Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Detalhe do Chroma V de Yunchul Kim. Bienal de Veneza 2022, Pavilhão da República da Coreia, Gyre – Curador: Youngchul Lee – Comissário: Arts Council Korea (Foto ER/nev)

Roma (NEV), 12 de junho de 2023 – ano de 2054. Zero homicídios em Washington, graças ao sistema Precrime, baseado nas premonições de três indivíduos com poderes extra-sensoriais. A polícia intervém com antecedência e prende os potenciais “perpetradores”. É a trama de Minority Report, filme com Tom Cruise dirigido por Steven Spielberg Baseado na história de ficção científica de mesmo nome de Philip K. Dick.

Ano 2023. Itália. O Ministério do Interior gostaria de equipar as delegacias de polícia em toda a Itália com “Giove”, um novo sistema de polícia preditiva (uma questão parlamentar sobre o assunto foi apresentada ao Senado em 7 de junho). Trata-se de um software baseado em um algoritmo de inteligência artificial que, por meio de bancos de dados policiais, tenta calcular a probabilidade de um crime.

A Inteligência Artificial desperta interesse, atração e medo. Nós conversamos sobre isso com Gianluca Fiuscorecentemente eleito para o Comitê Executivo Europeu da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC), e com Stefano Frache, engenheiro e tradutor, entre os curadores das diretrizes do projeto “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” promovido pela rede “Ação da Igreja pelo Trabalho e pela Vida”. Fiusco e Frache nos dão um panorama da complexidade e do fascínio da inteligência artificial (e humana), que faz parte do nosso cotidiano. São questões que nos desafiam como cidadãos e como instituições, inclusive religiosas.

“Hoje assistimos a uma polarização entre os que confiam na tecnologia e os que desconfiam dela. Mas essa abordagem não faz nada além de alimentar um dualismo funcional ao sistema binário: 1-0. Algoritmos tendem a agrupar pessoas semelhantes mantendo grupos distintos e distantes uns dos outros em bolhas virtuais. Assim a contaminação não se desenvolve, as ideias ficam confinadas à esfera onde foram concebidas e o pensamento não amadurece, não evolui. Vozes críticas são expostas aos fãs, odiadas e silenciadas. Acontece até nos parlamentos e até nas igrejas – diz Fiusco -. No entanto, como seres humanos somos muito mais complexos e articulados do que a métrica binária. Trazer nossas vidas de volta para mapas e algoritmos corre o risco de produzir efeitos imprevisíveis não apenas em nossa estrutura mental e neural, mas também em nossas sociedades. A reescrita dos ‘códigos’ humanos, da convivência social, da vida democrática são questões tão importantes quanto as mudanças climáticas”, diz Gianluca Fiusco, que lembra também o empenho do WACC na elaboração de conteúdos sobre algoritmos, discriminação, polarização e exclusão digital . “Algoritmos desenvolvidos segundo critérios subjetivos refletem os efeitos do colonialismo, do racismo e dos desequilíbrios sistêmicos de poder e agravam as desigualdades e discriminações existentes” diz o Manifesto pela justiça digital elaborado pelo Simpósio “Comunicação para a justiça social na era digital” organizado pelo WACC e o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em 2021.

Audre Lorde ele escreveu “As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre. Eles podem nos permitir vencê-lo temporariamente em seu próprio jogo, mas nunca nos permitirão fazer uma mudança real.” A partir dessa advertência, diz Fiusco, “o WACC teve a oportunidade de refletir o quanto os instrumentos de opressão não podem ser aplicados de forma eficaz para combater a própria opressão”. Opressor que muitas vezes coincide com “homem, branco, rico”. Fiusco também lembra como as igrejas, durante a pandemia, “muitas vezes se reuniam virtualmente em plataformas financiadas por lobbies de alta tecnologia, que usam uma tecnologia semelhante, senão a mesma, ao reconhecimento facial ou aos sistemas de mira de armas… a falta de pastores foi resolvida ligando uma webcam”. Não se pode e não se deve ter medo do desenvolvimento tecnológico, argumenta Fiusco, “mas as igrejas, talvez mais do que outras organizações, têm o dever de se perguntar se esse é o modelo de comunidade que querem fomentar. Se, isto é, a fé hoje, parafraseando a Epístola aos Romanos, nasce mais do que da escuta, da conexão. Algumas realidades eclesiásticas (adventistas, luteranos, pentecostais) lançaram há muito tempo um processo de reflexão e experimentação avançada sobre animação digital para comunidades. Trata-se, portanto, de ter vontade e convicção para conceber e experimentar um modelo de mudança em que as Igrejas se sintam questionadas: capazes de investir tempo, teologia, recursos, visão, questionamentos. Na consciência de já estar atrasado”.

Stefano Frache ecoa: “A IA pode parecer programada para fazer coisas perturbadoras, mas podemos analisar suas implicações de várias perspectivas. Há um funcionamento interno, difícil de explicar, e um efeito externo. Os cenários que retratam a IA como monstruosamente autônoma não levam em conta o fato de que há muitas pessoas por trás dos agregados de dados e informações. O processamento pode ser aprimorado, no sentido da generalização, mas esses sistemas não sintetizam o pensamento, não extraem significado. Esta é uma forma de habilidade que não requer o desenvolvimento de um algoritmo, falar sobre IA dessa forma é enganoso. Vejo um risco maior em relação à privacidade e gerenciamento e manipulação de informações. O ostracismo tecnológico não é uma resposta, é irreal. Não podemos colocar um estilingue e uma ogiva de míssil no mesmo nível…”. Frache continua: “Com as eleições americanas de 2016, testemunhamos o primeiro caso bipartidário de interferência nos processos de formação da opinião pública. Se as opiniões podem ser influenciadas com IA, é claro que precisamos de ferramentas para nos defender, até porque no futuro o embate será entre sistemas cada vez mais evoluídos. Ainda falando de filmes, normalmente pensamos em jogos de guerra… mas coisas assim acontecem todos os dias, em graus variados, com ferramentas diferentes. A dissuasão é construída, interromper o desenvolvimento é prejudicial e perigoso…”

Há, novamente, o tema ético, que inevitavelmente se confunde com o dos negócios: “Totalitarismos e visões imperialistas não são apetites apaziguados. Por onde circulam negócios e dinheiro, fique de olho. O medo não ajuda nisso, porque se estamos com medo não conseguimos entender como podemos nos defender. Também se aplica a golpes. Cada vez mais vítimas, não só (mais) entre os idosos. Não é ser travesso, é ser esperto para não ser enganado. E para isso é preciso inovação, pesquisa e conscientização”, continua Stefano Frache. E conclui: “É preciso construir e entender a confiabilidade da informação. Temos medo da IA, mas não temos medo dessa tecnologia que carregamos no bolso todos os dias e da qual ninguém fala. Lembremos que a mudança também é influenciada por escolhas de comportamento e de compra. Precisamos voltar na estratificação da tecnologia, que dos sistemas operacionais, às plataformas, chega depois aos consumidores, passando pelos pilotos explorados, só para dar um exemplo. No entanto, as multinacionais são influenciadas por 3% dos consumidores, não 50%… veja o caso da Chiquita. Pouco menos de 3% de abandono foi suficiente para mudar as condições de exploração dos agricultores. Quando uma massa pequena, mas coerente, muda de comportamento, a mudança já foi acionada. Pensar que você é irrelevante porque está em desvantagem numérica pode ser uma desculpa perigosa para sair, em vez disso, você precisa manter uma forte motivação e não desistir”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Nikos Kosmidis, Ut unum sint, aquarela 23,5 × 23,5 cm, 2020. Feito especialmente para a Conferência CEC/LOCEOC “A esperança da comunhão: de 1920 a 2020” Roma (NEV), 16 de dezembro de 2020 - A conferência online "A esperança da comunhão: de 1920 a 2020" acontece hoje e amanhã. Organizado pela Conferência das Igrejas Européias (KEK) juntamente com o Centro de Louvain para o Cristianismo Oriental e Oriental (LOCEOC), ele receberá ilustres convidados da Europa e da América do Norte. O objetivo do encontro é centrar-se nos dois textos ecumênicos fundamentais de 1920. A Encíclica do Patriarcado Ortodoxo às Igrejas de Cristo em toda parte, escrita em 1920 pelo Sínodo da Igreja de Constantinopla, e o Apelo a todo o povo cristão da Conferência de Bispos Anglicanos de Lambeth. “A conferência explorará as expectativas de unidade nesses textos. Examinará sua relação com os desenvolvimentos ecumênicos subseqüentes. Por fim, abordará a questão do que significa a esperança da comunhão para as relações entre as Igrejas hoje”, lê-se na apresentação. Entre os destaques, além da análise dos textos, também uma sessão (amanhã à tarde) dedicada a “Sinais de esperança, modelos de unidade: a paisagem ecumênica hoje”. Ir para PROGRAMA. O LOCEOC O LOCEOC é formado por professores da Faculdade de Teologia e Estudos da Religião com experiência no campo do Cristianismo Oriental. Com sede na Universidade Católica de Louvain (Louven, Bélgica), tem entre seus objetivos a promoção do estudo do cristianismo oriental a partir de uma perspectiva teológica, histórica e social. Está, portanto, ligado a uma antiga tradição de estudos sobre o cristianismo siríaco, copta e armênio, portanto das tradições ortodoxa e antigo-oriental. CEC O CEC reúne 114 igrejas de tradição ortodoxa, protestante e anglicana de toda a Europa. Entre seus objetivos, a promoção da paz e o trabalho pela unidade da Igreja. Coordena uma rede de Conselhos Nacionais de Igrejas para discussão e intercâmbio em nível nacional e regional, sobre temas como diaconia, migração, direitos dos refugiados, mulheres e jovens nas igrejas, sustentabilidade social e ambiental. A Conferência das Igrejas Europeias nasceu no contexto de um esforço de paz em 1959, para construir pontes entre o Oriente e o Ocidente durante a Guerra Fria. ...

Ler artigo
Conselho Mundial de Igrejas.  Novo site

Conselho Mundial de Igrejas. Novo site

Roma (NEV), 19 de outubro de 2020 - Notícias, histórias, percepções e uma linha direta que conectará a mídia de massa e as igrejas em todo o mundo, nos níveis nacional, regional e global. Essa é a função do novo site do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acaba de ser inaugurado. Novo design, novas funções, possibilidades de interação são as características desta ferramenta, que representa, entre outras coisas, uma resposta ao crescente interesse dos navegantes e das igrejas membros do CMI. O secretário-geral interino do CMI, padre Ioan Sauca, encorajou a família ecumênica a participar ativamente: “Teremos o maior prazer em compartilhar os apelos por justiça e paz, em ter um diálogo significativo com as igrejas-membro, com os parceiros e com todas as pessoas de boa vontade - declarou Sauca - . Nesse caso, a tecnologia pode nos ajudar a fortalecer o compromisso espiritual e fornecer outra maneira de apoiar uns aos outros. Marianne Ejderstendiretora de comunicação do WCC, agradeceu o feedback recebido: "Continuamos nos esforçando para criar uma comunidade digital que ofereça informações precisas, sugestões concretas e inspiração", disse ela. "É o início de uma nova era e de uma nova forma de trabalhar globalmente, para interligar as igrejas-membro em todo o planeta" diz o artigo de lançamento do novo site, que é resultado de quase cinco anos de desenvolvimento. O novo site apresenta facilidade de navegação, clareza na apresentação dos programas do CMI sobre os temas de unidade, justiça e paz no mundo, fé e constituição, missão e evangelização, que representam "o coração e a alma do movimento ecumênico". O conteúdo acessível e compartilhável inclui documentos, recursos históricos e acadêmicos importantes, coleções digitais, livros, revistas, orações, reflexões teológicas, estudos bíblicos e materiais voltados para saúde e meio ambiente. Muitas pessoas envolvidas nesta iniciativa, incluindo Ivars Kupcischefe de comunicação do CEC, que coordenou o projeto; Annegret Kappresponsável pela comunicação na web; Michael Westeditora consultora CEC/Publications (Estados Unidos); Lyn van Rooyencoordenador do CEC/Publications baseado na África do Sul; Marcelo Schneiderassessora de comunicação da CEC baseada no Brasil. Xanthi Morfi, um Communications Fellow do WCC, disse: “Para nós, o acesso ao conhecimento para todas as pessoas em todas as partes do mundo significa 'empoderamento'. Oportunidades educativas adequadas conduzem a sociedades melhores, onde a dignidade da pessoa humana e o respeito pelos direitos e liberdades fundamentais asseguram a unidade e a paz”. O novo site também tem um significado especial em vista de 2022, com uma seção dedicada à próxima 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe (Alemanha). Na página relevante você pode encontrar os relatórios oficiais de todas as assembleias anteriores. Opiniões e sugestões podem ser enviadas para [email protected] ...

Ler artigo
Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Foto T. Chick McClure @tchickmcclure de unsplash.com Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2020 - Uma espécie de "manual do usuário" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a luta contra o antissemitismo e a deriva do ódio, temas centrais da Semana da Liberdade 2020. “Nossa história de minorias discriminadas e às vezes perseguidas nos compromete a estarmos vigilantes contra todas as palavras de ódio, difamação e preconceito”, diz a primeira página do livreto “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. Assim, por ocasião dos dias em que se comemora o aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses (e aos judeus no mesmo ano), a FCEI recorda o valor da memória, porque "lembrar significa tropeçando". "Como cristãos, devemos tropeçar - lemos precisamente no texto "marcado" FCEI - no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de ser "praticada", foi alimentada no seio do discurso cristão e fez parte da bagagem "normal" do "qualquer" cristão. É uma história trágica, da qual tomamos conhecimento nas mortes que se seguiram à Shoah, iniciando uma revisão crítica do nosso passado e buscando uma nova compreensão do judaísmo e uma nova relação com o povo judeu”. Portanto, para melhor compreender o conceito de antissemitismo, o compêndio propõe três documentos, de diferentes fontes, úteis para esclarecer os termos da questão: a definição de antissemitismo pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA); o apelo de Beauveau, declaração conjunta de várias denominações cristãs, religiões e organizações de humanidades de 19 de fevereiro de 2019; um documento das igrejas alemãs (a Igreja Evangélica na Alemanha, EKD, a União das Igrejas Evangélicas UEK e a Igreja Evangélica-Luterana Unida da Alemanha VELKD, para ser mais preciso) intitulado "Projeções Perigosas", dedicado a duas áreas de preconceito: o esfera econômica e a relação entre anti-semitismo, sionismo e o Estado de Israel. Tantas fontes e recursos diversos, enfim, para se informar e se educar, porque o conhecimento é o único antídoto possível contra o racismo e porque, "depois do nazismo e do fascismo, todos nós deveríamos ter entendido aonde levam essas palavras (de ódio, ed) e que, no final, oprimem a todos.” Aqui fica o texto para descarregar, imprimir (com moderação, ou apenas em papel reciclado) e partilhar: Opuscolo_SettimanadellaLibertà_2020. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.