300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

Roma (NEV/fondazionevaldese), 15 de julho de 2021 – 300 anos se passaram (1721-2021) desde a morte de uma das figuras lendárias da história valdense: Henri Arnaudcoronel e pastor daqueles valdenses que em 1689, com uma façanha que ficou épica, regressaram da Suíça aos seus vales, após dois anos de exílio forçado, para readquirir o direito de aí viver mantendo a sua confissão religiosa diferente da do seu duque ( os valdenses ontem como hoje são protestantes de afiliação reformada).

Para celebrar esta importante data podemos falar do homem Arnaud, nascido em Embrun a 15 de julho de 1643 e falecido em Schönenberg a 8 de setembro de 1721, situá-lo no seu tempo, falar das suas vitórias e derrotas, das suas ideias, das suas escolhas; e podemos falar dele descrevendo como sua figura foi narrada e mostrada através das imagens e gravuras que foram produzidas ao longo dos séculos. Uma espécie de viagem na criação da história que sobre ele, e sobre os valdenses, foi feita por aqueles que nestes três séculos contaram esta minoria protestante na Itália, adaptando-a à sua própria época: de historiadores franceses a valdenses, de ilustradores ingleses a Edmondo De Amicisdo artista Vicente Amato para o pintor Maurício Pellegrinido artista holandês Mia van Oostveen para Paulo Paschettode Umberto Stagnaro para Andrea Tridico.

Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

“A história da narração de Arnaud – diz ele David Rosso, diretor da Waldensian Cultural Center Foundation e curador da exposição sobre Arnaud que será inaugurada no dia 14 de agosto na Torre Pellice – é significativo porque nos permite proceder por pares opostos e por diferenças para encontrar os caminhos interpretativos que se desenvolveram em História valdense e européia dos anos 600-700. O primeiro par de termos que vem à mente quando se fala de Arnaud é o clássico do ‘pastor-coronel’, o homem da igreja e o homem das armas; mas depois surgem outros pares opostos muito mais interessantes nesta narrativa que avança ao longo dos séculos: por exemplo ‘fé e resistência’ ou ‘ser valdense/não ser valdense’, ou seja, pertencer à minoria em que se insere ou não pertencer a isso”.

Arnaud nasceu um “huguenote de Embrun”, então francês reformado, mas também era filho por parte de mãe de uma família italiana reformada que fugiu de Dronero por motivos religiosos. Henri, no entanto, também era “valdense” porque foi “adotado” pelo mundo dos vales valdenses onde sua família se refugiou e, a partir de certo momento, por filiação eclesiástica. Precisamente por ser primeiro francês, depois valdense, acaba refugiado na Suíça e depois definitivamente na Alemanha, onde viverá os últimos anos de sua dupla pertença. Em suma, uma vida passada nos vales e na Europa como resistente, muitas vezes como migrante por motivos religiosos ou como exilado porque lidera o seu rebanho.

Percursos interpretativos que foram percorridos na preparação do rico programa de encontros, exposições, eventos que de julho até o final do ano contarão com Henri Arnaud, “o herói da Gloriosa Repatriação” para usar a primeira imagem que muitas vezes nos é proposta dele. Eventos a serem realizados nos vales valdenses, mas também na Alemanha em Schönenberg no museu Arnaud.


PLANO

A programação começa no dia 18 de julho, às 16h30, em Perosa Argentina (TO), com a apresentação do livro “Henri Arnaud: imagens de um não valdense”, de David Rosso, e “Bandidos nos vales valdenses. Histórias do século XVII” de Lucas Perrone, editora Claudiana 2021, como parte da resenha do livro “Scritto misto”. Os autores estarão presentes.

Depois, uma série de outras consultas (clique AQUI para ver o programa completo. Ou faça o download em PDF: Arnaud página 1 – Arnaud página 2).

A resenha dos 300 anos de Arnaud será encerrada no dia 19 de setembro em Pragelato, com a caminhada histórica do centro da cidade até a Costapiana. Seguindo os passos de Henri Arnaud, no caminho da Gloriosa Repatriação (www.lestradedeivaldesi.it)


Para maiores informações

[email protected]

Folha NEV:

FORMA. Os Valdenses

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

foto de Milada Vigerova, www.unsplash.com Roma (NEV), 19 de março de 2020 - Oito milhões de euros para a emergência do coronavírus das Igrejas Valdense e Metodista. "As Igrejas valdenses e metodistas - lê-se em nota publicada há poucos minutos, hoje, 19 de março, no site chiesavaldese.org - e suas organizações de serviço social, educacional, cultural participam plenamente dos sofrimentos e preocupações, mas também da disposição partilhar esperanças e as melhores expressões de solidariedade que atravessam a vida do país em todas as suas componentes neste momento de emergência, com um olhar particularmente atento às realidades mais vulneráveis ​​e marginais. A Mesa Valdense, sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir mesmo com meios extraordinários para o compromisso direto de enfrentar a crise sanitária, social e econômica produzida pela propagação do vírus Covid-19, decidiu destinar 8 milhões euros , obtidos dos fundos Otto per mille atribuídos anualmente às Igrejas Valdenses e Metodistas, para a constituição de um Fundo especial destinado a este fim. La Tavola já está empenhada na avaliação criteriosa de linhas de ação e intervenção sérias, críveis e prospectivas, que exigem escolhas sem pressa e sem emoção, a serem confrontadas com assuntos institucionais e órgãos do terceiro setor. Estas linhas de ação seguirão duas direções: a primeira se concentra nas necessidades imediatas e urgentes, especialmente do tipo saúde, para as quais já estão fluindo muitos recursos, generosamente disponibilizados por indivíduos, fundações e outras organizações de caridade e para as quais , portanto, mantenham-se atentos à evolução da situação, sobretudo nas zonas do país que se apresentam mais frágeis e menos apetrechadas para fazer face à emergência. A segunda diretriz diz respeito à necessidade de recuperação para além da emergência, considerando o que ainda não se vê: os abismos de privação, exclusão e empobrecimento em que cairão as categorias sociais mais expostas às consequências do bloqueio prolongado das atividades produtivas e das redes sociais de apoio e das escolhas de redistribuição de recursos humanos e financeiros impostas nos últimos meses pelas medidas adotadas para conter o contágio". ...

Ler artigo
conversas judaico-cristãs.  A comunidade, “uma ponta de lança”

conversas judaico-cristãs. A comunidade, “uma ponta de lança”

Do cartaz dos Colóquios Judaico-Cristãos. Giorgio Vasari "A Colheita do Maná", Mosteiro de Camaldoli Roma (NEV), 13 de dezembro de 2022 – As palestras nacionais judaico-cristãs sobre “A comunidade. Identidade, liderança, processos de tomada de decisão”. Organizados e acolhidos pelo Mosteiro de Camaldoli, os diálogos contaram com a participação, entre outros, do pároco Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e do pároco valdense Ilenya Goss. “Tefillah judaico e oração litúrgica cristã, refeições com cuidado atento de kashrut, Shabat compartilhado: uma fraternidade particular e intensa se formou entre nós e em nós que nos tornou uma comunidade em movimento. Pesquisa acadêmica, paixão pelo diálogo, desejo de construir lugares de partilha. Muitos nomes, muitos rostos, uma ponta de lança na jornada que nos une a todos. Baruch HaShem!” escreveu o pastor Goss em sua página no Facebook um dia após as palestras. Goss falou sobre um tema que tem despertado muito interesse, o da sinodalidade na igreja valdense, cuja organização é do tipo colegiado e assembléia. Essa é uma das peculiaridades da igreja protestante, cuja “referência normativa” é o Novo Testamento, conforme consta no próprio site da Igreja. De fato, "Das cartas apostólicas resulta que as primeiras comunidades cristãs eram dirigidas por presbíteros (termo que significa literalmente anciãos) no modelo das sinagogas judaicas […]. A pregação, o ensino, a disciplina são exercidos de forma colegial”. Comunidade: modelos, tradições judaicas e cristãs, sinodalidade De 7 a 11 de dezembro, coordenado pelo monge de Camaldoli Mateus Ferrari, os diálogos desenvolvidos ao longo de várias sessões. No início, a fala de abertura sobre os “Modelos de comunidade no pensamento judaico” do filósofo. Massimo Giuliani. O pastor Daniele Garrone falou na sessão "A comunidade hoje na tradição judaica e cristã", juntamente com Juliano SavinaDiretor do Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI e Rabino Alfonso ArbibPresidente da Assembléia Rabínica na Itália. Na sexta-feira falou-se sobre a vida de uma comunidade judaica, enquanto no sábado se discutiu a sinodalidade na Igreja Valdense, conduzida pela pastora Ilenya Goss; no caminho sinodal na Igreja Católica, com o teólogo Simona Segoloni; finalmente, sobre os processos de tomada de decisão na igreja adventista, com Tiziano Rimoldi da Faculdade Teológica Adventista de Florença. Domingo, 11 de dezembro, encerramento sobre "Viver a comunidade/fraternidade um desafio para judeus e cristãos". As conversas As palestras foram uma oportunidade para aprofundar o conhecimento mútuo, em particular sobre um tema fundamental "tanto para o judaísmo como para o cristianismo", nomeadamente o tema da "comunidade". Os organizadores escrevem: “De fato, em ambas as tradições, partindo do mesmo fundamento bíblico, a relação com Deus nunca tem uma dimensão exclusivamente individual, mas passa sempre pela mediação de um povo, de uma comunidade.Ha-Shem faz sua aliança com um povo, dá sua Torá a Israel, liberta-o, salva-o, conduz-o à Terra de sua Promessa. Da mesma forma na tradição cristã, que tem suas raízes na mesma história bíblica, os discípulos de Yeshua-Jesus são uma "ekklesia", uma comunidade reunida. Certamente a relação com Deus também tem uma dimensão pessoal, mas não se pode prescindir da dimensão comunitária.Esta dimensão essencialmente comunitária do judaísmo e do cristianismo tem consequências nas práticas religiosas, na liturgia, nas indicações morais. Basta ler as normas contidas na Torá para ver como nelas o assunto principal ao qual Ha-Shem se dirige é a comunidade.Este tema constitui um desafio para ambas as tradições, sobretudo a partir de novas provocações que partem da sociedade. Num mundo cada vez mais marcado pelo individualismo, o que significa reler a dimensão comunitária do judaísmo edo cristianismo? Quais são os desafios mais urgentes?”. Neste link, o cartaz das Entrevistas: ...

Ler artigo
Sínodo da Amazônia.  Trabalhamos por uma ecologia integral

Sínodo da Amazônia. Trabalhamos por uma ecologia integral

foto wiki Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – No domingo, 6 de outubro, às 10h, o Sínodo para a Amazônia começará oficialmente em Roma, na Basílica de São Pedro. Até o dia 27 de outubro, a assembléia debaterá os diversos temas que emergem do documento norteador "Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral" e as questões a eles interligadas: destruição extrativista, proteção dos povos indígenas, migração e urbanização, saúde e educação, inculturação e interculturalidade, biodiversidade, luta contra a pobreza, justiça social, proteção das florestas e da natureza. Alguns temas espinhosos já estão sobre a mesa, desde o papel da mulher no celibato, até as acusações de heresia e apostasia feitas pelo cardeal Raymond Burke e pelo bispo Athanasius Schneider. Também participarão dos trabalhos 6 representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais presentes e atuantes na região amazônica: Pedro Arana Quirozpároco da Igreja Presbiteriana do Peru, Moab César Carvalho Costada Assembleia de Deus do Brasil, Edgar Castanopresidente do Conselho Evangélico Colombiano, Daniel dos Santos Limada Comunidade Anglicana de Manaus da Igreja Anglicana Episcopal do Brasil, o pároco Cláudio Correa de MirandaVice-coordenador CAIC Igreja Anglicana do Brasil e pastor luterano Nicolau Nascimento de PaivaCoordenador do CAIC, da Igreja Evangélica Luterana no Brasil. Durante uma coletiva de imprensa lotada no Vaticano, o Sínodo para a Amazônia foi apresentado esta manhã pelo Cardeal Lorenzo Baldisserisecretário geral do Sínodo dos Bispos, pelo cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da REPAM e relator geral do Sínodo para a Amazônia, e pelo subsecretário do Sínodo dos Bispos, Fábio Fabeneque ilustrou o documento aos jornalistas presentes Instrumentum laboriselaborada ad hoc para este Sínodo, e a composição da assembléia sinodal. "EU'Instrumentum laboris trata-se essencialmente da coleta e sistematização por tema do material produzido durante a fase de consulta, período de dois anos em que a igreja na Amazônia ouviu todos os componentes do Povo de Deus interessados ​​no tema (cerca de 80.000 pessoas). Não é um documento pontifício, mas um texto oferecido como ponto de referência para a discussão durante os trabalhos da Assembleia Sinodal" disse Baldisseri que depois, respondendo a perguntas, esclareceu que não é sequer um traço modificável de um documento definitivo, que ao contrário surgem do texto elaborado pela assembléia sinodal e depois ratificado pelo papa. São 184 membros sinodais, dos quais 136 participam do escritório; destes, 113 provêm das diversas circunscrições eclesiásticas pan-amazônicas. 28 cardeais, 29 arcebispos, 62 bispos residenciais, 7 auxiliares, 27 vigários apostólicos e 10 bispos prelados, 21 membros não bispos, incluindo diocesanos e religiosos. Também participam do Sínodo 6 representantes ecumênicos, 12 convidados especiais escolhidos por sua alta competência científica ou que realizam atividades de caráter humanitário ou voltados para a proteção do meio ambiente, 25 especialistas, 55 auditores, incluindo 10 religiosos, 17 representantes de diferentes origens indígenas e etnias indígenas, incluindo 9 mulheres. O número total de mulheres participantes nos trabalhos sinodais é de 35: 2 são convidadas especiais, 4 especialistas (das quais 2 religiosas) e 29 auditoras (18 religiosas). “O contexto deste Sínodo é a grave crise ambiental e social que vive a Amazônia – disse Hummes -. Uma crise climática, que se manifesta no aquecimento global; uma crise ecológica, devido à poluição e devastação; uma crise social que se manifesta na pobreza e na miséria e que atinge a maioria dos seres humanos e, na Amazônia, em particular os indígenas, os pequenos agricultores e os que vivem nas periferias das cidades amazônicas". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.