristo – reafirmam os signatários, citando a encíclica papal 'Fratelli Tutti' -. Jesus Cristo nunca convidou a fomentar a violência ou a intolerância. Ele mesmo condenou abertamente o uso da força para se impor aos outros”. A religião, escrevem ainda as duas entidades, “não pode servir de meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. A Comissão Mista agradeceu às Igrejas e ONGs envolvidas nas zonas fronteiriças e de conflito, junto com as autoridades de seus respectivos países, no acolhimento dos que fogem da guerra. “Continuemos a rezar pelo dom da paz. Convidamos todos os cristãos a unirem-se a nós em oração, fortalecendo seus esforços para afirmar o valor da vida e promover ativamente a reconciliação”. A reunião de Bratislava também foi uma oportunidade para discutir o compromisso das Igrejas europeias pela paz na Ucrânia, o estreitamento das relações entre as duas organizações e o atual processo sinodal da Igreja Católica. Entre os representantes do CEC estavam o presidente, pastor Christian Krieger. O vice-presidente, pároco Guli Francis-Dehqani. ainda é Valerie Duval-Poujol. Leah Schlenker. O arquimandrita Ignatios Sotiriadis. O Metropolita Joseph da Europa Ocidental e Meridional da Igreja Ortodoxa Romena. O secretário-geral Jørgen Skov Sørensen. O Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico Katerina Pekridou. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.