Há 58 anos, o discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King

Há 58 anos, o discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King

foto: Histórias Invisíveis, unsplash

Roma (NEV), 28 de agosto de 2021 – 58 anos se passaram desde o dia em que Martin Luther King ele fez seu discurso mais famoso, “Eu tenho um sonho”, em Washington, no final da marcha pelo trabalho e pela liberdade.

Neste mesmo dia, serão realizadas manifestações em várias cidades dos Estados Unidos para pedir a proteção do direito ao voto. A “Marcha pelo Direito ao Voto” será liderada por líderes dos direitos civis, incluindo Martin Luther King III e o reverendo Al Sharpton. Um dos objetivos é pressionar o Congresso a aprovar uma lei consagrando o amplo acesso ao voto na lei federal.

Enquanto isso, novamente por ocasião do aniversário do discurso do Rei Batista, a comunidade do videogame online Fortnite, da empresa Epic Games, criou um novo jogo. A nova experiência virtual, intitulada “March Through Time”, mostra o discurso “I Have A Dream” do líder dos direitos civis e permite que os participantes visitem o National Mall e o Lincoln Memorial, onde King fez seu famoso discurso, segurando cartazes e aplausos.

Neste vídeo, o caçula dos filhos de King, Berenice A. Kingtraça o significado das palavras ditas pelo pai:


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Guerra, paz, conversão.  Um testemunho de fé e compromisso

Guerra, paz, conversão. Um testemunho de fé e compromisso

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2023 - Na véspera da conferência "Vamos abandonar a guerra mundial em pedaços" em 15 de fevereiro, publicamos a "História de uma conversão pelo caminho da Paz". É o testemunho de Maria Elena Lacquaniti, coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A GLAM é uma das promotoras deste encontro que comemora os 20 anos da grande mobilização de 2003 pela paz no Iraque e pretende reflectir sobre os desafios do movimento anti-guerra internacional. As palavras de Lacquaniti expressam a vocação de "Professar a paz, trabalhar pela justiça". A história de sua conversão vai do comércio justo, ao ativismo político, à entrada em uma igreja batista, segurando cartazes pela paz. A chamada vem através de encontros significativos com os fiéis, padres e freiras, um pároco e sua esposa. Lacquaniti escreve: “Em pouco tempo, o vazio deixado pelos camaradas que lutaram e se extinguiram foi preenchido para nossa surpresa por um público diferente, abrindo-nos para novas amizades e colaborações. […] Assim, turmas de crianças, alunos e alunas do ensino médio, professores ativos e aposentados e, com eles, associações e movimentos, mas sobretudo pessoas de fé, passaram pela oficina aos Hare Krishnas que acompanharam durante uma tarde inteira com sons e canções a exposição de fotos que montamos para aumentar a conscientização sobre o horror das crianças-soldado em Serra Leoa, um Don Gigi do oratório salesiano, passando pelo pároco Blasco Ramirez e a esposa dele Irene Vianello que nos convidou para falar sobre comércio justo na igreja batista de Civitavecchia e vender nossos produtos durante o agapi”. A escolha pacifista se confunde com a vida das pessoas comuns, estudantes, famílias, comerciantes, com irmãs e irmãos das igrejas. E isso leva a reencontrar a Bíblia e Jesus. Maria Elena Lacquaniti quis dar seu testemunho às vésperas do encontro em Roma no dia 15 de fevereiro promovido junto com Un Ponte Per, a Rede Nacional de Coordenação para a Paz e o Desarmamento, o próprio GLAM e outros. (Encontro na Igreja Evangélica Metodista na via XX Settembre em Roma a partir das 16h30 e online ao vivo no facebook e outros sites). Leia aqui a História de uma conversão pelo caminho da Paz. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Inclusivo e digital no futuro

Sínodo Luterano. Inclusivo e digital no futuro

Roma (NEV/CELI CS12), 2 de maio de 2021 – 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) 29.04/01.05.2021 Continuidade, mudança, futuro. A misericórdia como responsabilidade da Igreja Declaração sobre Justiça de Gênero Igualdade de gênero como expressão de fé Criação de uma plataforma digital profissional Um desafio superado de forma excelente e com muita disciplina: um sínodo em formato online. Em vez do habitual encontro presencial, dois dias e meio de trabalho concentrado em frente a uma tela. O resultado mais importante da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália são duas decisões corajosas que guiarão a Igreja e suas comunidades em seu trabalho futuro. A aprovação de uma declaração programática sobre justiça de gênero e uma moção da Comissão Digital, aprovada por ampla maioria, sobre a criação de uma plataforma digital CELI. Outro destaque deste sínodo 2.0 foi a conferência com o convidado de honra, o secretário geral da Federação Luterana Mundial (WLF), Martin Junge. Muitos ferros na brasa no último dia do Sínodo, 1º de maio, com grande número de moções a serem aprovadas. O documento sobre justiça de gênero, aprovado após um debate muito intenso e acalorado, não é apenas a expressão de uma mentalidade aberta, mas quase uma declinação específica do título do sínodo, que colocou no centro de seus trabalhos o tema da misericórdia, ou seja, a a aceitação do outro sem preconceitos e o profundo respeito pelo seu ser. Foi claramente sublinhado que este tópico não apresenta nenhum perfil problemático dentro da igreja. A aceitação do outro (tanto em relação à orientação sexual quanto contra qualquer discriminação étnica) é um dado adquirido. A Igreja, por outro lado, tem como missão específica “sair do armário” e promover fortemente os temas do acolhimento e da integração na sociedade. O pré-requisito é uma atitude aberta e sem preconceitos, que deve ser expressa pelo menos adotando um modo de falar e agir inclusivo em todos os níveis, inclusive na pregação, culto e catequese, e nas comunicações públicas. A sede do Decanato da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Destaque também para o projeto de três anos de um plataforma digital profissional. Especialmente após a experiência da pandemia e para superar um problema objetivo de acessibilidade "geográfica" ou por outros motivos, o CELI pretende viabilizar a pastoral e a assistência religiosa, bem como a informação sobre o luteranismo em sentido geral, através de podcasts, online estudos bíblicos, possibilidade de diálogo através de blogs, culto online e páginas interativas. E isso também para atender às necessidades e expectativas daqueles que se interessam por temas religiosos e pela igreja, mesmo que não desejem se comprometer em uma comunidade. Na sexta-feira, 30 de abril, os temas justiça de gênero, digitalização, pandemia, diaconia, juventude e meio ambiente foram discutidos em Grupos de trabalho. Nesses grupos menores, uma troca de ideias frutífera e animada foi possível, apesar do formato digital. Porém, há um elemento que une as conclusões de todos os grupos: todos os temas dependem muito da estrutura das respectivas comunidades. Vamos Saudações do convidado houve profundo apreço pelo CELI e suas atividades, bem como pela positiva cooperação. Entre outros, Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta; o presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Mirella Manocchio e o presidente da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI), João Paulo Arquidiácono; o bispo Leon Novak (Eslovênia); mons. Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal da CEI para a cooperação entre as Igrejas; Martin Hubner, secretário-geral do Martin Luther Bund; os representantes da Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD) e da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Norbert Denecke E Olaf Wassmuth; Klaus Rieth da Igreja de Württemberg; Enno Haakssecretário-geral da Gustav Adolf Werk; Mário Fishersecretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (ECCP); a presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), Gabriela Lio; o presidente do Sínodo da Igreja da Baviera, Annekathrin Preidel e o presidente da Claudiana, Eugênio Bernardini. Leia no site do CELI [email protected] Anexo: Posição de Justiça de Gênero tomada Veja todo o especial: Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

No que respeita aos países estrangeiros, a maioria dos projetos aprovados concentra-se em África, Médio Oriente, América Latina: vão desde o Quirguistão ao Mali, passando por projetos que serão implementados na Faixa de Gaza. Duas realidades em particular estão sendo ajudadas no Afeganistão, e há pelo menos três anos o Otto per mille Waldensian apoia projetos que visam sobretudo a emancipação das mulheres. Agora, uma vez publicada a lista, as associações e entidades que receberam os aportes poderão iniciar os projetos até o final do mês. Como já havia explicado ao NEV Manuela Vinay, chefe do Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses (OPM), por ocasião do Sínodo, o Otto per mille registrou um número recorde de membros este ano, em termos de pedidos: “Quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Estamos, por isso, muito motivados - acrescenta -, e queremos dizer não só a quem participou no concurso, mas a todos, a toda a sociedade civil, que estamos prontos e determinados a ajudar, a fazer a nossa parte”. Como sempre anunciado durante o Sínodo, também estão sendo captados recursos do fundo de emergência para apoiar projetos extraordinários de ajuda às populações do Haiti e do Afeganistão. “Como nos anos anteriores – declarou Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese, em nota publicada em chiesavaldese.org – pautamo-nos na avaliação dos projetos por alguns critérios básicos: atenção máxima a projetos que atendam às necessidades dos sujeitos mais vulneráveis ​​da forma mais emancipadora possível; a abertura para apoiar diferentes níveis de intervenção, que nunca devem ser colocados em competição, desde o de socorro e ajuda imediata, até ao de projetos de mais longo prazo que visam afetar as causas das desigualdades e promover transformações sociais e culturais positivas; e o equilíbrio entre o apoio a organizações consolidadas e com grande capacidade operacional mesmo em cenários complexos e também a pequenas associações que demonstram conhecimento e raízes reais nos contextos territoriais em que operam e uma atenção profunda a relações de cuidado próximas. Estamos agora empenhados em dar substância ao compromisso – ao qual o Sínodo nos encorajou fortemente – de destinar uma parte significativa do fundo especial residual criado para a emergência do Coronavírus às questões trabalhistas, com atenção particular à condição das mulheres e dos jovens ” . ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.