Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

O Júri do Prêmio Ecumênico também expressou seus votos e atribuiu seu prêmio ao filme “Dias Perfeitos” De Wim Wenders.

O enredo: Hirayama trabalha limpando os banheiros públicos de Tóquio. Ele vive uma vida simples e uma rotina diária muito estruturada. Tem paixão por música, livros e árvores, que adora fotografar. Seu passado está prestes a ressurgir por meio de encontros inesperados.

Motivos da premiação:

“Esta obra-prima cinematográfica é uma joia com muitos atributos poéticos. Através dos vários personagens, o diretor transmite um poderoso conto de esperança, beleza e transfiguração em nosso cotidiano. A dignidade do protagonista, a realização do seu árduo trabalho, mas também o seu respeito pelos outros e a sua admiração pela natureza, retratam valores universais que muitas vezes faltam nas nossas sociedades contemporâneas. Este filme é pura graça.”

O júri ecumênico também quis fazer uma menção especial a outro grande cineasta, Ken Loachcom o seu “Carvalho de Odl”.

A trama: TJ Ballantyne é o dono do Old Oak, um pub que corre o risco de fechar depois que refugiados sírios chegam ao país sem avisar. Logo, TJ conhece uma jovem síria, Yara, que possui uma câmera. Uma amizade se desenvolve entre os dois…

A motivação:

“É um retrato intenso e comovente dos temas de acolhimento de estrangeiros, populismo e solidariedade nas comunidades locais. O filme mostra o surgimento da compaixão e da ajuda mútua, por meio de refeições compartilhadas e lutas comuns”.

Desde 1974, o Júri Ecumênico é convidado ao Festival da França para premiar um filme da competição oficial.
As associações Signis e Interfilm nomearam um Júri Ecumênico composto por seis membros de diferentes culturas e países. Esses jurados, renovados a cada ano, são competentes no campo do cinema como jornalistas, críticos, teólogos, pesquisadores, professores… São membros de uma das Igrejas cristãs e estão abertos ao diálogo inter-religioso. Eles se reúnem em vários momentos do Festival, analisam e comentam os filmes e deliberam de forma independente.

A Interfilm foi fundada em 1955 por numerosas associações cinematográficas protestantes na Europa, organizadora de júris nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Berlim, Locarno. Desde 2011 também em Veneza, com o apoio da associação de cinema protestante “Roberto Sbaffi”. A Signis é uma associação homóloga, nascida no âmbito católico.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões diante da pandemia

Religiões diante da pandemia

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 – Que respostas as diferentes religiões deram à pandemia? Como têm reagido os cultos à emergência e à sua gestão, à doença, ao medo, à morte de tantas pessoas? A reunião de apresentação do volume “As religiões e a pandemia na Itália. Doutrina, comunidade e cuidado”, ed. Emanuela Claudia Del Re e Paolo Naso (Editora Rubbettino). Após a saudação do senador Luciano Malan, Mariangela Fala, ex-presidente da União Budista Europeia, vice-presidente da União Budista Italiana e presidente da Fundação Maitreya, sublinhou como a Covid mostrou "nossa fragilidade e, diante disso, a responsabilidade de todos e dos cultos em particular, o que significa compaixão, ajuda". José Contepresidente do Movimento 5 Estrelas, ex-presidente do Conselho de Ministros da República Italiana durante o período da pandemia, depois de relembrar a estratégia implementada por seu governo durante esse período, comentou: “Descobrimos a vulnerabilidade como indivíduos e sociedades”. À frente das comunidades de fé, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, destacou como a pandemia tem sido uma lupa até mesmo para problemas pré-existentes que são substanciais para as comunidades de fé. Yassine Lafram, Presidente Nacional da UCOII (União das Comunidades Islâmicas Italianas), falando das dificuldades, lembrou que "na Itália existem apenas cinco mesquitas arquitetonicamente reconhecíveis e 1217 salas de oração". O tema dos locais de culto, portanto: "é preciso uma lei ad hoc, porque não sabemos como construir uma mesquita na Itália, no momento temos que negociar com os administradores locais". A integração dos muçulmanos, segundo o representante da UCOII, “passa pelo respeito e dignidade dos locais de culto”. O mesmo se aplica à questão dos enterros, mais complexos para as áreas islâmicas em cemitérios. “Para nós, a pandemia ainda não acabou”, concluiu Lafram. Os hindus também vivem uma situação semelhante no que diz respeito aos locais de culto. ele explicou Swamini Shuddhananda Ghiri, Monja hindu que representa a União Hindu Italiana, aludindo ao “sentido de responsabilidade e sentido de união” vivido durante o período da crise sanitária. Além disso, a sociedade tem passado “pelo tema da morte muitas vezes vivenciado como um tabu. Os ritos fúnebres, por outro lado, são de grande importância, esta foi uma ferida para as comunidades hindus - explicou -, a dificuldade de não poder acompanhar os mortos, como também aconteceu a muitas pessoas, a começar pelos médicos e enfermeiras" . Daí a necessidade de “não perder a empatia” com os outros e com o mundo. Paulo Nasoprofessor de ciência política da Universidade Sapienza de Roma, um dos editores do texto apresentado hoje no debate moderado por Ilaria Valenzida revista e centro de estudos Confronti, questionou-se no final da consulta se “será possível que, do pós-pandemia, surja um novo olhar muito pragmático para as comunidades religiosas?”. O Representante Especial da UE para o Sahel Emanuela Claudia Del Reo outro editor do volume sobre religiões e pandemias, espera por fim que cheguemos a “uma sociedade justa, de direitos, um mundo em que haja a capacidade de se reconhecer nas diferenças”. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Torre Pellice (TO), 8 de setembro de 2020 – A Tavola Valdese - o mais alto órgão executivo das igrejas metodista e valdense - apesar da impossibilidade de convocar o Sínodo este ano devido à emergência sanitária, publicou hoje a lista de projetos financiados com Fundos Otto Per Mille 2020. Os recursos alocados este ano paraUnião das Igrejas Metodistas e Valdenses quantidade de aprox 42,8 milhões, referem-se à declaração de rendimentos de 2017 (e, por conseguinte, às declarações de rendimentos de 2016) e correspondem a 547.519 assinaturas (3,2% do total das escolhas expressas pelos contribuintes). Os recursos serão usados ​​para financiar 452 projetos no exterior E 791 projetos na Itália nas áreas educacional, humanitária, sócio-médica e cultural, num total de 1243 projetos. Como todos os anos, o escritório Otto per Mille da União das Igrejas Metodista e Valdense recebeu muitas perguntas: de facto, foram recebidos 4671 pedidos (dos quais, no entanto, apenas 3000 passaram pela fase formal preliminar), com um crescimento de +500 em relação ao ano anterior e +1000 em comparação com dois anos atrás. Olhando para a Itália, o maior número de projetos apoiados enquadra-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”, que ascende a 23,2% do total dos projetos financiados. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós", que se faz sentir particularmente hoje; segue-se a categoria de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens”, com 15,6% do total; em seguida "Atividades culturais", com 14,9%; "Intervenções de cuidados e protecção da saúde", com 10%; e “Acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes”, com 8,9% do total. Embora os números ainda sejam baixos, o número de projetos ambientais dobrou de 1,4% para 3,4%. No exterior, a maioria dos projetos aprovados concentra-se na África e no Oriente Médio. Além disso, conforme anunciado durante o ano, a Tavola Valdese estabeleceu um "Fundo de emergência Covid-19" de 8 milhões de euros, que encontra a sua cobertura ao longo de três anos (2,7 milhões em 2019 e 2020 e 2,6 milhões em 2021). “O terceiro setor está cada vez mais nos procurando para apoiar o seu trabalho e nós estamos bem cientes disso – declarou Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese –. Por isso, temos trabalhado procurando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais em sentido amplo é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, de qual a mesma emergência nos fez sentir a urgência”. Para qualquer informação adicional: ...

Ler artigo
Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Felix Mooneeram, unsplash Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Nos últimos dias, três diretores iranianos foram presos: Mohammad Rasoulof, Mostafa Aleahmad E Jafar Panahi. A Interfilm, uma organização internacional que promove júris ecumênicos em vários festivais de cinema, juntou-se ao coro de vozes que protestam contra essas prisões. “O Irão é um país líder na criação de cinema de arte contemporânea e estes realizadores de renome internacional têm apresentado os seus trabalhos em todos os grandes festivais do mundo – lê-se na nota divulgada pela Interfilm -. Mohammad Rasoulof ganhou o Prêmio Ecumênico na Berlinale 2020 pelo filme O diabo não existe. Jafar Panahi recebeu o Prêmio Signis-Wacc de Direitos Humanos em 2014 por seu filme Taxi Tehran”.Signis e Interfilm, que formam júris ecumênicos "para promover uma cultura de paz, unem forças para denunciar este ataque à criação artística e à livre circulação de cineastas que sempre defenderam a sabedoria e a resiliência do povo iraniano e que permitiram que o mundo conhecer melhor este país de tradições artísticas milenares". A Interfilm foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico Signis, ele organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.