Mensagem ecumênica para a presidência alemã da UE.  Europa é o futuro

Mensagem ecumênica para a presidência alemã da UE. Europa é o futuro

Heinrich Bedford-Strohm (à esquerda) e Georg Bätzing juntos pela primeira vez em “Sunday Word”. Um quadro do vídeo retirado de www.daserste.de

Roma (NEV/EKD), 25 de junho de 2020 – O bispo Heinrich Bedford-Strohmpresidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), e o bispo Georg Batzingpresidente da Conferência Episcopal Alemã, encorajou a presidência alemã do Conselho da União Européia para que o futuro dos povos na Europa seja “europeu”, e não deixado apenas aos Estados-nação.

No contexto da presidência alemã do Conselho a partir de 1º de julho de 2020, os políticos alemães devem “moldar o futuro de nosso lar europeu comum com responsabilidade pela coesão europeia”.

“Somente uma Europa unida pode superar as consequências sociais, econômicas e sociais da pandemia do coronavírus”, comentaram Dom Bedford-Strohm e Dom Bätzing.

Ninguém ganha – acrescentam – com as tentativas nacionais de seguir em frente sozinhas, egoisticamente e jogando a culpa umas nas outras; a preocupação deve ser, ao contrário, enfrentar os grandes desafios com espírito de solidariedade europeia”. Como o maior e economicamente mais forte estado membro da UE, a Alemanha, através da presidência do Conselho, tem a oportunidade de desempenhar um papel de liderança no espírito de primus inter pares”.

Os dois bispos sublinham explicitamente que o caminho já percorrido rumo a uma sociedade com impacto neutro no clima deve ser percorrido com determinação, a biodiversidade deve ser preservada e o meio ambiente deve ser protegido. A pandemia de coronavírus está afetando especialmente os países estruturalmente desfavorecidos e as camadas mais pobres da população.

“Consequentemente, a presidência do Conselho deve ser uma oportunidade para apoiar os países mais afetados, mesmo fora da UE. Uma expressão clara da responsabilidade europeia pelo bem comum global seria, por exemplo, uma iniciativa social e ecológica para a criação de cadeias produtivas alinhadas com os direitos humanos”, escrevem os bispos.

Outros temas para a presidência alemã do Conselho, segundo as Igrejas, são a digitalização, abrindo perspectivas para as gerações mais jovens, uma política de asilo justa e solidária, garantindo a democracia e o estado de direito em sociedades pluralistas.

Bedford-Strohm e Bätzing concluem: “Durante sua presidência no Conselho da UE, a Alemanha pode tomar iniciativas voltadas para o futuro para dar respostas europeias aos atuais desafios europeus e globais. Nestes tempos difíceis, a integração europeia precisa urgentemente de um novo impulso”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Roma, (NEV/Reforma), 28 de janeiro de 2019 – No mês de dezembro demos conta do apoio que a igreja valdense de Pisa deu à hipótese de construção de uma mesquita. Nos últimos dias, uma carta anônima expressou ameaças dirigidas a um círculo Pd, a diocese e a própria igreja valdense, que responde da seguinte forma: “Quando nos posicionamos a favor da liberdade de culto para todos e, portanto, também a favor da construção da mesquita em Pisa, sabíamos que nem todos gostariam de nossa opinião. No entanto, não esperávamos, e nos preocupamos, que alguém pensasse em responder com uma carta anônima ameaçando explodir o círculo Pisanova-Cisanello Pd, o conselho pastoral diocesano e nossa Igreja por causa das posições expressas em favor da liberdade de expressão adorar. Somos solidários com o círculo Pd e o conselho pastoral diocesano que foram ameaçados junto conosco - e retribuímos sua solidariedade, assim como agradecemos a ACLI, Agesci, a Rede de estudantes do ensino médio, a União Universitária, o Prefeito, Una città in Comune, Sinistra per e os muitos concidadãos que expressaram sua solidariedade conosco. Naturalmente este episódio não muda o nosso compromisso com a liberdade de culto, tanto dos muçulmanos como de todos os outros, que, além de ser um princípio essencial para a nossa forma de viver a fé cristã, é garantida pela Constituição do nosso país. Não vivemos e não viveremos com medo, apesar das ameaças, não porque nos sintamos fortes ou poderosos, mas porque confiamos no Deus da paz e do diálogo. Como diz o Salmo 27: “O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem temerei? O Senhor é o baluarte da minha vida, de quem terei medo?”. Estamos à disposição para discutir o assunto com quem discordar de nós, tiver a coragem de suas declarações e estiver disposto a se confrontar civilizadamente. Em vez disso, vamos apresentar queixa contra aqueles que, esgotados os argumentos, recorreram às ameaças. O Conselho da Igreja Evangélica Valdense de Pisa – 27 de janeiro de 2019 Palavras de solidariedade vieram, entre outras coisas, do prefeito de Pisa Michele Conti e da ANPI. ...

Ler artigo
batistas europeus.  Juntos, de Portugal à Rússia

batistas europeus. Juntos, de Portugal à Rússia

EBF Photos, Council 2022 - Riga (Letônia) Roma (NEV), 29 de setembro de 2022 – O Conselho da Federação Batista Europeia (EBF) concluiu em 24 de setembro em Riga (Letônia). O corpo reúne cerca de 800.000 membros de 59 sindicatos de 52 países da Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Da Itália, John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). E o pastor evangelista Ivano De Gasperis, secretário do Departamento de Evangelismo. Cerca de 140 delegados estiveram presentes. A EBF reúne a família Baptista de Portugal à Rússia, passando pelo Báltico, pelo Médio Oriente, até à Eurásia. A partir da esquerda: Ivano De Gasperis, Elijah Brown e Giovanni Arcidiacono Falou-se de guerra e paz, missões, compromisso humanitário, fé, amor, amizade, colaboração, partilha. O pastor De Gasperis relata: “Diversas abordagens se encontraram em Riga. Existe o anglo-saxão, direto e sintético. Depois, há a marca do Oriente Médio das igrejas libanesas. E novamente, nossa modalidade, sistemática e historicista. Cada um destacou suas próprias qualidades. A presença dos jovens é muito grande”. A contribuição da presença italiana foi expressa, entre outras coisas, em questões de solidariedade. Além disso, continua o pastor De Gasperis, “foi lançado um grito de alarme a respeito dos nacionalismos”. Outro elemento importante é o da "necessidade de colaboração entre as Igrejas. Somos uma União pequena e marginal e precisamos de trabalhar em rede com grandes e pequenas comunidades europeias”. “A Europa – continua De Gasperis – não é uma ilha, mas uma parte importante de uma família global”. A delegação italiana também destacou a importância de projetos como o Medical Hope, o projeto de saúde financiado principalmente pelas igrejas batistas italianas. É realizado dentro do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Mediterranean Hope (MH). “O trabalho a ser feito na migração é enorme – diz De Gasperis -. O tema é crucial, deve ser reiterado. Este é o horizonte internacional que enfrentamos e que nos vê envolvidos como batistas na linha de frente, junto com as Federações”. Dois novos presidentes Em um de seus relatórios "sociais", o pastor De Gasperis também destacou as novas nomeações. Dois novos líderes foram eleitos para presidir duas Comissões diferentes. Einike Pilli (Estônia) e Juliet Kilpin (Grã Bretanha). Comissão de Teologia e Educação Einike Pilli foi eleita presidente da Comissão de Teologia e Educação. Ela é diretora deSeminário Teológico da Igreja Livre da Estônia, diaconisa, pregadora e vice-presidente do Conselho de Administração da Igreja Batista Tartu Salem. Além disso, é membro da Comissão de Nomeação da EBF, sócio ativo do CEBTS e do IBTS. Ela é uma das criadoras do 'Transform', o programa de treinamento EBF para jovens líderes de geração. comissão de migração Em vez disso, Juliet Kilpin foi eleita para a Comissão de Migração. Juliet é uma ministra batista na União Batista da Grã-Bretanha (BUGB) e membro do grupo de trabalho EBF Migration desde a sua formação em 2016. Ela está profundamente envolvida com o movimento de assistência a refugiados no Reino Unido e no norte da França. Kilpin está envolvido em trabalhos relacionados ao serviço de migrantes em toda a Europa. “Estamos muito satisfeitos por ter Juliet e Einike como novos presidentes de suas respectivas comissões da EBF e estamos entusiasmados por trabalhar junto com eles”, comenta De Gasperis. 230 novas igrejas Entre as novidades, a fundação de 230 novas igrejas. De Gasperis escreve: “Através da parceria missionária, 230 foram fundadas nos últimos 20 anos na Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Mais de 80% dessas igrejas ainda servem a congregação hoje e 16% das igrejas plantadas se multiplicaram iniciando 38 novas igrejas. Saiba mais em: ebf.org/mp Ucrânia Um espaço significativo foi finalmente dedicado à Ucrânia. Igor Bandura, vice-presidente da União Ucraniana de Associações de Cristãos Evangélicos-Baptistas, compartilhou algumas notícias sobre a situação. Bandura expressou, entre outras coisas, grande gratidão pelo apoio da família EBF e da Baptist World Alliance (ABM-BWA). Além disso, agradeceu às comunidades europeias pela forma como acolheram os refugiados da Ucrânia. “Como podemos imaginar, o desafio ainda é enorme. Sete meses se passaram desde o início da guerra na Ucrânia. Muitos perderam suas casas, famílias e vidas. Quase 200 igrejas não podem continuar os cultos de domingo e 46 prédios de igrejas foram destruídos. 250 pastores tiveram que deixar suas igrejas por vários motivos relacionados à guerra”, destaca o pastor De Gasperis. O Conselho aprovou uma nova resolução antiguerra, nos moldes da já formulada pela ABM-BWA. A EBF é uma das seis regiões da Aliança Batista Mundial. Para saber mais, baixe o Livro de Atos (tradução automática). Conselho EBF 2022 LIVRO digital FINAL-2. Leia também o artigo: O significado da AME hoje. Próxima nomeação para batistas europeus e mundiais, no próximo ano na Noruega. ...

Ler artigo
XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

Roma (NEV), 23 de outubro de 2018 - "Nenhuma mesquita é ilegal", é o lema do XVII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, que será celebrado em toda a Itália no dia 27 de outubro. “Nossa sociedade – lê-se no apelo de 2018 – está permeada por uma feroz islamofobia. É racismo de base religiosa […] Queremos reafirmar que nenhuma mesquita é ilegal", dizem os promotores, lembrando que a liberdade religiosa também não pode ser "subordinada a normas urbanísticas" - como as recentes leis regionais significativamente denominadas "anti-mesquitas", e que na realidade atingem todos religiões sem distinção -, nem pode ser "submetida a referendo". As igrejas protestantes também participam do Dia, promovendo iniciativas em toda a Itália. Um dia que é “uma oportunidade para continuar e consolidar a compreensão mútua, a reflexão e o compromisso comum sobre várias questões que questionam a consciência dos cidadãos e dos crentes”, explicou. Pawel Gajewskipastor valdense em Terni e Perugia e coordenador da Comissão de Diálogo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Muitas vezes – apontou Gajewski – nossas igrejas se encontram trabalhando lado a lado com as comunidades muçulmanas no campo da integração e inclusão. É uma experiência que também fortalece os laços ecumênicos com outras igrejas cristãs, em particular com as paróquias católicas presentes na região”. A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - disse o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui um desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. Entre as nomeações, destacamos as seguintes iniciativas. TURIM. Sábado, 27 de outubro de 2018, das 18h45 às 21h, encontro na Mesquita Mohammed VI organizado pela rede de diálogo cristão islâmico de Turim para o Dia do mesmo nome, ao qual também se juntaram as igrejas batistas de Turim-Lucento e Venaria. Via Gênova 268b. SÉRDIO (AC). Quinta-feira, 25 de outubro de 2018, a partir das 18h, reunião sobre "Direito de culto e boa cidadania: nenhuma mesquita é ilegal!" com o pastor batista Elizabeth Green E Omar Zaher, seguida de oração comum e momento de convívio. Localização S'Otta. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.