#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard

Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”.

O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem.

O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre “Falsa teologia, falsas notícias”.

“O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos – continuou – distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”.

“Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”.

Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”.

Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de “deus” é uma falsa teologia; assim como a chamada ‘teologia da prosperidade’ é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”.

“Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”.

Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a “nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”.

Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Roma

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Roma

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – A reunião anual dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias, as ferramentas ecumênicas por meio das quais as igrejas se comprometem em nível nacional, acontecerá em Roma de 6 a 9 de maio. Os Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas são organismos com uma composição variada, dependendo da extensão do diálogo ecuménico alcançado nos respectivos países: na Alemanha e nos países escandinavos pertencem-lhes as três principais famílias cristãs - católica, protestante e ortodoxa; em outros países, como Polônia ou Irlanda, apenas protestantes e ortodoxos; em outros ainda, como a Itália, apenas protestantes. O encontro, convocado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK), será este ano acolhido e organizado pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI) seguindo as indicações que surgiram no encontro anterior em 2018, em Viena, e em uma reunião restrita que aconteceu em março passado em Roma. Durante os quatro dias de trabalho, os 18 delegados, para além de trocarem informações sobre os vários programas levados a cabo pelos conselhos nacionais, terão oportunidade de refletir em conjunto sobre algumas questões fundamentais para o futuro da Europa. Além dos encontros com o padre Hyacinthe Destivelle, chefe da seção oriental do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, com o pastor metodista Tim Macquiban, diretor do Escritório Metodista para o Ecumenismo em Roma, e a comunidade de Sant'Egidio , representantes da igreja participarão de seminários e mesas redondas. Debora Spini, professora de filosofia política na Universidade de Syracuse, em Florença, começará em 6 de maio com um relatório intitulado "Populismo político: a experiência italiana"; no mesmo dia haverá uma mesa redonda com o pároco Luca Maria Negro, presidente da FCEI, e dom Giuliano Savina, diretor do escritório nacional de ecumenismo e diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI). No dia 7 de maio haverá palestras sobre "Violência, inclusão, pobreza: uma perspectiva feminina" com a Pastora Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), com a Dra. Angelita Tomaselli, presidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa e a Dra. Francesca Danese, do Exército de Salvação, ex-conselheira para políticas sociais do Município de Roma. No dia 8 de maio, o tema do acolhimento e integração estará no centro da mesa redonda "Acolher o estrangeiro" com Paolo Naso, coordenador do Mediterranean Hope - programa de refugiados e migrantes da FCEI e Shari Brown, secretária-geral da Comissão para migrantes na Europa. “O encontro de Roma pretende apresentar a realidade do pequeno componente protestante italiano que pertence à FCEI, mas dentro do discurso ecumênico mais amplo que a capital pode oferecer”, disse o pastor Luca Baratto, secretário executivo da FCEI que organizou o programa de trabalho da reunião e que acompanhará os representantes das igrejas nacionais durante os quatro dias de trabalho. A reunião anual dos Conselhos Nacionais das Igrejas da Europa acontecerá na Casa La Salle, Via Aurelia, 472. ...

Ler artigo
O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

Pastor Marcelo Nicolau, Moderador da Mesa Valdense del Rio de la Plata, ramo sul-americano da igreja valdense. Foto de Daniele Fly Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 - O Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas continua seus trabalhos, após a sessão conjunta com a Assembleia Extraordinária da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), a chamada "Assembléia-Sínodo " que terminou ontem. Na mesa de discussão, além da vida da igreja e do trabalho dos institutos, obras e órgãos diaconais, relações ecumênicas e internacionais, cultura, projetos atuais e questões administrativas e orçamentárias. Também é dada grande atenção ao tema da solidariedade, acolhimento e inclusão dos migrantes, com experiências como a dos corredores humanitários do Líbano, Líbia e Afeganistão, criados por Tavola Valdese, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e A Diaconia Valdense e construída de forma ecumênica com realidades do mundo católico como a Comunidade de S. Egídio e a sociedade civil. Amanhã, em particular, falaremos sobre os fundos do Otto por mil das igrejas metodistas e valdenses e os inúmeros projetos humanitários apoiados. Esta manhã o pároco Marcelo Nicolau (foto com camiseta “Todos somos familiares” dos desaparecidos) novo moderadodor de Mesa valdense que representa o órgão executivo daigreja valdense do Rio de la Plata - ramo sul-americano da Igreja Valdense -, trouxe suas saudações. Nicolau destacou a importância da cooperação entre as igrejas. Ele também expressou seu apreço pelo caminho unitário das igrejas batista, metodista e valdense e pelo trabalho conjunto dos últimos dias com a Assembleia Sínodo, um caminho que representa um unicum em nível internacional e que também pode ser replicado em outros lugares. EU'igreja valdense del Rio de la Plata consiste em 24 igrejas entre Argentina e Uruguai, com 9 pastores cobrindo 9.500 quilômetros de norte a sul e cerca de 1.000 de leste a oeste. Os trabalhos sinodais continuarão até 26 de agosto. A eleição dos 7 membros do Conselho Valdense com o discurso final do moderador está marcada para sexta-feira. Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.itTwitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org (SMV01-NEVCS/22) ...

Ler artigo
Empatia.  Escuta, dúvida, misericórdia

Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia

Pablo Picasso. Menina com pomba (detalhe) 1901. Imagem escolhida pela Comissão para a Globalização do Meio Ambiente para a Temporada da Criação 2022 Dossiê sobre empatia Roma (NEV), 21 de junho de 2022 – Está pronto o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) para o Tempo da Criação 2022. Título: “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”. O documento contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e percepções. É dirigido a todas as igrejas federadas, mas não só. Cada pessoa e comunidade interessada no período litúrgico conhecido como "Tempo da Criação" poderá encontrar nas páginas do Dossiê alimento para reflexão e ferramentas preciosas para compartilhar. O "Tempo da Criação" é um período litúrgico ecumênico que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que teve seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997. a Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália vem propondo um dossiê temático, este ano justamente sobre o tema da empatia. “Este Dossiê – lê-se na introdução –, tal como o anterior, está marcado temática e conteúdo pelos vestígios dos tempos que investiram a população mundial desde 2020 ao nível da saúde e da estabilidade do tecido social, este último especialmente no Norte Global. A sustentabilidade da globalização, na fase de recuperação dos fluxos de mercadorias perturbados pelas políticas de contenção do vírus, recebe mais um golpe com a guerra na Ucrânia: para a Europa a conversão das energias fósseis é ainda mais urgente. Num clima tão carregado de tensões e ameaças, GLAM apresenta a proposta de reflexão sobre a categoria da empatia, um possível auxílio para estabelecer relações menos esquemáticas". GLAM também fala de humanidade, dignidade, emoções e sentimentos. E observa que a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), intitulada “O amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade”, acontecerá precisamente na fase inicial do Tempo da Criação. É nesta linha de amor que a GLAM pretende dar o seu contributo. Para baixar o Dossiê completo, clique abaixo: Dossiê TDC 2022 – EMPATIA Introdução – Comissão de Globalização e Meio Ambiente Sugestões homiléticas, meditações Empatia ecológica? A necessidade de uma nova linguagemHanz Gutiérrez Quem é sábio e inteligente entre vocês?Tiago 3, 13-18Antonella Visintin Rotigni Elementos empáticos na BíbliaAndreas Köhn Liturgias Maria Elena Lacquaniti Materiais A empatia como ferramenta para olhar e ver a criaçãoTheresa Isenburg Andar com os pés nos sapatosMaria Elena Lacquaniti Entrevista com Antonella Scuderi e Ivano De Gasperis, um casal empático na vida, na fé, na sociedadeEditado por Maria Elena Lacquaniti Empatia na era da tecnologia de massaBriga Gerard Empatia, natureza, o humano e a féÉmile Florio Precisamos compartilhar o pão da democracia, da liberdade e dos direitos humanosMaurício Bolognetti Para saber mais Jean-Philippe Faure – Céline Girardet, Empatia, No coração da comunicação não violentaPaul Krieg ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.