Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Detalhe do Chroma V de Yunchul Kim. Bienal de Veneza 2022, Pavilhão da República da Coreia, Gyre – Curador: Youngchul Lee – Comissário: Arts Council Korea (Foto ER/nev)

Roma (NEV), 12 de junho de 2023 – ano de 2054. Zero homicídios em Washington, graças ao sistema Precrime, baseado nas premonições de três indivíduos com poderes extra-sensoriais. A polícia intervém com antecedência e prende os potenciais “perpetradores”. É a trama de Minority Report, filme com Tom Cruise dirigido por Steven Spielberg Baseado na história de ficção científica de mesmo nome de Philip K. Dick.

Ano 2023. Itália. O Ministério do Interior gostaria de equipar as delegacias de polícia em toda a Itália com “Giove”, um novo sistema de polícia preditiva (uma questão parlamentar sobre o assunto foi apresentada ao Senado em 7 de junho). Trata-se de um software baseado em um algoritmo de inteligência artificial que, por meio de bancos de dados policiais, tenta calcular a probabilidade de um crime.

A Inteligência Artificial desperta interesse, atração e medo. Nós conversamos sobre isso com Gianluca Fiuscorecentemente eleito para o Comitê Executivo Europeu da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC), e com Stefano Frache, engenheiro e tradutor, entre os curadores das diretrizes do projeto “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” promovido pela rede “Ação da Igreja pelo Trabalho e pela Vida”. Fiusco e Frache nos dão um panorama da complexidade e do fascínio da inteligência artificial (e humana), que faz parte do nosso cotidiano. São questões que nos desafiam como cidadãos e como instituições, inclusive religiosas.

“Hoje assistimos a uma polarização entre os que confiam na tecnologia e os que desconfiam dela. Mas essa abordagem não faz nada além de alimentar um dualismo funcional ao sistema binário: 1-0. Algoritmos tendem a agrupar pessoas semelhantes mantendo grupos distintos e distantes uns dos outros em bolhas virtuais. Assim a contaminação não se desenvolve, as ideias ficam confinadas à esfera onde foram concebidas e o pensamento não amadurece, não evolui. Vozes críticas são expostas aos fãs, odiadas e silenciadas. Acontece até nos parlamentos e até nas igrejas – diz Fiusco -. No entanto, como seres humanos somos muito mais complexos e articulados do que a métrica binária. Trazer nossas vidas de volta para mapas e algoritmos corre o risco de produzir efeitos imprevisíveis não apenas em nossa estrutura mental e neural, mas também em nossas sociedades. A reescrita dos ‘códigos’ humanos, da convivência social, da vida democrática são questões tão importantes quanto as mudanças climáticas”, diz Gianluca Fiusco, que lembra também o empenho do WACC na elaboração de conteúdos sobre algoritmos, discriminação, polarização e exclusão digital . “Algoritmos desenvolvidos segundo critérios subjetivos refletem os efeitos do colonialismo, do racismo e dos desequilíbrios sistêmicos de poder e agravam as desigualdades e discriminações existentes” diz o Manifesto pela justiça digital elaborado pelo Simpósio “Comunicação para a justiça social na era digital” organizado pelo WACC e o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em 2021.

Audre Lorde ele escreveu “As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre. Eles podem nos permitir vencê-lo temporariamente em seu próprio jogo, mas nunca nos permitirão fazer uma mudança real.” A partir dessa advertência, diz Fiusco, “o WACC teve a oportunidade de refletir o quanto os instrumentos de opressão não podem ser aplicados de forma eficaz para combater a própria opressão”. Opressor que muitas vezes coincide com “homem, branco, rico”. Fiusco também lembra como as igrejas, durante a pandemia, “muitas vezes se reuniam virtualmente em plataformas financiadas por lobbies de alta tecnologia, que usam uma tecnologia semelhante, senão a mesma, ao reconhecimento facial ou aos sistemas de mira de armas… a falta de pastores foi resolvida ligando uma webcam”. Não se pode e não se deve ter medo do desenvolvimento tecnológico, argumenta Fiusco, “mas as igrejas, talvez mais do que outras organizações, têm o dever de se perguntar se esse é o modelo de comunidade que querem fomentar. Se, isto é, a fé hoje, parafraseando a Epístola aos Romanos, nasce mais do que da escuta, da conexão. Algumas realidades eclesiásticas (adventistas, luteranos, pentecostais) lançaram há muito tempo um processo de reflexão e experimentação avançada sobre animação digital para comunidades. Trata-se, portanto, de ter vontade e convicção para conceber e experimentar um modelo de mudança em que as Igrejas se sintam questionadas: capazes de investir tempo, teologia, recursos, visão, questionamentos. Na consciência de já estar atrasado”.

Stefano Frache ecoa: “A IA pode parecer programada para fazer coisas perturbadoras, mas podemos analisar suas implicações de várias perspectivas. Há um funcionamento interno, difícil de explicar, e um efeito externo. Os cenários que retratam a IA como monstruosamente autônoma não levam em conta o fato de que há muitas pessoas por trás dos agregados de dados e informações. O processamento pode ser aprimorado, no sentido da generalização, mas esses sistemas não sintetizam o pensamento, não extraem significado. Esta é uma forma de habilidade que não requer o desenvolvimento de um algoritmo, falar sobre IA dessa forma é enganoso. Vejo um risco maior em relação à privacidade e gerenciamento e manipulação de informações. O ostracismo tecnológico não é uma resposta, é irreal. Não podemos colocar um estilingue e uma ogiva de míssil no mesmo nível…”. Frache continua: “Com as eleições americanas de 2016, testemunhamos o primeiro caso bipartidário de interferência nos processos de formação da opinião pública. Se as opiniões podem ser influenciadas com IA, é claro que precisamos de ferramentas para nos defender, até porque no futuro o embate será entre sistemas cada vez mais evoluídos. Ainda falando de filmes, normalmente pensamos em jogos de guerra… mas coisas assim acontecem todos os dias, em graus variados, com ferramentas diferentes. A dissuasão é construída, interromper o desenvolvimento é prejudicial e perigoso…”

Há, novamente, o tema ético, que inevitavelmente se confunde com o dos negócios: “Totalitarismos e visões imperialistas não são apetites apaziguados. Por onde circulam negócios e dinheiro, fique de olho. O medo não ajuda nisso, porque se estamos com medo não conseguimos entender como podemos nos defender. Também se aplica a golpes. Cada vez mais vítimas, não só (mais) entre os idosos. Não é ser travesso, é ser esperto para não ser enganado. E para isso é preciso inovação, pesquisa e conscientização”, continua Stefano Frache. E conclui: “É preciso construir e entender a confiabilidade da informação. Temos medo da IA, mas não temos medo dessa tecnologia que carregamos no bolso todos os dias e da qual ninguém fala. Lembremos que a mudança também é influenciada por escolhas de comportamento e de compra. Precisamos voltar na estratificação da tecnologia, que dos sistemas operacionais, às plataformas, chega depois aos consumidores, passando pelos pilotos explorados, só para dar um exemplo. No entanto, as multinacionais são influenciadas por 3% dos consumidores, não 50%… veja o caso da Chiquita. Pouco menos de 3% de abandono foi suficiente para mudar as condições de exploração dos agricultores. Quando uma massa pequena, mas coerente, muda de comportamento, a mudança já foi acionada. Pensar que você é irrelevante porque está em desvantagem numérica pode ser uma desculpa perigosa para sair, em vez disso, você precisa manter uma forte motivação e não desistir”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia) Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 - Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes. Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que "ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários." Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória. “O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca. “Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC. Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20. ...

Ler artigo
Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Roma (NEV) 19 de abril de 2022 – Medalha de ouro para o jardim urbano no telhado da igreja metodista de Milão. O primeiro prémio do concurso online “Premia il tuo verde” do projeto Clever Cities foi, de facto, atribuído ao espaço na via Porro Lambertenghi (de que falámos neste artigo). 873 foram os votos para a iniciativa desejada e gerida pela comunidade metodista da capital lombarda. A horta, criada com bancos de madeira apoiados nos pés, é cuidada justamente pelos frequentadores da igreja metodista e pelos condomínios do prédio onde foi criada. “Estamos muito felizes sobretudo pelo número de preferências que recebemos – declara o pároco Cristina Arquidiácona – , ficamos muito emocionados com tanta participação. Significa que quando nos mobilizamos, quando estamos unidos, podemos fazer muitas coisas. E seria bom poder fazer isso também em outras coisas que são importantes para a nossa humanidade, como a paz e a justiça”. Segundo lugar (com 240 preferências) para o telhado verde Precotto, terceiro lugar para a videira Via Avezzana. O concurso online foi aberto a projetistas, proprietários e condôminos de edifícios com coberturas verdes, uma forma de promover a criação de coberturas ajardinadas na cidade. Dezoito candidaturas admitidas chegaram até 25 de março, enquanto 2.882 preferências foram expressas no site priamiailtuoverde.it, onde todos os jardins em competição são visíveis. A votação foi encerrada no dia 14 de abril. O prémio para os vencedores é o apoio financeiro (5 mil euros, em particular, irão para o jardim metodista) da Câmara Municipal de Milão para a manutenção do verde. “Todas as cidades – declarou o vereador para a regeneração urbana Giancarlo Tancredi – presta-se a aumentar a presença do verde, não apenas projetando novos, mas também trabalhando no existente com o envolvimento de todos, e o Milan pode estar na vanguarda nisso”. ...

Ler artigo
Uma amizade islâmica-cristã.  Primeiros passos institucionais em Florença

Uma amizade islâmica-cristã. Primeiros passos institucionais em Florença

Roma (NEV), 28 de janeiro de 2020 – O encontro “Fraternidade humana pela paz mundial e a coexistência comum será realizado na quinta-feira, 30 de janeiro, em Florença. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”. Com este encontro, os promotores pretendem “destacar a partilha do Documento de Abu Dhabi entre componentes cristãs e islâmicas, com o desejo de dar vida a um caminho para uma relação mais estruturada entre as duas realidades religiosas, para uma Amizade Islâmica-Cristã em Florença”, lê-se no cartaz da iniciativa. Igrejas protestantes locais também foram convidadas, para as quais ele participará Letizia Tomassonepastor da igreja valdense em Florença. O Documento de Abu Dhabi foi assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência internacional inter-religiosa em Abu-Dhabi, Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019. Organizada pelo Conselho Muçulmano de Anciãos como parte do Ano Internacional da Moderação, contou com a presença de líderes religiosos de todo o mundo, incluindo o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CE) Olav Fykse Tveit. O Documento também foi examinado em detalhe em maio de 2019 durante o Conferência "Promovendo a Paz Juntos", durante a qual foi lançado oficialmente o Documento "Educação para a Paz em um Mundo Multirreligioso: Uma Perspectiva Cristã", elaborado conjuntamente pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC). O encontro marcado para esta iniciativa piloto de “amizade islâmica-cristã” é quinta-feira, 30 de janeiro, às 17h45, na Sala Teatina, na Via De' Pescioni 3, em Florença. Descarregue aqui o PROGRAMA: convite 30 de janeiro de 2020 O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.