Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2019 – A Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES) torna-se uma igreja: Com a entrada em vigor de sua nova constituição em 1º de janeiro de 2020, a Federação das Igrejas Protestantes Suíças tornou-se a Igreja Evangélica Reformada em Suíça (CES).

Depois de um século de vida federativa, as igrejas membros da FCCES decidiram continuar o seu caminho de comunhão eclesial. Esta comunhão é vivida em três níveis: a paróquia, o cantão e a Suíça. Seu mandato é claro: proclamar o Evangelho de Jesus Cristo em palavras e ações.

“A CES é uma irmandade de igrejas, não uma superigreja. A Igreja Reformada é uma igreja de base”, disse ele Gottfried Locherpresidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça.

“A forma comunitária em vez da centralização é o que é necessário para implementar o mandato da CES. No futuro, o intercâmbio entre nossas igrejas será ainda mais importante”, continuou.

Está também online um novo site, www.evref.ch, que apresenta a organização da CES, notícias e informações sobre o tema “Fé e Vida”. Também contém páginas sobre temas como teologia e ética, migração, política e ecumenismo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia) Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 - Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes. Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que "ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários." Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória. “O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca. “Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC. Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20. ...

Ler artigo
O protestantismo é belicista?

O protestantismo é belicista?

Foto de Ben White - Unsplash Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Entre os inimigos da paz na Ucrânia está também o bloco anglo-americano, e não é de se estranhar “porque os anglo-saxões são de origem protestante: para eles, calçar botas (de soldados) no terreno é bastante normal, porque a ordem deve ser mantida e a política e a guerra na visão protestante são apenas sistemas mundanos, caracterizados por regras autônomas de engajamento e não sobrecarregados por laços morais de derivação evangélica”. Lemos em um artigo na "Província" assinado por don Ângelo Rivadiretor do Semanário da Diocese de Como. Lamentamos porque os argumentos apresentados, além de superficiais e estereotipados – não falta a citação aproximada de Weber sobre a ligação entre capitalismo e protestantismo – demonstram como o caminho ecumênico ainda carece de conhecimento mútuo, compreensão e revisão de clichês que dificultam o caminho que várias igrejas tentam fazer juntas. Em nota particular, o autor do artigo corrigiu seu ponto e admitiu ter ido longe demais em análises e referências que merecem muito mais estudo. Tomamos nota disso e, portanto, podemos considerar o incidente encerrado. No entanto, alguns comentários são necessários. O protestantismo tem responsabilidades históricas bem conhecidas e somos nós protestantes que reconhecemos isso, a partir de Lutero, também alimentou a semente violenta do antijudaísmo; que a escravidão foi aceita e até abençoada por muito tempo pelas comunidades protestantes que queriam construir um "mundo novo" e se colocar como modelo de civilização diante do mundo, "como uma cidade sobre uma colina", citando o Evangelho de Mateus; e, novamente, poderíamos dizer do segregacionismo, ou da blasfema justificação teológica do apartheid. Em suma, não é difícil extrair argumentos do arquivo da história para alimentar um antiprotestantismo que, aliás em um país como a Itália, há muito é alimentado e sustentado com armas, repressão e discriminação. Mas quem fere pela controvérsia, perece pela controvérsia e, colocando-se ao mesmo nível e relembrando as cruzadas e a caça aos "hereges" (valdenses e outros), Torquemada e a Inquisição, o Syllabus e as generosas bênçãos às tropas coloniais italianas na África, a partida pode ser equilibrada. Mas que sentido isso faria? Qual é o valor espiritual dessa risível disputa fora do tempo e fora do lugar sobre as sombras negras que também se projetam sobre as tradições religiosas? A cultura protestante não produz apenas anfíbios militares, como afirma uma vulgata superficial, mas também críticas ao poder estabelecido (as alas radicais da Reforma e os movimentos "puritanos" contra as igrejas "estabelecidas" e isto é, estatais); cultura de direitos humanosEleanor Roosevelt e toda a tradição liberal-democrática anglo-saxônica); martírio pela liberdadeDietrich Bonhoeffer); prática não violenta (Martin Luther King); modelos de reconciliação (as igrejas reformadas da África do Sul); uma visão ecumênica orientada para a paz (o Conselho Mundial de Igrejas). E para a frente. O ecumenismo de hoje e de amanhã, para crescer, precisa de estudo, de método, de rigor. Para isso, precisamos nos livrar de pré-julgamentos e repertórios fáceis de polêmicas. A credibilidade do anúncio cristão no mundo de hoje depende disso. ...

Ler artigo
Mântua, uma cidade ecumênica em evolução graças ao novo Concílio de Igrejas

Mântua, uma cidade ecumênica em evolução graças ao novo Concílio de Igrejas

foto Pixabay Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Abre hoje a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Neste contexto, importantes nomeações serão realizadas em Mântua, incluindo a eleição da Presidência do novo Conselho de Igrejas. Uma entidade cidadã ecumênica que representa a realidade ecumênica existente, mas que pretende consolidar atividades e oportunidades de intercâmbio. Falamos sobre isso com a pastora Ilenya Goss, pastor da igreja valdense de Mântua e Felonica. Formado em filosofia e medicina-cirúrgica, Goss é membro da Comissão de Bioética das Igrejas Batista, Metodista e Valdense. Ela também é teóloga e musicista. No primeiro domingo do Advento (28 a 21 de novembro) houve a assinatura do Estatuto pelos representantes das 4 Igrejas fundadoras deste novo Concílio. A presidência será eleita em 23 de janeiro. Pastor Goss explica: “Na primeira semana do Advento de 2021, as Igrejas cristãs presentes em Mântua e na região de Mântua se reuniram por meio de seus representantes, convidados da Igreja Ortodoxa Romena de Mântua, para ler o Estatuto que institui o Conselho das Igrejas Cristãs de Mântua”. A componente valdense, cuja igreja está presente em Mântua desde a segunda metade do século XIX, deu uma contribuição fundamental para a redação deste Estatuto. A igreja valdense, de fato, "está empenhada na redação deste texto, que foi depois submetido aos demais participantes do Concílio das Igrejas Cristãs" e aprovado por todos os presentes, ou seja, "pelos delegados que cada um dos as igrejas-membro tem desejado enviar neste momento fundacional”, explica o pastor novamente. No dia 23 de janeiro, por ocasião da vigília ecumênica organizada no âmbito do SPUC, será realizada a eleição do Conselho da Presidência. “No momento temos quatro igrejas cristãs participantes – continua Goss -. Eles são os fundadores desta nova realidade ecumênica, que quer se dotar de uma institucionalidade para poder trabalhar com mais liberdade e dar continuidade ao trabalho ecumênico nesta cidade”. Estamos falando da Igreja Valdense, da Igreja Católica, da Igreja Ortodoxa Romena e da Igreja Ortodoxa do Patriarcado de Moscou. Há também uma igreja pentecostal que, relata o pároco, “queria estar presente como observadora. De fato, o Estatuto prevê a possibilidade de serem igrejas observadoras. Naturalmente essas igrejas, mesmo que indiquem um de seus deputados, têm voz consultiva, mas não deliberativa”. Em suma, trata-se de um “trabalho que está, de facto, em continuidade com os trabalhos anteriores que já estão presentes na área há muitos anos”. Essa roupagem mais “institucional” fará com que “as pessoas comprometidas com o ecumenismo possam se mover, mudar de interesses ou, em todo caso, não ser sempre as mesmas, mas haverá um elemento de estabilidade e solidez. As várias atividades podem ser incluídas neste quadro, com uma possível mudança de pessoas e intérpretes, para que a atividade ecumênica não fique presa a interesses individuais, mas permaneça uma realidade coletiva permanentemente presente – concluiu o Pastor Goss -. Esperamos poder dar continuidade a este trabalho, com uma presença que pode ser informativa, formativa, diaconal, mas também cultural e teológica, neste território”. os compromissos sábado 22, Estudo da Bíblia organizado pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com o pároco Ilenya Goss e don Roberto Fiorini. Evento online; link para entrar: [email protected] domingo, 23, vigília de oração ecumênica organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Mântua. Aos 18, presencialmente, na igreja paroquial de San Giorgio Bigarello. Você pode acompanhar o encontro no canal YouTube da paróquia de San Giorgio Martire Mantua. Isto é seguido pela reunião do Conselho Mundial de Igrejas para eleger o Comitê Presidencial. domingo 30à tarde, a marcha pela paz participou e foi apoiada pela igreja valdense de Mântua. Para saber mais Leia também o'entrevista em Notícias da semana para Samuel Bignotti, jovem sacerdote delegado da diocese de Mântua para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso. O Conselho com seu Estatuto - explica Bignotti no artigo - "retrata em extrema síntese a realidade ecumênica da cidade e da província […] A forma do Concílio de Igrejas é defendida por várias fontes. Sentiu-se e sente-se a necessidade de um lugar de encontro 'igual' que possa garantir uma certa continuidade da ação ecumênica”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.