50 anos de serviço público.  Em Roma momentos de celebração e reflexão.

50 anos de serviço público. Em Roma momentos de celebração e reflexão.

Conferência dos 50 anos de serviço público
Conferência dos 50 anos de serviço público

Roma (NEV), 16 de dezembro de 2022 – por Benedetta Fragomeni – Ontem, dia 15 de dezembro, completou 50 anos da lei 772/72 que legalizou a objeção de consciência e marcou o consequente nascimento do funcionalismo público nacional como alternativa ao serviço militar.

É nesta ocasião que a Conferência Nacional das Entidades do Serviço Público (CNESC), que também inclui a Diaconia Valdense, em colaboração com o Movimento Não-Violento, promoveu a conferência nacional que aconteceu em Roma nos dias 14 e 15 de dezembro de 2022.

O evento, realizado na Sala Biavati Multiuso do Borgo Ragazzi don Bosco, envolveu vários atores, incluindo palestrantes e participantes. Historiadores, arquivistas, ativistas, pacifistas, opositores, ex-voluntários da função pública nacional e operadores voluntários atualmente em serviço, bem como convidados de outros países europeus, partilharam as experiências europeias de objeção de consciência e função pública.

A conferência abriu espaço para um debate sobre a história da função pública e permitiu retraçar e consolidar os seus fundamentos, refletir sobre os desafios que se colocam e explorar as perspetivas futuras.

50 anos de objeção pela paz.
50 anos de objeção pela paz.

“A Função Pública mostra-nos o interesse dos jovens em envolver-se no trabalho social, em fazer o bem”, recordou João Rendepresidente do conselho nacional da Função Pública.

Entre as intervenções, também a de Oliviero Bettinelli, opositor na Função Pública nos anos 80 que contou a sua experiência. Explicou que, com a Função Pública, queremos “propor outro modelo para servir o país porque a constituição assim nos pede”.

“É uma oportunidade regeneradora”, como define a Função Pública Vanessa Parlucchi, porta-voz do Fórum do Terceiro Setor, “a Função Pública, face a outras intervenções na comunidade, tem a capacidade de regenerar as mesmas organizações”. Da mesma maneira, Teresa Martinouma das primeiras voluntárias do sexo feminino, refletiu sobre a Função Pública como uma oportunidade de “rotação geracional e de género” graças à possibilidade de as voluntárias continuarem o seu percurso nas organizações após o ano de serviço.


CNESC

O CNESC é uma rede de entidades do terceiro setor. Reúne alguns dos principais organismos credenciados com o Departamento de Juventude e Função Pública. Possui escritórios em 3.557 municípios, 108 províncias e 101 estados estrangeiros. Representa 7.171 organizações sem fins lucrativos e 247 órgãos públicos, com 17.859 escritórios de implementação.

Os membros do CNESC são: Acli, Aism, Anpas, ASC Aps, Anspi, Assifero, Associação Comunitária Papa João XXIII, Avis Nacional, Caritas Italiana, Projeto CESC, CIPSI, Cnca, Confederação Nacional das Misericórdias da Itália, Instituto Don Calabria, Waldensian Diaconia (Comissão Sinodal para a Diaconia-CSD), Federação SCS / CNOS – Salesianos para o trabalho social, Federsolidarietà / CCI, Focsiv, INAC, Legacoop, MCL, MOVI, Shalom, Telefono Azzurro, Unicef, UNITALSI, UNPLI, UILDM, Vides – Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Alessandra Trotta, Moderadora da Mesa Valdense Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2022 – São 1.557 intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento que serão financiadas este ano pelas Igrejas valdenses e metodistas com os fundos Otto per Mille: 34% a mais do que as incorridas em 2021 (1161). Um aumento devido principalmente ao maior número de contribuintes (570.000, contra 547.000 no ano anterior) que se inscreveram a favor do Otto per Mille Valdense e Metodista e, portanto, à maior disponibilidade financeira (45 milhões de euros em 2022, 43 em 2021 ), mas também à decisão de alargar o leque de iniciativas a que pode ser garantido apoio financeiro. A percentagem de projetos aprovados face aos apresentados para avaliação também aumentou: 23,2% em 2021, 35,2% em 2022. A destinação dos recursos foi aprovada hoje pelo Sínodo, a Assembleia que constitui a instância máxima das igrejas valdenses e metodistas, reunida recentemente em Torre Pellice, na província de Turim. “Mesmo a gestão de um recurso tão grande que mais de meio milhão de italianos nos deu a responsabilidade de usar – explica Alessandra TrottaModerador da Mesa Valdense – é para nós uma forma de testemunhar a nossa fé cristã, apoiando ações de ajuda aos últimos e o compromisso de fazer o bem comum sem preconceitos ideológicos, sociais ou religiosos”. Números do projeto Em comparação com 2021, os projetos italianos estão aumentando (1107 em 2022, 730 em 2021: +51,6%) em comparação com os internacionais (450 em 2022, 431 em 2021: +4,4%). Para a Itália, os recursos foram distribuídos da seguinte forma: melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência (21%), promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens (17%), atividades culturais (16%), contraste à pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), protecção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e luta contra a violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex-reclusos ( 4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A lista completa dos projetos aprovados para 2022 será publicada no site www.ottopermillevaldese.org até meados de setembro. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo
Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 18 de maio de 2023 - “Talvez tenhamos desclassificado o reparo da Criação como uma moda passageira, em vez de pensar constante e ativamente sobre o que podemos fazer como crentes, devemos ser responsáveis ​​como parte de um mundo interconectado. Um rio transbordante não deveria ser uma calamidade, sempre existiram, até a Bíblia fala disso (Isaías - 66, 12) e ao contrário se torna um problema porque os assentamentos humanos foram além da Criação”. A pastora valdense diz isso de Bolonha Giuseppina Bagnatopoucas horas depois dos acontecimentos que atingiram a Emilia Romagna. Entre a noite e a manhã, na província de Ravenna, Lugo e Cervia foram inundados. Ainda dezenas de estradas fechadas ou danificadas por deslizamentos de terra ou inundações. Milhares de pessoas evacuadas. Mais inundações na zona de Ravenna, um metro de água no centro histórico de Lugo. «Devemos centrar a atenção na relação a que somos chamados como crentes - continua o pároco da comunidade metodista e valdense que conta com cerca de 100 pessoas, entre Bolonha e a província de Modena -, com todos os súbditos, leigos, crentes e não -crentes, para construir projetos que possam melhorar os territórios e as cidades em que vivemos. Somos chamados a fazê-lo, como Igrejas, desde baixo, porque a Igreja deve ser profética e por isso é necessário agir pessoalmente, esperando uma mudança ainda mais ampla, “acima”, naqueles que fazem escolhas políticas”. Na capital da Emília, a situação parece estar sob controle, “os maiores problemas não estão apenas na Romagna, mas também nas províncias, nas aldeias das colinas”. O pastor valdense Alexandre Esposito, em Rimini há pouco menos de dois anos, fala de uma situação pouco grave na cidade, mas "estamos nos organizando com outras entidades para ajudar os feridos e as pessoas que vivem nos centros mais afetados. Aproveito para agradecer a todos os socorristas e a todos os que estão a fazer o seu melhor para apoiar a população. Como igrejas, estamos à disposição de todos os necessitados". Mesmo para ele, porém, é preciso entender e refletir sobre “nossa falta de atenção”, como cidadãos, para com a emergência climática. Na zona mais afectada pelas chuvas, a de Cesena, "a situação é caótica e muito difícil, estamos a tentar ajudar as famílias em dificuldade, a dar a mão como podemos", afirma Nicodemos Fabiano, pároco da Igreja Evangélica Batista de Cesena e Rimini. “Em Forlì, as instalações da igreja evangélica são invadidas por um metro de água. Até na minha casa a chuva causou estragos. Agora é preciso rezar pela cidade, pelas vítimas destes dias”. O número de mortos subiu para nove nas últimas horas. 10 mil deslocados, segundo estimativa do governador da região da Emilia Romagna Stefano Bonaccini. E os prejuízos – diríamos de alguns bilhões – ainda não foram contabilizados. Hoje em Ferrara o sol brilha, mas "as pessoas estão com medo, devemos responder também a esta necessidade: o medo das pessoas", explica o pároco batista Emmanuel Casalino da cidade Este. Para isso, talvez, precisemos de uma maior consciência ou, pelo menos, da vontade de “chamar as coisas pelo nome”. “É inútil falar de chuva – conclui o pároco, que também segue a comunidade de Livorno -: o que aconteceu diz respeito às mudanças climáticas, ao consumo do solo, às construções excessivas. Deve nos fazer pensar: agora é a hora de agir, devemos almejar a transição ecológica, imediatamente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Morrendo de esperança.  No dia 18 de junho, oração ecumênica em transmissão ao vivo

Morrendo de esperança. No dia 18 de junho, oração ecumênica em transmissão ao vivo

Roma (NEV), 17 de junho de 2020 – A oração habitual em memória daqueles que perdem a vida em suas viagens para chegar à Europa será realizada na quinta-feira, 18 de junho, a partir das 18h30, com transmissão ao vivo de Roma. O Secretário Executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco, participa Luca Barato. A nomeação insere-se no contexto do Dia Mundial do Refugiado, instituído em 2001 pelas Nações Unidas, que se celebra em todo o mundo a 20 de junho. A cerimônia será presidida pelo secretário geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Stefano Russo. A transmissão ao vivo da Basílica de Santa Maria em Trastevere em Roma será transmitida na página inicial e na página do Facebook da Comunidade de Sant'Egidio, que organiza esta oração ecumênica há vários anos junto com a Associação Centro Astalli, Caritas Italiana, Fundação Migrantes, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Rede Scalabrini Migration International (SMIN), ACLI e Associação Comunitária Papa João XXIII, a ACSE. Durante a oração, serão lidos os nomes daqueles que perderam a vida em suas viagens à Europa. Você pode enviar nomes para lembrar [email protected] ou pelo numero 3249981674 Para maiores informações: baixe o flyer em pdf Para o Dia Mundial do Refugiado, os protestantes italianos da FCEI, através do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, lançaram também a iniciativa “kneel-in” precisamente para 20 de junho: “Vamos nos ajoelhar, como Martin Luther King 55 anos atrás, para dizer que vidas negras importam, vidas de imigrantes importam, vidas de todos importam." #RefugeeDay #WorldRefugeeDay #WithRefugees #WorldRefugeeDay ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.