Roma.  Oração ecumênica pelos 20 anos da Declaração Conjunta sobre a Justificação

Roma. Oração ecumênica pelos 20 anos da Declaração Conjunta sobre a Justificação

16 de junho de 2019, Genebra (Suíça). Comemoração dos 20 anos da JDDJ

Roma (NEV), 25 de junho de 2019 – Este ano marca 20 anos desde a histórica Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé (JDDJ), assinada em 1999 em Augsburg, Alemanha, por representantes protestantes e católicos, respectivamente, da Federação Luterana Mundial ( FLM) e o Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos. A JDDJ foi então acolhida também pelo Conselho Metodista Mundial (WMC) em 2008, pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) em 2017, e pela Comunhão Anglicana, esta última através de uma resolução que “acolhe e afirma a substância” da a Declaração. Este acordo resolve um dos principais conflitos teológicos que sempre dividiram católicos e protestantes, afirmando “um entendimento comum de nossa justificação pela graça de Deus por meio da fé em Cristo”. A Declaração representa o resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico e pôs fim às respectivas excomunhões.

Para o 20º aniversário da JDDJ, uma oração ecumênica é realizada em Roma na quarta-feira, 26 de junho, para “dar graças pelas relações ecumênicas entre as cinco comunhões mundiais que assinaram o acordo”, como afirma o convite da Tim Macquibanpároco da igreja da Ponte Sant’Angelo e diretor do Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR), entre os organizadores do evento.

A oração ecumênica será presidida pelo cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos, e pelo bispo Rosemarie Wenner, secretário do escritório de Genebra do Conselho Metodista Mundial. O pároco também intervirá Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Entre os participantes do mundo evangélico italiano, o diácono Alessandra Trottamembro do Conselho Valdense e ex-presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), o pastor Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e pároco Michael Jonas da Igreja Evangélica Luterana de Roma. Encontro no Oratório de San Francesco Saverio del Caravita, na via del Caravita 7 em Roma, às 19h.

A iniciativa faz parte de um ambiente ecumênico mais amplo que reuniu as diferentes denominações cristãs signatárias do JDDJ, desde a consulta realizada em março nos Estados Unidos na Universidade de Notre Dame até a recente comemoração na catedral de São Pedro de a Igreja Reformada de Genebra, durante a qual o pároco Emmanuel Fuchs ele falou sobre os desafios enfrentados por todo o cristianismo: “Chegar a um acordo sobre uma questão historicamente controversa é um sinal de esperança … Não temos outra escolha a não ser continuar esta missão profética juntos.”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sentinela, onde está a noite…?

Sentinela, onde está a noite…?

Roma (NEV), 24 de outubro de 2022 – “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Este é o título da iniciativa pública, uma mesa redonda marcada para sábado, 29 de outubro, às 16h, como parte da Segunda Assembleia Geral da Federação das Igrejas Protestantes da Itália. O encontro, que será realizado na igreja metodista na via XX Settembre, em Roma, será apresentado e moderado por Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI; eles vão intervir Débora Spini (Estudos liberais da Universidade de Nova York em Florença), Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina), Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR); conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Às 14h30, antes da iniciativa pública, haverá o culto de abertura do Assis, novamente na igreja metodista da via XX Settembre, com sermão do professor Daniele Garronepresidente da FCEI. A nomeação será transmitida ao vivo na página do NEV no Facebook. “O versículo-lema para a Assembleia da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália é apresentado na forma de uma pergunta, à qual somos chamados e chamados a responder. Para entender o que dizer, é preciso aprender a ver, ou seja, a ler a realidade. Para estimular e orientar a discussão, identificamos seis palavras sobre as quais refletir e discutir, associando-as: liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz. Essa reflexão será levada adiante tanto no evento público de abertura do Assise quanto na discussão em grupos. Estas seis palavras parecem-nos circunscrever bem o contexto cultural e existencial no qual somos chamados a pregar o Evangelho. A liberdade e a democracia evocam uma condição que assumimos como certa, pelo menos neste canto da Europa, e ao mesmo tempo nos chamam a atenção para situações em que ainda são objetivos a alcançar. Trabalho e meio ambiente são duas preocupações, muitas vezes colocadas em oposição, como se não fosse possível aspirar à superação da pobreza sem maiores danos à Criação. Globalização e paz são palavras muitas vezes reivindicadas por quem as pronuncia, sem, no entanto, uma reflexão compartilhada sobre o seu significado. A ascensão do populismo, a emergência climática, a guerra na Ucrânia e a crise econômica nos questionam sobre o significado das seis palavras. Parece-nos que devem ser redefinidos para uma compreensão precisa de "o que vemos"então você sabe"o que temos a dizer”, declara o presidente da FCEI Daniele Garrone. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes irão para o Istituto Il Carmelo di Sassone, em Ciampino, onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Baixe o PDF: Assise1_2022 ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Jim Hodgson “Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, "Reconciliação das margens - histórias pessoais de pessoas queer de fé", que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo". O que se entende por inclusão? “É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo "inclusão" é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de 'inclusão' mas ainda é uma primeira etapa“. Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”. Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”. Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico? “O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui." O que você espera das igrejas? “O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”. *As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores). Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, "Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana" Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: 'Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.' Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto'. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.