#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard

Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”.

O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem.

O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre “Falsa teologia, falsas notícias”.

“O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos – continuou – distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”.

“Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”.

Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”.

Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de “deus” é uma falsa teologia; assim como a chamada ‘teologia da prosperidade’ é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”.

“Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”.

Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a “nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”.

Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Torre Pellice, berço da Europa.  O primeiro dia #senzasinodo

Torre Pellice, berço da Europa. O primeiro dia #senzasinodo

A crônica da primeira noite pública da revista #senzasinodo e o vídeo completo da inauguração dos eventos que acontecem na Torre Pellice até 30 de agosto A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta, na reunião de abertura da resenha #senzasinodo Roma (NEV/Riforma.it), 25 de agosto de 2020 – Ontem à noite, segunda-feira, 24 de agosto, aconteceu a primeira noite de «Gerações e Regenerações», a semana organizada pelas igrejas metodistas e valdenses da província de Turim. Ele fala sobre isso neste artigo sobre Reforma Gian Mario Gillio. Neste link você pode acompanhar a web ao vivo da resenha #senzasinodo, ler e baixar o programa completo dos encontros que acontecerão até o próximo domingo nos vales valdenses.Aqui está o vídeo completo da inauguração na segunda-feira, 24 de agosto: artigo anteriorSemana #semsínodo. Recomeçar da escuta para reconstruir o paísPróximo artigoSemana #semsínodo. Trotta: estamos aqui para inovação, cooperação e desenvolvimento Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Otto por mil valdenses, 1.266 projetos financiados na Itália e no mundo

Otto por mil valdenses, 1.266 projetos financiados na Itália e no mundo

Manuela Vinay fala no Sínodo 2023 - foto Marco Parella Torre Pellice (nev/sv07), 24 de agosto de 2023 – O Sínodo da Igreja Valdense (União das Igrejas Metodistas e Valdenses), reunido nos últimos dias em Torre Pellice (Turim), discutiu e apresentou aos 180 deputados o destino dos fundos Otto para mil. A parte das receitas do Irpef destinada à União das Igrejas Metodistas e Valdenses é de 40 milhões de euros (aproximadamente), fundos recebidos das assinaturas (480.000 contribuintes italianos) afixadas na declaração fiscal do ano fiscal de 2020. Um total de 1.266, das quais 397 no exterior e 869 na Itália, são intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento que serão financiadas este ano pelas igrejas valdenses e metodistas com estes fundos. Em comparação com o ano passado, todas as confissões religiosas registaram uma diminuição de assinaturas, valor interpretado em chave pandémica. O destino dos fundos foi aprovado hoje pelo Sínodo, a Assembleia que constitui a autoridade máxima (na terra) das igrejas Valdenses e Metodistas. O valor da redução ligada às assinaturas das receitas: “É claramente devido ao efeito da pandemia de covid 19 – notou Manuela Vinay, gerente do Otto per mille valdense –. Com efeito, os fundos recebidos em 2023 referem-se à declaração fiscal de 2020. Esta redução de assinaturas levou a uma diminuição da receita de cerca de 5 milhões de euros, face ao ano passado, de 47 para 42 milhões. Certamente não podemos ficar satisfeitos com esta contracção sofrida por quase todas as confissões religiosas, enquanto o Estado regista um crescimento significativo. No entanto - continuou Vinay -, compreendemos o espírito que empurrou os contribuintes para o Estado, porque durante a pandemia cada um de nós sentiu-se chamado a um sentido de maior responsabilidade. Naturalmente, o nosso testemunho para com os mais frágeis, a defesa dos direitos, a hospitalidade, a cultura e o ambiente não diminui, aliás podemos dizer que o nosso sentido de responsabilidade na escolha dos projectos a apoiar aumentou”. O Sínodo foi também uma oportunidade para apresentar um novo concurso temático para o desenvolvimento territorial dos espaços internos (STAI) que será inaugurado no dia 1 de setembro, dirigido a entidades associativas italianas com uma dotação de 2,5 milhões de euros para projetos a partir de 200 mil euros. Para informações: A distribuição dos projetos em Itália é repartida da seguinte forma: melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência (23%); atividades culturais (17%); promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens (15%); intervenções de saúde e proteção da saúde (9%); luta contra a pobreza, as dificuldades sociais e a insegurança no emprego (9%); prevenção e combate à violência baseada no género (7%); acolhimento de refugiados e migrantes (6%); educação para a cidadania (5%); idosos (3%); recuperação de reclusos e ex-reclusos (3%); proteção ambiental (3%). No exterior, distribuiu-se da seguinte forma: intervenções de cuidados de saúde e de proteção da saúde (22%); educação 16%; proteção infantil (12%); formação profissional e atividades geradoras de rendimento (12%); participação, diálogo, governação e direitos humanos (11%); promoção do papel das mulheres e da igualdade de género (9%); desenvolvimento rural e segurança alimentar (6%); ajuda humanitária de emergência (4%); luta contra a desnutrição (4%); acesso à água e saneamento (2%); proteção ambiental (2%). A lista completa dos projetos aprovados para 2023 será publicada até meados de setembro no site www.ottopermillevaldese.org Otto per mille foi discutido na conferência de imprensa de 24 de agosto – gravação disponível em www.rbe.it O Sínodo Valdense termina amanhã, 25 de agosto, com a votação dos atos programáticos e as eleições para os diversos cargos. ESPECIAL NEV SÍNODO 2023 FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro FORMA. Os Valdenses – Novembro Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org NEV/CS24 ...

Ler artigo
17 de fevereiro.  “Partido da Liberdade de Todos”

17 de fevereiro. “Partido da Liberdade de Todos”

Roma (NEV CS/05), 17 de fevereiro de 2020 - "Para os protestantes italianos, este é o Dia da Liberdade: não apenas a nossa liberdade, mas a de todos". Estas são as palavras de Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no dia em que celebramos o 172º aniversário das Cartas-Patente com as quais o Rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus Sujeitos protestantes, os valdenses. No mês seguinte, ele também os concedeu aos judeus. E os evangélicos italianos dedicam este ano a Semana da Liberdade (por volta de 17 de fevereiro) ao tema do antissemitismo. A Mole Antonelliana, em Turim, iluminada para 17 de fevereiro “Um fenômeno que se reacende perigosamente na Itália, na Europa e no mundo – continuou Negro -. Os dados são alarmantes: os atos de ódio contra os judeus estão aumentando, começando com ataques verbais, especialmente online, profanação de cemitérios e lápides, pedras de tropeço arrancadas, casas marcadas com escritos difamatórios”. A FCEI preparou um compêndio para esta Semana da Liberdade, Contra o anti-semitismo e a cultura do ódio, como ferramenta de reflexão e análise para as igrejas federadas. “A Federação propõe partir das pedras de tropeço porque elas nos permitem recordar – sublinhou o Presidente Negro -. Eles nos fazem tropeçar em nome das vítimas, na trágica história da Shoah, em discursos cheios de preconceitos antissemitas”. O presidente da FCEI lembrou também que como cristãos devemos tropeçar no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de praticada, foi alimentada no seio do cristianismo e que fez parte da bagagem 'normal' de ' qualquer 'cristão. “A tarefa de reconhecer e eliminar visões antijudaicas é ecumênica. Esperamos que os cristãos das várias confissões também na Itália se unam para denunciar o anti-semitismo e dialogar com os judeus, nossos irmãos mais velhos na fé” concluiu Negro. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.