Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Representantes da eco-comunidade pedem “desarmamento climático”. Assembleia 2022, Nápoles

Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 – A assembleia bienal de ecocomunidades, que acaba de ser concluída em Nápoles, juntou-se à campanha pelo “desarmamento climático” por ocasião do Dia Internacional para prevenir a exploração do meio ambiente na guerra e conflito armado.

Além disso, outras 4 igrejas luteranas aderiram ao processo “eco” da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), promotora da iniciativa. Estas são as igrejas de Merano, Gênova, Florença e Nápoles.

Pedimos um comentário ao coordenador do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, após os três dias em Nápoles. Lacquaniti expressou sua satisfação com a entrada das novas comunidades e com o resultado da conferência, repleta de reflexões e propostas. Programada para 2023, uma série de conferências sobre trabalho e meio ambiente.

A bienal de eco-comunidades

“Entre presenças online e físicas, participaram cerca de 40 pessoas no primeiro dia e cerca de 30 no segundo dia. Também estamos muito felizes que alguns grupos tenham deixado temporariamente os trabalhos da Assembleia para participar da marcha pela paz em 5 de novembro, também realizada em Nápoles”, disse Lacquaniti.

O coordenador destacou as excelentes ideias teológicas que brotaram das intervenções do Kirsten Thielepastor luterano e vice-reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e da Hanz Gutiérrezteólogo e professor da Faculdade Adventista de Teologia.

Kirsten Thiele falou, entre outras coisas, da ética cristã como a ética da gratidão. Além disso, do conceito de “preservação”, uma vez que a salvaguarda da criação “não é tarefa exclusiva de Deus, mas exige que o homem respeite e proteja, guarde, mantenha e conserve o que Deus criou”. Não só a teologia, mas também a filosofia, quando Thiele fala em “Tornar o motivo corporal cosmológica e ecologicamente fecundo, para a coexistência de todas as criaturas”, sugerindo a ideia de um “organismo” que interliga Deus, a humanidade e o criado.

Lacquaniti continua: “Tanto Thiele quanto Gutierrez chamaram a atenção para a relação entre os seres humanos e a criação. Em particular, falamos sobre a visão antropocêntrica que, apesar de nossas boas tentativas, sempre permanece decisiva para provocar um desequilíbrio. Gutierrez abordou o tema da alteração do artigo 9º da Constituição. O que restará para as gerações futuras? Falamos de recursos, mas não mencionamos os direitos precisos do meio ambiente, que permanecem implícitos”. Gutierrez também introduziu a eco-teologia de Jurgen Moltmann. Falando do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, sublinhou que Deus “se limita”, no sentido de que limita o seu poder de se aproximar do homem. O homem deve fazer o mesmo com a criação.

Precisamos de uma conversão ecológica

No segundo dia, Maria Elena Lacquaniti continua, focada nas questões da transição energética e na necessidade de uma conversão ecológica e uma corajosa transição para a sustentabilidade, que deve ser feita imediatamente.

“Analisamos alguns dados – explica Lacquaniti – e ficamos surpresos com o fato de, por exemplo, ter havido um aumento significativo da produção de energia a partir de fontes renováveis ​​nos últimos dois anos, mas isso não corresponde a uma diminuição dos combustíveis fósseis. Por que? Como se a consciência de um fosse corrigida, mas um continuasse com o consumo habitual do outro”.

Das eco-comunidades vem o convite ao comportamento consciente e crítico. O objetivo é dar sentido à sustentabilidade, que deve se basear em três princípios cardeais: proteção ambiental, equidade e economia justa. “Não basta aumentar as renováveis, é preciso reduzir os combustíveis fósseis e mudar o consumo, senão esses princípios não serão cumpridos”, comenta Lacquaniti.

…a terra está lá, mas você não pode vê-la

Emanuele De Gasperis em seu relatório ele deu um panorama sobre sustentabilidade e o número de habitantes do planeta. Antigamente era criado para comer, mas hoje é “produzido” para comer. O conceito de produção tem impactos no ambiente e nos animais, com uma vertente ética que também, mas não só, diz respeito ao bem-estar animal. Basta pensar, relata Lacquaniti, que a vida útil de um frango orgânico é estimada em 80 dias, enquanto a de um frango em produção industrial é de 30 dias. “Não é com 50 dias de diferença que podemos ficar com a alma em paz” observa a coordenadora da GLAM, que no entanto convida a uma maior sensibilidade sobre que tipo de consumidores queremos ser. De Gasperis também falou das chamadas “fazendas caipiras”, uma expressão um tanto romântica ingênuo que lembra a imagem de galinhas alegres ciscando no terreiro, imagem distante da realidade de enormes gaiolas em bateria onde a terra está ali, mas não se vê.

Morrendo pela justiça ambiental

Foto: Wiki Commons Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Costa

O tema de como a agricultura industrial também se cruza com as guerras em curso que não vemos, nos levou a lembrar aqueles que morreram para proteger o meio ambiente. Entre eles, o jornalista Dom Phillips e o ativista brasileiro Bruno Pereira, assassinado em junho no Brasil enquanto investigava apropriações de terras de povos isolados. A Amazônia está em risco, consumida por políticas gananciosas que ameaçam levá-la a um colapso irreversível. “Contamos com Lula – diz Lacquaniti -, que escreveu em seu programa de governo que pretende proteger a Amazônia. O mundo está pendurado. Pensando na América Latina, na Amazônia, mas também no resto do mundo e na própria Itália, estamos falando de percentuais muito altos de extinção de animais silvestres e perda de biodiversidade (dados do WWF)”.

Futuro e presente, entre o trabalho e o ambiente

A coordenadora do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, conclui com uma nota de otimismo: “A relação com as eco-comunidades é esplêndida. Querem estar e manter-se em contacto, querem informar-se e participar num trabalho sistemático sobre estas temáticas, de forma constante e contínua. Um bom sinal e um bom começo para os próximos dois anos, até à próxima Assembleia. Para 2023 já planejamos uma série de iniciativas sobre trabalho e meio ambiente”.


Eco-comunidades

A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica na Itália há cerca de 30 candidatos ao diploma GLAM, de um grupo de mais de cem simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

O KultuuriKatel, a sede da Assembléia CEC em Tallinn / CEC photo site Roma (NEV), 5 de julho de 2023 – “Meus pronomes são eles/eles” é uma frase intraduzível em italiano: basicamente, significa que a pessoa que a pronuncia não quer ser dirigida nem ao masculino nem ao feminino. Uma maneira de traduzi-lo em nosso idioma é o uso do schwa (ə, ɜ) que, de fato, usei neste artigo. Porém, nunca tinha ouvido essa frase ao vivo, e nunca esperei ouvi-la durante oAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Européias (KEK) que aconteceu em Tallinn (Estônia) de 14 a 20 de junho, durante um workshop vespertino no qual falamos sobre nossas igrejas, os desafios que elas enfrentam na sociedade e como ser crentes hoje. Mas então, por que eu não deveria ter esperado isso? Talvez eu não saiba que as pessoas LGBTQIA+ existem em todos os contextos e, portanto, podem ser facilmente encontradas em uma Assembleia Ecumênica? De facto, o encontro não tardou: entre um workshop, um debate, um jantar, um momento de oração e um passeio por Tallinn, a certa altura apareceu um letreiro feito à mão, com um arco-íris desenhado, que convidou os presentes a participarem de uma noite indiscutivelmente temática queer. Gostaria de lembrar o que foi escrito, gostaria de ter fotografado; infelizmente, algumas horas depois, o sinal desapareceu. O logotipo do Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTQIA+ Alguém diz que é porque não era uma reunião oficial, outra pessoa porque a reunião teria acontecido no local usado como capela, onde de manhã e à noite nos reuníamos em oração. Cartel ou não cartel, a reunião, porém, transcorreu igual: não constava do programa oficial, semi-clandestino se quiserem, ao qual nos referimos então no dia seguinte chamando-o simplesmente "a reunião”, com uma piscadela final. O reunião foi em uma noite de domingo. Na manhã daquele mesmo dia, descobri que a Igreja Metodista da Estônia se retirou da Igreja Metodista Unida (UMC), a partir de 1º de julho de 2023, por “motivos de consciência e ética”. Agora, neste caso específico, como no caso de outras igrejas metodistas ao redor do mundo, esta frase significa que a única ideia que a Conferência Geral da UMC em 2024 pode considerar eliminar a afirmação de que "a prática da homossexualidade é incompatível com a vida cristã”, constitui motivo de ruptura entre as igrejas filiadas a esta denominação no mundo. Assim, a UMC ainda não "descriminalizou" oficialmente a homossexualidade, e já a Igreja Metodista da Estônia, assim como outras, decidiram abandoná-la. Apesar disso, há aspectos positivos, e não são poucos. Por exemplo, é claro que as pessoas LGBTQIA+ estão presentes em todos os níveis em todas as denominações cristãs e, portanto, também na Assembleia da CEC. Além disso, há grandes mudanças em curso que ocorrerão ao longo deste século e estamos apenas começando a ver: dentro do Exército de Salvação na Grã-Bretanha, por exemplo, um movimento de acolhimento e aceitação de identidades LGBTQIA+ foi ativado e há uma Fórum Cristão LGBTQIA+ que organiza encontros e eventos. Um distintivo de mordomo com a bandeira do arco-íris Para mim, o ponto alto foi ver tantos dos comissários muito jovens na convenção terem uma bandeirinha de arco-íris em seus crachás, e ver amizades e laços florescerem entre aqueles que tinham e aqueles que não tinham. Espero ver grandes coisas desta geração, que pratica o ecumenismo também nesta frente, de forma direta e sem tirar nada de sua fé e de seu compromisso com as igrejas. Nós do "encontro" criamos um pequeno grupo de Whatsapp para nos manter atualizados sobre o andamento das coisas, e espero muito que na próxima Assembléia do KEK o encontro seja oficialmente anunciado e esteja acessível e visível a todos aqueles que queiram trabalhar no sentido de um inclusivo e não repelente. ...

Ler artigo
Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Roma (NEV), 12 de novembro de 2020 – Chama-se “Boas novas. O Evangelho de Marco feito sob medida para você” o livro recém-lançado, fruto do trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do Serviço de Educação e Educação (SIE*) da própria FCEI e de Claudiana Editrice. O texto é o Evangelho de Marcos em edição especial facilitada, também indicada para crianças com Dificuldades Específicas de Aprendizagem (DSA), repleta de ilustrações, mapas, insights e curiosidades. "Uma boa notícia" foi apresentada online no passado dia 12 de novembro, num encontro promovido pela FCEI com a Riforma e apresentado pelo coordenador do SIE Gian Mário Gillio. O pároco e secretário executivo da FCEI Luca Barattomoderador do debate na web, explicou que "o protestantismo sempre sentiu que deveria quebrar todas as barreiras que poderiam impedir um relacionamento com a Bíblia". Para Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que assinou a apresentação do volume, o texto é "um trabalho de divulgação, que visa devolver o Evangelho de Marcos aos leitores, não só para pessoas com dificuldades de aprendizagem, mas que é muito adequado para aqueles que estão totalmente em jejum do mundo dos Evangelhos. Uma ferramenta verdadeiramente válida para a evangelização". "Ler todo o evangelho não é uma experiência comum, mesmo para quem frequenta a igreja", acrescentou. Eugênio Bernardini, presidente da editora Claudiana, que distribui este volume. Para Bernardini, “a esperança é que seja o quarto mais vendido da história entre Claudiana e FCEI. De fato, há 50 anos foi lançado "Conte a Bíblia para seus meninos", que fez grande sucesso na Itália e também recebeu um prêmio na exposição editorial infantil de Bolonha - e foram anos em que os protestantes eram menos conhecidos do que hoje. O segundo best-seller chegou anos depois, em 1998, "O povo do livro", 10 mil exemplares, mas o terceiro foi o maior sucesso, "O povo da Bíblia: vida e costumes", traduzido em 8 idiomas, impresso em 200 mil exemplares. Aqui então esperamos como Claudiana que também este livro possa continuar este caminho positivo”. Patrícia Barbanotti, professor primário, formado em História da Igreja e em Ciências Bíblicas e Teológicas pela Faculdade Valdense de Teologia de Roma, é o editor dos textos do volume. “Quem lê um trecho tem as ferramentas para lidar com todo o texto – disse -. Nossa esperança é que isso faça você querer ler tudo. Além disso, para nós que trabalhamos neste projeto tem sido uma lição de humildade poder simplificar o texto para pessoas que têm um léxico mais limitado. Esperamos ter contribuído para uma operação de alfabetização, trabalho que deveria ser feito também com muitos outros textos do Antigo Testamento, para transmitir sua beleza”. Ao lado de Barbanotti, Eric Noffke, que supervisionou o texto bíblico. Em um vídeo, o professor de Novo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Sociedade Bíblica Italiana explicou o motivo da escolha do Evangelho de Marcos "para começar com este que esperamos que se torne uma série para ajudar os leitores a entrar na Bíblia ", como "é um evangelho "simples por natureza", nascido precisamente para dar testemunho desta "boa nova". Noffke também sublinhou "a dimensão ecumênica deste projeto, a partir da tradução da Bíblia italiana da Reforma". E justamente por falar em ecumenismo, ela também falou no encontro online Silvia Guetta, professor da Universidade de Florença, estudioso da história da educação judaica, que apreciou "o compromisso com o diálogo, para criar pontes". “O que mais me impressionou – explicou – é a grande atenção na dinâmica relacional – na escuta e na fala – muito importante, um clima de relacionamento ativo com os discípulos, agora mais do que nunca assume um significado significativo”. Aqui fica o link para comprar o livro, cada exemplar custa 14,5 euros. *A SIE é o setor especializado na formação bíblica das jovens gerações no espírito ecumênico, da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais.  Do conflito à comunhão

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais. Do conflito à comunhão

Durante a audiência papal, o presidente da FLM presenteou o pontífice com um cálice e uma patena, prato utilizado para cobrir o cálice, confeccionado para a ocasião pelos irmãos da Comunidade Ecumênica de Taizé. O esmalte dos vasos eucarísticos foi feito com areia retirada do campo de refugiados Za'atari, na Jordânia, onde a Federação Luterana Mundial trabalha desde 2012 para apoiar refugiados sírios, deslocados internos e comunidades de acolhimento. Este presente, disse o presidente Musa ao papa, "representa nossa vocação para sermos um". Em seu discurso, Francisco agradeceu aos líderes luteranos pelos dons que, segundo ele, “evocam nossa participação na paixão do Senhor – e continuou –: Continuemos, portanto, com paixão nosso caminho do conflito à comunhão”. O líder da Federação Luterana liderou uma delegação de representantes de todas as regiões da comunhão global de igrejas: pela Igreja Luterana na Itália, o reitor, pároco Heiner Bludau E Cordelia Vitiello que é membro do conselho da FLM. A viagem segue um marco importante nas relações ecumênicas em 2016, quando o Papa Francisco se juntou aos líderes luteranos nas cidades suecas de Lund e Malmö para uma comemoração conjunta da Reforma. Em suas palavras ao papa, o arcebispo Musa afirmou que o caminho é "irreversível" e agora exorta católicos e luteranos a aguardar a comemoração da Confissão de Augsburgo na "esperança de nos reconectar com sua intenção ecumênica original". A Confissão de Augsburgo é a principal confissão de fé para as igrejas luteranas em todo o mundo. Inicialmente, foi apresentado como uma confissão ecumênica à Dieta de Augsburg em 25 de junho de 1530, em uma tentativa de restaurar a unidade religiosa e política dentro da igreja. Em seu discurso, o Papa Francisco também observou que a Confissão originalmente "representava uma tentativa de evitar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental", afirmando que esperava que a "reflexão compartilhada" no período que antecederá 2030 "possa beneficiar nosso ecumênico jornada". Refletindo sobre esse caminho, afirmou: “O ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Não depende de negociações e acordos humanos, mas da graça de Deus, que purifica memórias e corações, supera atitudes de inflexibilidade e nos orienta para uma comunhão renovada: não para acordos redutores ou formas de sincretismo irênico, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças". No discurso ao Papa Francisco, o líder da FLM recordou que 2021 marca também uma das “difíceis memórias” do passado: os 500 anos da excomunhão de Martinho Lutero pelo Papa Leão X. Enfatizando que não é possível contar uma história diferente, mas contá-la de forma diferente, Musa disse que a participação do papa na oração comum em Lund foi "um símbolo poderoso do que Deus realizou no caminho da reconciliação e o reconhecimento mútuo 'como irmãs e irmãos'”. Um grupo de teólogos católicos e luteranos está estudando o contexto histórico e teológico da excomunhão em preparação para a assembleia luterana em Cracóvia, Polônia, em 2023. O arcebispo agradeceu ao Papa Francisco por sua forte liderança durante a pandemia do COVID-19, "lembrando-nos de nosso profundo vínculo como família humana". Ele também destacou o fortalecimento da cooperação que o World Service (Serviço Mundial, braço ecumênico da Federação Luterana Mundial) e a rede católica de agências de ajuda e desenvolvimento estão engajados durante esta visita. O presidente da FLM também apresentou ao papa uma tradução italiana da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), assinada por católicos e luteranos em Augsburg, na Alemanha, em 1999. O presidente Musa qualificou o documento como uma “pedra angular” que agora “ reúne católicos, luteranos, metodistas, anglicanos e [chiese] reformados na proclamação conjunta e na oração”. "Através da oração (Taizé), do serviço (Za'atari) e do diálogo - concluiu Musa -, o Espírito Santo pode continuar a guiar-nos para que um dia nos possamos reunir à mesa onde Deus, pelo dom de Cristo, nos fez já um". Neste link você pode ler o discurso que o arcebispo Panti Filibus Musa fez na ocasião. Aqui, em vez disso, o discurso do Papa Francisco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.