diálogo, missão holística e despolarização

diálogo, missão holística e despolarização

Ana Burghardt. foto FLM

Roma (NEV), 22 de junho de 2021 – A coletiva de imprensa foi realizada ontem para apresentar o recém-eleito Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), o pastor estoniano Ana Burghardt.

A primeira mulher a ocupar esse cargo, Burghardt respondeu a perguntas de vários jornalistas que falaram no zoom de todo o mundo. Colegas de mídia conectados da Itália, Alemanha, Finlândia, Suécia, Polônia, México, Indonésia e vários outros países.

A coletiva de imprensa foi uma oportunidade para apresentar o novo secretário e desenvolver alguns dos temas que a Federação Luterana Mundial está desenvolvendo no Conselho e nas regiões. Entre eles: teologia, diálogo ecumênico, ajuda humanitária.

“A Estônia é considerada um dos países mais secularizados do mundo” começou Burghardt, que também contou algumas anedotas pessoais, como seu batismo quando adolescente. Um momento significativo que faz parte de sua caminhada de vida e fé: “Na minha opinião é importante levar a sério a tarefa de interpretar a mensagem de Cristo”, disse o pároco. Grande apoio, continuou a recém-eleita, vem também do marido, Arnd Matthias Burghardttambém pastor da Igreja Evangélica Luterana da Estônia, e seus “filhos maravilhosos”.

Teologia, unidade, missão, justiça

A sua visão é exatamente a da FLM, uma comunhão que “vive e trabalha em conjunto por um mundo justo, pacífico e reconciliado, liberto pela graça de Deus”. Na coletiva de imprensa, o pároco reiterou a importância dos 4 pilares da Federação: teologia, unidade, missão, justiça. Com um olhar sobre os novos desafios ecumênicos.

“Todos esses aspectos devem permanecer fundamentais e devem ser implementados na comunhão. Devemos continuar refletindo nas igrejas e comunidades – disse Anne Burghardt -. Precisamos estar conectados e ajudar a compartilhar e apoiar testemunhos vibrantes em diferentes contextos. Nossa contribuição para a Criação, para a paz e a justiça nas igrejas e nas sociedades pode trazer mudanças positivas”.

Inspiração e conexão

Questionada sobre ser a primeira mulher a ocupar esse cargo, a pastora disse: “Sinto-me muito honrada por minha experiência e minha profissão terem sido reconhecidas. Sei que significa muito ser a primeira mulher nesta posição e espero que minha eleição inspire mulheres em todas as comunidades”.

A discussão passou então para os temas do anúncio do Evangelho e do papel das igrejas: “A diaconia e a oração devem estar bem equilibradas. O trabalho teológico deve estar na base de tudo, mas se queremos realmente fazer a diferença no mundo devemos servir o próximo”.

Quanto à interligação, para Burghardt é importante “Criar materiais mais acessíveis, desenvolver a educação teológica e as relações com as organizações humanitárias e as igrejas locais que trabalham no terreno”.

Relações com a Igreja Católica

No que diz respeito às relações com a Igreja Católica Romana, o Secretário disse que para a Federação Luterana Mundial elas fazem parte “da história do ecumenismo”, recordando a comemoração conjunta da Reforma e outros marcos ecumênicos importantes, como o processo relativo à Conferência Declaração sobre a doutrina da justificação (JDDJ)

“É um diálogo contínuo, um processo contínuo que ainda tem vários temas em pauta”, sublinhou Burghardt, falando das comemorações em espírito ecumênico, da Confissão de Augsburgo, por exemplo, e dos próximos compromissos no 500º aniversário da excomunhão de Lutero . “Acho que a conexão entre católicos e luteranos continuará em um nível amigável e recíproco”, disse ele.

A “Missão Holística”

Temos uma “missão holística”, continuou o pároco, concentrando a atenção no trabalho de defesa dos direitos realizados pelos luteranos do mundo, no desenvolvimento e na ajuda humanitária, mas também na pastoral. Porque, especificou novamente, “devemos apoiar todos os seres humanos, independentemente de sua religião. Mesmo em crises psicológicas. Em nosso tempo – afirmou então -, as igrejas devem servir a todos”. Durante a conferência de imprensa voltaram a ser abordadas as questões relativas às intervenções de ajuda à emergência da covid e à solidariedade.

Diálogo com a Igreja Ortodoxa

Quanto ao diálogo com a Igreja Ortodoxa, que Burghardt conhece muito bem, o caminho está aberto. Imediatamente após a eleição do novo secretário-geral, disse ela, os sinos da igreja ortodoxa próxima tocaram com mais intensidade, saudando assim o pároco eleito.

Despolarização e resolução de conflitos na “família luterana”

Finalmente, foi dada especial atenção ao conceito de “Despolarização”, que envolve tanto o trabalho da Federação com as realidades inter-religiosas, sociais e ecumênicas do mundo, mas também o diálogo interno. “Precisamos de um equilíbrio entre autonomia e responsabilidade – disse Anne Burghardt -. Isso se aplica a nós, bem como às igrejas anglicanas e reformadas. O que é preciso é vontade de dialogar, estar pronto para ouvir os argumentos das diferentes posições. Somos chamados a reconhecer a graça concedida aos irmãos e irmãs em Cristo. Acho que como Federação Luterana Mundial, juntamente com outras igrejas, podemos dar uma grande contribuição na metodologia de resolução de conflitos, através de métodos de consenso e outros métodos que precisamos explorar. As questões existenciais que me inspiraram quando adolescente ainda são relevantes hoje, mesmo no contexto secular. Se quisermos tocar os corações na graça de Deus, devemos ver onde estão as profundas necessidades das pessoas. A FLM pode oferecer alternativas de sucesso, com uma narrativa sobre o amor incondicional de Deus e, porque não, sobre a mensagem evangélica de prosperidade”.

Os riscos de polarização, “evidentes, por exemplo, em temas como a ordenação de mulheres, casamento e sexualidade – concluiu o Secretário – podem ser superados com a educação teológica. É isso que permite superar as visões em preto e branco. Em particular, no contexto luterano, com a abordagem dialética podemos unir diferentes visões que parecem contraditórias, treinando-nos para integrar os pontos de vista. Isso é importante não só para aumentar a cooperação, mas também para a formação das futuras gerações pastorais, que pretendemos apoiar com cursos online e trabalhar em conjunto com as instituições teológicas das diversas regiões para que possam ser parte ativa na superação das polarizações no mundo família luterana”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice. “A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros? São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados. Três só nos últimos dias. Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava. O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer. Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento. Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro. Então ele confessou o assassinato. Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela. Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la. Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la. Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl. São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”. Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência. Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”. É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri. A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso. Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações. Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis. A pandemia até agravou esse processo. “Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais. De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa. As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência. Ainda que durante algumas décadas as mulheres - individualmente e em conjunto - tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio. Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva. Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço. Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor. Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa. Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes. O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez: “Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”. AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith: AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it: ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

Sínodo Luterano. Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

A Igreja Luterana de Roma Roma (NEV/CELI), 7 de outubro de 2020 – A primeira sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), originalmente convocada de 30 de abril a 3 de maio de 2020 em Castellammare di Stabia/Nápoles e cancelada devido à covid , realizada em Roma de 9 a 11 de outubro. Os pontos mais importantes da agenda desta sessão serão a eleição do Presidium Sinodal e do Consistório. O presidente sinodal Georg Schedereit ele não está concorrendo à reeleição. O título do Sínodo, em italiano e alemão (o CELI é, por Estatuto, bilíngue) é “Scegliere = Wählen”. Segundo Schedereit, o Sínodo está sob a bandeira do lema: "Ame o próximo como a si mesmo". Em outras palavras, a segurança dos participantes tem prioridade máxima. “Não será um sínodo como estamos acostumados, o leitmotiv será sempre usar máscaras e manter distância”. Todas as 15 comunidades do CELI estarão representadas, com cerca de 50 delegados sinodais já confirmados. O reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau, sublinhou que se trata de um Sínodo em forma reduzida, que se limitará aos temas mais importantes e obrigatórios, como as eleições e o orçamento: “A Covid demonstrou amplamente quantas coisas podem ser feitas em formato digital. Muito, mas não tudo. Reuniões pessoais são importantes para a coesão e colaboração frutífera. Após um exame detalhado de todas as disposições e medidas de segurança, chegamos à decisão de que, desde que consigamos garantir todas as precauções necessárias, a convocação do sínodo ainda é um ato responsável. E o compromisso com a participação de mais de dois terços dos sinodais confirma isso”. Leia também: a entrevista com o reitor Heiner Bludau: “A igreja é uma comunidade viva” a entrevista para Wolfgang Pradervice-presidente do Sínodo e candidato presidencial: "Digital: encontrar os formatos certos com sensibilidade" a entrevista com o representante legal do CELI e vice-presidente do Consistório, Cordelia Vitiello: “Somos credíveis através das nossas ações” a entrevista com o vice-reitor CELI, Kirsten Thiele: “A igreja é vertical e horizontal” Para mais informações e insights, consulte o site do CELI. ...

Ler artigo
Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio.  Pergunta de trabalho

Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio. Pergunta de trabalho

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O 5º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), está prestes a chegar. Marcação no próximo dia 7 de maio, das 19h00 às 20h00. O tema deste episódio é "A questão do trabalho, reflexões entre o norte e o sul da Itália". “O último episódio da Rádio GLAM antes das férias de verão abordará o tema do trabalho – escrevem os organizadores -. Convidamos você a participar para enriquecer as ideias que nos chegarão dos dois convidados da noite com a contribuição dos ouvintes, Elisabetta Raffa jornalista e David Mozzato pastor adventista, que narrarão o tema respectivamente do sul e do norte da Itália”. Para entrar na reunião no Zoom: ID da reunião: 876 1707 2469 Senha: 028216 Para marcar participação escreva para:[email protected] A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de comunidades ecológicas, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! A Comissão de Globalização e Meio Ambiente Lá Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã. A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até à verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.